Veja o jeito certo do uso das letras Ç ou S; Z ou S; SS ou Ç…

Chegou a hora de passar a limpo suas dúvidas sobre o uso das letras entre SS ou SC, X ou CH; S ou Z e muitas outras para não perder pontos na redação do Enem. Veja:

Você já teve dúvidas sobre o uso certo das letras “complicadas” do idioma Português. Calma, porque isso é normal. Há muitas regras sobre como empregar uma letra ou outra quando vai escrever uma Redação do Enem ou mandar alguma mensagem. Todo mundo tem essas dúvidas.  E agora você vai ficar livre delas para mandar bem no Enem.

Na língua portuguesa temos no alfabeto 26 letras e algumas delas possuem regrinhas básicas para o seu uso correto. Afinal, quantas vezes já tivemos dúvida se ao escrever com G ou J, S ou Z, SS ou SC, X ou CH? Inúmeras, não é? Vamos conhecer e perder o medo de escrevê-las par avocê mandar bem na Redação do Enem.

Qual o motivo dessas letras gerarem dúvidas?

Isso acontece porque um mesmo fonema pode ser representado por mais de uma letra, e uma letra pode representar mais de um fonema. Por emitirem a mesma sonoridade, oralmente pensadas apenas pelos sons que emitem, causam certa confusão no uso das letras ao transcrevê-las para o papel.

Quando vou usar as letras E e I?

Em verbos terminados em -uar (presente do subjuntivo), -air (3ª pessoa do plural do presente do indicativo) e -oar (presente do subjuntivo). Ex.: caem, perdoem, efetuem, perdoem, abençoem, continue….

Na 2ª e na 3ª pessoa do singular e na 3ª pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos terminados em -ir, como partir: partes, parte, partem… Em ditongos nasais -ãe(s) e -õe(s), como aldeães, capitães, mãe, vilões, apõem… Então, apenas pela sonoridade muitas vezes acontecem mesmo as confusões no uso das letras

Em palavras com prefixo ante-, que são aquelas que indicam algo anterior, anterioridade. São exemplos: antebraço, antevéspera, antediluviano, antessala… Em substantivos terminados em -dade formados de adjetivos terminados em -io. É o caso de palavras como: sério – seriedade; árbitro-arbitrariedade; próprio – propriedade, dentre outras.

Já o emprego da letra I, acontece na 2ª e na 3ª pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos terminados em -air, -oer e -uir: atrais, atrai, possuis, possui, sais, sai.

Nos substantivos e adjetivos derivados em que entram os sufixos -iano e -iense, antes da sílaba tônica: Acre – acriano, Açores – açoriense, açoriano. Ao contrário da letra E, usada em palavras que indicam anterioridade, o I vai ser usado em palavras iniciadas pelo prefixo anti-, que indica contrariedade.

Temos como exemplos as palavras: antídoto, anticristo, antipatia, antissepia, etc. Em palavras terminadas em -eo, substitui-se a letra O por I antes do sufixo -dade: espontâneo – espontaneidade; instantâneo – instantaneidade, etc.

O uso das letras C, Ç e S

As palavras que possuem a letra C seguida de E e I, têm som de Ç e SS. Por terem essa sonoridade, às vezes é reconhecer quais dessas letras escolher para compor a palavra. Para mehorar essa grafia, existem algumas regras básicas.

Para a letra C:

Uso em vocábulos de origem indígena, africana ou árabe: cipó, cacimba, cacique, etc. Em palavras derivadas de vocábulos terminados em -te/-to: marte – marcial, marciano; torto – torcer. Sempre depois de ditongos: foice, coice, beicinho. Com as terminações -ecer e -encer, entardecer, amanhecer, vencer, pertencer, etc.

Para a letra Ç:

Uma dica quando pensar em usar o Ç, ele nunca é usado antes de E e I, mas sim usado antes de A, O e U. Por isso podemos encontrá-lo nas palavras de origem indígena, africana, árabe, italiana, francesa e exótica: açaí, açúcar, muçarela (ou mozarela), Moçambique, muçum…

Isso também vale para as palavras com sufixo -guaçu e -açu, exemplos: capim-açu e Paraguaçú. Vamos também vê-las em palavras que possuem o to no radical, ou seja palavras que originaram desse radical, como atenção (de atento), isenção (de isento), exceção (de exceto), assim por diante.

Vale também para palavras derivadas de vocábulos terminados em -tar/-tor: adoção (adotar), infração (infrator), tração (trator), redação (redator), seção (setor), etc.

Em substantivos e adjetivos advindos do verbo ter (e derivados): detenção (deter), abstenção (abster), etc. Nas palavras derivadas de vocábulos terminados e -tivo: introspecção (introspectivo), relação (relativo), etc. E, após ditongos: feição, louça, arcabouço, etc.

Dica: fique atento a palavras derivadas de verbos, dos quais se retira a desinência r e coloca o sufixo ção, como reeducação (reeducar), importação (importar), fundição (fundir), etc.

Para a letra S:

Usada em substantivos derivados de verbos em corr, d, nd, nt, pel, rg, rt, no radical, exemplos: concurso (concorrer), defensivo (defender), compulsório (compelir), imersão (imergir), diversão (divertir)…

Em adjetivos pátrios ou títulos de nobreza terminados em -ês(a) e -ense: rio-grandense, paranaense, princesa, duquesa, etc. Em palavras terminadas com -oso e -isa: apetitoso, gostoso, profetisa, etc. Em palavras com som de Z depois de ditongo: coisa, pausa, pouso, maisena, paisagem, etc. E quanta gente não escreve maizena!

A Formação das Palavras

Uma boa dica para você aprender sobre o uso das letras é dominar o processo de Formação das Palavras. Veja agora no resumo da professora Mercedes, do canal do Curso Enem Gratuito:

Excelente este resumo da Mercedes. Vale a pena ver de novo!

O uso das letras em ASE; ESE; ISE; e OSE

Em substantivos terminados em ase, ese, ise, ose: exemplos: tese, frase, osmose; exceções: deslize, gaze. Nos verbos terminados em isar, se os nomes correspondentes tiverem S no radical, como alisar (liso), paralisar (paralisia), etc. Exceções: catequizar (catequese), batizar (batismo), hipnotizar (hipnose), sintetizar (síntese)

Mas, por quê? O substantivo catequese é grafado com s, mas o verbo catequizar é com z. Isso ocorre em função da etimologia: catequese vem do latim catechese, e o verbo catequizar vem do latim catechizare.

Obs.: Como usar o sufixo -inho em palavras acompanhadas de S: quando a letra S fizer parte do radical da palavra de origem, exemplos: Luisinho (Luís), mesinha (mesa), etc. Você irá usar com a letra Z quando ocorrer o inverso, quando a palavra de origem não tiver o radical terminado em S, exemplos: Cafezinho (café), lugarzinho (lugar).

Emprego do dígrafo SS

O dígrafo entre duas vogais tem som de S e nunca pode iniciar uma palavra. Ele vai ocorrer em verbos terminados em primir, meter, mitir, cutir, ceder, gredir, sed(i)ar: percussão (percutir), depressão (deprimir), promessa (prometer), demissão (demitir), etc.

Em prefixo terminado em vogal mais palavra iniciada com S, acontece em assimétrico (a + simétrico), pressentimento (pré + sentimento), autosserviço (auto + serviço), minissaia (mini + saia), etc.

Depois de ver todas essas regras sobre o uso das letras, você deve estar preocupado como decorá-las. Não fique! A leitura de diferentes textos e principalmente sua memória visual no dia da prova, vão lhe ajudar muito mais do que apenas memorizar as regras. Procure consultar um bom dicionário e tudo vai dar certo!

E aí, você está pronto para mandar bem nos exercícios sobre emprego das letras em português? Clique aqui e teste seus conhecimentos nos simulados do blog do Enem. Boa sorte!

Dica do Blog: Aprenda agora a fazer a Divisão Silábica das palavras no idioma Português.

Os textos e exemplos acima foram preparados pela professora Suelen. Licenciada Plena em Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Pará.

Aprenda a fazer o uso das letras no idioma Português