Faltam:
para o ENEM

A Sociedade Açucareira do Brasil Colonial – História Vestibular e Enem.

É hora de relembrar o conteúdo sobre a sociedade açucareira do Brasil Colonial. Tempos duros da escravidão, de feitores, senhores de engenho e de exploração pela Coroa de Portugal. Cai nos vestibulares e no Enem também. Então, é hora de revisar para mandar bem nas questões de História. Confira abaixo.

No Brasil colonial (1500-1822) a sociedade que se formou em torno dos engenhos de açúcar era relativamente complexa. Havia os senhores do açúcar, os escravos lavradores de cana e os trabalhadores do engenho.  Tempos muito duros. Veja nesta aula.

Um dos traços marcantes da Sociedade Açucareira foi a escravidão e ainda uma hierarquia social muito rígida. Então, vamos conhecer um pouco mais sobre este periodo histórico. É uma aula com o retrato do Brasil colonial.  Olhando assim  séculos depois pode ser difícil imaginar o que aconteceu. Mas, até engenhos movidos  pela força muscular de escravos eram comuns em pequenas moendas. Veja na imagem: 

Os senhores de engenho eram o grupo dominante na sociedade açucareira. Eram os donos das terras, das máquinas e até dos homens! Possuíam muita riqueza e prestígio. Tinham poder sobre todos os habitantes do engenho: do padre aos escravos, além dos familiares e dos trabalhadores livres. Na sua falta quem exercia tal poder era o filho mais velho. Por isso, dizemos que a família senhorial no Brasil era patriarcal.

Veja  na imagem uma cena de época, dos tempos da Sociedade Açucareira no Brasil Colonial, com a família da Casa Grande seguida pelos escravos da Senzala. O quadro ‘Uma família brasileira’ é de uma gravura de Henry Chamberlain, 1819.Brasil - Senhores do Engenho

Terras, Escravidão, e Açúcar – No seu dia a dia os senhores ocupavam-se com a aquisição de terras, o comércio do açúcar, sua compra e venda, o controle dos escravos, a administração da propriedade, o pagamento dos salários dos trabalhadores livres, os assuntos relacionados aos rebanhos e à lavoura, os problemas domésticos e familiares e a acomodação de hóspedes.

Como você pôde perceber o poder do senhor de engenho perpassava todos os assuntos relacionados à produção de açúcar e à família. Ele controlava tudo e todos!

Mas, você deve estar se perguntando: – O senhor de engenho só ficava nas fazendas de açúcar?

A resposta é não! Os senhores de engenho não viviam isolados nas suas fazendas de cana. Como a produção de açúcar era destinada ao consumo externo, eles estavam sempre em contato com o meio urbano. Eles negociavam com financiadores e comerciantes do açúcar e também participavam da vida política e administrativa das vilas e cidades (exerciam cargos nos órgãos locais).

Lavradores de cana – Nesta sociedade havia também os donos de canaviais que não eram senhores de engenho. Como montar um engenho exigia muito dinheiro alguns lavradores moíam a cana de suas terras em engenhos alheios – eram os chamados arrendatários (aquele que obtém o direito de usar provisoriamente uma propriedade mediante o pagamento ao dono.). Em troca entregavam parte do açúcar que produziam ao senhor de engenho. O arrendamento das instalações de engenho foi muito comum no período colonial.

Você sabia que havia na época dois tipos de arrendatários? Não? Então, vamos ver quais eram?

  • Lavradores de cana obrigada: eram os arrendatários que só podiam moer a cana em determinado engenho.
  • Lavradores de cana livre: eram os arrendatários que tinham a liberdade de escolher o engenho que oferecesse as melhores vantagens para o negócio.

Os trabalhadores do engenho – O quadro de trabalhadores do engenho era bastante complexo. Havia os trabalhadores especializados, que eram os trabalhadores livres, e os escravos. Vamos ver alguns deles?

Feitores Brasil AçúcarOs feitores eram responsáveis por diferentes tarefas no engenho. Havia o feitor que cuidava da moenda, o feitor encarregado da plantação, o feitor-mor que administrava o engenho (imagem 1), o feitor de campo que vigiava e castigava os escravos (imagem acima).

O mestre de açúcar (imagem abaixo) controlava o trabalho de beneficiamento do açúcar.  O purgador (imagem 4) administrava o processo de clareamento do açúcar. O oficial de açúcar (imagem 5) auxiliava o mestre de açúcar. O caldeireiro (imagem 6) trabalhava nas caldeiras.

Brasil Açucareiro
As imagens acima foram retiradas do livro: BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História: sociedade & cidadania 7º. ano. ed. reformulada. São Paulo: FTD, 2012. p. 288-289.

Além desses trabalhadores, havia também os artesãos (carpinteiros, pedreiros, ferreiros…). Os mais bem pagos eram os especialistas na produção do açúcar: mestre de açúcar, purgador e caldeireiro. O salário desses trabalhadores era pago anualmente.

Veja o que mais cai de História no Enem:

As Grandes Navegações; A 2ª Guerra Mundial; O Golpe Militar de 1964; O Tenentismo; Brasil República;  Era Vargas; A República da Espada; Revoltas Nativistas; A Redemocratização (A Nova República); e mais três temas quentes para você revisar nesta aula gratuita de História:

O que mais cai de História no Enem

Dicas do Blog:

1 – Você acha difícil memorizar tudo que aprende? O Blog do Enem pode te ajudar! Acesse o link e descubra quais as dicas para você memorizar o que estudou. http://www.alunosonline.com.br/portugues/dicas-para-voce-memorizar-o-que-estuda.html

2– Faça revisão do Enem com Apostilas Gratuitas. O Blog do Enem selecionou para você, para todas as matérias: https://blogdoenem.com.br/category/apostila-enem/

Os escravos de origem africana e seus descendentes formavam a grande maioria da população colonial. Eram eles que realizavam a maior parte das atividades do engenho. Os chamados escravos de campo – que trabalhavam carpindo, plantando, colhendo e pescando – constituíam 80% dos escravos. Os que trabalhavam no processo de fabricação do açúcar, 10%. Os escravos que eram destinados às atividades domésticas na casa-grande – cozinheira, faxineira, arrumadeira etc. – e os artesãos – oleiro, carpinteiro, ferreiro etc. – todos juntos, compunham mais 10%.

Dependia quase que exclusivamente do trabalho escravo o funcionamento dos engenhos.

socidade-acucar-brasil-colonial

Ainda está com dúvidas? Então, faça uma super revisão deste conteúdo nesta aula em vídeo do IESDE. Nos primeiros 14 min. você fica conhecendo um pouco mais sobre a sociedade açucareira do Brasil colonial. E, não se esqueça: pesquise, estude para o vestibular e Enem!

Exercício – Agora chegou a sua vez! Responda a esta questão de vestibular que o Blog do Enem preparou para você.

(CESGRANRIO):

“O senhor de engenho é título a que muitos aspiram, porque traz consigo o ser servido, obedecido e respeitado de muitos.” O comentário de Antonil, escrito no século XVIII, pode ser considerado característico da sociedade colonial brasileira porque:

a) (     ) a condição de proprietário de terras e de homens garantia a preponderância dos senhores de engenho na sociedade colonial.
b) (     ) a autoridade dos senhores restringia-se aos seus escravos, não se impondo às comunidades vizinhas e a outros proprietários menores.
c) (     ) as dificuldades de adaptação às áreas coloniais levaram os europeus a organizar uma sociedade com mínima diferenciação e forte solidariedade entre seus segmentos.
d) (     ) as atividades dos senhores de engenho não se limitavam à agroindústria, pois controlavam o comércio de exportação, o tráfico negreiro e a economia de abastecimento.
e) (     ) o poder político dos senhores de engenho era assegurado pela metrópole através da sua designação para os mais altos cargos da administração colonial.

Resposta: A alternativa correta é a letra “a”.

Carla Regina História
O texto desta aula foi preparado pela professora Carla Regina da Silva para o Blog do Enem. Carla é formada em licenciatura e bacharelado em História pela UFSC. https://www.facebook.com/carla.regina.779.