Conheça os pensamentos de Durkheim – Sociologia Enem

Você sabia que Émile Durkheim vê o suicídio como um fato social? Entenda o que é “fato social”, “coisa” e “solidariedade” para o pensador. É sociologia para o Enem!

Émile Durkheim procurou compreender como a sociedade de sua época se organizava e o que mantinha os indivíduos unidos. Viveu na sociedade do século XIX em transformação devido aos desdobramentos da Revolução Francesa e Industrial, sofrendo as influências das ideias iluministas que apostavam no progresso da humanidade e na necessidade de se criar um novo sistema moral e científico mais condizente com a sociedade industrial.

O positivismo de Auguste Comte (1798-1857) influenciou Durkheim e está presente em seu método de estudo: a sociedade deveria ser estudada por meio da observação e experimentação.

Neste post vamos entender os conceitos principais que Durkheim desenvolveu para explicar o funcionamento da sociedade.

O que é “fato social”?

Para o pensador, a Sociologia deve tomar como objeto de estudo o que chamou de “fatos sociais”, que são modos de agir, de pensar e de sentir, que são exteriores ao indivíduo, e exercem sobre ele uma coerção. Para Durkheim, a sociedade é mais do que a soma dos indivíduos que a compõe: as consciências, sentimentos e ações, ao serem combinados e fundidos, fazem nascer algo novo e externo àquelas consciências, dando origem a uma nova realidade, que é a consciência da sociedade, um fenômeno sui generis.

Tirinha de humor a respeito da ideia de coerção, uma das característica do fato social
Fonte: http://abollagira.blogspot.com.br/2014/11/sociologia-de-emile-durkheim.html

Durkheim procura comprovar que os fatos sociais são externos e coercitivos. Argumenta que os fatos sociais, por serem externos, devem ser internalizados por meio de um processo educativo. Explica que as crianças são educadas a desenvolver determinados comportamentos, maneiras de ser e mais tarde de trabalhar, de acordo com os valores daquela sociedade. Ao passar do tempo vão adquirindo hábitos, deixando de sentir que estão sendo coagidos, aprendendo comportamentos e modos de sentir do grupo em que estão inseridos.

Este homem construído socialmente compartilha uma escala de valores, de sentimentos e comportamentos. Cria-se uma realidade objetiva e coercitiva. Aqueles que não se submetem as convenções sociais passam por grandes dificuldades, por exemplo, ao resistir a uma lei, violar uma regra moral, não usar o idioma nacional, traz algumas punições sociais.

Contudo não significa que os homens são impotentes diante das regras sociais, é viável o comportamento inovador, desde que vários indivíduos combinem sua ação e que esta venha a constituir um outro fato social.

Tirinha de humor da Mafalda exemplificando as regras e convenções sociais
Fonte: http://sociologiass-unesp.blogspot.com.br/2012/05/seu-mestre-mandou_13.html

O que Durkheim quer dizer com “coisa”?

O método utilizado por Durkheim para estudar a sociedade aproxima-se daquele das ciências naturais que busca pela objetividade. Ao observar um fato social o sociólogo deve considerá-lo como “coisa”, como algo externo, procurando afastar as prenoções que carrega acerca daquele fato, libertar-se de falsas evidências, dos preconceitos, de seus sentimentos ou paixões. Deve-se adotar a prática cartesiano da dúvida metódica.

Quadro a respeito da relação entre “fato social” e “coisa”
Fonte: http://servicosocial-erenilza.blogspot.com.br/2016/05/grandes-pensadores-das-ciencias-sociais_28.html

Tipos de Solidariedade

Durkheim procurou explicar os elementos capazes de manter coesa a sociedade que ia se configurando em uma época de transformações. Elaborou para isso o conceito de solidariedade social, demonstrando que é responsável pela coesão entre os indivíduos de uma sociedade.

Esta solidariedade pode ser de dois tipos: orgânica ou mecânica. Nas sociedades ditas simples, nos clãs ou tribos, prevalece a solidariedade orgânica, em que os indivíduos estão ligados por crenças e sentimentos comuns a todos os membros, não há diferenças nítidas entre eles, suas consciências se assemelham e por isso são solidários, devido às suas similitudes.

Os tipos individuais são rudimentares e o tipo coletivo é bastante desenvolvido. Com a concentração da população e a formação das cidades aumenta as relações intersociais, levando ao progresso e a divisão do trabalho. A solidariedade orgânica se reduz dando origem a uma nova solidariedade, a mecânica, derivada da divisão do trabalho.

Os membros dessa sociedade são solidários porque cada um tem uma tarefa, um papel diferenciado, e cada um dos demais depende das outras partes que compõem a sociedade. A divisão do trabalho garante a coesão.

Tirinha de humor demonstrando a solidariedade mecânica
Fonte:http://www.portaldovestibulando.com/2012/12/durkheim-solidariedade-mecanica-e.html

Para assimilar o conteúdo, veja a aula da prof. Anna e se prepare para o Enem!

O Suicídio

O fenômeno do suicídio é m dos indicadores de que a sociedade age sobre o indivíduo. O suicídio não é devido a causas isoladas, como pode parecer a princípio, mas a causas exteriores aos indivíduos, é um fato social.

Quadro explicativo sobre o suicídio egoísta e altruísta
Fonte: http://es.slideshare.net/piratero-kenin-18/el-funcionalismoemilio-durkheim

Para Durkheim existem correntes sociais ou tendências coletivas que levam os indivíduos ao suicídio, denominadas por ele de “correntes suicidogêneas”: do egoísmo, altruísmo ou de anomia. Estas correntes geram estados de melancolia, renúncia ativa ou fadiga. Normalmente estas correntes compensam-se mutuamente e mantem os indivíduos em equilíbrio, mas certas condições sociais, profissões ou confissões religiosas estimulam ou detêm essas tendências.

O suicídio egoísta se dá pela melancolia e sensação de desamparo moral provocadas pela desintegração social. Nos grupos em que se desintegram, os laços de solidariedade religioso, de união familiar, ou mesmo a força do sentimento que vincula os indivíduos à sociedade política, pode motivar o suicídio. Nas sociedades inferiores, os suicídios mais frequentes são os altruístas, cometidos por pessoas enfermas, devido à velhice, viúvas, fiéis, ou por atos heroicos.

Quadro de humor exemplifica o conceito de “anomia”

O terceiro tipo de suicídio é o anômico, característico das sociedades modernas. Este tipo se dá devido a um estado de desregramento social, em que as normas estão ausentes ou perderam o respeito. A sociedade deixa de estar suficientemente presente para regular as paixões individuais, que podem correr desenfreadas. Antes existia a religião com seu sistema de poderes morais disciplinador, consoladora de pobres e ricos.

Na sociedade baseada na divisão do trabalho, se as relações não estão regulamentadas, com pouco contato e não duradouras, o sentimento de interdependência amortece, as relações são precárias, as regras são vagas, indefinidas. Situações como crises econômicas ou aumento brusco da riqueza ou de poder pode levar o indivíduo a desajustes, não há limites, o controle social está desestruturado.

Questões:

1- (UFU 2015)  A concepção da Sociologia de Durkheim se baseia em uma teoria do fato social. Seu objetivo é demonstrar que pode e deve existir uma Sociologia objetiva e científica, conforme o modelo das outras ciências, tendo por objeto o fato social.

ARON, R. As etapas do pensamento sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 1995. p. 336.

Em vista do exposto, assinale a alternativa correta.

a) Durkheim demonstrou que o fato social está desconectado dos padrões de comportamento culturais do indivíduo em sociedade e, portanto, deve ser usado para explicar apenas alguns tipos de sociedade.

b) Segundo Durkheim, a primeira regra, e a mais fundamental, é considerar os fatos sociais como coisas para serem analisadas.

c) O estado normal da sociedade para Durkheim é o estado de anomia, quando todos os indivíduos exercem bem os fatos sociais.

d) A solidariedade orgânica, para Durkheim, possui pequena divisão do trabalho social, como pode ser demonstrada pela análise dos fatos sociais da sociedade.

2- (UFU 2013) Durkheim caracteriza o suicídio – até então considerado objeto de estudo da epidemiologia, da psicologia e da psiquiatria – como fato social e, por isso, dotado das características da coercitividade, da exterioridade, da generalidade. É tomado, pois, como objeto de estudo

sociológico, em virtude do fato de

a) variar na razão inversa ao grau de integração dos grupos sociais de que faz parte o indivíduo, ou seja, quanto maior o grau de integração ao grupo social, mais elevada é a taxa de mortalidade -­‐suicídio da sociedade.

b) ser possível observar uma certa predisposição social para fornecer determinado número de suicidas, ou seja, uma tendência constante, marcada pela permanência, a despeito de variações circunstanciais.

c) configurar -­se como uma morte que resulta direta ou indiretamente, consciente ou inconscientemente de um ato executado pela própria vítima.

d) depender, exclusivamente, do temperamento do suicida, de seu caráter, de seu histórico familiar, de sua biografia, uma vez que não deixa de ser um ato do próprio indivíduo.

3- (UEG 2016)  O objeto de estudo da sociologia, para Durkheim, é o fato social, que deve ser tratado como “coisa” e o sociólogo deve afastar suas prenoções e preconceitos. A construção durkheimiana do objeto de estudo da sociologia pode ser considerada:

a) positivista, pois se fundamenta na busca de objetividade e neutralidade.

b) dialética, pois reconhece a existência de uma realidade exterior ao pesquisador.

c) kantiana, pois trata da “coisa em si” e realiza a coisificação da realidade.

d) nietzschiana, pois coloca a “vontade de poder” como fundamento para a pesquisa.

e) weberiana, pois aborda a ação social racional atribuída por um sujeito.

4- (Unioeste 2015) Solidariedade orgânica” e “solidariedade mecânica” são conceitos propostos pelo sociólogo francês Émile Durkheim (1858-1917) para explicar a ‘coesão social’ em diferentes tipos de sociedade. De acordo com as teses desse estudioso, nas sociedades ocidentais modernas, prevalece a ‘solidariedade orgânica’, onde os indivíduos se percebem diferentes embora dependentes uns dos outros. A lógica do mercado capitalista, entretanto, baseada na competição individualista em busca do lucro, pode corromper os vínculos de solidariedade que asseguram a coesão social e conduzir a uma situação de ‘anomia’.

De acordo com os postulados de Durkheim, é CORRETO dizer que o conceito de “anomia” indica :

a) a necessidade de todos demonstrarem solidariedade com os mais necessitados.

b) uma situação na qual aqueles indivíduos portadores de um senso moral superior devem se colocar como líderes dos grupos dos quais fazem parte.

c) a condição na qual os indivíduos não se identificam como membros de um grupo que compartilha as mesmas regras e normas e têm dificuldades para distinguir, por exemplo, o certo do errado e o justo do injusto.

d) o consumismo exacerbado das novas gerações, representado pelo aumento do número de shopping centers nas

e) a solidariedade que as pessoas demonstram quando entoam cantos nacionalistas e patrióticos em manifestações públicas como os jogos das seleções nacionais de futebol.

Gabarito:

Questão 1 – resposta b

Questão 2 – resposta b

Questão 3 – resposta a

Questão 4 – resposta c

O texto acima foi preparado pela professora Viviane Bassi dos Reis Marques para o Blog do Enem. Viviane é formada em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos e mestra em Ciências Sociais com foco em Sociologia pela Universidade Estadual Paulista. Dá aulas de Sociologia, Antropologia e Ciência Política. Facebook: https://www.facebook.com/bassimarques