Quais cursos é possível entrar com 800 pontos no Enem? 

Com 800 pontos no Enem, diversas opções de cursos e instituições se abrem para sua entrada no ensino superior, incluindo Medicina, oferecendo um leque de possibilidades para impulsionar sua jornada acadêmica.

Com 800 pontos no Enem, as possibilidades de ingresso no ensino superior abrangem diversos cursos e instituições. É claro que esta é uma nota de corte considerada alta, mas como você pode maximizar suas chances e explorar todas as oportunidades disponíveis com essa pontuação? 

Continue lendo para analisar estratégias, programas de ingresso e possíveis benefícios que uma nota tão expressiva pode proporcionar para impulsionar sua carreira acadêmica.

Notas de Corte: significado e aplicação

A nota de corte corresponde à mínima exigida para a elegibilidade às vagas oferecidas pelas instituições de ensino superior através de programas governamentais como o Sisu, Prouni e Fies.

Esta pontuação é estabelecida considerando a competitividade e a quantidade de vagas disponíveis em cada curso e universidade.

Por exemplo, suponha que a pontuação de corte para um curso de Engenharia em uma universidade específica seja de 800 pontos no Enem. Isso implica que atingir ou ultrapassar essa pontuação é fundamental para concorrer a essa vaga. Não atingir este patamar reduz as chances de seleção para este curso.

Essa referência é variável, modificando-se a cada processo seletivo dependendo da demanda e do desempenho dos candidatos.

A nota de corte é crucial tanto para ingressar em universidades públicas quanto para acessar bolsas e descontos em instituições privadas. Por exemplo, em 2023, 800 pontos garantiram vaga no curso de Direito da Universidade Estadual do Norte do Paraná pelo Sisu, na modalidade Ampla Concorrência.

Portanto, 800 pontos no Enem são um excelente indicador para começar uma graduação.

800 pontos no Enem e as notas de corte do Sisu 2023

Anualmente, o Sisu abre oportunidades para ingresso em universidades públicas e federais de todo o Brasil. A seleção é pautada nos resultados do Enem e varia conforme a quantidade de vagas disponíveis por curso e modalidade de concorrência. 

Como as médias das notas de corte do Sisu 2023 já estão disponíveis, é possível ter uma ideia dos cursos nos quais seria viável competir com 800 pontos no Enem, ou mesmo com pontuações abaixo dessa marca.

Listamos as 10 menores notas de corte na modalidade de Ampla Concorrência, para que você possa visualizar as oportunidades de ingresso:

  • Engenharia Biomédica: 750,14 – Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
  • Direito: 750,15 – Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP)
  • Medicina Veterinária: 750,46 – Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • Odontologia: 751,2 – Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Arquitetura e Urbanismo: 751,32 – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
  • Relações Internacionais: 751,93 – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
  • Engenharia da Computação: 752,12 – Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Engenharia Mecânica: 753,58 – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Fisioterapia: 753,73 – Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
  • Medicina: 778,17 – Universidade do Estado de Mato Grosso Carlos Alberto Reyes Maldonado (UNEMAT)

Viu só? Até o curso de Medicina tem nota de corte na faixa dos 800 pontos no Enem! As possibilidades são sempre maiores quando o seu desempenho é bom!

Confira as notas de corte do Sisu para todos os cursos e universidades. 

Caso você queira entender melhor como funcionam as notas de corte, assista ao vídeo que preparamos: 

Como as recentes mudanças no Sisu vão impactar a sua decisão

Para 2024, o Sisu vai passar por algumas mudanças bem importantes no que tange à frequência do processo seletivo e às atualizações na Lei de Cotas. 

Isso vai impactar o modo como você faz as suas escolhas. Entenda melhor: 

Sisu em edição única

A concentração das vagas do Sisu em uma única edição, a ser realizada em janeiro, representa um novo paradigma no processo seletivo para ingresso nas universidades públicas. 

Tradicionalmente, o sistema oferecia vagas em duas etapas, uma no início e outra no meio do ano. No entanto, essa prática acarretava desafios significativos para as instituições de ensino, muitas vezes resultando em uma ocupação desigual ao longo do ano letivo.

Com essa mudança, o objetivo principal é otimizar a distribuição e ocupação das vagas. Ao concentrar todas as ofertas de cursos no início do ano, o Ministério da Educação almeja promover uma gestão mais eficiente das matrículas. Isso possibilita às universidades uma melhor organização de turmas e recursos, evitando desequilíbrios entre os semestres letivos e contribuindo para uma distribuição mais equitativa dos estudantes ao longo do calendário acadêmico.

Essa medida também busca lidar com a crise de ociosidade que afeta diversas instituições federais, uma vez que nos últimos anos houve um declínio no número de alunos matriculados, resultando em salas de aula subutilizadas e cursos com vagas ociosas. 

Disputa de vagas na Ampla Concorrência

Essa alteração no processo seletivo do Sisu redefine o modo como os candidatos cotistas concorrem às vagas. 

A mudança na Lei de Cotas estabelece que os candidatos beneficiados por qualquer um dos critérios devem, primeiramente, ingressar na disputa pela ampla concorrência. Isso significa que todos têm a oportunidade de concorrer em pé de igualdade com os demais candidatos, independente da política de cotas.

Essa modificação tem um impacto significativo, já que amplia as chances dos cotistas de ingressar primeiramente na disputa pela ampla concorrência. Assim, se esses estudantes obtiverem uma nota suficiente para se classificar nesta categoria, teoricamente, abrirão mais vagas dentro do sistema de cotas, ampliando a equidade no processo seletivo.

Queda na linha de corte socioeconômica

Essa redução na exigência da renda familiar mensal per capita de 1,5 para apenas 1 salário mínimo representa uma abertura significativa para os candidatos com condições socioeconômicas mais limitadas. 

Ao reduzir esse limite, mais estudantes de famílias com menor poder financeiro se tornam elegíveis para concorrer a metade das vagas destinadas aos cotistas. 

Isso amplia consideravelmente as oportunidades de ingresso para aqueles que enfrentam dificuldades financeiras, permitindo uma maior representatividade e inclusão de perfis sociais diversos no ambiente acadêmico.

Todas estas alterações, junto à inclusão dos quilombolas nas cotas raciais, abrem novas perspectivas para os candidatos e buscam criar um sistema mais inclusivo e justo no acesso à educação superior, beneficiando especialmente os estudantes provenientes de ambientes socioeconômicos mais desfavorecidos.

Como você viu, as mudanças no Sisu 2024 estão redefinindo as regras do jogo para o ingresso nas universidades públicas. E, se você fizer 800 pontos no Enem, a probabilidade de ingressar no curso dos sonhos é muito grande! 

Melina Zanotto

Melina Zanotto é Jornalista, formada pela Universidade de Caxias do Sul em 2007. De lá para cá, sempre atuou com conteúdo digital em seus mais diversos formatos. Hoje, é redatora da Rede Enem, produzindo textos para o Blog do Enem e Curso Enem Gratuito.
Categorias: Enem, Sisu
Encontrou algum erro? Avise-nos para que possamos corrigir.

Sisugapixel

Sisugapixel