As 10 dicas para o uso correto da Vírgula na Redação: Enem, Encceja e vestibular

O aluno que sabe utilizar o sinal gráfico da vírgula de forma adequada certamente vai chamar a atenção da banca e elevar a nota final na redação do Enem ou no vestibular.

É bem provável que você ainda não tenha passado pelo exame prático para tirar a carteira de motorista (CNH), mas certamente conhece o nível de detalhe cobrado por quem avalia o desempenho do candidato(a).

Na hora do exame, de nada adianta saber arrancar, trocar de marcha, controlar o volante, e descuidar da sinalização. Se você negligenciar dois sinais já é o suficiente para ser reprovado.

O mesmo acontece com as vírgulas na redação. Usar os sinais de pontuação de forma incorreta significa perder décimos que vão fazer diferença na média final. Isso não ocorre por acaso. O uso da Vírgula na Redação Enem

Ao contrário do que muitos alunos pensam, a vírgula não é usada apenas para indicar pausas na leitura. Elas são fundamentais para o entendimento do texto.

Vírgulas bem colocadas deixam o texto mais elegante, garantem a compreensão e podem ser decisivas para garantir uma vaga na universidade. Por isso, separamos algumas dicas de como utilizar este sinal gráfico de pontuação de forma adequada. Vamos lá?

1. Enumeração. Utilize a vírgula para enumerar os elementos de uma frase. Exemplo: Fui à feira e comprei três bananas, duas maçãs e uma melancia.

2. Isolar o vocativo. Um vocativo nada mais é do que um chamamento usado para se dirigir a uma pessoa ou a um grupo de pessoas. Veja os exemplos:

  • Colegas, vamos limpar o escritório.
  • Roberto, venha cá, por favor.
  • “Colegas” e “Roberto” são vocativos, portanto, devem ser separados por vírgula.

3. Marcar a elipse do verbo. A palavra elipse tem diversos sentidos. O significado gramatical é a omissão de uma ou mais palavras facilmente subentendíveis. Quando um verbo é usado mais de uma vez em uma mesma oração, pode ser suprimido por uma vírgula.

Nesses casos, o verbo fica subentendido. Essa é uma forma bastante eficaz de evitar a repetição de palavras em um texto, o que deixa a leitura mais agradável.

  • Veja um exemplo:
  • Eu cursei Jornalismo; ela, Administração (verbo subentendido: cursei).

4. Acompanhar conjunções. O uso da vírgula é obrigatório antes das conjunções: mas, pois, porém, contudo, embora, todavia, portanto, logo). Exemplo: sei que você não gosta dele, mas tente suportá-lo apenas hoje.

Atenção! Não se usa vírgula depois da conjunção adversativa “mas”.

Depois de outras conjunções adversativas “apesar”, “entretanto”, “contudo”, “todavia”, “porém” o uso da vírgula é recomendável.  Exemplo: porém, não consegui chegar a tempo.

5. Entre orações explicativas. A vírgula é recomendável para isolar orações coordenadas explicativas. Exemplo: o senador, que vai será candidato à presidência da República, esteve presente na inauguração da nova capela da cidade.

6. Para separar datas e números de ruas. Exemplo: Florianópolis, 10 de abril de 2014 ou Rua da Caixa, 10.

7. Vírgula antes da conjunção “e”. Errar ao usar (ou deixar de usar) a vírgula antes da conjunção “e” é bastante comum. Muitos alunos pensam que, nesses casos, nunca haverá vírgula – o que não é verdade. Existem situações bastante comuns em que ela é obrigatória. Sempre haverá vírgula ao introduzir sujeitos diferentes. Exemplos:

  • a) Maria lavou a louça, e João fez a cama.
  • b) Muitos apostaram, e poucos ganharam.

Nos exemplos acima, há dois verbos. Portanto, há dois sujeitos. De acordo com as normas gramaticais, sujeitos diferentes devem ser separados por vírgula.

8. Isolar o aposto.

Aposto é um termo que explica ou especifica um substantivo ou pronome. O aposto deve ser separado por vírgula, dois-pontos ou travessão. Existem diversos tipos de aposto.

a) Explicativo: como o próprio nome sugere, explica um termo anterior. “Paulo Coelho, um dos autores mais vendidos do Brasil, também escreveu diversas músicas”.

b) Enumerativo: fui ao mercado comprar muitas coisas: material de limpeza, frutas, carnes, arroz.

c) Resumidor: corrupção, desvio de dinheiro público, promessas não cumpridas, tudo isso fez surgir os protestos contra a realização da copa.

d) Comparativo: seu cachorro, esperto como o dono, pegou o brinquedo antes dos outros animais.

e) Distributivo: Cabral e Colombo desbravaram a América, aquele descobriu o Brasil e este o México.

f) Aposto Oracional: nesse caso, o aposto é a oração. Exemplo: Mariana comeu toda a pizza, sinal de fome.

g) Aposto Especificativo: esse aposto merece uma atenção especial, pois ele não é separado por vírgula ou qualquer outro sinal de pontuação. Exemplo: A presidenta Dilma Rousseff sancionou uma nova Emenda Constitucional.

9. Inverter elementos na oração. 

Sempre que o objeto direto ou o complemento nominal forem invertidos na frase, será necessário o uso da vírgula. Exemplo: Um pavor indescritível, eu senti naquele dia.

10. Separar orações coordenadas. 

A marcação ocorre sempre que a oração coordenada não for introduzida por conjunção. Exemplo: Cheguei à escola, abri o armário, peguei o livro e fui correndo para a aula.

11. Intercalar expressões. 

Termos como “isto é”, “ou seja”, “a propósito”, “quer dizer”, “melhor dizendo”, “além disso” sempre serão isolados por sinal gráfico.  Exemplo: a propósito, é preciso uma política mais eficiente contra a corrupção.

12. Em orações subordinadas adverbiais.

  • Essas orações serão separas por vírgula sempre que estiverem localizadas no início ou no meio do período.
  • Exemplo: assim que chegarem as caixas, começaremos a mudança.

Dica Importante: Quando não usar a vírgula

Nunca utilize vírgulas entre sujeito e predicado. A frase: “Está em São Paulo o primeiro-ministro de Portugal” não deve ser interrompida por vírgulas.

A vírgula também não é admitida entre o verbo e seus complementos. Exemplo: “A presidente Dilma disse aos ministros que não aceita a nova proposta”.

Ufa! Depois de ler tantas regras, parece muito complicado, não é mesmo?

Mas não se assuste. Aprender a usar a pontuação da forma correta é mais simples do que você imagina.

Em um vídeo de 5min36, a professora de redação Fernanda Bérgamo aproveita a linguagem das ruas para ensinar o uso correto da pontuação gráfica. O vídeo faz parte do Projeto Educação da Rede Globo:

Gostou do vídeo e das dicas que apresentamos aqui? Agora é hora de colocá-las em prática. Escreva um texto e fique atento a tudo que foi aprendido até aqui. Se precisar, consulte o material para tirar dúvidas. Esteja atento também na hora de ler um livro, uma notícia na internet ou uma revista. Preste atenção na pontuação. Logo, logo você vai dominar o uso da vírgula.

Bons estudos!

O conteúdo deste post foi criado por Pedro Santos. Ele é jornalista e foi professor de Ortografia, Redação e Literatura no Centro de Voluntariado da Escola Notre Dame, em São Paulo (SP). Vive desde 2012 em Los Angeles, onde trabalha como tradutor e professor particular de Português para americanos. Twitter: @pikneo