Faltam:
para o ENEM

Absolutismo: veja como os reis tornaram-se tão poderosos. História no Enem.

Veja o que foi o Absolutismo e saiba como os reis na Europa do século XVII tornaram-se tão poderosos. O mais famoso deles foi o rei francês Luís XIV, o Rei Sol. Cai no Enem e nos vestibulares!

A partir do século XIII os reis europeus foram aos poucos conquistando mais e mais poder. Apresentavam-se até mesmo como representantes divinos na terra. No século XVII, os reis detinham poder absoluto nos principais Estados Nacionais no continente europeu.

Absolutismo - Luís XIVVocê sabe como isso ocorreu? No lugar de feudos senhoriais surgiram reinos centralizados: os Estados Nacionais. E no lugar do poder descentralizado dos senhores feudais, o poder centralizado do rei.

Você já ouvir falar do rei francês Luís XIV? Ele era chamado de Rei Sol, e foi o maior símbolo do absolutismo. Ele disse a famosa frase “L’État c’est moi” (O Estado sou eu). Luís XIV foi um expoente do absolutismo (no quadro).

Nesta forma de governo, somente o rei legislava, governava, administrava a justiça e comandava o exército. Esse sistema político forte, pessoal e sem leis restritivas ao poder real chamou-se Absolutismo.

Você sabe como o rei absolutista conseguiu impor respeito a sua autoridade? Não? Então preste atenção!

Para governar absoluto o rei se impunha por meio da força militar, da cobrança de impostos e por meio de teorias que justificavam o seu poder.  Vamos ver o que pensavam alguns desses teóricos?

Absolutismo- Thomas Hobbes Thomas Hobbes – Para Thomas Hobbes (foto à esquerda) o indivíduo deveria dar plenos poderes ao Estado, renunciando a sua liberdade, a fim de proteger a própria vida. Em sua obra o Leviatã (foto à direita) ele defendia o poder absoluto do Estado (que poderia ser representado por um monarca ou uma assembleia).

De acordo com este pensador foram os próprios seres humanos que entregaram poderes totais ao rei, já que, ao viver em estado natural, os homens obedeciam apenas aos seus interesses particulares. A vida era uma guerra permanente de “todos contra todos”.

Jacques Bossuet – Este bispo e teólogo francês (foto abaixo) desenvolveu a doutrina do direito divino dos reis, uma teoria apoiada na Bíblia.  Em sua obra A política inspirada na sagrada escritura, Jacques Bossuet afirma que o rei é o representante de Deus na Terra. De acordo com sua teoria o poder do soberano era de origem divina, opor-se ao rei significava, portanto, opor-se a Deus.

absolutismo

Nicolau Maquiavel – Autor de O príncipe, manual sobre como um governante deve agir para conquistar e manter o poder, Maquiavel (foto abaixo) concebia as ações do príncipe a partir do princípio de que o poder deve ser preservado ou ampliado. Ao príncipe era preferível ser temido a ser amado pelos súditos.  Por considerar a política independente da moral e da religião é considerado o fundador da ciência política.

absolutismo

Todas essas pessoas refletiram sobre a política de sua época e contribuíram para justificar o absolutismo monárquico, seja pela razão ou pela fé.

Dica 1 – Quer saber mais sobre a Formação dos Estados Nacionais? O Blog do Enem pode te ajudar!
Dica 2 – O que mais cai nas provas de Ciências Humanas no Enem? Veja aqui as principais questões e as melhores dicas para Filosofia, Sociologia, História e Geografia:

 

Dica 3 – Vai fazer o próximo Enem ou Vestibular? Veja aqui o que mais cai nas provas e as melhores dicas de estudo para todas as matérias:

O Absolutismo foi mais intenso na França, na Espanha e em Portugal. Mas não ocorreu em toda a Europa. Como você já viu no começo deste post, o rei que melhor representou o regime absolutista na Europa ocidental foi o rei francês Luís XIV.

O Rei-Sol permaneceu no poder durante 54 anos. Para impor sua autoridade, além de usar o exército e uma burocracia estatal, atendeu aos interesses de setores da nobreza e da alta burguesia.

Com a nobreza adotou a política de “distribuição de favores”: distribuía pensões, presentes e empregos bem-remunerados. No seu Palácio de Versalhes (fotos abaixo) abrigava e sustentava milhares de nobres.

absolutismo

Já para ter apoio da alta burguesia favorecia-a com garantias, exclusividades e proteção aos seus negócios, vendia-lhe títulos de nobreza e arrendava-lhe impostos.

Agora que você conheceu o rei absolutista da França, Luís XIV, que tal conhecer outros reis absolutistas do período? Então, observe as imagens abaixo de Filipe II da Espanha (foto à esquerda), do rei Henrique VIII da Inglaterra (foto do meio) e da rainha Elizabeth I (foto à direita) também da Inglaterra.

absolutismo

Que tal agora fazer um super revisão sobre o tema do Absolutismo com o professor Renant Araújo Morais, do sistema de ensino CNEC?

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=JYA8D8M6O3Y]

Assista agora a duas aulas em vídeo do professor Eugênio Cristiano sobre as teorias do Absolutismo Monárquico. Não perca, são aulas do site do HistóriaAção. São e muito boas!

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=GD5_ik2cxNA]
[youtube http://www.youtube.com/watch?v=e-g3wq70sjI]

Exercício: Agora teste o seu conhecimento e responda a esta questão de vestibular que o Blog do Enem preparou para você!

(Cesgranrio) A frase de Luiz XIV, “L’Etat c’est moi” (O Estado sou eu), como definição da natureza do absolutismo monárquico, significava:

a) (     ) a unidade do poder estatal, civil e religioso, com a criação de uma Igreja Francesa (nacional);
b) (     ) a superioridade do príncipe em relação a todas as classes sociais, reduzindo a um lugar humilde a burguesia enriquecida;
c) (     ) a submissão da nobreza feudal pela eliminação de todos os seus privilégios fiscais;
d) (     ) a centralização do poder real e absoluto do monarca na sua pessoa, sem quaisquer limites institucionais reconhecidos;
e) (     ) o desejo régio de garantir ao Estado um papel de juiz imparcial no conflito entre a aristocracia e o campesinato.

Resposta: A alternativa correta é a letra “d”.

Carla Regina História
O texto desta aula sobre o Absolutismo  foi preparado pela professora Carla Regina da Silva para o Blog do Enem. Carla é formada em licenciatura e bacharelado em História pela UFSC. https://www.facebook.com/carla.regina.779.