Faltam:
para o ENEM

Transportes e Agricultura – Revisão de Atividades Econômicas. Geografia Enem.

Nesta segunda aula sobre Atividades Econômicas, vamos estudar os Transportes e as Atividades Agrárias, tudo para você gabaritar na prova de Geografia Enem

Atividades Econômicas: Transportes, Agricultura e Pecuária. 

Neste segundo momento, continuaremos estudando as Atividades Econômicas, direcionando nosso estudo, para a questão do Transporte, peça fundamental no escoamento da produção, transformação e de consumo e, em seguida abordaremos as Atividades Agrárias ( Como esta organizada, o que se produz, como se produz e onde produzimos no campo)

DICA DO BLOG – Se você ‘pulou’ a primeira aula sobre Atividades Econômicas, a dica do Blog do Enem é para você dar uma paradinha aqui e  fazer esta revisao. É um conteúdo contextualizado para o Enem, e ajuda você a entender os caminhos econômicos e sociais do País. Veja aqui  antes de continuar no tema de Transporte e Atividades Agrárias.O Exame Nacional do Ensino Médio está chegando! Relembre sobre as Atividades Econômicas do nosso país nesta aula preparatória para a prova de Geografia Enem.

Transportes

 Apesar de suas dimensões continentais o sistema de transportes brasileiro define-se basicamente por uma extensa matriz rodoviária, sendo também servido por um sistema limitado de transporte fluvial (apesar do numeroso sistema de bacias hidrográficas presentes no país), ferroviário e aéreo.

1. Transporte Rodoviário

O intuito de criar uma rede de transportes ligando todo o país nasceu com as democracias desenvolvimentistas, em especial as de Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek. Àquela época, o símbolo da modernidade e do avanço em termos de transporte era o automóvel. Isso provocou uma especial atenção dos citados governantes na construção de estradas. Desde então, o Brasil tem sua malha viária baseada no transporte rodoviário.

Com uma rede rodoviária de cerca de 1,8 milhões de quilômetros, sendo 96.353 km de rodovias pavimentadas (2004), as estradas são as principais transportadoras de carga e de passageiros no tráfego brasileiro. Os primeiros investimentos na infraestrutura rodoviária deram-se na década de 1920, no governo de Washington Luís, sendo prosseguidos no governo Vargas e Gaspar Dutra. O presidente Juscelino Kubitschek (1956-1961), que concebeu e construiu a capital Brasília, foi outro incentivador de rodovias. Kubitschek foi responsável pela instalação de grandes fabricantes de automóveis no país (Volkswagen, Ford e General Motors chegaram ao Brasil durante seu governo) e um dos pontos utilizados para atraí-los era, evidentemente, o apoio à construção de rodovias.

Geografia Enem

Vista aérea da saída de Fortaleza pela BR-116

a. Desvantagens

  • Custo social elevado (acidentes rodoviário)
  • Custo de Manutenção elevado
  • Custo elevado do produto final transportado

b. Vantagens

  • Ideal para pequenos trechos
  • Agilidade
  • Faz o chamado transporte “pota a porta”

Tipos de Rodovias

Rodovias radiais: BR-0xx – rodovias que partem da capital federal em direção aos extremos do país
Rodovias longitudinais: BR-1xx – rodovias que cortam o país na direção norte-sul
Rodovias transversais: BR-2xx – rodovias que cortam o país na direção leste-oeste
Rodovias diagonais: BR-3xx – rodovias podem apresentar dois modos de orientação: noroeste-sudeste ou nordeste-sudoeste
Rodovias de ligação: BR-4xx – rodovias apresentam-se em qualquer direção

Dica 2 – Relembre tudo sobre a dinâmica populacional humana nesta aula sobre Demografia e garanta a sua nota na prova de Geografia Enem – https://blogdoenem.com.br/demografia-geografia-enem/

2. Transporte hidroviário no Brasil

figura_10.jpg

O Porto de Santos é o maior porto e terminal de containers da América Latina.

O transporte hidroviário no Brasil é dividido nas modalidades fluvial e marítima. O transporte marítimo é o mais importante, respondendo por quase 75% do comércio internacional do Brasil. O transporte fluvial é o mais econômico e limpo, no entanto é o menos utilizado no Brasil. Há regiões entretanto, que dependem quase que exclusivamente desta modalidade, como é o caso da amazônia, onde as distâncias são grandes e as estradas ou ferrovias inexistem

O transporte marítimo é de vital importância para o Brasil em suas relações comerciais. Desde o Brasil colônia o transpote marítimo tem importância fundamental, pois permitia uma ampla troca comercial (comércio triangular) entre Portugal, Angola e Brasil. Foi também o transporte marítimo que permitiu ao Brasil colônia ganhar relativa autonomia política em relação a Portugal, com a abertura dos portos.

O transporte marítimo hoje é responsável pela maior parte das trocas comerciais internacionais do Brasil, transportando principalmente commodities agro-minerais, veículos, máquinas, e equipamentos de ponta. Cerca de 75% das trocas comerciais internacionais brasileiras são transportadas via mar

Importantes Corredores de Exportação/Importação do Brasil:

1. Porto de Santos (SP)
2. Porto de Vitória (ES)
3. Porto de Paranaguá (PR)
4. Porto de Itajaí (SC)
5. Porto de Itaqui (MA)
6. Porto de Rio Grande (RS)
7. Porto do Rio de Janeiro

3. Navegação Fluvial

A navegação fluvial no Brasil está numa posição inferior em relação aos outros sistemas de transportes. É considerado o sistema mais barato e limpo, contudo, o de menor participação no transporte de mercadoria no Brasil. Isto ocorre devido a vários fatores. Muitos rios do Brasil são de planalto, por exemplo, apresentando-se encachoeirados, portanto, dificultam a navegação. É o caso dos rios Tietê, Paraná, Tocantins e Araguaia. Outro motivo são os rios de planície facilmente navegáveis (Amazonas, São Francisco e Paraguai), os quais encontram-se afastados dos grandes centros econômicos do Brasil.

Nos últimos anos têm sido realizadas várias obras, com o intuito de tornar os rios brasileiros navegáveis. Eclusas são construídas para superar as diferenças de nível das águas nas barragens das usinas hidrelétricas. É o caso das eclusas de Tucuruí no rio Tocantins, de Barra Bonita no rio Tietê e da eclusa de Jupiá no rio Paraná.

4. Transporte ferroviário no Brasil

A malha ferroviária brasileira possui uma extensão de 30.374 quilômetros e está presente nas mais diversas regiões do país. A construção das linhas ocorreram em períodos diferentes, o que ocasionou a falta de padronização de bitolas (pode-se encontrar até três tamanhos de bitola: 0,60 m, 1,00 m e 1,60 m) e consequente dificuldade na integração das vias.

Até 1997, a malha brasileira era operada e mantida pela RFFSA – Rede Ferroviária Federal S/A, sociedade de economia mista integrante da Administração Indireta do Governo Federal, cujos serviços incluíam linhas regulares de passageiros e transporte de cargas. Com a desestatização da RFFSA, a malha foi divida em regiões e arrendada para exploração de concessionárias privadas.

O país possui ligações ferroviárias com Argentina, Bolívia e Uruguai. A implantação das primeiras ferrovias no país foi estimulada por capitais privados nacionais e estrangeiros (principalmente inglês) que almejavam um sistema de transporte capaz de levar (de maneira segura e econômica) aos crescentes centros urbanos e portos do país toda a produção agrícola e de minério produzida principalmente no interior brasileiro.

Dica 3 – Revise sobre as Regiões Sudeste, Sul, e Regiões Geoeconômicas. Veja aqui nesta aula preparatória para prova de Geografia Enem.

Atendeu com eficiência o Ciclo do Café. O governo brasileiro também participou da expansão ferroviária, ora iniciando empreendimentos visando a integração do território nacional através desse meio de transporte ora encampando companhias privadas falidas para impedir o colapso econômico de regiões dependentes desse meio de transporte.

5. Transporte Aéreo

O transporte aéreo no Brasil cresceu muito nos últimos anos. Com o surgimento de novas companhias aéreas e a modernização das já existentes, foi possível aumentar o número de assentos disponíveis na malha aérea.

Existem cerca de 2.498 aeroportos no Brasil, incluindo as áreas de desembarque. O país tem o segundo maior número de aeroportos em todo o mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. O Aeroporto Internacional de São Paulo, localizado na Região Metropolitana de São Paulo, é o maior e mais movimentado aeroporto do país, grande parte dessa movimentação deve-se ao tráfego comercial e popular do país e ao fato de que o aeroporto liga São Paulo a praticamente todas as grandes cidades de todo o mundo. O Brasil tem 34 aeroportos internacionais e 2464 aeroportos regionais.

Discute-se atualmente a modernização da malha aeroviária. A necessidade maior por conta dos jogos da Copa do Mundo que se avizinha e, pela expansão econômica do país, são motivos latentes dessa necessidade.

figura_52.jpg

A INFRAERO, empresa estatal administra a maior parte dos aeroportos do país.

figura_53.jpg

O Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro

Um dos grandes desafios que o Brasil enfrenta, é modernizar sua malha de transportes.

Garantir agilidade, melhor qualidade e eficiência são fatores essenciais para acelerar o crescimento da economia. É prioridade do governo federal e, por isso criou o PAC (Plano de aceleração de crescimento) e, com investimentos na infra-estrutura de transportes, viabilizar as melhoras que o setor pede.

Atividades Agrárias

1. Estrutura Fundiária

A estrutura fundiária é a forma como estão organizadas as propriedades agrárias de um país ou região, isto é, a classificação dos imóveis rurais segundo o número, tamanho e distribuição social.

figura_54.jpg
figura_55.jpg

As tabelas acima retratam que o Brasil convive historicamente com uma grande concentração de terras. Conflitos estão presentes por todo o Brasil, por disputas de terras com destaque para a Região Norte e Nordeste. Em São Paulo, a região de muita tensão é Pontal do Paranapanema.

No Estado de Tocantins, a Região ao norte, conhecida como “Bico do Papagaio” é outra área de intenso conflito.

Os conflitos sociais no campo pedem urgente Reforma Agrária, que no caso do Brasil, se arrasta por anos.

figura_56.jpg

2. Agricultura

A população mundial, inaugura 2012 ultrapassando os 7 bilhões de habitantes, ávidos por comida.. O Brasil, considerado um grande produtor de alimento, encara esse desafio, com outros desafios a vencer…produzir alimento sem avançar nas áreas florestadas.

Produzimos com destaque, com uma forma intensiva de produção (mecanização) e, em grande propriedades (latifúndios) – a Soja (MT,RS,PR); açúcar (SP); Suco de Laranja (SP); Café (MG,ES). Esses produtos compõem de forma expressiva as nossas exportações.

A produção Extensiva, ou seja, com muita mão-de-obra, e em pequenas e médias propriedades, as chamadas culturas de subsistência, feitas através da Agricultura familiar.

Tradicionalmente, Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e São Paulo, são grandes produtores de alimento.

3. Pecuária

O maior rebanho de corte (comercial do mundo) encontra-se no Brasil. É um grande produtor e exportador.

Criamos nossos rebanhos de forma Intensiva e Extensiva.

A forma Intensiva, é sinônimo de maiores cuidados fito-sanitários e, gado confinado. São destaques os rebanhos de:

Bovino de Leite – MG
Aves – SC/PR
Suínos – SC

De forma Extensiva, o rebanho de gado bovino de corte , com destaque para a Região Centro-Oeste e Sudeste.

O rebanho brasileiro de gado bovino de corte, já ultrapassa em números, a população brasileira.

As condições geográficas, com extensas áreas de pastagens, permitem o chamado “boi-verde”, criado em pastagens naturais.

4. Os problemas

Os espaços mundiais ocupados pelas atividades agrárias, cada vez mais ficam fragilizadas, por uma demanda maior de alimentos e, uso incorreto do solo.

figura_57.jpg

1. Desertificação: ocorre em áreas devastadas pela ação antrópica e marcadas por tecnologias precárias, como iniciar o plantio pela queimada, o que provoca perda de nutrientes do solo.
2. Erosão – um solo sem cobertura vegetal, se expõe a um processo erosivo cada vez mais agressivo.
3. Salinização: provocada pela irrigação descontrolada, pela qual a água atinge camadas profundas do solo, dissolvendo sais e trazendo-os à superfície. Quando a água evapora dos solos encharcados, aumenta a quantidade de sal.

Em relação ao uso da água no planeta, a agricultura absorve 70% do total, deixando a indústria com 22% e o uso doméstico com apenas 8%. Esses dados evidenciam o grande papel da irrigação.

A mais usada é a irrigação por gravidade, que utiliza canais por onde as águas escorrem nas plantações, com baixa eficiência. O outro tipo é a irrigação extensiva, envolvendo vastas áreas cultivadas e gerando problemas como a secagem de poços artesianos

Saiba mais sobre Transportes nesta aula do canal Pensi Vídeo Aulas, disponível no Youtube. Após assistir, revise o que você aprendeu respondendo aos nossos desafios!

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=Zf1WyGmRWG0]

E saiba mais também sobre Atividades Agrárias nesta aula do canal Aulalivre.net, disponível no Youtube. Após assistir, revise o que você aprendeu respondendo aos nossos desafios!

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=_Ik3U5Jw6Vc&w=560&h=315]

Desafios

Questão 01

Considere a tabela a seguir que mostra a expansão da Rede Ferroviária no Brasil de 1855 a 1991.

Ano

Km

% de aumento

1855

15

1860

223

1.387

1870

745

234

1880

3.398

356

1890

9.973

135

1900

15.316

35

1910

21.326

39

1920

28.535

34

1930

32.478

14

1940

34.252

5

1950

36.681

7

1960

38.287

4

1970

31.848

-17

1980

26.659

-7

1991

30.177

13,2

Fonte: “Anuário Estatístico do IBGE”, 1992.

A leitura da tabela e os seus conhecimentos sobre os meios de transportes no Brasil, permitem afirmar que a variação, em km, das ferrovias foi motivada, entre outros fatores, por:

a) forte desenvolvimento tecnológico deste transporte que aumentou seu potencial mesmo sem o crescimento da Rede.

b) contínuas crises econômicas mundiais que afetaram o setor agrário-exportador e limitaram os investimentos nesse transporte.

c) predomínio crescente das rodovias que, a partir de meados deste século tornaram-se o meio de transporte privilegiado pelo processo industrial.

d) substituição do transporte ferroviário de carga e de passageiros pelo hidroviário, em virtude da maior eficiência deste.

e) crescimento urbano após a década de 60, inviabilizando a expansão agrícola e conseqüentemente gerando o abandono das ferrovias.

Questão 02

“O uso do álcool como combustível em substituição à gasolina não alterou o modelo de desenvolvimento e de transportes do Brasil, onde os beneficiários são sempre uma minoria da população. Continua-se a dar prioridade ao automóvel particular em detrimento das ferrovias e hidrovias.”

Em uma avaliação do texto pode-se afirmar que realmente essa continuidade do modelo de transportes é

a) benéfica, porque os transportes rodoviários são mais baratos e rápidos, levando a mercadoria de “porta em porta.”

b) benéfica, pois os países altamente desenvolvidos do hemisfério norte sempre priorizaram as rodovias.

c) eficaz, pois após a abertura das grandes rodovias, a partir da década de 70, regiões até então marginalizadas foram integradas às demais, como a Amazônia, contribuindo para o desenvolvimento econômico e social da região.

d) problemática, porque embora mais rápida do que os demais transportes terrestres, a rodovia desorganizou os sistemas anteriores, ao invés de integrar-se a eles, e marginalizou cidades a exemplo das ribeirinhas.

e) problemática, porque os países capitalistas ou socialistas de maior projeção no cenário internacional implantaram, no século XX, uma rede moderna priorizando as ferrovias.

Questão 03

A seguir está representada a distribuição da produção de importantes produtos agrícolas brasileiros. São eles, respectivamente:

figura_58.jpg

a)

I. cana-de-açúcar

II. laranja

III. algodão

b)

I. laranja

II. café

III. trigo

c)

I. cana-de-açúcar

II. café

III. soja

d)

I. café

II. cana-de-açúcar

III. trigo

e)

I. laranja

II. cana-de-açúcar

III. soja

Questão 04

“A soja ocupou os espaços remanescentes da economia e do território regional e avançou sobre áreas de pecuária extensiva com base no arrendamento de terras e sobre a agricultura colonial, deslocando produtos destinados ao auto-abastecimento regional e pressionando a saída de trabalhadores, de produtores sem terra e de pequenos proprietários. A ocupação de áreas que haviam ficado à margem do complexo agroindustrial da soja permitiu reter, na região, a pequena produção desarticulada com a expansão de cultivos modernos ou desalojada com a construção de barragens para a produção de energia hidrelétrica. Por outro lado, a expansão do sistema de integração de pequenos produtores à indústria viabilizou, através do desenvolvimento de atividades compatíveis com reduzidas extensões de terra – avicultura e suinocultura confinadas e cultivo do tabaco para a produção de fumo -, a permanência de pequenos produtores cujos estabelecimentos não apresentavam escala adequada à implantação da lavoura mecanizada de grãos”.

Este texto refere-se à agricultura

a) da Região Sul.

b) da Região Centro-Oeste.

c) do Estado de São Paulo.

d) da Região Nordeste.

e) do Estado de Mato Grosso.

Questão 05

O complexo agroindustrial se configura no Brasil a partir da segunda metade deste século. Sobre este processo, pode-se afirmar:

a) deu-se de forma desordenada, devido ao choque de interesses entre o governo e os produtores agrícolas, apesar de beneficiar toda a sociedade brasileira.

b) traduziu-se na passagem da agricultura tradicional para a agricultura moderna dirigida para mercados específicos, o que significou, entre outras coisas, incorporação de tecnologia sofisticada para o processo de produção agropecuário.

c) em 1980, 75% dos estabelecimentos rurais brasileiros estavam entre os caracterizados como de agricultura moderna.

d) em 1980, 25% da produção agropecuária brasileira eram oriundos de 75% dos estabelecimentos rurais, caracterizados como de agricultura moderna.

e) a passagem da agricultura tradicional para a agricultura moderna se constituiu num processo dinâmico que incorporou novas tecnologias, porém sem qualquer articulação com o desenvolvimento urbano.

Você consegue resolver estes exercícios? Então resolva e coloque um comentário no post, logo abaixo, explicando o seu raciocínio e apontando a alternativa correta para cada questão. Quem compartilha a resolução de um exercício ganha em dobro: ensina e aprende ao mesmo tempo. Ensinar é uma das melhores formas de aprender!