Faltam:
para o ENEM

Parasitismo, Colônia, Mutialismo, Canibalismo e outras Relações Ecológicas

Sociedade, Colônia, Mutualismo, Parasitsmo e outras relações entre os seres vivos. Veja as relações ecológicas para entender como as ações humanas podem interferir no equilíbrio dos ecossistemas. E você pode arrasar nas questões de Biologia do Enem. Vamos revisar?

Em tempos de preservação da natureza e de maior busca de conhecimento de como as diversas manifestações de vida se organizam, é hora de estudar as Relações Ecológicas. Confira.

Você deve estar respirando fundo e pensando: “Vish! É agora que eu vou enlouquecer com aquele monte de nomes de todas aquelas “infinitas” Relações Ecológicas! Maldita criatividade desses biólogos!” Mas, não seja tão pessimista assim! Entender ecologia e as diversas relações ecológicas é mais simples do que parece! Relações Ecológicas

Agora, para ajudar a fixar as ideias, dê uma olhada no texto que preparei com os principais pontos sobre o assunto!

Ecologia: classificação das Relações Ecológicas

A primeira coisa que você precisa lembrar é que os seres vivos podem interagir, tanto com os componentes abióticos de um ecossistema (como a água, o ar, a luminosidade), como também com os componentes bióticos, ou seja, com outros seres vivos (como um leão comendo uma zebra). As relações que ocorrem entre os seres vivos são largamente estudadas e classificadas sob aspectos diferentes.

Um ser vivo pode se relacionar tanto com indivíduos da mesma espécie, quanto com seres de espécies diferentes. Chamamos o primeiro tipo de relação de intraespecífica (intra = dentro, neste caso, dentro da mesma espécie) e o segundo de interespecífica (inter = entre, ou seja, entre espécies).

Outra maneira de classificarmos as relações ecológicas é observando as vantagens e desvantagens que sofrem os seres vivos envolvidos. Consideramos como “relações harmônicas” todas as relações ecológicas em que nenhum ser vivo envolvido sair prejudicado. Já aquelas em que um ser vivo sai prejudicado (como um rato que é comido por uma serpente), são consideradas “relações desarmônicas”. Porém, fique atento com essas classificações! Os tubarões e as rêmoras (imagem) tem uma relação ecológica harmônica.

O fato de uma relação ecológica ser considerada desarmônica não quer dizer que ela seja ruim para o equilíbrio ecológico! Pelo contrário! As relações desarmônicas são muito importantes, por exemplo, na manutenção das populações: se não existissem predadores, como as serpentes, suas presas se multiplicariam demais, tornando-se pragas.

Dica 2  – Revise também com Apostilas Gratuitas para o Enem e Vestibulares: https://blogdoenem.com.br/category/apostila-enem/

Veja os Subgrupos das Relações Ecológicas

Tipos de Relações Ecológicas Conceito Exemplo

Relações intraespecíficas harmônicas

São relações ecológicas que ocorrem entre indivíduos da mesma espécie, sem prejuízo para nenhuma parte.

Sociedades São associações de indivíduos da mesma espécie, em que os indivíduos se organizam de modo cooperativo sem estarem ligados anatomicamente (pelo corpo). Formigas.
Colônias Agrupamento de seres da mesma espécie que têm seus corpos ligados uns aos outros, o que facilita a sua sobrevivência. Corais e anêmonas.

Relações interespecíficas harmônicas

São relações ecológicas que ocorrem entre indivíduos de espécies diferentes, sem prejuízo para nenhuma parte.

Mutualismo Relação obrigatória (sem um, o outro não vive) entre indivíduos de espécies diferentes em que ambos são beneficiados. Líquens.
Protocooperação Relação não obrigatória entre indivíduos de espécies diferentes em que ambos são beneficiados. Paguro e anêmona.
Comensalismo Relação entre seres de espécies diferentes em que apenas um dos envolvidos é beneficiado, sem causar prejuízo ou benefício à outra parte. O comensalismo está relacionado ao aproveitamento de restos de alimentos de uma das partes. Rêmora e tubarão.
Inquilinismo Semelhante ao comensalismo, porém o benefício, neste caso, não é um alimento e sim abrigo. Bromélias sobre árvores.

Relações interespecíficas desarmônicas

 

São relações ecológicas que ocorrem entre seres de espécies diferentes, com prejuízo de alguma das partes.

 

Predação Relação em que um ser vivo – o predador – captura e mata outro – a presa, com o objetivo de se alimentar do mesmo. Onça comendo  uma capivara.
Herbivoria Relação entre um consumidor primário e um produtor, como por exemplo, um animal comendo uma planta. Coelho comendo cenoura.
Parasitismo Relação em que um ser vivo – o parasita –  vive às custas de outro (dentro ou sobre outro ser) – o hospedeiro. Ectoparasitas (que vivem sobre o hospedeiro): piolho no ser humano.Endoparasitas (que vivem dentro do hospedeiro): lombriga e ser humano.
Competição interespecífica. É uma relação de competição entre indivíduos de espécies diferentes, que concorrem pelos mesmos fatores do ambiente, fatores existentes em quantidades limitadas. Hienas e abutres concorrendo por uma carcaça.

Relações intraespecíficas desarmônicas

 

São relações ecológicas que ocorrem entre seres da mesma espécie, com prejuízo de alguma das partes.

 

 

Competição intraespecífica É uma relação de competição entre indivíduos da mesma espécie, que concorrem pelos mesmos fatores do ambiente, que existem em quantidade limitada. Leões competindo pela mesma fêmea.
Canibalismo É uma relação ecológica em que seres de uma mesma espécie comem outros seres da sua própria espécie. Fêmeas de viúvas-negras comem seus machos após o acasalamento.

Conseguiu entender as classificações? Viu como não é tão difícil assim?

Para não esquecer o assunto, veja essa vídeo-aula de ecologia do Professor Zé Rucker, do canal Aula Livre, que especifica as Relações Ecológicas:

Dica 1: Quer relembrar os principais conceitos de ecologia? Veja este post e revise o assunto: https://blogdoenem.com.br/biologia-enem-conceitos/

E aí, gostou do vídeo de Ecologia, sobre as Relações Ecológicas? Conseguiu lembrar os conceitos de ecologia e de cada uma das relações ecológicas? Beleza!

Agora, para testar seus conhecimentos e se familiarizar com as questões do Enem, faça o exercício a seguir:

(Enem – 2011) Os vaga-lumes machos e fêmeas emitem sinais luminosos para se atraírem para o acasalamento. O macho reconhece a fêmea de sua espécie e, atraído por ela, vai ao seu encontro. Porém, existe um tipo de vaga-lume, o Photuris, cuja fêmea engana e atrai os machos de outro tipo, o Photinus, fingindo ser desse gênero. Quando o macho Photinus se aproxima da fêmea Photuris, muito maior que ele, é atacado e devorado por ela.

A relação descrita no texto, entre a fêmea do gênero Photuris e o macho do gênero Photinus, é um exemplo de:

A) comensalismo.

B) inquilinismo.

C) cooperação.

D) predatismo.

E) mutualismo.

Resposta: d – Pois a fêmea devora um macho de espécie diferente para obter nutrientes.

Dica 3 Quer treinar seus conhecimentos em Biologia? Baixe esta apostila de Biologia gratuitamente!https://blogdoenem.com.br/Biologia-enem-apostila-gratuita/
Dica 4:  Precisa revisar mais conteúdos de Biologia? Veja os vídeos de Biologia da Khan Academy já traduzidos para o Português pela equipe da Fundação Lemann no http://www.fundacaolemann.org.br/khanportugues/#videos
Juliana Biologia Enem
Os textos e exemplos acima foram preparados pela professora Juliana Santos para o Blog do Enem. Juliana é formada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Santa Catarina. Dá aulas de Ciências e Biologia em escolas da Grande Florianópolis desde 2007. Facebook: https://www.facebook.com/juliana.evelyndossantos.