Idade Média: Império Bizantino

Aproveite este resumo sobre o império bizantino e prepare-se melhor para o Enem e demais vestibulares

Idade Média: Nesta oportunidade vamos falar sobre a organização do Império Romano Oriental após a desagregação da parte ocidental do império romano.

O império bizantino, que dominou a região do Mar Mediterrâneo após a desagregação do império romano, era na verdade a região oriental do grande império formado pelos romanos e dominou a região em questão até 1453, quando foi subjugado pelos turcos otomanos.

1
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Santa_Sofia

Igreja de Santa Sofia – Construída no século VI, foi convertida em mesquita a partir do domínio turco em 1453. Atualmente é sede de um Museu.

Sua origem remonta a fundação da cidade de Constantinopla (Atual Istambul) no local onde os gregos já haviam desenvolvido a cidade de Bizâncio em um período em que os imperadores romanos buscaram governar a partir de outras sedes, seja para fugir a forte pressão política que sofreriam em Roma, seja para garantir maior influência em regiões fronteiriças, importantes para a manutenção do império.

Desta forma Constantinopla tornou-se capital das províncias orientais romanas e resistiu as invasões bárbaras que assolaram a parte ocidental do império durante a alta idade média, mantendo sua independência e influência por toda a região por mais um milênio.

Seguindo uma organização própria, sua sociedade era hierarquizada. Imperadores e suas famílias estavam no topo da pirâmide social, seguidos pela nobreza cortesã, que possuía funções públicas que auxiliavam a administração do império. O alto clero católico também possuía posição de destaque. Uma elite formada por comerciantes, proprietários de terra e artesãos ricos vinha na sequencia, seguidos das camadas menos abastadas formadas por pequenos agricultores, baixo clero e trabalhadores de ofício (classe média), e camponeses, na base.

Justiniano I

Durante seu reinado, o Imperador Justiniano I buscou recuperar a suntuosidade do antigo império romano. Sua esposa, Teodora, exerceu grande influencia neste período.

Entre suas principais realizações consta a publicação do Código de Justiniano, uma compilação do direito romano, da república ao império. O código é conhecido também como Corpus Juris Civili.

2
Fonte: http://media-3.web.britannica.com/eb-media/37/100237-004-AB12BEAF.jpg

Mosaico do busto de Justiniano

No campo militar buscou recuperar o antigo território romano, dominou Vândalos e Ostrogodos e resistiu a investidas dos Persas Sassânidas e Ávaros. Internamente enfrentou a revolta de Nika, deflagrada por setores populares insatisfeito com alta cobrança de impostos e o cesaropapismo do Imperador. A revolta foi controlada em 8 dias pelo general Belizário.

Cisma do Oriente

O chamado cesaropapismo produziu um sistema cristão diferente do praticado em Roma, apesar de ambos serem católicos. A figura do imperador exercia forte influência também nos assuntos da igreja. Para todos os efeitos, o clero católico bizantino era submetido ao poder imperial, o que criou problemas com a alta hierarquia católica romana.

Assim sendo, em 1054 ocorreu o chamado Cisma do Oriente, quando os patriarcas de Constantinopla deixaram de reconhecer a autoridade do bispo de Roma (Papa) como chefe supremo do catolicismo. Desta forma a cristandade foi dividida e os imperadores consolidaram o poder sobre a Igreja Católica Ortodoxa.

Outra característica do cristianismo em Constantinopla foi a proibição de adoração de imagens, com exceção de Cristo. Aos que desrespeitassem tal fato restava a pena de morte.

No aspecto cultural pode-se dizer que a cultura grega teve maior influencia sobre os bizantinos do que a cultura romana em si, a ponto de utilizarem o grego como idioma oficial do império.

A estabilidade conquistada por Justiniano foi gradativamente perdida após sua morte e a sucessão de novas dinastias. Situado em posição estratégica, entre a Ásia e a Europa, o império sofreria sucessivas tentativas de invasão, sobremaneira da civilização Árabe. Posteriormente, exerceu papel importante no desenvolvimento das cruzadas para conquista da terra santa (Jerusalém), quando a cristandade esteve a beira de reunir-se.

No entanto, com o desenvolvimento e aumento do poderio das cidades italianas que passaram a exercer maior influência na navegação em geral pelo mediterrâneo, o império entrou em crise. Para se ter uma ideia, de possíveis aliados, foram deliberadamente atacados pelos Venezianos em 1204, durante a Quarta Cruzada.

Submetidos ao poder de Genova e Veneza que estabeleceram colônias próximas a bizâncio, o império ruiu, caindo nas mãos dos turcos otomanos em 1453, episódio que marca o fim da idade média e início da idade moderna.

Para saber mais sobre o império bizantino, veja esta excelente videoaula:

Para finalizar sua revisão, veja também esta videoaula sobre o cesaropapismo e cisma do oriente:

Exercícios:

1- Leia o texto abaixo para poder responder à questão seguinte:

“[…] Aquilo que se tornou conhecido por Império Bizantino era na origem o Império Romano do Oriente (Grécia, Egito, Siria-Palestina, Mesopotâmia, Ásia Menor). E realmente, como Roma, Bizâncio uniu, através de uma língua e uma determinada maneira de sentir e de pensar, povos que nada tinham em comum entre si. Como os antigos gregos e romanos, os bizantinos consideravam-se os únicos habitantes do mundo civilizado, rotulando de bárbaros todos os que não partilhavam de sua cultura. […] Por isso mesmo suas relações com o Ocidente medieval sempre foram difíceis […]”

Essa diferença com o Ocidente manifestou-se também no plano religioso e político, tendo como um de seus resultados:

a) o fechamento do mar Mediterrâneo aos europeus por parte dos Bizantinos.

b) o início das Cruzadas pelos cristãos ocidentais, que pretendiam retomar partes do Império Bizantino localizadas na Terra Santa.

c) o Grande Cisma do Oriente.

d) as divergências papais que levaram ao Cisma do Ocidente.

Resposta: C

2- Observe a imagem abaixo:

3
Mosaico bizantino que mostra o imperador Constantino IX, um dos soberanos do Império Bizantino *

* Crédito da Imagem: PavleMarjanovic e Shutterstock.com

A imagem é um mosaico, uma das principais características artísticas da civilização bizantina. Através dela também é possível perceber outra característica do Império Bizantino, que é:

a) a teocracia, o caráter despótico do imperador associado à sua influência política.

b) a burocracia, que controlava o poder político do Estado, segundando a figura do Imperador.

c) a cleptocracia, a corrupção utilizada pelos Imperadores para manter seu poder.

d) a plutocracia, o poder dos homens ricos que conseguiam subjugar inclusive o poder religioso, colocando-se acima de Cristo.

Resposta: A

Bruno História
Os textos e exemplos acima foram preparados pelo professor Bruno Anderson para o Blog do Enem. Bruno é historiador formado pela Universidade Federal de Santa Catarina. Dá aulas de história em escolas da Grande Florianópolis desde 2012. Facebook e Twitter.