Estilo Individual e Estilo de Época – Literatura Enem

Você conhece as Escolas Literárias e as Tendências de Época? Revise estilos literários em mais uma aula de Literatura para o Enem.

Estilo Individual e Estilo de Época

O homem sofre influências do momento histórico em que vive, mas, simultaneamente, é capaz de ter uma postura pessoal, própria, individual frente a esse contexto social. Essa mesma escolha diante dos elementos da realidade também faz parte do processo de criação dos artistas em geral: do músico, do pintor, do escultor, do cineasta, do escritor.

Em literatura, além de selecionar o tema, o assunto a ser abordado, o escritor escolhe e combina, entre as possibilidades de expressão da língua, as palavras que tecerão criativamente seu texto. A essa maneira pessoal do escritor de escolher e combinar as palavras dá-se o nome de estilo individual.

Como todo ser humano, O escritor também recebe, influências.de sua época. Sua obra, portanto, contém elementos pertinentes ao momento em que vive; reflete os costumes, os gostos, os valores morais, religiosos, políticos e sociais. A essa semelhança entre os escritores de uma mesma época expressarem a realidade dá-se o nome de estilo de época.

Dica 1 – Nesta segunda parte da aula sobre Tipologia Textual, vamos revisar o texto dissertativo e o texto descritivo para Literatura Enem – https://blogdoenem.com.br/tipologia-textual-literatura-enem/

Observe, nos textos A e B, como se processa o estilo individual e o estilo de época.

Texto A

Além, muito além daquela serra, que ainda azula no horizonte, nasceu Iracema.

Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna e mais longos que seu talhe de palmeira.

O favo da jati não era doce como o seu sorriso, nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado.

Mais rápida que a ema selvagem, a morena virgem corria o sertão pelas matas do Ipu, onde campeava sua guerreira tribo, da grande nação tabajara. O pé grácil e nu, mal roçando, alisava apenas a verde pelúcia que vestia a terra com as primeiras águas.
(José de Alencar, Iracema.)

Texto B

Isso do corpo de Fraulein não ser perfeito, em nada enfraquece a história. Lhe dá mesmo certa honestidade espiritual e não provoca sonhos. E aliás, se renascente e perfeito, o idílio seria o mesmo.

Fraulein não é bonita, não. Porém traços muito regulares, coloridos de cor real. E agora que se veste, a gente pode olhar com mais franqueza isso que fica de fora e ao mundo pertence, agrada, não agrada? Não se pinta, quase nem usa pó-de-arroz. A pele estica, discretamente polida com os arrancos da carne sã. O embate é cruento. Resiste a pele, o sangue se alastra pelo interior e Fraulein toda se roseia agradavelmente.
(Mário de Andrade, Amar, verbo intransitivo.)

Você pôde observar, nos textos A e B, que o mesmo assunto, a mulher, foi tema de escritores que viveram em épocas diferentes.

No texto A, a mulher aparece de forma idealizada. É vista como uma heroína, extremamente bonita, delicada, graciosa. Esse texto foi escrito no século XIX e essas características seguem a linha de produção literária dos escritores românticos.

No texto B, a mulher aparece de uma forma mais objetiva. Ela deixa de ser encarada como a beleza personificada; passa a ter características positivas e negativas. Esse texto foi escrito no século XX. Essa descrição demonstra crítica frente à realidade, própria dos escritores modernos.

Uma obra de arte literária só pode ser verdadeiramente compreendida e apreciada dentro do contexto histórico – social – econômico em que foi produzida. Se estudarmos a produção literária de uma certa época, verificaremos que existem procedimentos artísticos comuns e concepções de realidade semelhantes em certos grupos de escritores. Isto nos permite agrupá-los no que chamamos de Escolas Literárias ou Tendências de Época, o que muitas vezes nos ajuda a compreender melhor certas obras e ideias.

Dica 2 – Já sabe tudo sobre Literatura para o Enem? Revise sobre os Elementos de Narrativa com esta primeira aula de Tipologia Textual – https://blogdoenem.com.br/tipologia-textual-parte-literatura-enem/

Dessa forma, percebemos, em cada época, a concepção da realidade desses escritores e dessa época. As obras de arte literárias ficam como testemunhas das ideias que os homens fazem do mundo. A situação histórica e o contexto cultural deixam, muitas vezes, suas marcas nas obras literárias. Não podemos, no entanto, esperar encontrar as mesmas características em todos os autores. Em cada época podemos levantar os procedimentos artísticos mais frequentes e conteúdos que nos mostrem as semelhanças entre diversos autores.

Ao identificarmos essas tendências entre os autores, delimitamos os diferentes períodos literários, isto é, os procedimentos artísticos e as concepções da realidade mais frequentes e comuns entre os artistas de uma determinada época.

Essa divisão em períodos ou movimentos literários nos dá uma visão global da literatura e facilita o estudo de sua evolução.

Vamos observar, a seguir, a lista de estilos de época da literatura brasileira:

Era colonial

Escritos de Formação* (séc. XVI)
Escritos de Informação* (séc. XVI)
Barroco (séc. XVII)
Neoclassicismo (séc. XVIII)

Era nacional

Romantismo (séc. XIX – Primeira metade)
Realismo/Naturalismo/Parnasianismo (séc. XIX – Segunda metade)
Simbolismo (fim do séc. XIX)
Pré-Modernismo* (início do séc. XX)
Modernismo (séc. XX)
Primeiro momento
Segundo momento
Terceiro momento

  * Não constituem Escolas Literárias

As Escolas Literárias sucedem-se umas à outras numa relação de ruptura e/ou continuidade. Os elementos de ruptura estabelecem a diferença entre elas, enquanto os elementos de continuidade formam tradição. Assim, Escolas Literárias de épocas bem diferentes podem apresentar certas semelhanças que decorrem da influência que a tradição exerce.

Dica 3 – Gênero Lírico, Épico ou Narrativo, e Dramático. Relembre as diferenças entre eles com esta aula de Literatura para o Enem – https://blogdoenem.com.br/generos-literarios-enem/

Há duas grandes tradições artísticas que se opõem, se alternam e se combinam na história da Literatura.

Saiba mais sobre As Escolas Literárias e o Estilo de Época nesta aula do canal Aulalivre.net, disponível no Youtube. Após assistir, revise o que você aprendeu respondendo aos nossos desafios!

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=PYILDWC_PSI]

Desafios

Questão 1

O texto a seguir foi extraído de um romance brasileiro. A partir de sua leitura, é possível extrair traços que permitam identificar o estilo literário a que pertence. Assinale a alternativa que indique esses traços e a escola a que o trecho pode ser filiado.

Caía a tarde

No pequeno jardim da casa do Paquequer, uma linda moça se embalançava indolentemente numa rede de palha presa aos ramos de uma acácia silvestre, que estremecendo deixava cair algumas de suas flores miúdas e perfumadas.

Os grandes olhos azuis, meios cerrados, às vezes se abriam languidamente como para se embeberem de luz, e abaixavam de novo as pálpebras rosadas.

Os lábios vermelhos e úmidos pareciam uma flor da gardênia dos nossos campos, orvalhada pelo sereno da noite; o hálito doce e ligeiro exalava-se formando um sorriso. Sua tez(1), alva e pura como um froco(2) de algodão, tingia-se nas faces de uns longes(3) cor-de-rosa, que iam, desmaiando, morrer no colo de linhas suaves e delicadas.

O seu traje era do gosto mais mimoso e mais original que é possível conceber; mistura de luxo e simplicidade.

Tinha sobre o vestido brando de cassa(4) um ligeiro saiote de rico (5) azul apanhado à cintura por um broche; uma espécie de arminho(6) cor de pérola, feito com a penugem macia de certas aves, orlava(7) o talho (8) e as mangas, fazendo realçar a alvura de seus ombros e o harmonioso contorno de seu braço arqueado sobre o seio.

Os longos cabelos louros, enrolados negligentemente em ricas tranças, descobriam a fronte alva, e caíam em volta do pescoço presos por uma presilha finíssima de fios de palha cor de ouro, feita com uma arte e perfeição admirável.

A mãozinha afilada(9) brincava com um ramo de acácia que se curvava carregado de flores, e ao qual de vez em quando segurava-se para imprimir à rede uma doce oscilação.

 Notas: (1) pele; (2) floco; (3) tonalidades suaves; (4) tecido fino (5) tecido de lã; (6) tipo de agasalho; (7) enfeitava; (8) corte (do vestido); (9) fina.

a) A sensualidade e animalização que se associam à personagem evidenciam traços naturalistas.

b) A construção de uma imagem urbanizada e cosmopolita da figura feminina denuncia a estética modernista.

c) A colocação da personagem apenas como pretexto para tratar de aspectos da natureza revela o neoclassicismo

d) A imagem espiritualizada da mulher, de franca inspiração religiosa, aponta para a estática barroca.

e) A descrição idealizada da mulher e seu envolvimento harmonioso com a natureza brasileira permitem aproximar a imagem do Romantismo.

Questão 2

o amor, esse sufoco

agora há pouco era muito,

agora, apenas um sopro

 

ah, troço de louco,

corações trocando rosas,

e socos

(Paulo Leminski)

Assinale a alternativa incorreta a respeito do texto:

a) Percebe-se no poema a exploração da sonoridade das palavras.

b) O texto tem como tema as contradições do sentimento amoroso.

c) A ausência de rimas reproduz a fala cotidiana.

d) A linguagem do texto possui uma dimensão coloquial.

e) A postura do eu lírico é marcada pela perplexidade.

Leia a letra de canção que segue, para responder às questões 03 e 04.

O Pulso

O pulso ainda pulsa.

O pulso ainda pulsa.

Peste bubônica, câncer, pneumonia,

Raiva, rubéola, tuberculose, anemia,

Rancor, cisticercose, caxumba, difteria,

Encefalite, faringite, gripe, leucemia

O pulso ainda pulsa (pulsa).

O pulso ainda pulsa (pulsa).

Hepatite, escarlatina, estupidez, paralisia,

Toxoplasmose, sarampo, esquizofrenia,

Úlcera, trombose, coqueluche, hipocondria,

Sífilis, ciúmes, asma, cleptomania

E o corpo ainda é pouco,

E o corpo ainda é pouco,

Reumatismo, raquitismo, cistite, disritmia,

Hérnia, pediculose, tétano, hipocrisia,

Brucelose, febre tifóide, arteriosclerose, miopia,

Catapora, culpa, série, cãibra, lepra, afasia.

O pulso ainda pulsa,

O corpo ainda é pouco.

Ainda pulsa

(Arnaldo Antunes. Faixa 6 do CD Acústico MTV – Titãs de 1997)

Questão 3

As enumerações da letra da canção:

a) reforçam a dificuldade do pulso em continuar pulsando.

b) são constituídas exclusivamente de moléstias infecciosas.

c) englobam, sobretudo transtornos da natureza psiquiátrica.

d) distinguem claramente os distúrbios do corpo e da alma.

e) apenas reforçam o sentido da palavra “hipocondria”.

Questão 4

O uso de “ainda” nos versos “O pulso ainda pulsa” e “O corpo ainda é pouco”:

a) indica ações concluídas, que não voltarão a correr.

b) pressupões que essas ações acontecerão indefinidamente.

c) é equivalente ao emprego de apenas ou somente.

d) sugere ações em curso, embora não necessariamente incessantes.

e) remete a ações durativas, cuja finalidade é desconhecida.

Questão 5

“Bang. Bang. Bang. Acertei os três tiros, três latas de pomarola voaram, deram piruetas e caíram em cima do lixo. Fui até o muro, coloquei cinco garrafas, eu preferia garrafas, os cascos estilhaçando, eu gostava daquele barulho. Até matar o primeiro cara a gente pensa que existe essa história de aprender a matar. Aprender a matar é como aprender a morrer, um dia você morre e pronto.

Ninguém aprende a matar. Isso é conversa furada de tira. Todo mundo nasce sabendo. Se você tem uma arma na mão, é isso, você já sabe tudo.”

(Patrícia Melo, O matador. São Paulo, Companhia das Letras, 1995)

A partir da leitura do texto acima, analise as seguintes afirmações:

I. O trecho de Patrícia Melo revela incompatibilidade entre a matéria narrativa e a escolha vocabular – dissonância que caracteriza a literatura brasileira dos anos de 1990.

II. A narrativa em primeira pessoa reforça uma visão objetiva da realidade, ao mesmo tempo em que permite um mergulho profundo na psicologia da personagem.

III. O fragmento pode servir como exemplo da exploração da temática violência que a literatura brasileira das ultimas décadas tem apresentado.

IV. A violência é incorporada pela própria narrativa, na naturalidade com que a personagem relata seus crimes.

Assinale a alternativa adequada:

a) Estão corretas apenas as informações I e II.

b) Estão corretas apenas as informações III e IV.

c) Estão corretas apenas as afirmações II, III e IV.

d) Todas as afirmações estão incorretas.

e) Todas as afirmações estão corretas.

Você consegue resolver estes exercícios? Então resolva e coloque um comentário no post, logo abaixo, explicando o seu raciocínio e apontando a alternativa correta para cada questão. Quem compartilha a resolução de um exercício ganha em dobro: ensina e aprende ao mesmo tempo. Ensinar é uma das melhores formas de aprender!