Denotação e Conotação na Linguagem Literária e na Redação do Enem. Veja as diferenças

O entendimento da plurissignificação da linguagem utilizada nos textos literários pode ser uma ferramenta a mais para melhorar o seu desempenho nas provas do Enem e vestibulares. Revise Conotação e Denotação para entender como é possível (ou não) utilizar recursos de linguagem conotativa ou de linguagem denotativa na Redação.

As palavras não apresentam um único sentido. Dependendo da situação de comunicação ou de como são empregadas, podem assumir significados diferentes. Veja nesta revisão sobre Denotação e Conotação na Linguagem Literária.

E o texto literário é o local propício para o trabalho com essa plurissignificação; é onde as palavras extrapolam seu sentido comum e podem até surpreender.denotação x conotaçãoIsso você estuda para a prova de Linguagens nesta aula sobre Denotação e Conotação. Também você estuda o mesmo tema como Linguagem Denotativa x Linguagem Conotativa.

 Denotação x Conotação – Cuidado:

A linguagem literária é caracterizada pela conotação, e as palavras nem sempre apresentam um único sentido como o que encontramos nos dicionários; empregadas em determinados contextos, elas ganham sentidos novos, chamados de figurados, carregados de valores afetivos ou sociais.

Quando a palavra é utilizada no sentido comum, o do dicionário, dizemos que ela foi empregada no sentido denotativo; quando a significação vai além, ocorre a conotação.

Embora seja empregada constantemente na linguagem poética, a conotação não é uma exclusividade do texto literário; podendo estar presente em diversas situações de comunicação como uma conversa coloquial, um anúncio publicitário, nas histórias em quadrinhos, nas letras de música, etc.

O valor conotativo de uma situação de comunicação depende do momento social, histórico e cultural em que se situa. Uma expressão utilizada, por exemplo, pode fazer sentido ou não, dependo do conhecimento compartilhado pelos indivíduos de diferentes culturas.

Dependendo da época, uma palavra poderá ou não produzir o significado esperado. E esta é a grande questão a se observar quando analisamos um texto literário, dentre eles muitas obras cobradas no vestibular que são contextualizadas em outra época.

→Veja no quadro abaixo as diferenças entre linguagem denotativa e linguagem conotativa:

DENOTAÇÃO

CONOTAÇÃO

A palavra tem significado restrito. A palavra tem significado amplo, criado pelo contexto.
O sentido da palavra é comum, o do dicionário. O sentido das palavras é carregado de contexto emotivo, social, ideológico, etc.
A palavra é utilizada de modo objetivo: diz-se o que se quer dizer. Utiliza-se a palavra de modo criativo, artístico.
A linguagem é exata e precisa: o objetivo é deixar claro o que está sendo dito. A linguagem é expressiva, possui mais de um significado.
Dica 1 – Veja aqui como diferenciar o Texto Literário do Texto Não-Literário neste post especial preparado pelo Blog do Enem.

Variações ao longo do tempo

  • Veja a seguir as expressões conotativas que foram utilizadas para designar uma mulher jovem e bonita, em diferentes décadas:
  • brotinho (anos 40),
  • uva (anos 50),
  • gata (anos 70/80),
  • filé (anos 90),
  • deusa (2000).

 

Agora, veja também o uso da linguagem conotativa na música popular brasileira:

→“Amar um deserto e seus temores”. Deserto pode representar, nesse trecho da canção de Djavan, dor, sofrimento, solidão, etc.

→“Eu vejo a vida melhor no futuro, eu vejo isso por cima de um muro de hipocrisias que insistem em nos rodear”. Nesse trecho da canção, Lulu Santos utiliza o muro para trazer a imagem de algo que nos cerca e que nos impede de ver além e de perceber perspectivas futuras.

Atenção: Para compreender o sentido amplo que o texto quer nos passar, principalmente aquelas obras literárias de contextos históricos e sociais diferentes dos nossos, você precisa abandonar a leitura ingênua e procurar pistas que nos permitam inferir o significado total daquilo que o autor quer nos passar.

É preciso buscar em outros trechos do poema, do romance, da charge, entre outros textos que abusam da linguagem conotativa, subsídios que nos permitam a compreensão total das ideias do autor.

Conotação e Denotação na Redação do Enem

O que é conotação: A conotação é o avesso da denotação, pois trata do sentido figurado, simbólico das palavras, não literal. O uso que se faz das palavras trazendo novos sentidos, encontramos esses exemplos no texto literário. Exemplo de conotação: Há dias que amanhecem noite (noite no sentido de tristeza, sombrio).

Mas, na redação do Enem não se deve escrever texto poético, e sim, dissertativo-argumentativo. Fique ligado!

A denotação será aquela que trata do significado básico e objetivo de uma palavra; uma palavra com sentido denotativo está no seu sentido literal, primário, real. Ex.: Gosto de estudar à noite (noite sentido de período noturno).

A essa altura você deve estar pensando: como vou usar uma linguagem figurada em uma produção de seleção de vestibular? E se eu for penalizado?

O que mais pesa na redação do Enem na competência I são as questões gramaticais, de convenções da escrita e de escolha de registro, nas outras competências o que vai pesar são as questões de coesão textual, a escolha do tipo textual que deve ser dissertativo-argumentativo (não em forma de poemas, narrações) e a esquematização de estratégias de argumentação, como fazer uso delas e solucionar problemas.

O uso da conotação no texto redacional vai surgir nessa última parte exigida nas competências: como  estratégia argumentativa.

Na produção textual como usar esses mecanismos?

O candidato pode fazer uso da conotatividade para explicitar sua opinião e levantar uma crítica mais direta ao seu ponto de vista. Usar palavras com sentidos variados como sinônimas; também produzir o texto com figuras de linguagem como metáfora, comparação, metonímia, hipérbole, antítese, paradoxo, ironia, personificação e perífrase, que podem proporcionar a uma mesma palavra diferentes sentidos, dependendo do lugar de fala.

Por exemplo: Quando a redação do Enem tratou sobre o tema publicidade infantil ou sobre a persistência da violência contra as mulheres, o candidato poderia usar a metáfora com o propósito de reforçar o tamanho e/ou quantidade do tema ser prejudicial para o público em questão.

Fazer comparações; usar-se da antítese para elencar dois pontos de vistas divergentes. São variadas formas de usar a linguagem figurada, conotativa, como artifício de persuasão textual.

Isso quer dizer que o falante, ao produzir seu escrito, vai considerar o seu interlocutor, o ambiente em que se encontra, o assunto de que trata e a intenção do ato de linguagem (persuadir, pedir, ordenar, informar etc.), e escolher palavras adequadas para aquele contexto e explicitá-las.

Algumas figuras de linguagem que podem ser usadas na Redação

Obs: Vale lembrar que a linguagem conotativa pode ser um bom mecanismo persuasivo na redação, mas é primordial que o candidato preze pelo uso correto da ortografia, do tipo textual e que o texto respeite os direitos humanos.

Antítese – consiste na aproximação de termos contrários, de palavras que se opõem pelo sentido. Ex.: Os jardins têm vida e morte;

Ironia – é a figura que apresenta um termo em sentido oposto ao usual, obtendo-se, com isso, efeito crítico ou humorístico. Ex.: “Confesso que Marianinha foi para mim um daqueles amores únicos, dos quais não temos mais que cinco ou seis em toda a vida…” (José Roberto Torero).

Eufemismo – consiste em substituir uma expressão por outra menos brusca; em síntese, procura-se suavizar alguma afirmação desagradável. Ex.: Vossa Excelência está faltando com a verdade, uma vez que ficou comprovado que na sua gestão houve desvio de dinheiro público. (Verdade em vez de mentira, desvio de dinheiro em vez de roubo/furto).

Metáfora – consiste em empregar um termo com significado diferente do habitual, com base numa relação de similaridade entre o sentido próprio e o figurado. Ex.: É preciso neutralizar essas mazelas que o sistema capitalista impõe a sociedade. (Conota uma lesão no sentido figurado sobre a situação capitalista).

Nas questões do Enem como são trabalhadas a conotação e a denotação?

Nas questões de múltipla escolha, a denotação e a conotação são questionadas para fazer com que o candidato compreenda a intertextualidade e usos da linguagem. Saiba perceber as formações e usos das palavras em diferentes contextos comunicacionais, para perceber e avaliar a  harmonia de sentido na escolha de uma palavra para contextualizar uma atividade de fala.

E, como havia falado anteriormente, fazer com que o candidato leve em consideração a pessoa com quem fala (considerando a profissão, idade, sexo, posição social, origem geográfica, etc) e o ambiente onde se encontra (um concerto de música clássica, estádio de futebol, cada de amigos ou de desconhecidos, etc).

É uma estratégia do exame para fazer com que o estudante/candidato compreenda as vivências da fala e da escrita na sociedade brasileira.

Aula Gratuita sobre Denotação x Conotação

Você pode ir mais além, aprofundando essas dicas. Assista ao vídeo sobre interpretação de texto  com o professor Pasquale Cipro Neto, que está no canal Erika Costa do Youtube. E,  não se esqueça: pesquise, estude para o vestibular e ENEM!

Exercícios sobre Denotação e Conotação

Agora chegou a sua vez! Responda a questão abaixo que o Blog do ENEM preparou para você.

1. Em qual das afirmativas abaixo foi utilizada a linguagem conotativa?

a) Ele tem um coração muito forte para a idade.

b) O coração dele parou de bater durante a madrugada.

c) “Meu coração topical está coberto de neve”.

d) Eu a amo do fundo do coração.

e) O coração é o principal órgão humano.

Resposta: A alternativa correta é a letra “c”.

Comentário: as palavras tropical e neve têm significados opostos e foram utilizadas no texto para demonstrar a incoerência que toma conta do eu lírico. Para muitas pessoas, nós brasileiros, o clima tropical pode representar bem estar, enquanto que a neve, com a qual não estamos acostumados, significa sofrimento, desconforto. Um coração tropical coberto de neve é um coração que sofre por algum motivo. Nesse caso, é preciso todo um conhecimento extra, inclusive geográfico, para a compreensão total da mensagem.

Jackson Gil - linguagem
O texto foi preparado pelo professor Jackson Gil Avila para o Blog do Enem. Jackson é licenciado em letras Português/Espanhol; especialista em Literatura Contemporânea e em Gramática do Texto; e mestrando em Ciências da Linguagem, todos pela UNISUL.