Orações Coordenadas e Intercaladas – Gramática Enem

Vem com a gente aprender mais sobre as orações coordenadas e intercaladas! Vamos te ajudar a gabaritar as questões de Gramática no Enem!

As orações coordenadas são aquelas que, no período, não exercem função sintática umas em relação às outras. Uma oração coordenada, portanto, nunca será termo das outras coordenadas com as quais se relaciona. O que isso quer dizer? Parece muito técnico não é? Vamos analisar o exemplo abaixo!

Ex.: Acordei cedo, tomei café, paguei a conta e deixei o hotel.

portugues

Vocês podem perceber que as orações acima são independentes e seu sentido apenas depende da forma como estão colocadas as orações na frase. Quando tratamos sobre essas orações dizemos que elas possuem uma estrutura sintática completa, ou seja, elas possuem sujeito (explícito ou implícito) + predicado (que também pode ser explícito ou implícito). Vale lembrar que nas orações sem sujeito, é claro, que só vai haver predicado.

Qual a ligação que as orações possuem? Elas se relacionam logicamente pelo sentido, dando coesão e coerência à frase, mas são independentes entre si, estão simplesmente uma ao lado da outra. Se mudarmos a ordem das orações o sentido ficará prejudicado.

Por exemplo na frase “Os alunos se encontram muito ansiosos; já as alunas estão tranquilas.” Se separarmos cada oração, vamos perceber que cada uma possui sua estrutura sintática completa, ou seja, não dependem da outra sintaticamente. Isso não quer dizer que semanticamente elas não se completam, existe sim uma conexão entre as orações coordenadas dando sentido ou compreensão do contexto em que estão colocadas. Por isso, é importante saber que as orações são separadas por vírgula, ponto-e-vírgula, dois pontos e travessão. E nunca devem ser separadas por ponto, porque vão se tornar orações absolutas ou período simples, e no caso das coordenadas estamos falando de orações compostas.

Tipos de coordenadas

As orações coordenadas podem vir ou não introduzidas por conjunções coordenativas, que são as palavras que estabelecem conexões entre as orações na frase, a esse tipo de oração damos o nome de sindéticas. Quando não existem conjunções, as orações coordenadas são conhecidas como coordenadas assindéticas, e a ligação que possuem entre si é marcada por pausas e sinais de pontuação, como as vírgulas, por exemplo.

Ex. de sindética: “Sou um gigolô das palavras, vivo às custas…” (Luís Fernando Veríssimo). A conexão acontece devido às orações estarem justapostas.

Existem cinco tipos de orações coordenadas sindéticas: aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas e explicativas. Vamos aos exemplos!

1 – As aditivas exprimem ideia de soma, adição.
Ex.: Pedro estuda e trabalha
Tanto leciona quanto trabalha
Não só os parentes das vítimas ficaram chocados com o massacre,como o povo externou sua fúria contra os culpados pela chacina.

2 – As adversativas exprimem ideia de adversidade, oposição, contraste. (As principais conjunções adversativas são: mas, porém, todavia, contudo, entretanto, no entanto).

Ex.: Pedro trabalha muito, mas ganha pouco.
A polícia invadiu a comunidade; o tiroteio, porém, continuava.
O conhecimento enfuna, todavia é uma necessidade.

3 – As alternativas exprimem ideia de alternância, escolha, e isso ocorre quando a ocorrência de um fato não implica em outro.

Ex.: Venha agora ou perderá a vez.
A mulher ora o agradava, ora o ofendia.
Quer chovesse, que fizesse sol, tinha de sair.
Nós vamos ou não?

4 – As conclusivas dão ideia de conclusão e suas principais conjunções são: logo, portanto, então e pois (colocado depois do verbo).

Ex.: As árvores balançam, logo está ventando.
Ele estuda todo dia, logo resolverá facilmente as questões.
Não me sinto preparada ainda, prestarei concurso só no próximo ano, portanto.

5 – As explicativas são aquelas que dão ideia de explicação, justificam e confirmam. As principais conjunções são o pois(colocado antes do verbo), porque e que.

Ex.: Venha imediatamente, pois sua presença é indispensável.
Amai, porque amor é tudo.
Quisera saber bem o Português, que eu iria passar em todas as provas.
As orações intercaladas

São orações independentes que não pertencem à sequência do período. O que isso quer dizer? São orações que vêm separadas por vírgula, duplo travessão ou parênteses, e são utilizadas para esclarecer, ser um aparte ou uma citação.

Ex.: Eu – retrucou ele – não concordo com o que disse.
“A cunhadinha (continuava a dar este nome a Capitu) tinha-lhe falado naquilo por ocasião de nossa última visita a Andaraí, e disse-lhe a razão do segredo.” (Machado de Assis).

As orações intercaladas são classificadas em sete tipos. Vamos conhecê-los?

1 – De citação (discurso direto – marcado por aspas ou travessão): com sentido de sujeito, objeto direto ou aposto.

Ex.: – Para os alunos, as aulas não estão boas: “Precisamos imediatamente de um bom professor!”

2 – De esclarecimento:

Ex.: “ – Em 2006 – isto aconteceu na minha formatura, cujo dia marcou minha vida – nunca mais me esqueci de quão bom é ter um curso superior.”

3 – De opinião:

Ex.: – João (por que esse nome é comum?), por gentileza, venha aqui, quero falar com você.

4 – De desejo:

Ex.: – Encontramos seus pais lúcidos e alegres [Deus os conserve assim!], mesmo com mais de 90 anos.

5 – De desculpa:

Ex.: – “… não sei por que fenômenos de ventriloquismo cerebral (perdoem-me os filósofos essa frase bárbara) murmureicomigo…” (Machado de Assis)

6 – De permissão:

Ex.: – Meu nobre mestre (permita-me aqui um elogio), o senhor realmente mudou minha vida com seus ensinamentos.

7 – De Ressalva:

Ex.: – O livro apresentado pela editora, que, diga-se de passagem, é a melhor do mercado editorial brasileiro, surpreendeu a todos.

Vamos praticar?

1- (Enem-2014)

Tarefa

Morder o fruto amargo e não cuspir
Mas avisar aos outros quanto é amargo
Cumprir o trato injusto e não falhar
Mas avisar aos outros quanto é injusto
Sofrer o esquema falso e não ceder
Mas avisar aos outros quanto é falso
Dizer também que são coisas mutáveis…
E quando em muitos a não pulsar
— do amargo e injusto e falso por mudar —
então confiar à gente exausta o plano
de um mundo novo e muito mais humano.

CAMPOS, G. Tarefa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

Na organização do poema, os empregos da conjunção “mas” articulam, para além de sua função sintática,

a) a ligação entre verbos semanticamente semelhantes.
b) a oposição entre ações aparentemente inconciliáveis.
c) a introdução do argumento mais forte de uma sequência.
d) o reforço da causa apresentada no enunciado introdutório.
e) a intensidade dos problemas sociais presentes no mundo.

2- (Enem PPL 2013): Brasil é o maior desmatador, mostra estudo da ONU

O Brasil reduziu sua taxa de desmatamento em vinte anos, mas continua líder entre os países que mais desmatam, segundo a FAO (órgão da ONU para a agricultura).
A entidade apresentou ontem estudo sobre a cobertura florestal no mundo e o resultado é preocupante: em apenas dez anos, uma área de floresta do tamanho de dois estados de São Paulo desapareceu do país.
De forma geral, a queda no ritmo da perda de cobertura florestal foi de 37% em dez anos.
Entre 1990 e 1999, 16 milhões de hectares por ano sumiram. Entre 2000 e 2009, esse número caiu para 13 milhões de hectares.
Mas o número é considerado alto. A América do Sul é apontada como a maior responsável
pela perda de florestas do mundo, com cortes anuais de 4 milhões de hectares. A África vem
em seguida, com 3,4 milhões de hectares/ano.
O Estado de São Paulo, 26 mar. 2010.

Na notícia lida, o conectivo “mas” (terceiro parágrafo) estabelece uma relação de oposição entre as sentenças: “Entre 2000 e 2009, esse número caiu para 13 milhões de hectares” e “o número é considerado alto”. Uma das formas de se reescreverem esses enunciados, sem que lhes altere o sentido inicial, é:

a) Porque, entre 2000 e 2009, esse número caiu para 13 milhões de hectares, o número é considerado alto.
b) Entre 2000 e 2009, esse número caiu para 13 milhões de hectares, por isso o número é considerado alto.
c) Entre 2000 e 2009, esse número caiu para 13 milhões de hectares, uma vez que o número é considerado alto.
d) Embora, entre 2000 e 2009, esse número tenha caído para 13 milhões de hectares, o número é considerado alto.
e) Visto que, entre 2000 e 2009, esse número caiu para 13 milhões de hectares, o número é considerado alto.

3- (Enem 2011) – Cultivar um estilo de vida saudável é extremamente importante para diminuir o risco de infarto, mas também como de problemas como morte súbita e derrame. Significa que manter uma alimentação saudável e praticar atividade física regularmente já reduz, por si só, as chances de desenvolver vários problemas. Além disso, é importante para o controle da pressão arterial, dos níveis de colesterol e de glicose no sangue. Também ajuda a diminuir o estresse e aumentar a capacidade física, fatores que, somados, reduzem as chances de infarto. Exercitar-se, nesses casos, com acompanhamento médico e moderação, é altamente recomendável.

ATALIA, M. Nossa vida. Época. 23 mar. 2009.

As ideias veiculadas no texto se organizam estabelecendo relações que atuam na construção do sentido. A esse respeito, identifica-se, no fragmento, que

a) A expressão “Além disso” marca uma sequenciação de ideias.
b) o conectivo “mas também” inicia oração que exprime ideia de contraste.
c) o termo “como”, em “como morte súbita e derrame”, introduz uma generalização.
d) o termo “Também” exprime uma justificativa.
e) o termo “fatores” retoma coesivamente “níveis de colesterol e de glicose no sangue”.

4- (Enem 2010) – O Flamengo começou a partida no ataque, enquanto o Botafogo procurava fazer uma forte marcação no meio campo e tentar lançamentos para Victor Simões, isolado entre os zagueiros rubro-negros. Mesmo com mais posse de bola, o time dirigido por Cuca tinha grande dificuldade de chegar a área alvinegra por causa do bloqueio montado pelo Botafogo na frente da sua área.
No entanto, na primeira chance rubro-negra, saiu o gol. Apóscruzamento da direita de Ibson, a zaga alvinegra rebateu a bola de cabeça para o meio da área. Kléberson apareceu na jogada e cabeceou por cima do goleiro Renan. Ronaldo Angelim apareceu nas costas da defesa e empurrou para o fundo da rede quase que em cima da linha: Flamengo 1 a 0.

Disponível em: http://momentodofutebol.blogspot.com (adaptado).

O texto, que narra uma parte do jogo final do Campeonato Carioca de futebol, realizado em
2009, contém vários conectivos, sendo que

a) após é conectivo de causa, já que apresenta o motivo de a zaga alvinegra ter rebatido a
bola de cabeça.
b) enquanto tem um significado alternativo, porque conecta duas opções possíveis para serem aplicadas no jogo.
c) no entanto tem significado de tempo, porque ordena os fatos observados no jogo em ordem cronológica de ocorrência.
d) mesmo traz ideia de concessão, já que “com mais posse de bola”, ter dificuldade não é algo naturalmente esperado.
e) por causa de indica consequência, porque as tentativas de ataque do Flamengo motivaram o Botafogo a fazer um bloqueio.

5- (Enem 2010) – Os filhos de Ana eram bons, uma coisa verdadeira e sumarenta. Cresciam, tomavam banho, exigiam para si, malcriados, instantes cada vez mais completos. A cozinha era enfim espaçosa, o fogão enguiçado dava estouros. O calor era forte no apartamento que estavam aos poucos pagando. Mas o vento batendo nas cortinas que ela mesma cortara lembrava-lhe que se quisesse podia parar e enxugar a testa, olhando o calmo horizonte. Como um lavrador. Ela plantara as sementes que tinha na mão, não outras, masessas apenas.
LISPECTOR, C. Laços de família. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

A autora emprega por duas vezes o conectivo mas no fragmento apresentado. Observando aspectos da organização, estruturação e funcionalidade dos elementos que articulam o texto, o conectivomas expressa o mesmo conteúdo nas duas situações em que aparece no texto.

a) expressa o mesmo conteúdo nas duas situações em que aparece no texto.
b) quebra a fluidez do texto e prejudica a compreensão, se usado no início da frase.
c) ocupa posição fixa, sendo inadequado seu uso na abertura da frase.
d) contém uma ideia de sequência temporal que direciona a conclusão do leitor.
e) assume funções discursivas distintas nos dois contextos de uso.

6- (Enem 2ª aplicação 2010) Diego Souza ironiza torcida do Palmeiras

O Palmeiras venceu o Atlético-GO pelo placar de 1 a 0, com um gol no final da partida. O cenário era para ser de alegria, já que a equipe do Verdão venceu e deu um importante passo para conquistar a vaga para as semifinais, mas não foi bem isso que aconteceu.
O meia Diego Souza foi substituído no segundo tempo debaixo de vaias dos torcedores palmeirenses e chegou a fazer gestos obscenos respondendo à torcida. Ao final do jogo, o meia chegou a dizer que estava feliz por jogar no Verdão.
— Eu não estou pensando em sair do Palmeiras. Estou muito feliz aqui — disse.
Perguntado sobre as vaias da torcida enquanto era substituído, Diego Souza ironizou a torcida do Palmeiras.
—Vaias? Que vaias? — ironiza o camisa 7 do Verdão, antes de descer para os vestiários.

Disponível em: http://oglobo.globo.com. Acesso em: 29 abr. 2010.

A progressão textual realiza-se por meio de relações semânticas que se estabelecem entre as partes do texto. Tais relações podem ser claramente apresentadas pelo emprego de elementos coesivos ou não ser explicitadas, no caso da justaposição. Considerando-se o texto lido,

a) no primeiro parágrafo, o conectivo já que marca uma relação de consequência entre os segmentos do texto.
b) no primeiro parágrafo, o conectivo mas explicita uma relação de adição entre os segmentos do texto.
c) entre o primeiro e o segundo parágrafos, está implícita uma relação de causalidade.
d) no quarto parágrafo, o conectivo enquanto estabelece uma relação de explicação entre os segmentos do texto.
e) entre o quarto e o quinto parágrafos, está implícita uma relação de oposição.

Gabarito:

1- Alternativa C. Na organização do poema, os empregos da conjunção “mas” articula a introdução do argumento mais forte de uma sequência: enquanto o eu lírico mostra que aceita, por exemplo, não cuspir um fruto amargo, o argumento mais forte é a necessidade que sente em avisar aos outros quanto é amargo. Ele vê esse aviso como tarefa, como observado no título.
2- Alternativa D. A relação estabelecida entre as orações destacadas é de oposição, portanto o conectivo “mas” pode ser substituído por “embora” sem prejuízo de sentido. As demais alternativas alteram-na para relação de causa e consequência entre as orações.
3- Alternativa A. A expressão “além disso” acrescenta informações (“é importante para o controle da pressão arterial, dos níveis de colesterol e de glicose no sangue”) ao que havia sido anteriormente sobre as atitudes recomendáveis para se ter um estilo de vida benéfico à saúde (“manter uma alimentação saudável e praticar atividade física regularmente”).
4- Alternativa D. A conjunção subordinativa “mesmo” indica concessão, pois estabelece uma relação de oposição ao que seria esperado. Apesar de o Flamengo ter maior posse de bola, tinha dificuldade em chegar à área alvinegra. “Mesmo” ser substituído por “embora” ou “ainda que”. “Após” e “enquanto” estabelecem circunstância de tempo, “no entanto”, adversidade e “por causa de”, causa, o que invalida as outras opções.
5- Alternativa E. Na primeira ocorrência, a conjunção subordinativa “mas” expressa oposição (“O calor era forte…”, ‘ O vento batendo nas cortinas…lembrava-lhe que se quisesse podia parar”). Na segunda, a palavra enfatiza, realça a ideia de que são “essas apenas” e “não outras” que “ela plantara”, sendo usada como partícula expletiva ou de realce.
6- Alternativa C. Os elementos coesivos destacados não encontram correspondência correta em A, B e D, pois “já que” marca relação de causalidade; “mas”, de adversidade e “enquanto”, relação de tempo. Também não existe oposição entre os dois últimos parágrafos do texto como se afirma em E, mas sim uma relação de continuidade, pois o verbo de elocução “ironizou”, do quarto parágrafo, introduz a fala de Diego Sousa expressa em discurso direto no 5º parágrafo. Portanto, apenas C está correta, pois o segundo parágrafo explica a causa da vitória do Palmeiras não ter sido suficiente para alegrar o público: as vaias da torcida e os gestos obscenos do jogador contribuíram para ensombrar o evento.

Os textos e exemplos acima foram preparados pela professora Su, com base em manuais gramaticais. A maioria dos exemplos são do Livro “A Gramática para Concursos Públicos”, do professor Fernando Pestana. A professora é Licenciada Plena em Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Pará (UFPA).