Cartografia – Outras formas de representar os fenômenos – Geografia Enem

Você conhece os planos topográficos, curvas de nível e as anamorfoses? Não? Então conheça mais sobre a cartografia com este super post e arrase em Geografia no Enem!

Quando se pensa em Cartografia, logo vem a mente mapas e plantas. No entanto, essas não são as únicas formas de representação do espaço geográfico. Para determinados fins, outros modos de representar a realidade ou uma informação podem ser mais eficientes.

Outras formas de representar os fenômenos

O trabalho do cartógrafo a princípio é produzir mapas. Mas, não é só isso. Além dos mapas, há outras formas de representação da superfície terrestre e/ou dos fenômenos que ocorrem na Terra. Do ponto de vista didático e prático, esses outros modos podem ser mais eficientes na tarefa de mostrar a realidade. Acompanhe essa revisão para você tirar suas dúvidas e alcançar um ótimo desempenho em Geografia no Enem!

Por vezes nos deparamos com mapas que, por mais que as informações necessárias para correta interpretação estejam presentes na legenda, são de difícil compreensão. Para aprimorar esse aspecto da Cartografia, foram criadas formas diferenciadas para solucionar essa questão.

1
Fonte: http://www.multivariado.sobralmatematica.org/exercicios/antigas/2010_01/textos/exer13/nivel_curva_gravidade.png

Uma dessas dificuldades inclusive era numa área estratégica para qualquer país do mundo. Conhecer com precisão o relevo do território é uma questão bastante importante. Decisões como o traçado de uma rodovia ou mesmo a instalação de uma ponte necessitam de informações bastante complexas que os mapas “comuns” dificilmente teriam condições de fornecer

Qual foi a solução criada então?

As curvas de nível são representações do modelado terrestre presentes no que se conhece como carta topográfica. A carta topográfica consiste num mapa com escala que representa a superfície da Terra com o modelado terrestre (relevo) em evidência. Para evidenciar o relevo, são utilizadas as curvas de nível. Veja abaixo com elas funcionam:

Curvas de nível

2
Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/1e/Curvas_de_nivel.png

Curvas de nível: ilustração da técnica utilizada para, a partir do perfil topográfico, ser produzida a representação com curvas de nível.

Primeiramente, pode-se observar o perfil topográfico do relevo que será representado através das curvas de nível. Nele, há um morro que possui as encostas com inclinações diferenciadas: uma com ângulo de inclinação mais suave e outra mais íngreme.

Ainda no perfil topográfico, existem linhas horizontais que representam as cotas altimétricas. As cotas são definidas em metros, em relação ao nível do mar, pela altitude do relevo. Ou seja, no caso da ilustração acima, a cada 20 metros é traçada uma linha que representa a cota altimétrica.

Para passar o modelado do relevo para um plano, traça-se uma linha reta em que serão marcados os pontos em a cota cruza o relevo, representado pelas linhas tracejadas vermelhas. Finalmente, com os pontos marcados na linha horizontal, são desenhadas as curvas de nível.

Repare que na encosta mais íngreme do relevo, as cotas ficam mais próximas umas das outras.  Isso indica que, para subir 20 metros de altitude no morro, percorre-se uma distância menor que na outra encosta, de inclinação mais suave em que as cotas estão mais separadas.

Em que outras situações usamos formas diferentes de mapas?

Muitas vezes é conveniente usar uma forma mais “didática” para representar num mapa alguma informação. Mesmo que esteja explícito na legenda, pode ser difícil de visualizar. Quando há necessidade de comparar dados, cores e símbolos podem ser pouco eficientes.

Há uma forma de tornar o mapa temático bastante simples de compreender. Observe a figura abaixo:

Anamorfose: Disponibilidade de recursos hídricos por país

3
Fonte: http://www.grida.no/prog/global/cgiar/images/twat.gif

Anamorfose: Mapa mundi representando através da proporcionalidade dos territórios dos países que possuem mais recursos hídricos (aparecem maiores no mapa) e os que possuem menos recursos hídricos (aparecem menores no mapa).

Denominada anamorfose, esse mapa proporciona visualizar, através do tamanho dos territórios, os países que possuem mais e menos recursos hídricos em seu território. Simples de entender.

Pode-se observar que países como Brasil e Nova Zelândia aparecem super dimensionados no mapa. Conclui-se que possuem boa situação em relação aos recursos hídricos quando comparados com outros.

Agora que você já sabe tudo sobre as outras formas de representar o espaço geográfico, que tal assistir à videoaula do professor Raphael Carrieri para fixar bem o conteúdo e finalizar sua revisão?

Agora, que tal você testar seus conhecimentos?

1- (PUC/RS – 2015) A palavra mapa se origina, provavelmente, de Cartagena e significa “toalha de mesa”. Os navegadores e os negociantes, ao discutirem sobre suas rotas em locais públicos, rabiscavam diretamente nas toalhas (mapas), originando um documento gráfico. Hoje, devido à complexidade do espaço geográfico, informações podem ser representadas, também, através de

1- perfis topográficos.

2- cartas batimétricas.

3- imagens de satélite.

4- anamorfoses.

Estão corretos os itens

a) 1 e 2 apenas.

b) 2 e 4 apenas.

c) 1, 2 e 3 apenas.

d) 2, 3 e 4 apenas.

e) 1, 2, 3 e 4.

2- (UNIMONTES/MG – 2014) Observe a figura.

4

Fonte: Adaptação de COIMBRA, P.; e TIBÚRCIO, J. A.

  1. Geografia: Uma análise do espaço geográfico. São Paulo: Editora Harbra, 2006.

A partir das curvas de nível, a forma do relevo pode ser interpretada pelo seu perfil topográfico.

Considerando as correlações apresentadas nos perfis da figura, está(ão) CORRETA(S) a(s) afirmativa(s)

a) I e III, apenas.

b) III, apenas.

c) II, apenas.

d) I, II e III.

 

3- (ESPM/SP – 2010) Anamorfose é um recurso cartográfico em que a representação não corresponde necessariamente à realidade territorial, mas sim ao fenômeno representado. No caso abaixo, o fenômeno corresponde ao (à):

5

a) PIB

b) Poder militar

c) População

d) Preservação ambiental

e) Renda per capita

 

GABARITO

1 – E

2 – C

3 – B

Post escrito por Douglas de Barros Oliveira para o Blog do Enem. Douglas é professor de Geografia, formado pela Universidade Federal de Santa Catarina,  com 12 anos de experiência na docência e especialista em tecnologia na aprendizagem.