Naturalismo – Literatura no Vestibular e no Enem

Você sabia que existe uma grande relação entre o realismo e o naturalismo? Não? Então você, estudante, que irá prestar Vestibular e Enem, não pode deixar de ler esse post e arrasar em Literatura nas provas mais importantes do país.

O Naturalismo é uma tendência que se radicou no Realismo, condicionando o homem ao meio ambiente que o rodeia. Segundo um autor naturalista, o homem se submete às forças biológicas ou sociais, agindo de acordo com elas.

No Realismo, os autores brasileiros que mais se destacam são Machado de Assis e Raul Pompeia. Já no Realismo com tendências Naturalistas, destacam-se Aluísio de Azevedo e Inglês de Souza.

O Naturalismo no Vestibular e no Enem

As obras naturalistas são marcadas pelo teor da análise social a partir dos grupos marginalizados, que se valoriza o coletivo. É interessante observar, também, que os títulos das obras naturalistas apresentam a mesma preocupação. Olhe só: O mulato, O cortiço, Casa de pensão, O Ateneu.

Sobre o romance O Cortiço, existe a cogitação de que o personagem principal não é João Romão, nem Bertoleza, nem Rita Baiana, nem Pombinha, mas o próprio cortiço, onde se passa a narrativa, ou, como afirma o crítico Antonio Candido, o romance é nascimento, vida, paixão e morte de um cortiço”.

A Evolução das Espécies influi nas obras naturalistas

Em contrapartida, o naturalismo apresenta romances experimentais: a influência de Charles Darwin no extremo caráter nacionalista, que dá ênfase a natureza animal do homem, ou seja, antes de usar a razão, o homem permite ser levado pelos seus instintos mais naturais, não podendo ser reprimido em suas manifestações instintivas, assim como o sexo, pela moral da classe em dominância. Quer aproveitar o embalo e revisar as Teorias sobre Origem das Espécies? Veja aqui uma aula gratuita sobre Charles Darwin e Jean-Baptiste Lamarck.

Sobre os pontos que coincidem os romances naturalista e realista, podemos dizer que os dois partem de um ponto igual e chegam a um ponto igual, porém percorrendo caminhos diferentes. Inclusive, os dois atacam a monarquia, o clero e a sociedade burguesa.

Além do mais, podemos encontrar, em um mesmo escritor, alguns comportamentos mais realistas convivendo com enfoques mais naturalistas. Isso acontece em O Ateneu, por exemplo. Eça de Queirós, escritor português, é outro exemplo: certos críticos o consideram naturalista e outros o consideram realista.

Dica: a videoaula do prof. Rolo ajuda a revisar o conteúdo de Naturalismo!

Produção literária

Aluisio de Azevedo (1857 – 1913), a fim de ser escritor por profissão, produz uma obra muito diferente: de um lado, os romances românticos, que o próprio autor chamava de comerciáveis e, de outro, os romances naturalistas, chamados de artísticos.

Memórias de um condenado, Mistérios da Tijuca, Filomena Borges são obras que pertencem aos romances românticos, seguindo a “receita” de folhetins. Já os romances naturalistas, escritos por Aluísio de Azevedo, estão O mulato, Casa de pensão e O cortiço. Esses dois tipos de romances não são marcados por uma divisão ou até mesmo fases, como é o caso de Machado de Assis. Os romances românticos simplesmente se alternavam com os naturalistas.

O Cortiço (frag.)

Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas  sua infinidade de portas e janelas alinhadas.

Um acordar alegre e farto de quem dormiu de uma assentada, sete horas de chumbo. Como que se sentiam ainda na indolência de neblina as derradeiras notas da última guitarra da noite antecedente, dissolvendo-se à luz loura e tenra da aurora, que nem um suspiro de saudade perdido em terra alheia.

A roupa lavada, que ficara de véspera nos coradouros, umedecia o ar e punha-lhe um fartum acre de sabão ordinário. As pedras do chão, esbranquiçadas no lugar da lavagem e em alguns pontos azuladas pelo anil, mostravam uma palidez grisalha e triste, feita de acumulações de espumas secas.

Fique ligado(a) nesse tema! Ele é muito importante na literatura brasileira.

Foco nos estudos e não deixe de resolver os exercícios!

Exercícios

1- (Unifesp)

O cortiço

Fechou-se um entra-e-sai de marimbondos defronte daquelas cem casinhas ameaçadas pelo fogo. Homens e mulheres corriam de cá para lá com os tarecos ao ombro, numa balbúrdia de doidos. O pátio e a rua enchiam-se agora de camas velhas e colchões espocados. Ninguém se conhecia naquela zumba de gritos sem nexo, e choro de crianças esmagadas, e pragas arrancadas pela dor e pelo desespero. Da casa do Barão saíam clamores apopléticos; ouviam-se os guinchos de Zulmira que se espolinhava com um ataque. E começou a aparecer água. Quem a trouxe? Ninguém sabia dizê-lo; mas viam-se baldes e baldes que se despejavam sobre as chamas.

Os sinos da vizinhança começaram a badalar.

E tudo era um clamor.

A Bruxa surgiu à janela da sua casa, como à boca de uma fornalha acesa. Estava horrível; nunca fora tão bruxa. O seu moreno trigueiro, de cabocla velha, reluzia que nem metal em brasa; a sua crina preta, desgrenhada, escorrida e abundante como as das éguas selvagens, dava-lhe um caráter fantástico de fúria saída do inferno. E ela ria-se, ébria de satisfação, sem sentir as queimaduras e as feridas, vitoriosa no meio daquela orgia de fogo, com que ultimamente vivia a sonhar em segredo a sua alma extravagante de maluca.

Ia atirar-se cá para fora, quando se ouviu estalar o madeiramento da casa incendiada, que abateu rapidamente, sepultando a louca num montão de brasas.

(Aluísio Azevedo)

O caráter naturalista nessa obra de Aluísio Azevedo oferece, de maneira figurada, um retrato de nosso país, no final do século XIX. Põe em evidência a competição dos mais fortes, entre si, e estes, esmagando as camadas de baixo, compostas de brancos pobres, mestiços e escravos africanos. No ambiente de degradação de um cortiço, o autor expõe um quadro tenso de misérias materiais e humanas. No fragmento, há várias outras características do Naturalismo. Aponte a alternativa em que as duas características apresentadas são corretas.

a) Exploração do comportamento anormal e dos instintos baixos; enfoque da vida e dos fatos sociais contemporâneos ao escritor.

b) Visão subjetivista dada pelo foco narrativo; tensão conflitiva entre o ser humano e o meio ambiente.

c) Preferência pelos temas do passado, propiciando uma visão objetiva dos fatos; crítica aos valores burgueses e predileção pelos mais pobres.

d) A onisciência do narrador imprime-lhe o papel de criador, e se confunde com a ideia de Deus; utilização de preciosismos vocabulares, para enfatizar o distanciamento entre a enunciação e os fatos enunciados.

e) Exploração de um tema em que o ser humano é aviltado pelo mais forte; predominância de elementos anticientíficos, para ajustar a narração ao ambiente degradante dos personagens.

 

2- (PUC – PR)

Assinale a alternativa que contém a afirmação correta sobre o Naturalismo no Brasil.

a) O Naturalismo, por seus princípios científicos, considerava as narrativas literárias exemplos de demonstração de teses e ideias sobre a sociedade e o homem.

b) O Naturalismo usou elementos da natureza selvagem do Brasil do século XIX para defender teses sobre os defeitos da cultura primitiva.

c) A valorização da natureza rude verificada nos poetas árcades se prolonga na visão naturalista do século XIX, que toma a natureza decadente dos cortiços para provar os malefícios da mestiçagem.

d) O Naturalismo no Brasil esteve sempre ligado à beleza das paisagens das cidades e do interior do Brasil.

e) O Naturalismo do século XIX no Brasil difundiu na literatura uma linguagem científica e hermética, fazendo com que os textos literários fossem lidos apenas por intelectuais.

 

Gabarito

1- A

2- A

O texto foi escrito pela professora Analice, formada em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Unesp. Atualmente é mestranda em Literatura na Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, professora de português na rede particular de ensino de Florianópolis e colaboradora do Blog do Enem. Facebook: http://www.facebook.com/analice.andrade