Sócrates: entenda o filósofo e como ele é cobrado em Filosofia Enem

“Só sei que nada sei”. Você já ouviu esta frase? Já disse ao professor quando não sabia responder? Esta frase é o princípio do conhecimento para Sócrates, vamos entender um pouco mais? O Blog do Enem te ajuda nessa!

SócratesQuem foi Sócrates?

Se esta pergunta for feita aos torcedores do Corinthians irão responder que foi um grande jogador e ídolo do time. Mas não estamos falando deste Sócrates, mas de um homem que nasceu em Atenas por volta do ano de 469 a.C. e morreu no ano de 399 a.C. condenado por corromper a juventude, introduzir outros deuses a cultura grega e não reconhecer os deuses da cidade grega. Sócrates podia ter fugido de sua condenação, tomar um cálice de veneno chamado cicuta, porque seus discípulos queriam que ele fosse para outra cidade, mas ele recusou, pois queria morrer pela verdade e se ele fugisse estaria negando toda sua filosofia.

Ele não escreveu nada, tudo que soubemos deles foi escrito por seu discípulo Platão. Sócrates era filho de uma parteira chamada Fenareta e de um escultor chamado Sofronisco. A profissão de seus pais influenciou sua atitude filosófica.

Entenda melhor a filosofia

Sócrates não se interessou pela filosofia da natureza, ou da physis, mas seu ponto de partida foi o próprio ser humano. Para Sócrates todas as pessoas traziam dentro de si o conhecimento, assim como para o seu pai, a obra de arte já estava dentro do bloco de pedra, apenas lapidava para tirar de dentro o objeto. E, como sua mãe, que não fazia o parto, apenas auxiliava as mulheres a darem a luz, o conhecimento era colocado para fora através das perguntas e questionamentos, portanto, não podia ser ensinado.

Este método de Sócrates ficou conhecido como Ironia e maiêutica. Você já ouviu falar deste método socrático? Vamos entendê-los:

Ironia

Você sabe o que significa ironia? Ou sabe o que é uma pessoa irônica?  No dicionário AULETE temos como significado de Ironia: Figura de linguagem, para fazer graça, ou mostrar irritação, o que se declara o contrário do que se pensa (p. 815). Sócrates quando conversava com os jovens em praças públicas, ele fazia de conta que não sabia e com perguntas dirigidas aos seus interlocutores (aqueles que estão dialogando com Sócrates), levá-los e perceber suas contradições e reconhecerem sua ignorância.

Você sabe o que significa ignorância? Um pouco diferente do que é usada pela maioria das pessoas. Significa falta de conhecimento, falta de saber. Por isso a famosa frase: “Só sei que nada sei” era o princípio do conhecimento para Sócrates, isto é, reconhecer a própria ignorância era abrir-se para o novo, o diferente, era o início da construção de um verdadeiro conhecimento.

Dica 1: Estude também os filósofos pré-socráticos acessando o nosso Blog do Enem.

Maiêutica

É uma palavra grega que significa “ato de da à luz”, este termo vem da profissão da mãe de Sócrates. Lembra que ela apenas auxiliava as futuras mães a darem a luz, então, Sócrates não queria ensinar nada a ninguém, mas fazer com que seus interlocutores chegassem ao conhecimento por meio da Ironia. A maiêutica era o momento em que o interlocutor tinha construído o conhecimento por meio das perguntas e dos questionamentos de Sócrates, portanto, era o ato de dar a luz ao conhecimento.

Entendeu o conceito? Para saber ainda mais acesse esse link que irá ajudar você entende-lo melhor:

Na obra intitulada Teeteto, de Platão, a ironia e a maiêutica socrática são demonstrada, lembrando que todos os livros de Platão são em forma de diálogo, vejamos um trecho deste livro:

No diálogo Sócrates esclarece a Teeteto o motivo de sua arte se chamar maiêutica (148e-149a) :

Teeteto – Convém saberes, Sócrates, que já por várias vezes procurei resolver essa questão, por ter ouvido falar no que costumas perguntar sobre isso. Porém não posso convencer-me de que cheguei a uma conclusão satisfatória, como nunca ouvi de ninguém uma explicação como desejas. Apesar de tudo, não consigo afastar da ideia essa questão.Sócrates – São dores de parto, meu caro Teeteto. Não estás vazio; algo em tua alma deseja vir à luz.

Teeteto – Isso não sei, Sócrates; só disse o que sinto.

Sócrates – E nunca ouviste falar, meu gracejador, que eu sou filho de uma parteira famosa e imponente, Fanerete?

Teeteto – Sim, já ouvi.

Sócrates – Então, já te contaram também que eu exerço essa mesma arte?

Teeteto – Isso, nunca.

Sócrates – Pois fica sabendo que é verdade; porém não me traias; ninguém sabe que eu conheço semelhante arte, e, por não o saberem, em suas referências à minha pessoa não aludem a esse ponto; dizem apenas que eu sou o homem mais esquisito do mundo e que lanço confusão no espírito dos outros. A esse respeito já ouviste dizerem alguma coisa?

Teeteto – Ouvi.

(Fonte)

Dica 2: Complete as suas revisões para o Enem e os vestibulares com as Apostilas Gratuitas Enem que o Blog do Enem selecionou para você. Aulas, exercícios e dicas de todas as matérias.

Resumo: Sócrates foi um grande marco na filosofia, pois sua preocupação foi o conhecimento do próprio homem. Seu método para chegar ao verdadeiro conhecimento foi à ironia e a maiêutica. E a base de sua filosofia foi a frase: “Só sei que nada sei”, ou seja, reconhecer a própria ignorância é o caminho da construção do verdadeiro conhecimento.

Você quer saber um pouco mais sobre a vida e a filosofia de Sócrates? Acesse esse link e assista a este vídeo da vida e filosofia de Sócrates:

Agora chegou a sua vez. Vamos ver se entendeu este conteúdo? Resolva essas questões de vestibulares sobre este assunto:

1) O método argumentativo de Sócrates (469 – 399 a.C.) consistia em dois momentos distintos: a ironia e a maiêutica. Sobre a ironia socrática, pode-se afirmar que:

I – Torna o interlocutor um mestre na argumentação sofística.
II – Leva o interlocutor à consciência de que seu saber era baseado em reflexões, cujo conteúdo era repleto de conceitos vagos e imprecisos.
III – tinha um caráter purificador, à medida que levava o interlocutor confessar suas próprias contradições e ignorâncias.
IV – tinha um sentido depreciativo e sarcástico da posição do interlocutor.

Assinale:

a) se apenas a afirmação III é correta.
b) Se as afirmações I e IV são corretas.
c) Se apenas a afirmação IV é correta.
d) Se as afirmações II e III são corretas.

Resposta: B

2) Sócrates era um cidadão comum de Atenas, até o oráculo de Delfos indicar que ele era o homem mais sábio de seu tempo. A partir daí, ele tomou como missão a Maiêutica, que significava a “arte de trazer à luz” (“parto das ideias”), através de longas conversas com interlocutores de todas as classes sociais. O que significava essa arte?

A) Sócrates, que também era médico, auxiliava nos partos de Atenas.
B) A luz do pensamento de Sócrates ofuscava todo o conhecimento da outra pessoa.
(C) Através do diálogo promovido por Sócrates, a pessoa podia formular suas ideias e pensamentos.
(D) A luz indicava que a pessoa não precisava se esforçar para adquirir conhecimento.

 Resposta: C

 

3) Sócrates representava um marco importante da história da Filosofia; enquanto a Filosofia pré-socrática se preocupava com o conhecimento da natureza (fies), Sócrates procurava o conhecimento indagando o homem. Assinale a alternativa que contém a afirmação incorreta.

a) Sócrates, para não ser condenado á morte, negou, diante dos seus juízes, os princípios éticos da sua Filosofia.
b) Discípulo de Sócrates, Platão utilizou, como protagonista da maior parte de seus Diálogos, o seu mestre.
c) O método socrático compõem-se de duas partes: a maiêutica e a ironia.
d) Sócrates, ao afirmar que só sabia que nada sabia, queria, com isso, sinalizar a necessidade de adotar uma nova atitude do conhecimento a apontar um novo caminho para a sabedoria.

Resposta: a

 

4) Quais foram às acusações que levaram Sócrates a ser condenado pela assembleia ateniense?

A)De disseminar o diálogo filosófico e de corromper a juventude.
B)De criticar o governo dos tiranos e ensinar os jovens a pensar por si mesmo.
C)De cobrar por seus ensinamentos e criticar o trabalho feito pelos sofistas.
D)De não acreditar nos deuses da cidade de Atenas e de corromper a juventude.

Resposta: d

Gilson Luiz Corrêa
Gilson Luiz Corrêa, bacharel em Filosofia pela UNISUL, Licenciatura em Filosofia pela UFSC, Psicopegadogia pela FMP. Professor do Colégio Catarinense. Facebook:
https://www.facebook.com/gilsonluiz.correa