Faltam:
para o ENEM

Atividades Econômicas: aula 1 – Revisão de Geografia Enem

O Exame Nacional do Ensino Médio está chegando! Relembre sobre as Atividades Econômicas do nosso país nesta aula preparatória para a prova de Geografia Enem

Conheça a definição e veja os exemplos de Atividades Econômicas. Cai em Geografia e Atualidades no Enem.

Atividades Econômicas estão alicerçadas na capacidade de produzir e/ou viabilizar a produção de bens e serviços , que garantam as necessidades do ser humano. Nas economias modernas há três setores principais de atividade econômica:

  • Setor primário: Compreende a extração e produção de materiais crus, como milho, carvão, madeira e ferro. (Um mineiro, um agricultor, um pescador seriam trabalhadores do setor primário.)
  • Setor secundário: Compreende a transformação de materiais crus ou em grau de processamento intermediáio em bens de produção ou de consumo, por exemplo, aço em carros, ou tecidos em roupas. (Um pedreiro e uma estilista seriam trabalhadores do setor secundário.)
  • Setor terciário: Compreende o fornecimento de serviços para as empresas e para os consumidores, como creches, cinemas e casas lotéricas. (Um vendedor de shopping e um contador seriam trabalhadores do setor terciário.)

Com o processo de mundialização da economia, percebemos que fatores outros se juntam , para fazer da economia, uma grande engrenagem, onde cada “dente” dessa engrenagem é importante, para que ela possa cumprir seu papel importante no desenvolvimento do bem estar social .

Existem elementos e fatores que interferem na expansão maior ou menor de uma economia. Entre os elementos citamos:

1. Recursos Minerais,
2. Fontes de energia
3. transportes.

Como fatores que contribuem citamos:

a. Taxa de câmbio
b. Produto interno bruto
c. PIB per capita
d. Produto Nacional Bruto
e. Taxa de juros
f. Dívida nacional
g. Taxa de Inflação
h. Desemprego
i. Balança comercial, etc…

A Mundialização da Economia

Na atual geografia do planeta, espaços isolados são muitos raros, devido à mundialização sem precedentes da economia e da vida dos homens, que, progressivamente, vão se transformando em cidadãos do mundo.

Hoje, os produtos agrícolas e industriais são intercambiados mundialmente e o movimento da economia vai transformando o planeta num lugar praticamente sem fronteiras e cada vez mais urbano e industrial.

Um dos protagonistas desse processo de mundialização são as empresas multinacionais, ou seja, empresas que possuem filiais fora de seu país de origem, estando, portanto, instaladas em mais de um país

Podemos notar que o processo de industrialização, embora tenha se espalhado praticamente por todo o mundo, ainda se apresenta muito concentrado em alguns países. Apenas vinte deles apresentam produção industrial acima de 60 bilhões de dólares, enquanto um grande número não chega perto de completar nem mesmo 1 bilhão. Assim podemos logo concluir que os destaques em relação ao volume de produção industrial são inegavelmente os Estados Unidos e o Japão. Logo após aparecem a Alemanha e outros países da UE, que, vista em conjunto, forma outro grande centro de produção industrial. Porém, podemos identificar fora desse eixo uma série de países que apresentam produções significativas : China, Brasil, Coréia do Sul, México, Argentina, Índia, Indonésia, Tailândia, África do Sul, Malásia, Cingapura entre outros .

Dica 1 – Relembre tudo sobre a dinâmica populacional humana nesta aula sobre Demografia e garanta a sua nota na prova de Geografia Enem – https://blogdoenem.com.br/demografia-geografia-enem/

Esses países, por terem apresentado um desenvolvimento industrial acelerado, principalmente a partir da década de 50, passaram a ser denominados países de Industrialização recente, e foi para eles que se deslocou grande número de empresas multinacionais.

Acontece que esses países possuem características muito diversificadas e, portanto, diversos também são os motivos de instalação das empresas multinacionais em cada um deles.

Veja-se o caso, por exemplo, dos chamados Tigres Asiáticos, que têm se destacado por uma presença significativa nos mercados internacionais. As empresas multinacionais desempenham um importante papel no processo de industrialização desses países, mas o seu objetivo básico e principal é a exportação das mercadorias ali produzidas, grande parte das vezes para o país onde está localizada a própria sede da multinacional.

Em outros países de industrialização recente, o processo é diferente, o Brasil, a Índia e a Argentina, por exemplo, também contam com uma presença expressiva de empresas multinacionais. Mas a maior parte da produção dessas empresas destina-se ao abastecimento dos mercados internos desses países, e apenas uma pequena parcela à exportação.

Brasil – Atividades econômicas

Para estudarmos as atividades econômicas de forma mais organizada, dividimos o estudo em dois momentos (Atividades Econômicas I e Atividades Econômicas II)

Nesse primeiro momento, estudaremos os Recursos Minerais e as Fontes de Energia – elementos que nos ajudarão a internalizar melhor o objeto maior do nosso conteúdo ou seja, as Atividades Econômicas.

Um dos elementos importantes no bom desenvolvimento da economia de um país é, a riqueza dos seus recursos minerais. Ter em seu território esses recursos é passo importante para fugir das importações e, portanto garantir um melhor desempenho de suas atividades industriais.

Recursos Minerais

O Brasil é um país de grande potencial mineral, importante para garantir boa parte das atividades economicas presentes no seu território, já que este possui grande parte de sua superfície constituída de terrenos metamórficos (Cristalinos) do período pré-cambriano. No Brasil, as áreas de escudos proterozoicos são as mais propensas à ocorrência de minerais metalicos. As áreas de exploração de destaque estão na regiao centro-sul e norte. Nas bacias sedimentares(64% – desde o planalto do rio Parnaíba, ao norte, até a planicie da Lagoa dos Patos, ao sul; depressões, planícies e planaltos do Amazonas) é comum a ocorrência de minerais não-metálicos, como carvão, gás natural, calcário e é claro, petróleo

Geografia Enem

Maiores áreas

As áreas de maior destaque, são:

  • Região Norte:
  • Serra do Navio(AP):

Principal Minério: Manganês

  • Serra dos Carajás(PA):

Principais Minérios: Ferro, Bauxita, Manganês, Níquel, Prata, Galena, Ouro.

  • Oriximiná(PA)

Principal Minério: Bauxita

  • Região Nordeste
  • Recôncavo Baiano(BA):

Principal minério: Petróleo

  • Rio Grande do Norte(RN):

Principais Minérios: Petróleo e Sal

  • Região Centro-Oeste
  • Maciço do Urucum(MS):

Principais Minérios: Manganês e Ferro

  • Região Sudeste
  • Quadrilátero Ferrífero(MG):

Principais Minérios: Ferro e Ouro

  • Bacia de Campos(RJ):

Principal Minério: Petróleo

  • Região Sul
  • Rio Grande do Sul e Santa Catarina:

Principal Minério: Carvão

Projeto Grande Carajás (PA)

figura_43.jpg

O depósito ferrífero da Serra dos Carajás contém 18 milhões toneladas do minério e é a maior reserva de minério de ferro do mundo. Também há grande depósitos minerais de manganês, zinco, níquel, cobre, ouro, prata, bauxita, cromo, estanho, tungstênio e urânio.

Dica 2 – Revise sobre as Regiões Sudeste, Sul, e Regiões Geoeconômicas com mais esta aula preparatória para prova de Geografia Enem – https://blogdoenem.com.br/regioes-sudeste-sul-geografia-enem/

A Serra dos Carajás, assim como seu entorno atualmente encontram-se densamente povoados. Grandes centros urbanos se instalaram nas proximidades do acidente geográfico, fato que contribuiu para a profunda modificação paisagística ocorrida no local a partir da década de 1970. A própria serra encontra-se em contínuo processo de modificação paisagística devido aos grandes projetos minerários assentados em seu território

A Matriz Energética do Brasil

O Brasil é o 10º maior consumidor de energia do mundo e o maior da América do Sul.

Ao mesmo tempo, é um importante produtor de óleo e gás produzido na região e junto com os Estados Unidos o maior produtor mundial do combustível etanol

Dados de janeiro de 2010 mostram que a energia brasileira é produzida nas seguintes proporções:

  • Hidrelétrica: 75,63% (838 usinas que produzem 78.793.231 KW)
  • Gás: 11,27% (125 usinas que produzem 12.055.295 KW)
  • Biomassa: 5,82% (356 usinas que produzem 6.227.660 KW)
  • Petróleo: 5,36% (829 usinas que produzem 5.735.637 KW)
  • Nuclear: 1,88% (2 usinas que produzem 2.007.000 KW)
  • Carvão mineral: 1,43% (9 usinas que produzem 1.530.304 KW)
  • Eólica: 0,62% (37 usinas que produzem 659.284 KW)
  • Solar: menos de 0,01% (1 usina que produz 20 KW

A posição do País no setor energético

O Brasil possui a matriz energética mais renovável do mundo industrializado com 45,3% de sua produção proveniente de fontes como recursos hídricos, biomassa e etanol, além das energias eólica e solar. As usinas hidrelétricas são responsáveis pela geração de mais de 75% da eletricidade do País. Vale lembrar que a matriz energética mundial é composta por 13% de fontes renováveis no caso de Países industrializados, caindo para 6% entre as nações em desenvolvimento.

figura_44.jpg

Segurança energética e integração regional – o Brasil encontra-se em situação quase ideal de segurança energética, com auto-suficiência em petróleo, gás natural e produção de energia elétrica.

Com a descoberta do pré-sal e, a auto-suficiência , o Brasil consegue se desatrelar das importações e, garantir maior comodidade com este combustível que ainda é largamente utilizado no Brasil.

Petróleo

O petróleo tem uma história recente no Brasil. Somente em 1938 , jorrou o primeiro poço comercialmente viável no Brasil em Lobato (BA).

Em 1953, foi criada a Petrobrás, durante o governo de Getulio Vargas, mas pela facilidade de importação de petróleo (preço baixo = menos de 10 dólares o barril), a grande empresa estatal, ficou adormecida sem grandes investimentos.

Somente com a primeira grande crise do petróleo no cenário internacional (1973) – quando instabilidade geo-politica no Oriente Médio, fizeram subir o preço do petróleo – foi que a Petrobrás, até então monopolizadora do setor (prospecção, refino e distribuição), começou a receber mais investimentos e, o Brasil começou a se preocupar com o petróleo a se buscar no próprio território.

Dica 3 – Que tal dar uma relembrada sobre a Regionalização do nosso país em mais uma aula de revisão para a prova de Geografia Enem? – https://blogdoenem.com.br/brasil-regionalizacao-aula-de-revisao-para-geografia-enem/

Para “frear” o ritmo das importações de petróleo, criamos o Pró-Alcool e o automóvel movido a álcool.

A Petrobrás passou a explorar a Plataforma Continental brasileira e rápidamente chegou a grandes profundidades e a autosuficiencia.

Mérito também a Petrobrás , pela diversificação da nossa matriz energética.

Pesquisas diversas a levaram para diversas possibilidades energéticas como: Eólica, geotérmica, mamona, hidrogênio, metano, etc.

Durante o Governo de Fernando Henrique Cardoso, o monopólio do petróleo foi quebrado. Significa entender que se até então somente a Petrobrás poderia buscar, refinar, distribuir petróleo no Brasil – a partir de 1997, qualquer empresa , cumprida as exigências do protocolo a respeito, poderia fazer estas tarefas no Brasil.

Lembre-se, isto não significa dizer que a Petrobrás foi privatizada – na verdade ela continua sendo uma Empresa Mista de Capital aberto, cujo maior acionista é o Governo.

Hoje a grande produção de petróleo acontece a partir da Bacia de Campos, com outros destaques em nosso litoral, desde Santos até a Região Nordeste.

figura_45.jpg

O Pré-sal se estende desde o Espirito Santo até Santa Catarina.

A política para uso do petróleo a partir do pré-sal, ainda se discute.

Produção de Energia elétrica no Brasil

A capacidade geradora de energia elétrica instalada no Brasil é 92 mil MW. Esta energia corresponde a 55% da produção da América do Sul, e equivale à de países como a Itália e o Reino Unido.

Cerca de 85% da capacidade instalada no Brasil provêm de usinas hidroelétricas; os 15% restantes provêm de geração termoelétrica.

As fontes principais de geração térmica são: gás natural, carvão, nuclear e óleo.

Duas novas fontes estão sendo introduzidas nesta matriz: geração eólica (cerca de mil MW entrando em operação nos próximos dois anos) e de outras fontes ligadas a biomassa com o potencial de se tornar uma das principais fontes de geração no País, nos próximos dez anos.

As usinas hidroelétricas localizam-se em várias bacias hidrográficas, distribuídas em

todas as regiões brasileiras.

Atualmente , a Usina Hidrelétrica de Itaipú (PR) é a maior do Brasil. Destaque também para a Usina Hidreletrica de Tucurui (PA).

Devido às dimensões do Brasil, as bacias têm diferentes regimes de chuva e condições macroclimáticas.

A ocorrência do fenômeno El Niño, por exemplo, faz que a região Sul tenha precipitações maiores que a média, enquanto na região Sudeste a tendência é de chuvas inferiores à média. Esta diversidade climática é aproveitada para otimizar a produção de energia: o sistema gerador é operado como se fosse um portfólio, exportando energia das regiões mais “molhadas” para as mais “secas”.

Além disso, em geral, é econômico26 construir várias usinas em um mesmo rio (usinas em “cascata”).

figura_46.jpg

Usina Hidrelétrica de Itaipú no Rio Paraná

Um dos grandes investimentos do PAC (Plano de Aceleração do Crescimento) do Governo Federal é garantir um número maior de Usinas Hidrelétricas.

Duas grandes construções estão sendo viabilizadas no Rio Madeira e Rio Xingú, com repercussões contrárias.

Gás Natural

O Gasoduto Bolívia-Brasil (GasBol).

O projeto de colaboração energética entre Brasil e Bolívia existe desde a década de 1930. Ele começou a tornar-se realidade em 1992, quando a Petrobras assumiu a responsabilidade pelo gasoduto entre os dois países. O GasBol, iniciado em 1997, tem 3.100 km de extensão total, dos quais 2.600 km estão em território brasileiro.

Ele tem dois trechos principais: o Norte, que vai da Bolívia até São Paulo, com cerca de 1.800 km (inaugurado em 1999); e o Sul, que vai daí até Porto Alegre, com 800 km (inaugurado em 2001). O investimento total foi cerca de US$ 2 bilhões.

Consumo

Os principais consumidores de gás natural são: (I) segmentos industrial, comercial, residencial, veicular (GNV); (ll) refinarias da Petrobras; e (lll) usinas termoelétricas.

O Futuro do Gás no Brasil

Por ser um referencial de produção de calor ideal e barato, o Brasil investe na diversificação do seu parque, através de pesquisa de novas bacias produtoras.

Os principais campos de gás estão localizados na Bacia de Campos (Rio de Janeiro), Espírito Santo, Rio Grande do Norte e Bahia e Bacia de Santos (Mexilhões).

Etanol

O etanol (CH3 CH2OH), também chamado álcool etílico e, na linguagem corrente, simplesmente álcool, é uma substância orgânica obtida da fermentação de açúcares, hidratação do etileno ou redução a acetaldeído, encontrado em bebidas como cerveja, vinho e aguardente, bem como na indústria de perfumaria.

No Brasil, tal substância é também muito utilizada como combustível de motores de explosão, constituindo assim um mercado em ascensão para um combustível obtido de maneira renovável e o estabelecimento de uma indústria de química de base, sustentada na utilização de biomassa de origem agrícola e renovável

O Brasil é o único país do mundo onde o consumo de um combustível alternativo, o etanol, supera o consumo de gasolina. A emissão de gases de efeito estufa que contribuem para o aquecimento global, dos quais o gás carbônico (CO²) é o principal, é 90% menor quando se queima etanol em vez de gasolina. Isso acontece porque a cana-de-açúcar, por meio da fotossíntese, absorve no seu crescimento quase a mesma quantidade de CO2 que é gerado nas etapas de produção, transporte e consumo do etanol. Graças à produção simultânea de biocombustíveis e bioeletricidade, a cana-de-açúcar já é a principal fonte de energia renovável do Brasil, à frente das hidrelétricas. Hoje, mais de 400 usinas produzem etanol, açúcar e bioeletricidade no Brasil.

A safra de cana-de-açúcar em 2009/10 atingiu cerca de 600 milhões de toneladas, o que faz do país o maior produtor de cana e o maior exportador mundial de açúcar e de etanol. Aproximadamente 9 em cada 10 carros novos vendidos no Brasil são flex. Em março de 2010, a frota flex atingiu a histórica marca de 10 milhões de veículos flex.

O etanol produzido a partir da cana-de-açúcar já é matéria-prima para a produção do chamado “plástico verde”. Nesse processo, o etanol é transformado em bio-etileno, base de produção de bioplásticos, que reduz consideravelmente a dependência de fontes fósseis. Na produção de combustíveis fósseis, cerca de 20 países, muitos deles situados em regiões politicamente instáveis, abastecem os quase 200 países e territórios do mundo. Enquanto isso, quase 100 países já cultivam a cana-de-açúcar, e têm potencial para se tornarem produtores, consumidores e exportadores de etanol renovável

O Biodiesel no Brasil

Desde 2004 o Brasil conta com o Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, que regulamenta a produção e a distribuição do biodiesel brasileiro, produzido com oleaginosas. O País é o terceiro maior produtor dessa fonte energética do mundo, atrás apenas da Alemanha, Estados Unidos e França.

Em cinco anos de Programa foram dados importantes passos rumo à consolidação do biodiesel no Brasil. Inicialmente foi previsto o aumento gradual da adição do biocombustível ao diesel tradicional até 2013, quando a mistura deveria chegar a 5%. No entanto, o governo brasileiro decidiu fortalecer suas iniciativas nessa área e acaba de antecipar em três anos essa obrigatoriedade. Assim, o B5, como é chamada mistura dos diesel tradicional e do biodiesel, passou a ser obrigatório a partir de janeiro de 2010, em todo o território nacional. Essa medida deve elevar a produção de biodiesel de cerca de 176 milhões anuais para 2,4 bilhões de litros em 2010, reforçando a posição do Brasil na liderança mundial em energias renováveis em escala comercial.

Sob o aspecto social, a ampliação do uso do biodiesel vai aumentar a geração de emprego e renda, impacto no processo de inclusão social atualmente em curso no Brasil ao promover de forma crescente a agricultura familiar. Dos 2,4 bilhões de litros que serão demandados com o B5, 80% será fornecido por unidades produtoras detentoras do Selo Combustível Social. No viés econômico, haverá uma maior agregação de valor às matérias-primas oleaginosas de origem nacional.

O Brasil possui 43 usinas com a seguinte distribuição regional de capacidade:

Norte = 5%, Nordeste=19%, Centro-Oeste =33%, Sudeste =18% e Sul =25%. Isso representa capacidade instalada suficiente de 3,6 bilhões de litros/ano

Carvão

O total de reservas de carvão do Brasil é de cerca de 30 bilhões de toneladas, mas os depósitos variam de acordo com a qualidade e quantidade. As reservas provadas recuperáveis são de cerca de 10 bilhões de toneladas. Em 2004 o Brasil produziu 5,4 milhões de toneladas de carvão, enquanto o consumo de carvão atingiu 21,9 milhões de toneladas. Quase toda a de saída carvão do Brasil é o carvão a vapor, dos quais cerca de 85% é ateado a fogo em centrais elétricas. As reservas de hulha sub estão localizados principalmente nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

figura_47.jpg

Usina Termoelétrica Jorge Lacerda (Capivari de Baixo – SC) grande consumidora de carvão

Energia Nuclear

O Brasil tem a 6º maior reserva de urânio do mundo. Depósitos de urânio são encontrados em oito estados diferentes do Brasil. As reservas provadas são de 162.000 toneladas.A produção acumulada no final de 2002 era inferior a 1.400 toneladas. O centro de produção de Poços de Caldas, em Minas Gerais foi fechada em 1997 e foi substituído por uma nova fábrica em Lagoa Real, na Bahia. Existe um plano para construir um outro centro de produção em Itatiaia.

Angra 1 é a primeira das usinas nucleares que deu origem à Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto. Os reatores de potência são maiores e se destinam à produção de energia para a movimentação de navios, submarinos, usinas átomo-elétricas, etc. A primeira usina átomo-elétrica brasileira está situada na Praia de Itaorna, em Angra dos Reis, Rio de Janeiro. Foi a primeira usina do programa nuclear brasileiro que atualmente conta também com Angra 2 em operação, Angra 3 em construção e mais duas novas usinas a serem construídas na região Nordeste, conforme o planejamento da Empresa de Pesquisa Energética – EPE.

Angra 1 teve sua construção iniciada em 1972, tendo recebido licença para operação comercial da Comissão Nacional de Energia Nuclear – CNEN em dezembro de 1984. É uma usina tipo PWR (Pressurized Water Reactor) onde o núcleo é refrigerado por água leve, desmineralizada. Foi fornecida pela Westinghouse, e é operada pela Eletronuclear

figura_48.jpg

Usina Nuclear de Angra dos Reis (RJ)

A questão ambiental

A participação de energias renováveis na matriz energética brasileira é de 45%, enquanto a média mundial é de apenas 14%. A participação tende a crescer, se for mantido o papel de “âncora” da hidroeletricidade, e se for consolidada a indústria de bioenergia no País. Esta situação ambiental favorável deveria garantir as condições para a expansão do parque gerador hidroelétrico sem maiores impedimentos. O quadro atual é justamente o inverso, podendo ser descrito como de impasse e de enfrentamento.

As dificuldades para licenciamento ambiental, por exemplo, levaram à virtual paralisação dos investimentos em produção de energia hidroelétrica. Em outras áreas, como o licenciamento de gasodutos, também foram observadas dificuldades e atrasos. Uma das conseqüências perversas desta situação é que vem sendo mais fácil obter licenças ambientais para usinas termoelétricas a óleo diesel, ou que utilizam outro combustível, que para usinas hidroelétricas.

Saiba mais sobre Atividades Econômicas nesta aula do canal SmartClass, disponível no Youtube. Após assistir, revise o que você aprendeu respondendo aos nossos desafios!

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=fpKBfEnFehM]

Desafios

Questão 01

“Oitenta anos de intensa exploração praticamente esterilizaram a região. Três mil e seiscentos quilômetros quadrados da malha hidrográfica foram invadidos pela poluição por níquel, enxofre, ferro, manganês, decorrentes da lavagem _______ . O centro da destruição é Criciúma, a 202km de Florianópolis, situada no exato divisor de águas das bacias dos rios Araranguá e Urussanga.”

Assinale a alternativa que preenche o claro pontilhado.

a) do carvão.

b) da cassiterita.

c) do chumbo.

d) do cobre.

e) da bauxita.

Questão 02

Em relação às fontes de energia do Brasil, podemos afirmar que:

a) o preço do quilowatt de energia nuclear é um estímulo à instalação dessa fonte energética.

b) o aproveitamento dos nossos rios de planalto é de aproximadamente 90%, donde se conclui que o Brasil deve buscar outras fontes energéticas.

c) o carvão mineral é uma importante fonte de energia, sendo que as principais vantagens das jazidas brasileiras são o baixo custo da produção e a grande quantidade de carvão coqueificável.

d) a produção de energia elétrica no Brasil é basicamente de fonte hidráulica e sua participação supera a ordem de 75%.

e) as regiões sudeste e sul, juntas, participam com quase 75% da produção e 30% do consumo total de energia elétrica.

Questão 03

O mapa mostra a localização de uma grande usina hidrelétrica destinada a abastecer as regiões Norte e Nordeste do Brasil. Assinalar a alternativa que contém, na seguinte ordem:

1 – o nome da hidrelétrica; 2 – o nome do rio em que se localiza.

figura_49.jpg

a) 1 – Furnas; 2 – Grande.

b) 1 – Carajás; 2 – Tocantins.

c) 1 – Tocantins; 2 – Tucuruí.

d) 1 – Tucuruí; 2 – Araguaia.

e) 1 – Tucuruí; 2 – Tocantins.

Questão 04

Em relação às fontes alternativas de energia no Brasil, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO

a) A flora brasileira caracteriza-se por uma grande variedade de plantas que podem produzir óleos e materiais combustíveis.

b) A produção de carvão, a partir da vegetação natural e de reflorestamentos, está sendo incentivada e ampliada.

c) A radiação solar é uma fonte renovável de energia de grande potencialidade em largas regiões do país, sobretudo no Nordeste.

d) Os pequenos rios que descem as encostas dos planaltos para o litoral são boas alternativas para a produção de eletricidade.

e) O vento, em algumas regiões, é uma importante alternativa energética para pequenas unidades de consumo.

Questão 05

Analise os mapas sobre algumas redes no Brasil.

figura_50.jpg

Fonte: BECKER, B. K. & EGLER C. A. G.: “Uma Nova Potência Regional Na Economia – Mundo”, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil S. A., 1992, p. 197

Com base no que é representado nos mapas, todas as afirmativas apresentam conclusões corretas, EXCETO

a) A configuração da rede de energia elétrica relaciona-se com a concentração no espaço do potencial hidroelétrico nacional.

b) A rede de ferrovias estende-se por áreas de valorização as mais antigas do território nacional.

c) A rede de rodovias expressa, de modo geral, a área de mercado mais integrada do território nacional.

d) A rede de telecomunicações mostra que a circulação rápida de informação a longa distância ocorre em nível nacional.

e) O adensamento das redes no centro-sul do território nacional constitui um indicador da importância econômica dessa região.

 Você consegue resolver estes exercícios? Então resolva e coloque um comentário no post, logo abaixo, explicando o seu raciocínio e apontando a alternativa correta para cada questão. Quem compartilha a resolução de um exercício ganha em dobro: ensina e aprende ao mesmo tempo. Ensinar é uma das melhores formas de aprender!