Enem: tudo o que você precisa saber sobre a prova

O Enem é uma prova realizada pelo Inep, autarquia vinculada ao Ministério da Educação. A nota do Enem vale como porta de entrada para universidades públicas e particulares através de sistemas como o Sisu, Fies e ProUni.

A importância do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) só cresce a cada ano. A tendência é que a prova substitua definitivamente o vestibular, que está sendo substituído pelo Sisu e já deixou de existir em várias universidades.

Além disso, a nota do Enem também serve para concorrer ao Prouni e ao Fies. Nesse guia completo da prova do Enem, te contamos tudo sobre a prova e as principais dicas para conquistar uma ótima nota!

O que é o Enem?

Primeiramente, vamos entender de onde surgiu o exame. Assim, o Enem é uma prova nacional, criada em 1998. Ela é realizada pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), uma autarquia vinculada ao MEC (Ministério da Educação).

No início, a prova tinha como objetivo avaliar o desempenho dos alunos que tinham acabado de concluir o Ensino Médio. Mas, a partir de 2004, a nota do Enem começou a ser utilizada por alguns vestibulares: seja para ingresso direto na universidade ou acréscimo de pontos.

Em 2010, foi criado o Sisu (Sistema de Seleção Unificado), que permitia que os alunos utilizassem a nota do Enem para concorrer a diversas vagas em universidades públicas. Conforme as universidades aderiam ao Sisu, o Enem ganhava mais importância, até chegar ao patamar de exame educacional mais completo do país!

Mas muitos estudantes se perguntam: vale a pena mesmo fazer o exame? Então veja nosso vídeo e continue no texto para entender porque a prova é tão essencial para seu futuro.

https://youtu.be/Y4Mjrtr78RY

Nota do Enem para entrar nas universidades

Muitos alunos têm dificuldade em entender o que é o Enem e a sua importância. Isso ocorre porque o Enem abre inúmeras portas aos seus candidatos. O Sisu, por exemplo, permitiu que muitos vestibulares fossem substituídos pelo Enem. Isso tornou o acesso à educação muito mais amplo no país, já que alunos do Maranhão, por exemplo, podem tentar vaga em universidades do Paraná.

Antes, era necessário viajar até as cidades onde as provas eram aplicadas, o que dificultava em muito a vida dos estudantes. Todavia, alguns vestibulares ainda continuam aplicando a sua prova, como é o caso da USP (Universidade de São Paulo), UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), entre outras.

No entanto, mesmo as faculdades que mantêm o vestibular próprio adotaram sistemas mistos: em alguns lugares, a pontuação do candidato leva em conta a nota do Enem; em outros, uma parte das vagas é reservada para o Sisu (como é o caso das universidades citadas acima).

Além disso tudo, com a nota do Enem você pode concorrer a bolsas de estudos pelo Prouni, financiamentos estudantis pelo Fies e concorrer a vagas em universidades de Portugal. Entenda mais no vídeo abaixo:

Quem pode participar

Todos os estudantes que estão no Ensino Médio ou que já concluíram o ensino básico podem participar da prova do Enem. Se você está no 1º ou 2º ano do Ensino Médio, poderá fazer a prova como treineiro. Ou seja, você não poderá usar a sua nota para ingressar em alguma universidade. Isso só é permitido para estudantes que já concluíram ou que estão no 3º ano.

Os alunos podem optar por fazer a prova do Enem impressa, que acontece em dois dias, ou se inscrever no Enem Digital. Vamos entender a diferença entre essas provas.

Prova do Enem

Os estudantes realizam as provas impressas durante dois domingos consecutivos, totalizando 180 questões. Ou seja, 90 em um dia e 90 em outro (mais a redação). As provas são divididas entre áreas de conhecimento, mas o Enem é famoso por valorizar questões interdisciplinares.

Nesse sentido, muitas questões abordarão temas da Filosofia, mas com pitadas de temas de História, Geografia ou Biologia, por exemplo. Por conta disso, o Enem é uma prova que exige bastante raciocínio e interpretação de texto. Além disso, ele também acaba sendo uma prova de resistência por conta do número de questões.

Todas as questões são de múltipla escolha, contendo 5 alternativas diferentes. Apenas uma é a correta e será aquela que você deverá marcar no seu gabarito.

Primeiro dia de prova do Enem

No primeiro dia de prova, o aluno responderá 45 questões de Ciências Humanas e suas Tecnologias, além de 45 questões de Linguagem, Códigos e suas Tecnologias.

Ciências Humanas e suas Tecnologias englobam as disciplinas de Geografia, História, Filosofia e Sociologia. Enquanto que o outro grupo engloba Língua Portuguesa, Literatura, Língua Estrangeira, Artes, Educação Física e Tecnologias da Informação e Comunicação.

Além disso, a prova de Linguagens também conta com uma redação no formato de texto dissertativo-argumentativo. A redação deve ter no máximo 30 linhas e precisa respeitar as normas gramaticais bem como propor soluções ao problema apresentado no enunciado.

Nesse primeiro dia, a duração da prova do Enem é de 5 horas e 30 minutos. Não há prazo extra.

Segundo dia de prova

No segundo dia de prova do Enem, os estudantes terão 45 questões de Ciências da Natureza e suas Tecnologias e 45 questões de Matemática e suas Tecnologias.

Ciências da Natureza e suas Tecnologias englobam questões de Física, Química e Biologia enquanto que Matemática e suas Tecnologias traz exercícios apenas de Matemática.

No segundo dia, o aluno tem apenas 5 horas para resolver as 90 questões. Assim como no primeiro dia, não há prazo extra para completar a prova do Enem.

Enem 2021

Depois de muitas reviravoltas envolvendo as datas do Enem 2021, o edital finalmente foi publicado prevendo a realização das provas ainda este ano. De acordo com o documento, tanto o Enem impresso quanto o Enem digital serão aplicados nos dias 21 e 28 de novembro de 2021. Por sua vez, as inscrições serão realizadas entre os dias 30 de junho e 14 de julho. Ademais, o período para fazer o pedido de isenção já se esgotou.

Além das datas, o edital do Enem 2021 também prevê as regras para a realização do exame. No documento, estão previstas determinações como o uso obrigatório de máscaras.

Enem digital

A partir de 2020, o MEC anunciou que os alunos poderão optar por fazer o Enem digital. Essa escolha é feita durante o período de inscrições no Enem e não poderá ser trocada. Por isso, preste bastante atenção ao escolher a melhor opção para você.

O Enem digital nada mais é que a aplicação do Enem através de computadores, substituindo a versão impressa. No Enem digital de 2021, serão oferecidas cerca de cem mil vagas para os candidatos que desejarem fazer a versão digital da prova. A participação no Enem digital é opcional, ou seja, por enquanto ninguém é obrigado a fazer o Enem digital. A escolha entre o Enem impresso e o Enem digital será realizada no momento da inscrição.

Diferenças entre o Enem digital e o impresso

Por serem em datas diferentes, o Enem digital não terá as mesmas questões que a versão impressa. Ou seja, serão 180 questões completamente diferentes, além de outro tema de redação. De qualquer forma, a prova digital terá o mesmo formato que a impressa. Todavia, a redação ainda deverá ser feita de maneira manuscrita.

Embora as questões das provas impressa e digital sejam diferentes, o nível de dificuldade e o tempo para a resolução das provas serão os mesmos. Assim, a igualdade no processo seletivo será garantida pela TRI (Teoria de Resposta ao Item).

Os computadores utilizados na versão digital do Enem serão fornecidos pelos locais de prova. Por isso, os locais de prova do Enem digital deverão apresentar infraestrutura adequada para que os estudantes possam realizar o Exame sem problemas.

E, apesar de a prova ser realizada em computadores, estes só terão acesso ao sistema de prova, de maneira que os candidatos não consigam acessar a internet. Saiba mais sobre o Enem digital no vídeo abaixo:

Edital do Enem

Cada ano de realização da prova do Enem conta com um edital diferente. É nele que consta todas as regras da prova, além das datas, valor das inscrições no Enem, entre outras informações importantes. O documento costuma ser longo, mas é interessante que o aluno dê uma olhada nas partes principais do edital do Enem.

O edital do Enem 2021 ainda foi publicado no dia 2 de junho. Nele, estão previstas as regras e o cronograma do Enem 2021.

Cronograma do Enem 2021

Com o edital publicado, o cronograma do Enem 2021 agora é oficial. Veja como ficaram as principais datas:

  • Inscrições: 30 de junho a 14 de julho
  • Pagamento da taxa de inscrição: até 19 de julho
  • Aplicação das provas: 21 e 28 de novembro

Além das datas acima, o edital do Enem 2021 também prevê os prazos para fazer a solicitação de atendimento especializado e de tratamento pelo nome social.

Solicitação de atendimento especializado

  • Solicitação: 30 de junho a 14 de julho
  • Resultado: 23 de julho
  • Recurso: 26 a 30 de julho
  • Resultado do recurso: 4 de agosto

Solicitação de tratamento pelo nome social

  • Solicitação: 19 a 23 de julho
  • Resultado: 30 de julho
  • Recurso: 2 a 6 de agosto
  • Resultado do recurso: 11 de agosto

Uso de máscaras no Enem 2021

Em virtude da pandemia, o edital prevê o uso obrigatório de máscaras no Enem 2021. De acordo com o item 11.1.7 do edital, o candidato deve se apresentar no local de provas “com a máscara de proteção à Covid-19, sob pena de ser impedido de realizar o Exame”.

O edital prevê ainda que a máscara deve cobrir totalmente o nariz e a boca do participante, desde a sua entrada até sua saída do local de provas. Ainda, será permitido que o participante leve máscara reserva para troca durante a aplicação.

Enem inscrição

As inscrições do Enem abrem uma vez por ano e são feitas inteiramente online, por meio do site oficial do exame. As datas de inscrição são sempre divulgadas no edital oficial, portanto, só confiem em informações que venham desse documento.

Existe um passo a passo simples para se inscrever no Enem. Você pode entender direitinho o passo a passo com o nosso guia de como se inscrever no Enem.

Você precisa ficar atento, pois a cada ano existe uma nova taxa de inscrição no Enem. Por isso, vamos ao próximo tópico.

Taxa de inscrição no Enem

A prova do Enem de 1998 (a primeira de todas) custou apenas R$ 20,00 para os inscritos. Esse número foi aumentando conforme as necessidades da prova e o aumento da importância do Enem. No Enem 2021, o valor da inscrição será de R$ 85,00.

Primeiramente, precisamos considerar que esse não é um valor acessível a todos os estudantes. É por conta disso que existe a isenção de inscrição no Enem, que falaremos em seguida.

Todavia, é importante ressaltar que a inscrição no Enem é muito mais barata do que para a maioria dos vestibulares que ainda existem no Brasil. A Fuvest, por exemplo, cobra R$ 182,00 dos candidatos. Já a Unicamp cobra R$ 170,00.

Outro ponto importante é o pagamento da sua inscrição. Ele deverá ser feito até a data limite que consta no seu boleto, caso contrário você perderá o direito de fazer a prova do Enem.

Isenção Enem

Para alunos que não podem pagar a taxa de inscrição, existe a opção de isenção no Enem. Ou seja, o aluno não precisará pagar os R$ 85,00 cobrados na edição de 2020, por exemplo.

Como ter a isenção no Enem?

Para ter a isenção no Enem, é preciso fazer o pedido de isenção na página do participante. No entanto, somente alguns candidatos têm direito à isenção.

Alunos de escolas particulares, por exemplo, que possuam renda inferior a 1,5 salário mínimo per capita e que estudaram todos os anos do Ensino Médio como bolsistas integrais podem pedir a isenção.

Além disso, candidatos que já concluíram o Ensino Médio em anos anteriores podem ficar isentos, todavia é necessário comprovar renda familiar inferior a 1,5 salário mínimo por pessoa, bem como ter cursado o Ensino Médio em escola pública.

Outra opção é para os candidatos cadastrados no CadÚnico. Para isso, é preciso solicitar a isenção durante a inscrição no Enem apresentando seu Número de Identificação Pessoal (NIS). Se você ficou com alguma dúvida, confira nosso passo a passo de como ter a isenção no Enem.

 

Enem seriado

O Enem seriado é a aplicação de provas ao final de cada ano do ensino médio, em vez de uma prova única que avalia todo o conteúdo de uma vez só.

Ou seja, no 1º ano do ensino médio os alunos fazem uma prova que avalia o conteúdo do 1º ano; no 2º ano, fazem uma prova que avalia o conteúdo do 2º ano; e, no 3º, uma prova que avalia o conteúdo do 3º ano. Assim, no Enem seriado, a nota do Exame será calculada com base na pontuação obtida nas provas do 1º, 2º e 3 anos. A nota do Enem seriado poderá ser usada para participar do Sisu, do ProUni e do Fies.

A proposta do Enem seriado é avaliar os conhecimentos dos estudantes em maior profundidade, já que, fazendo três provas, será possível abordar mais conteúdos do ensino médio. Desta forma, o Enem seriado avaliará toda a trajetória do candidato durante o ensino médio, e não apenas seus estudos durante o terceiro ano ou o cursinho.

A primeira edição do Enem seriado será em 2021, com a aplicação da prova para os estudantes do primeiro ano do ensino médio. De acordo com o Inep, em 2021 o Enem seriado será facultativo e a partir de 2022 a participação dos alunos será obrigatória.

Contudo, o Enem seriado não irá substituir o Enem tradicional. Este continuará existindo, inclusive como alternativa para os estudantes que não tiverem participado do Enem seriado ou quiserem uma nova chance de tirar uma boa nota para participar do Sisu, ProUni e do Fies.

Como estudar para o Enem

De antemão, é necessário compreender e aceitar que você precisará de bastante tempo de estudo para ter um bom desempenho no Enem. Isso pode variar de acordo com o curso que você deseja ingressar. Por exemplo, um estudante que almeja entrar em Medicina terá que estudar muito mais que um aluno que deseja estudar Letras.

Isso não significa que Letras não seja um curso difícil, muito pelo contrário. A questão aqui é que as notas de corte desse curso apresentam bastante diferença. Então, dica para o Enem número 1: tenha em mente o seu objetivo e o quanto ele custará para você.

A partir disso, é importante mensurar e sempre manter viva a sua motivação. Lembre-se dos motivos pelos quais fizeram você decidir prestar o Enem e o quanto aquele curso é o seu sonho / vontade.

O segundo passo é estabelecer o seu método de como estudar para o Enem. Cada pessoa é diferente da outra, então não adianta se basear no modelo adotado pelo seu melhor amigo, por exemplo. Às vezes você prefere estudar as matérias durante a noite, enquanto ele é extremamente matinal.

Além disso, é importante contar com um plano de estudos. Assim, para estudar para o Enem 2020 você terá que ser bastante organizado, dedicado e contar com o melhor conteúdo possível.

Aproveite também para conferir o nosso post de dicas de como se preparar faltando apenas 100 dias para o Enem!

Método de estudo para quem faz cursinho

Vamos dividir essa parte de método em duas, porque existe muita diferença entre estudar com um cursinho e estudar para o Enem em casa. Se você estuda em um cursinho, provavelmente tem aulas todos os dias em uma grade horária extensa. Muitas vezes, os cursinhos são integrais.

No meio de tantas aulas, é muito importante que você revise o conteúdo. Ver apenas em sala de aula pode não ser o suficiente para você, de fato, assimilar o conteúdo. Dessa forma, reserve um tempo do seu dia para ler o conteúdo da matéria estudada no dia e resolva exercícios.

resumos para estudar Enem
Exemplo de resumo para revisar o conteúdo visto no dia. Esse e mais resumos você encontra no Instagram @cursoenemgratuito.

Não pule a parte dos exercícios! Não tem como estudar para o Enem sem resolver centenas, quiçá milhares de exercícios. Isso porque o Enem é uma prova de resistência, com 180 questões que terão que ser respondidas no menor tempo possível para você conseguir completar a prova. Então treinar é essencial.

Uma das maneiras de treinar é resolvendo os exercícios das suas apostilas ou acessar nossas listas de exercícios, os chamados Simulados do Enem.

Como estudar para o Enem sozinho?

Em 2020 e em 2021, muitas mudanças ocorreram por conta do coronavírus. As escolas estão há meses fechadas e, em muitos estados, não há previsão de retorno. Por conta disso, muitos estudantes deixaram de frequentar as aulas e acompanhá-las de maneira online. Ou seja, tornou-se comum estudar para o Enem sozinho em 2021.

Por isso, é de suma importância aprender como estudar para o Enem em casa. Além dessa parcela de alunos, muitos já se formaram no Ensino Médio e não tem condições de pagar um cursinho. Por isso, trouxemos diversas dicas para você conseguir se organizar no meio do caos de tantas disciplinas do Enem.

A primeira, e uma das mais valiosas, é saber quais são os temas que o Enem cobra, além de entender que o exame é bastante interdisciplinar.

Sempre existem temas que o Enem cobra com mais frequência. Pensando nisso, fizemos um vídeo:

O que mais cai no Enem

Outro ponto importante que você precisa decidir é: vou estudar por videoaulas ou por textos online? Eu consigo estudar os dois ao mesmo tempo?

Além disso, você tem que ver quantas horas por dia você consegue estudar para dividir todo esse conteúdo. Por isso, priorize os que mais caem e em plataformas que você se adapta e consegue gostar do que está aprendendo! Assim como quem estuda com cursinhos, também é interessante fazer fichas de resumo para ajudar na memorização.

Por fim, sempre resolva simulados e calcule quanto tempo você demora para finalizar a prova. Isso vai te ajudar a controlar o tempo durante a maratona do Enem.

Como fazer a redação do Enem

Jamais deixe de praticar a redação. Essa é a nossa primeira dica. Para escrever um bom texto dissertativo-argumentativo (formato cobrado pelo exame) você precisa saber: argumentar, usar a gramática correta, administrar o tempo, não fugir do tema e propor uma solução para a problemática que o exame expor.

É muito difícil se dar bem na redação do Enem sem ter treinado antes, porque você vai acabar falhando em algum dos pontos citados. Você vai perder muito mais tempo do que perderia, afinal, os treinos vão te deixar mais rápido e muito mais organizado.

Além disso, fugir do tema da redação é algo que você não pode fazer de jeito nenhum. Assim, criamos o vídeo com a fórmula infalível para você evitar a fuga do tema:

Muito mais do que apenas abordar o tema, você precisa saber o que ele significa. E isso você só consegue lendo bastante. Ou seja, nossa nova dica é: leia portais de notícia com frequência, veja filmes que estão em alta, preste atenção em músicas que contenham críticas sociais (o Enem ama crítica social), leia livros para aprender vocabulário.

E não: você não precisa citar filósofos! Não existe fórmula milagrosa para você aprender como fazer a redação do Enem, mas acredite: os corretores não vão atribuir mais pontos se você citar Kant, Durkheim e outros pensadores.

Os corretores querem ver repertório (como já dissemos acima: músicas, filmes, séries, notícias etc) ao longo de toda a estrutura da redação do Enem.

Saiba mais no nosso guia completo de como fazer a redação do Enem.

Provas anteriores do Enem

Podemos indicar outra maneira de como estudar para o Enem: as provas anteriores. As provas do Enem de outros anos servem para você calcular o tempo de exame, conhecer a prova, entender o nível de dificuldade das questões, além de medir o seu desempenho.

Para fazer o download das provas anteriores do Enem, basta acessar a lista de provas antigas do Enem. Ali você encontra as provas do Enem 2019, Enem 2018, Enem 2017, etc.

Além disso, você consegue conferir o gabarito Enem de 2019 e outros anos.

O que levar no dia do Enem?

Você não pode esquecer, de jeito nenhum, de levar um documento original com foto no dia do Enem. Pode ser RG, carteira de trabalho, carteira de motorista, passaporte, identificação de conselhos de classes e certificado de reservista.

Se você optar por levar uma cópia ou outros documentos não oficiais, você não poderá fazer a prova do Enem. Ou seja, esse é o item essencial para levar no dia do Enem.

Além disso, a caneta preta de tubo transparente é a única aceita. Não adianta levar caneta azul, lápis, etc. Eles não serão aceitos e você não poderá fazer a prova. Por isso, teste todas as suas canetas pretas antes do dia da prova e leve algumas reservas caso a tinta acabe no meio do exame.

Dependendo do seu local de prova, a sala poderá ter ar condicionado. Tente se informar antes da prova. Leve um casaco se achar que pode passar frio.

Por fim, leve um lanche pequeno. Você ficará bastante tempo na prova, então é interessante levar uma garrafinha de água, um chocolate e quem sabe um biscoito para não passar fome vendo seu concorrente se alimentando. Se ficou com alguma dúvida, veja nosso vídeo:

Como calcular a nota do Enem

Se você já recebeu o seu resultado do Enem, você tem o boletim dividido em áreas (assim como as provas). Você tem uma nota de Ciências Humanas, uma nota de Matemática e assim vai, certo?

Bom, agora é necessário entender que existem dois jeitos de calcular a nota do Enem. O primeiro é a média simples e o outro é a média por peso. Vamos ao primeiro.

Média simples

A média simples seria a soma das 5 áreas de competência do exame. Depois de somar, você divide o resultado por 5 e terá a sua nota do Enem. Por exemplo:

Marcela ficou com 575 em Matemática, 780 em Redação, 620 em Ciências da Natureza, 800 em Ciências Humanas e 760 em Linguagens. Somando isso temos 3.535. Contudo, precisamos dividir por 5. Assim a média simples de Marcela é 707 pontos.

Aprendeu como calcular a nota do Enem pela média simples? Agora vamos a versão mais difícil.

Média composta

A média composta é utilizada em universidades que dão pesos para algumas áreas de conhecimento. Por exemplo: uma universidade pode colocar peso 2 na Redação para estudantes que desejam entrar no curso de Letras.

Então como calcular a nota do Enem nesse caso?

Vamos usar o mesmo exemplo da Marcela, mas, ao invés de somar as 5 e dividir por 5, será necessário multiplicar a nota da redação por 2. Ou seja, teremos: 575 + 780 x 2 + 620 + 800 + 760. Portanto, teremos 4315.

Mas esse valor não será dividido por 5, ele será dividido pela soma de elementos. Ou seja, 575 representa 1, 2 vezes a redação representa elementos, 620 de Ciências da Natureza representa 1, assim como Linguagens e Ciências Humanas.

Dessa maneira, vamos dividir os 4315 por 1 + 2 + 1 + 1 + 1 = 6. Assim, a média de Marcela com peso em redação será de 719,16. Viu como a nota dela deu uma aumentada? É porque ela conseguiu um bom resultado na redação, logo ela será beneficiada na disputa por essa vaga específica.

Existem universidades que usam diferentes pesos nas diferentes áreas de conhecimento. Então é muito importante ficar atento a isso para calcular a nota do Enem de maneira correta.

O que é o TRI (Teoria de Resposta ao Item)?

Além disso tudo falado acima, o Enem também tem um sistema “diferente” de correção da sua prova. O TRI é um algoritmo utilizado para corrigir a sua prova do Enem e valorizar alunos que realmente sabem o conteúdo (e não apenas chutaram).

Dessa maneira, todas as 180 questões do Exame são divididas em 3 níveis: fácil, médio e difícil. Esse algoritmo consegue entender se você acertou as questões por conhecer o conteúdo ou porque apenas chutou. É por isso que a sua nota final não depende apenas do número de acertos.

Mas como o algoritmo faz isso? Ele entende que se você acertou muitas questões difíceis, mas errou as mais fáceis, você provavelmente chutou. E assim ele diminuirá a sua nota. Entenda mais o TRI com o vídeo:

Resultado do Enem

Geralmente, o resultado do Enem 3 meses depois da realização do exame. Ou seja, ele costumava acontecer em outubro / início de novembro e o resultado vinha em janeiro do ano seguinte.

Em 2020, a data do resultado do Enem será diferente: 29 de março de 2021. Essa mudança foi feita por conta da pandemia do coronavírus.

O resultado do Enem pode ser acesso pela página do participante. Nesse mesmo site, é possível consultar o resultado do Enem 2019 e de outras edições mais antigas.

Para ter acesso a esses dados é necessário incluir seu CPF e a senha cadastrada. Caso tenha esquecido a senha, é possível criar uma nova clicando em “esqueci minha senha”.

Antes de acessar o resultado do Enem oficial, você pode descobrir quantas questões acertou conferindo o gabarito do Enem.

Como usar a nota do Enem

A nota do Enem pode ser utilizada para ingressar em diversas universidades do país, sejam elas públicas ou privadas. A grande maioria das universidades federais e algumas estaduais adotaram o Sisu como sistema universal de ingresso em seus cursos.

Mas para participar do Sisu é necessário que você tenha feito o Exame do ano imediatamente anterior. Assim, para participar do Sisu 2021, você deverá ter feito o Enem 2020. Além disso, zerar a redação vai te impedir de participar do sistema. Vamos falar dele daqui a pouco.

Além das universidades públicas, os participantes do Enem também podem ingressar em universidades particulares por meio do Prouni e do Fies.

O Programa Universidade para Todos (Prouni) oferece bolsas de estudos para os melhores alunos. Todavia, é necessário que o participante se enquadre nos critérios de seleção, como por exemplo a renda familiar.

O estudante também pode financiar os seus estudos por meio do Financiamento Estudantil, o Fies. Dessa maneira, o participante consegue financiar as mensalidades com juros abaixo do mercado.

Por fim, a nota do Enem também pode ser utilizada para estudar em Portugal. São mais de 30 universidades que oferecem vagas para estudantes brasileiros.

O que é Sisu?

O Sisu é o sistema onde os candidatos usam a nota do Enem para disputar vagas de cursos de graduação das universidades públicas. Todo ano o MEC coloca 300 mil vagas gratuitas nas universidades públicas com ingresso pela nota do Enem. O Sisu acontece duas vezes por ano e cada  período de inscrições geralmente dura quatro dias.

No Sisu 2020.1, por exemplo, o aluno teve de 21 a 26 de janeiro de 2020 para se inscrever. Já no Sisu 2019.2 o aluno teve de 4 a 7 de junho de 2019 para se inscrever.

No Sisu, o aluno se cadastra e, com a sua nota, pode se candidatar a dois cursos: primeira e segunda opções. A cada dia, a nota de corte dos cursos é atualizada de acordo com a pontuação dos alunos que se candidataram. Assim, o aluno pode ver em tempo real se tem chance naquele curso ou se é melhor partir para um menos concorrido.

Entenda mais o que é o Sisu com nosso vídeo:

Como funciona o Prouni

O Prouni é um programa do Governo Federal que disponibiliza bolsas de estudo integrais ou parciais em faculdades privadas. Dessa maneira, sua nota do Enem também vale para a disputa dessas bolsas de estudo.

Assim como o Sisu, o Prouni acontece duas vezes por ano. Para participar do Prouni existem alguns requisitos: as bolsas de estudo integrais se destinam a alunos cuja renda per capita mensal seja de até 1,5 salário mínimo.

Já as bolsas parciais são para aqueles com renda per capita mensal de até três salários mínimos. Além disso, só pode concorrer ao Prouni quem tiver feito o ensino médio em escola pública ou com bolsa de estudo.

As notas de corte do Prouni são menores que as do Sisu. No entanto, para conseguir uma bolsa do Prouni o candidato não pode ter tirado nota zero na redação do Enem, nem ter média menor que 450 pontos nas provas objetivas.

Entenda mais sobre o Prouni em 2 minutinhos:

Como calcular a renda per capita da família

Outra dúvida bastante comum dos alunos é sobre o cálculo da renda per capita. Por isso, preparamos um guia completo sobre a renda per capita familiar. Mas se você trabalha melhor com vídeo, também fizemos um específico para ajudar os alunos:

O que é o Fies

A nota do Enem também habilita o candidato a concorrer a uma vaga de financiamento estudantil pelo Fies. Este programa possibilita que o candidato aprovado em uma faculdade particular comece a pagar as mensalidades depois de concluir o curso.

Para participar do Fies o candidato tem que atender a vários requisitos que você pode conferir no guia do Fies. Apesar das exigências, o sistema oferece bastante vagas para os alunos. Por exemplo, em 2019, foram 100 mil vagas com juros zero. Confira as suas chances consultando as notas de corte do Fies.

Saiba tudo sobre o Fies no vídeo:

O que é nota de corte?

Os três sistemas citados acima (Sisu, Prouni e Fies) utilizam as notas de corte como meio de seleção. Vamos usar de exemplo uma universidade que ofereça 30 vagas para o curso de Matemática.

Os 30 que conquistarão a vaga serão aqueles com a maior nota obtida no Exame. A nota de corte em si será a nota da última pessoa que entrou na seleção, ou seja, aquela que obteve a 30ª nota.

Digamos que a nota de corte para Matemática estava em 645 pontos e você fez 655 pontos na média. Com essa nota, você estaria dentro da disputa. Mas, se você fez apenas 630 pontos, você não estaria entre os 30 selecionados.

Apesar de parecer bem complicado, as notas flutuam bastante a cada dia de seleção. Além disso, muitos alunos se classificam e acabam não se matriculando. Por conta disso, não perca as esperanças.

Simulador de nota de corte

As disputas no Sisu, no Prouni e no Fies são muito rápidas. Os candidatos têm apenas de três a cinco dias para montar sua estratégia e escolher a melhor vaga para inserir a sua nota do Enem. Pensando nisso, fizemos um simulador de nota de corte para que você possa inserir seus pontos e descobrir se consegue entrar na universidade desejada.

Se você ainda não tem uma nota válida, basta você estimar um valor de nota entre 450 e 1000 pontos e ver as respostas que o sistema apresenta para você. Além disso, indique um curso de graduação e uma cidade que os resultados aparecem:

Simulador de Notas de Corte do Enem

Bolsas de estudo

Uma boa oportunidade com vagas disponíveis em todo o país são as bolsas de estudo para mais de 137 cursos de graduação para você entrar na faculdade. Elas não dependem de aprovação nas notas de corte do Sisu, do Prouni ou do Fies. São vagas com ingresso simplificado nas faculdades privadas.

Confira no sistema abaixo do Quero Bolsa onde estão as vagas abertas e como fazer a inscrição:

Encontre a bolsa de Estudos que você procura:

Digite pelo menos 3 caracteres.

João Vianney dos Valles Santos

Psicólogo e jornalista, Vianney é diretor do Blog do Enem. Tem doutorado em Ciências Humanas, coordenou o Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, e Dirigiu o Campus Unisul Virtual. É consultor de EaD da Hoper Educação.
Categorias: Enem, Tudo sobre Tags: , , , ,