Sofistas: quem eram, o que faziam e principais pensadores

Sofistas eram pensadores da Grécia do século V a. C. que viajavam pelas cidades realizando discursos públicos para atrair alunos para suas aulas de filosofia e retórica.

Quem eram os sofistas?

Os sofistas eram um grupo de professores que viveram na Grécia do século V a. C. e viajavam de um lugar para outro cobrando para ensinar filosofia. Mas o que significa “sofista”? Você já deve ter percebido que a palavra “sofistas” é parecida com “filosofia”, não é?

A explicação é que ambas as palavras têm origem no mesmo radical grego, Sophos (sábio). Assim, enquanto filosofia significa “amor pela sabedoria”, os sofistas eram esse grupo de professores que se consideravam sábios.

Portanto, como eles acreditavam ter todo esse conhecimento, tinham o objetivo de  introduzir os cidadãos na política por meio de seus ensinamentos. Um dos principais deles era a arte da retórica, palavra latina que significa a arte de falar bem.

Os sofistas ensinavam principalmente os jovens a debater em público e a defenderam suas opiniões e seus pontos de vista. A finalidade desse método era o desenvolvimento do poder de argumentação para derrubar as teses contrárias e convencer as pessoas. Por isso, eles ficaram conhecidos como os mestres na arte do convencimento.

Contexto histórico

O momento histórico favoreceu a atuação dos sofistas, pois a democracia ateniense estava se desenvolvendo. Por isso, decisões sobre assuntos públicos começaram a ser debatidas em praças públicas. Essas ocasiões em que havia uma assembleia em que todos os cidadãos debatiam eram chamadas de Eclésia.

No entanto, eram considerados cidadãos somente homens livres maiores de 21 anos que tivessem nascido na Grécia. Somente 10% da população cumpria essas exigências. Era esse grupo de pessoas que os sofistas destinavam as suas aulas, para que essa parcela privilegiada da sociedade pudesse exercer suas atividades democráticas de forma mais hábil.

sofistas

Os sofistas e Sócrates

É famosa a crítica de Sócrates aos sofistas. Primeiramente, o filósofo ensinava nas praças, só que não cobrava as aulas. Para ele, o ensino não era uma mercadoria que podia ser comprado, mas algo que era construído por meio de perguntas e respostas em busca da verdade, que está no interior de cada um.

Sócrates também afirmava que a opinião é uma expressão individual, diferentemente do conceito, que seria universal, isto é, válido para todos. Nesse sentido, os sofistas ensinavam a retórica para convencer os outros que sua opinião é a melhor. Já Sócrates ensinava a dialética, ou seja, fazia de conta que não sabia para levar as pessoas admitirem sua falta de conhecimento e, através de seus questionamentos, chegar a um conhecimento seguro.

Para entender melhor as divergências de ideias entre Sócrates e os sofistas, assista à videoaula do prof. Alan do Curso Enem Gratuito:

Principais pensadores

Os principais pensadores sofistas foram Protágoras, Górgias, Pródico, Hípias, Trasímaco, Antifonte e Crátilo. A seguir, veja um pouco mais sobre os dois primeiros.

Protágoras de Abdera

Sua frase mais conhecida é: “O homem é a medida de todas as coisas”. Você já pensou no significado dessa frase? Pense como seria o mundo se tudo fosse medido conforme nossa vontade. Em outras palavras, a justiça e a injustiça, o bem e o mal deviam ser avaliados conforme as necessidades dos homens. Isso mesmo, tudo seria relativo e não haveria consenso e muito menos verdade.

protagoras de abdera - sofistas
Busto de Protágoras de Abdera.

Já dá pra perceber porque Sócrates não gostava muito dos sofistas, pois esse pensamento defendia a opinião como forma de conhecimento. Por isso, bastava falar bem para convencer os outros. Para Protágoras, todo argumento tem dois lados e ambos podem ser válidos. Enquanto isso, para Sócrates, havia apenas uma verdade que era válida para todos. Por esse motivo, ele sempre buscava a essência das coisas: o que é o bem? O que é a verdade? O que é justiça? As respostas a estas perguntas são, portanto, os conceitos válidos para todos.

Górgias de Leontini

Esse pensador sofista é conhecido pela frase “Nada existe e, se existisse, nós não o conheceríamos e, se pudéssemos conhecer, não saberíamos explicar essa existência para ninguém”. Gorgias é considerado o pai do ceticismo absoluto, ou seja, não existe possibilidade de conhecer a verdade. Assim como para Protágoras, tudo é relativo à vontade de cada um.

Resumo sobre os sofistas

Em síntese, podemos resumir a aula com base no quadro que aponta as diferenças de pensamento entre o filósofo Sócrates e os pensadores sofistas:

SócratesSofistas
ConceitoOpinião
Conhecer a si mesmoTécnicas de persuadir os outros
MaiêuticaOratória
Ensinava nas praças de graçaCobravam as aulas
VerdadeTudo é relativo

Questões sobre os sofistas

Para finalizar seus estudos, veja como os sofistas aparecem no Enem e nos vestibulares:

1 – (ENEM/2017)

Alguns pensam que Protágoras de Abdera pertence também ao grupo daqueles que aboliram o critério, uma vez que ele afirma que todas as impressões dos sentidos e todas as opiniões são verdadeiras, e que a verdade é uma coisa relativa, uma vez que tudo o que aparece a alguém ou é opinado por alguém é imediatamente real para essa pessoa.

KERFERD, G. B. O movimento sofista.
São Paulo: Loyola, 2002 (adaptado).

O grupo ao qual se associa o pensador mencionado no texto se caracteriza pelo objetivo de

a) alcançar o conhecimento da natureza por meio da experiência.

b) justificar a veracidade das afirmações com fundamentos universais. fundamentos universais.

c) priorizar a diversidade de entendimentos acerca das coisas.

d) preservar as regras de convivência entre os cidadãos.

e) analisar o princípio do mundo conforme a teogonia.

2 – (ENEM/2015)    

Trasímaco estava impaciente porque Sócrates e os seus amigos presumiam que a justiça era algo real e importante. Trasímaco negava isso. Em seu entender, as pessoas acreditavam no certo e no errado apenas por terem sido ensinadas a obedecer às regras da sua sociedade. No entanto, essas regras não passavam de invenções humanas.

RACHELS, J. Problemas da filosofia. Lisboa: Gradiva, 2009.

O sofista Trasímaco, personagem imortalizado no diálogo A República, de Platão, sustentava que a correlação entre justiça e ética é resultado de

a) determinações biológicas impregnadas na natureza humana.

b) verdades objetivas com fundamento anterior aos interesses sociais.

c) mandamentos divinos inquestionáveis legados das tradições antigas.

d) convenções sociais resultantes de interesses humanos contingentes.

e) sentimentos experimentados diante de determinadas atitudes humanas.

3 – (UEM PR/2013)    

Protágoras de Abdera (480-410 a.C.) é considerado um dos mais importantes sofistas. Ensinou por muito tempo em Atenas, sendo atribuído à sua autoria a seguinte máxima da filosofia: “O homem é a medida de todas as coisas”. Sobre Protágoras e os sofistas, assinale o que for correto.

01)   De forma semelhante a pensadores contemporâneos, os sofistas problematizam a multiplicidade de perspectivas do conhecimento.

02)   O relativismo de Protágoras pode ser defendido filosoficamente a partir da percepção do movimento, tese já defendida anteriormente por Heráclito.

04)   Platão e Aristóteles contrapuseram-se aos sofistas, ao não defender o homem como medida de todas as coisas.

08)   Em razão de seu humanismo, atribui-se a Protágoras a inversão coperniciana, isto é, a tese de que não é o sol que gira em torno da Terra, mas a Terra que gira em torno do sol.

16)   O saber contido na frase de Protágoras é prático, além de teórico, ou seja, mobiliza o campo da filosofia para a retórica.

Gabarito:

  1. C
  2. D
  3. 23