Faltam:
para o ENEM

Império Napoleônico – História Enem

Estude sobre o período em que Napoleão Bonaparte tornou-se imperador da França, logo após 15 anos de grande instabilidade política, social e econômica.

Nesta postagem você encontrará um resumo sobre o Período em que Napoleão Bonaparte governou a França na posição de Imperador. Relembraremos alguns pontos de sua administração interna, marcada pelo autoritarismo e manutenção dos ideais burgueses no código civil instituído por ele.

Além disso, faremos um relato sobre sua postura expansionista, alterando consideravelmente as fronteiras geopolíticas europeias, o Bloqueio Continental imposto aos ingleses e sua fatídica derrota ao tentar conquistar a Rússia e seus desdobramentos.

Sabemos que ao longo de 15 anos de processo revolucionário que derrubou o sistema monarquista a França viu uma sucessiva troca de sistemas políticos, bem como constituições e leis que hora beneficiavam apenas os mais ricos, hora atendiam os anseios das classes populares.

No entanto, na medida em que as contradições entre as facções políticas se tornavam cada vez mais evidentes, a violência da revolução ganhou força e a instabilidade política e social se instalou. Por volta de 1799, Napoleão Bonaparte, um general e gênio militar que ficará responsável pela defesa contra as tentativas de ocupação da França concentrou o poder, personificando-o no entorno de sua própria imagem.

Assim, em 1802, Bonaparte tornara-se Consul Vitalício através de uma consulta popular e dois anos depois a França seria transformada em império com o próprio Napoleão sendo coroado imperador de todos os Franceses.

Cabe aqui relembrar que para solucionar a grave crise institucional que o país vivia devido a sua situação fiscal e algumas derrotas militares externas, Napoleão Bonaparte lançou uma série de novas reformas com o intuito de recuperar a economia e a estabilidade social.

Entre as principais resoluções do Consulado estão o incentivo a industrialização, criação de postos de trabalho e infraestruturas públicas, retomada das relações com a igreja católica, reforma monetária, fiscal e educacional. Três anos depois um plebiscito tornou seu cargo de primeiro Consul vitalício e em 1804 uma nova consulta o transformaria em Imperador dos Franceses.

Todavia, a partir da formação do Império francês, em 1804, as mudanças implementadas pelo imperador intensificaram-se. Como exemplo, podemos citar o Código Napoleônico, um novo código civil que regulamentou o direito a propriedade privada, proibiu a existência de sindicatos e restaurou a escravidão nas colônias francesas.

Em suma, Napoleão assegurou a consolidação dos interesses da alta burguesia, o que não é de causar estranhamento, visto que o próprio Imperador era de família burguesa. O código possuía por volta de 2000 artigos, todavia a maioria tratava do direito a propriedade privada e seus desdobramentos. Pouco versava sobre questões trabalhistas ou sociais.

Internamente a postura de Napoleão foi bastante centralizadora, o que por sua vez causa estranhamento, visto que a revolução representava o fim do absolutismo francês. O Estado Francês foi fragmentado em departamentos, assim como foi criado o Banco Francês e a Sociedade de desenvolvimento da Industria Nacional, haja vista que a França precisava acompanhar o desenvolvimento industrial nesta nova fase do processo de industrialização.

O Franco tornou-se a moeda francesa, e junto com ele, todo o código fiscal francês foi novamente reformado. Além disso Napoleão incentivou a criação de diversas bibliotecas e escolas públicas, voltadas para a formação profissional, atendendo as necessidades da indústria e do novo Estado Francês.

Além disso, o Imperador criou uma força policial secreta e restabeleceu os laços com a Igreja Católica, no entanto, tratou de garantir sua influência também sobre o Clero, cujo salário era bancado pelo Estado Francês.

Torna-se claro que embora contasse com forte apoio popular e burguês, Napoleão exerceu o poder de maneira bastante autoritária. No entanto, no plano externo suas ações sacudiriam ainda mais a política europeia a partir das conquistas territoriais do grande general.

Seu objetivo era ambicioso, tornar a França o maior Império Europeu tomando territórios dos países que castigaram a França nos últimos anos ao tentar invadi-la para por fim ao processo revolucionário.

Ainda em 1805 o Imperador anexou Gênova e boa parte do antigo Sacro Império Romano Germânico, transformando-o em Confederação do Reno, e o reino de Nápoles. No ano seguinte expandiu o império até os Países Baixos, colocando o irmão Luís Bonaparte como governante local. Paralelamente, diversas nações europeias compuseram forças de coalizão para frear o expansionismo francês.

Por volta de 1807 Bonaparte concentrou forças contra a poderosa Inglaterra, dona de um imenso império colonial e senhora dos mares. Visando desestabilizar o Estado Britânico, lançou mão do chamado Bloqueio Continental, proibindo os demais países europeus que manter relações comerciais com os ingleses.

No entanto, na prática o bloqueio prejudicou mais os países europeus do que a própria Inglaterra, embora esta tenha sido prejudicada com a acumulação de estoques de produtos que não poderiam ser desembarcados e comercializados no continente.

No mapa abaixo você pode conferir o território ocupado por napoleão até 1812:

Fonte: https://pt.slideshare.net/eglarosarochaverderossi/organizando-p-161-a-168-e-228-a-232-era-napoleonica-e-familia-real-no-brasil-2-serie-em

Neste contexto estão a ocupação da Espanha, governada agora por seu outro irmão, José Bonaparte e Portugal, país ultra endividado junto aos ingleses, que ficou no meio da disputa entre franceses e ingleses. Dom João VI, príncipe regente português era ameaçado de invasão pela França, caso mantivesse as relações com a Inglaterra, ou bombardeio de seus principais portos pelos ingleses, caso apoiasse as pretensões Napoleônicas.

A saída encontrada pelo então príncipe Dom João foi transferir toda a corte e instituições políticas portuguesas para sua principal colônia, o Brasil, em 1808. Aqui cabe lembrar que as invasões napoleônicas acabaram exercendo grande influência no processo de independência das colônias espanholas e portuguesa nas Américas.

Por volta de 1811, Bonaparte concentrou forças contra a Rússia, que havia furado o bloqueio continental. No entanto, a tentativa de invasão da Rússia seria o início da decadência de Napoleão.

Com uma força de 600 mil homens o imperador esperava rapidamente conquistar aquele país, mas esbarrou na estratégia militar defensiva que centenas de anos depois derrotaria as forças nazistas de Adolf Hitler.

Os russos não enfrentaram o exército francês em suas fronteiras, mas, ao invés disso recuaram sistematicamente para o interior do seu território destruindo tudo aquilo que pudesse ser utilizado pelos exércitos napoleônicos.

Esta estratégia militar ficou conhecida como terra arrasada, e em poucos meses os franceses sucumbiam a fome e ao frio do rigoroso inverno russo. Derrotado, o imperador ordenou o recuo de suas tropas, mas apenas 100 mil homens retornariam de fato a pátria mãe França.

A derrota fortaleceu os exércitos inimigos e uma nova força de coalizão foi formada reunindo Rússia, Prússia, Inglaterra e Áustria. Paris foi tomada no fim de março de 1814. Napoleão foi preso e encarcerado na ilha de Elba, em pleno mediterrâneo.

Luíz XVIII, irmão de Luís XVI, executado durante a revolução, foi coroado rei da França. Em 1815 ocorreria o Congresso de Viena, uma reunião entre os principais monarcas europeus que tinha por objetivo redefinir as fronteiras europeias, alteradas durante o expansionismo Francês.

Todavia, Napoleão retornaria ao governo francês por mais 100 dias após fugir da prisão. Assunto que discutiremos em outra postagem.

Para finalizar sua revisão, veja esta videoaula sobre o Império Napoleônico e Congresso de Viena:


Exercícios:

1- (UFMG – 2014 – Modificada) Leia este texto:

Antes, Napoleão havia levado o Grande Exército à conquista da Europa. Se nada sobrou do Império continental que ele sonhou fundar, todavia ele aniquilou o Antigo Regime, por toda parte onde encontrou tempo para fazê-lo; por isso também seu reinado prolongou a Revolução, ele foi o soldado desta, como seus inimigos jamais cessaram de proclamar. (LEFBVRE, Georges. A Revolução Francesa. São Paulo: IBRASA, 1966. p 573.)

Tendo em vista a expansão dos ideais revolucionários proporcionada pelas guerras conduzidas por Bonaparte, é CORRETO afirmar que:

a) os governos sob influência de Napoleão investiram no fortalecimento das corporações de ofício e dos monopólios.
b) as transformações provocadas pelas conquistas napoleônicas implicaram o fortalecimento das formas de trabalho compulsório.
c) Napoleão, em todas as regiões conquistadas, derrubou o sistema monárquico e implantou repúblicas.
d) o domínio napoleônico levou a uma redefinição do mapa europeu, pois fundiu pequenos territórios, antes autônomos, e criou, assim, Estados maiores.
e) Os países da Península Ibérica, como Portugal e Espanha, foram os únicos do continente Europeu a não serem afetados pelas guerras napoleônicas.

Resposta: D

2- Em 1804, Napoleão Bonaparte instituiu o Código Civil Napoleônico, que garantia, por lei, os valores da burguesia.

Entre esses valores estavam:

a) as liberdades individuais, a garantia da autoridade da Igreja sobre as diretrizes do Estado e a manutenção dos privilégios aristocráticos.
b) a abolição da servidão, a abolição da propriedade privada e a instituição de comunas rurais.
c) as liberdades individuais, o Estado laico, a proteção do direito de propriedade e a abolição da servidão;
d) a intervenção do Estado na economia, a liberdade de crença religiosa e a proteção do direito de propriedade.
e) N.D.A. Napoleão não instituiu nenhuma modificação no que se refere aos valores burgueses. Apenas manteve a mesma estrutura que vigorava no Antigo Regime.

Resposta: C

Bruno História
Os textos e exemplos acima foram preparados pelo professor Bruno Anderson para o Blog do Enem. Bruno é historiador formado pela Universidade Federal de Santa Catarina. Dá aulas de história em escolas da Grande Florianópolis desde 2012. Facebook e Twitter.