Os conflitos entre a Razão e a Fé – Resumo de Filosofia Enem

É possível conciliar razão e fé? Esta é uma questão antiga e polêmica, mas que sempre vem à tona. Por isso, não deixe este assunto fora dos seus estudos para a prova de Filosofia do Enem!

No período medieval, invasões bárbaras atacaram o império romano e causaram uma nova estrutura de vida social. No entanto, a Igreja Católica em meio a essas mudanças, conseguiu manter-se como instituição social. Consolidou sua organização religiosa e difundiu o cristianismo preservando muitos elementos da cultura greco-romana.

Junto com essa expansão, a Igreja passou a exercer importante papel político na sociedade da época. Já no campo do conhecimento, ela traçou um quadro intelectual em que a fé tornou-se a base fundamental de toda vida cristã, o que marcou o pensamento filosófico produzido nesta época.

Dentro deste quadro histórico apresentando, vamos entrar na discussão ente fé e razão. Você já deve ter observado que a fé tem uma fundamental importância para este período. Então vamos entender o que significa fé?razão e féA fé é a base da maioria das religiões, sendo que a fé é uma crença sem exigir provas racionais, ou seja, uma adesão incondicional às verdades reveladas por Deus aos seres humanos. Essas verdades estão expressas na Bíblia e interpretadas pelas autoridades da Igreja.

Assim sendo, segundo as autoridades da época, toda investigação filosófica ou científica não poderia contrariar as verdades estabelecidas pela fé católica, em outras palavras, não precisa investigar o que era verdade, pois esta já tinha sido revelada nas escrituras.

Entretanto, bastava apenas demonstrar racionalmente as verdades da fé. A Igreja Católica tem dois pensadores que se destacam. Santo Agostinho, que tem o dogma da crença como absoluto; e Santo Tomás de Aquino, que procurou através da Filosofia de Aristóteles demonstrar a existência de Deus pela razão.

Isto provocou uma reação aos filósofos conhecedores da filosofia grega. Quando perceberam que as autoridades da Igreja estavam usando filósofos gregos para provar as verdades da fé e a própria existência de Deus. Justamente neste período, cometeu a grande atrocidade de condenar publicamente as pessoas que discordavam da Igreja, sendo chamados de hereges.

Podemos concluir que neste período a razão estava a serviço da fé. Mas vamos ver em linhas gerais dois períodos importantes na Idade Média, chamados de patrística e escolástica.

A Patrística: dentro do processo de desenvolvimento do cristianismo, como vimos ao descrever o contexto histórico, tornou-se necessário explicar seus preceitos as autoridades romanas e ao povo geral. Os primeiros padres da Igreja começaram a elaborar diversos textos sobre a fé e a revelação cristã.

Por isso, que este período é chamado de patrística. Um dos grandes expoentes é Santo Agostinho, que através da filosofia platônica procurou conciliar fé e razão.

Gostou do resumo? Muito bom. Veja agora as teses de Santo Tomás de Aquino, com as provas da existência de Deus pela evidência.

A Filosofia da Escolástica:

A palavra Escolástica vem da palavra escola, pois neste período surgiram várias escolas e universidades ligadas a Igreja. Ensinavam-se o triviun (três): gramática, retórica e dialética e o quadrivium (quatro): geometria, aritmética, astronomia e música. Sendo que ambas estavam submetidas à teologia.

Um dos grandes expoentes é Santo Tomás de Aquino que sistematizou a filosofia cristã através da filosofia de Aristóteles.

Veja o pensamento de Santo Tomás de Aquino. Foi um pensador da filosofia e da Igreja, com a tese da existência de Deus pelas evidências da natureza e da teoria do Movimento, com argumentos racionais a partir da filosofia grega:

Muito bom este resumo da professora Paula Pille!

A Síntese para você:

Razão e fé são temas que ao longo da história foram polêmicos, no entanto, as autoridades da época usaram conforme seus interesses.

No período medível, com a expansão do cristianismo, a fé passou a ser a verdade revelada por Deus e a razão, portanto, deveria buscar elementos na filosofia antiga, para provar a fé e a doutrina da Igreja Católica.

Aprofunde sua revisão deste conteúdo assistindo um vídeo que selecionamos para você com um resumo sobre a Fé Cristã e a Razão:

Referência

COTRIM, Gilberto; FERNANDES, Mirta. Fundamentos de Filosofia. 1 ed. – São Paulo: Saraiva: 2010.

Chegou a sua vez. Resolva essas questões de vestibulares e prepare-se para o Enem!

1. (Uncisal 2011) Uma das preocupações de certa escola filosófica consistiu em provar que as ideias platônicas ou os gêneros e espécies aristotélicos são substâncias reais, criadas pelo intelecto e vontade de Deus, existindo na mente divina. Reflexões dessa natureza foram realizadas majoritariamente no período da história da filosofia:

a) Pré-socrático.
b) Antigo.
c) Medieval.
d) Moderno.
e) Contemporâneo.

2. (Espm 2014) Seu principal objetivo era demonstrar, por um raciocínio lógico formal, a autenticidade dos dogmas cristãos. A filosofia devia desempenhar um papel auxiliar na realização deste objetivo. Por isso a tese de que a filosofia está a serviço da teologia.
(Antonio Carlos Wolkmer – Introdução à História do Pensamento Político)

O texto deve ser relacionado com:
a) a filosofia epicurista.
b) a filosofia escolástica.
c) a filosofia iluminista.
d) o socialismo.
e) o positivismo.

3. (Ufu 2012) Na medida em que o Cristianismo se consolidava, a partir do século II, vários pensadores, convertidos à nova fé e, aproveitando-se de elementos da filosofia greco-romana que eles conheciam bem, começaram a elaborar textos sobre a fé e a revelação cristãs, tentando uma síntese com elementos da filosofia grega ou utilizando-se de técnicas e conceitos da filosofia grega para melhor expor as verdades reveladas do Cristianismo. Esses pensadores ficaram conhecidos como os Padres da Igreja, dos quais o mais importante a escrever na língua latina foi santo Agostinho.

COTRIM, Gilberto. Fundamentos de Filosofia: Ser, Saber e Fazer. São Paulo: Saraiva, 1996, p. 128. (Adaptado)
Esse primeiro período da filosofia medieval, que durou do século II ao século X, ficou conhecido como

a) Escolástica.
b) Neoplatonismo.
c) Antiguidade tardia.
d) Patrística.

4. (Uff 2011) Na Idade Média, se considerava que o ser humano podia alcançar a verdade por meio da fé e também por meio da razão. Ao mesmo tempo, o poder religioso (Igreja) e o poder secular (Estado) mantinham relacionamento político tenso e difícil. O filósofo Tomás de Aquino desenvolveu uma concepção destinada a conciliar FÉ e RAZÃO, bem como IGREJA e ESTADO.

De acordo com as ideias desse filósofo,

a) o Estado deve subordinar-se à Igreja.
b) a Igreja e o Estado são mutuamente incompatíveis.
c) a Igreja e o Estado devem fundir-se numa só entidade.
d) a Igreja e o Estado são, em certa medida, conciliáveis.
e) a Igreja deve subordinar-se ao Estado.

5. (Uem 2009) A Filosofia Medieval a partir do século IX é chamada escolástica. Ensinada nas escolas ou nas universidades próximas das catedrais, a filosofia escolástica tinha por problema fundamental levar o homem a compreender a verdade revelada pelo exercício da razão, todavia apoiado na autoridade (Auctoritas), seja da Bíblia, seja de um padre da Igreja, seja de um sistema de filosofia pagã.

Sobre a escolástica, assinale o que for correto.

01) O pensamento platônico, ou mais exatamente o neoplatonismo de Plotino, porque mais facilmente conciliável com as doutrinas cristãs, foi a única filosofia pagã aceita durante toda a escolástica.
02) A fermentação intelectual e o interesse pelo racional na escolástica evidenciam-se pela criação de universidades por toda a Europa; o método de exposição das ideias filosóficas nessas escolas era a disputa: uma tese era colocada e passava-se a refutá-la ou a defendê-la com argumentos retirados de alguma autoridade.
04) Representante do pensamento político da escolástica, o cardeal Martin Heidegger trata, em sua obra Ser e Tempo, do problema da subordinação do poder temporal dos reis e dos nobres ao poder espiritual do Papa e da Igreja.
08) Um tema recorrente na filosofia escolástica foi a demonstração racional da existência de Deus. Santo Anselmo (1034-1109) formula a prova tradicionalmente chamada argumento ontológico, no qual deduz a existência de Deus da própria ideia de perfeição de Deus.
16) O apogeu da escolástica acontece no século XIII com Santo Tomás de Aquino (1225-1274), que, retomando o pensamento de Aristóteles, fez a síntese mais fecunda da filosofia com o cristianismo na Filosofia Medieval.

Respostas:

1: c; 2: b; 3: d; 4: d; 5: 02 + 08 + 16 = 26

Post escrito por Gilson Luiz Corrêa. Gilson é bacharel em Filosofia pela UNISUL, possui Licenciatura em Filosofia pela UFSC e em Psicopedagogia pela FMP. É professor do Colégio Catarinense. Facebook: https://www.facebook.com/gilsonluiz.correa