Teoria da Resposta ao Item. Entenda o cálculo da Nota do Enem. – Afinal, o que é a TRI?

No Enem, TRI é a Teoria da Resposta ao Item. Funciona como uma 'guilhotina' da Nota do Enem. Quem acerta mais questões pode ter nota menor do que um candidato que acertou 'menos', mas cravou naquelas que valem mais pontos. Veja como é o cálculo da Nota do Enem.

No Enem, TRI quer dizer Teoria da Resposta ao Item.  Mas, no popular, ‘tri’, no Brasil, desde julho de 1970, é o apelido da seleção brasileira de futebol da Copa de 1970. No Rio Grande do Sul ‘tri’ é sinônimo de ‘muito’. Veja, então, se a TRI do Enem é mesmo ‘tri legal’.

Pelé, Tostão e Rivelino foram craques do tricampeonato mundial de futebol que a seleção canarinho conquistou naquele ano. No comando, o técnico Zagallo. Dê um Google rápido em Seleção do Tri, e curta as fotos. Teoria da Resposta ao Item também dá taça de campeão, mas só no Enem.

Já na gíria que se usa no Rio Grande do Sul, a expressão “tri” é usada como sinônimo para as palavras “mui” ou “muito”. Se um gaúcho disser que você é tri legal, ou que o rango que você fez está tri bom, isto quer dizer ‘nota dez’. Mas, se o papo estiver tri chato, é a hora de sair fora.Teoria da Resposta ao Item

E a TRI no Enem? O que é a Teoria da Resposta ao Item?

TRI, no Enem, tem uma explicação tricomplicada. Traduzir a sigla não ajuda muito: Teoria da Resposta ao Item. Muita gente protestou contra a TRI quando os resultados a partir de 2011 foram divulgados. Foi tri-triste para muitos. Trichato para outros. E tribom para quem teve a nota jogada para cima e passou pela Nota do Enem no curso que escolheu. Fique por dentro da TRI – É simples de compreender, ainda que pareça complicado: Quem acerta 40 questões ‘fáceis’ alcança menos pontos do que um outro candidato que acerta 40 questões ‘médias’ ou ‘difíceis’. E, se você chutar todas, o sistema ‘percebe’ o padrão aleatório de acertos e não se deixa enganar. Ou seja, a T.R.I. busca a consistência nas respostas dos candidatos. Não dá mais para ‘ganhar no chute’.

Triprotestando ficam candidatos que acertam 120 questões ou mais e ficarm com nota final menor do que candidatos que acertaram menos de 110 questões.  Mas, o que vale mesmo é o ‘padrão’ das questões que você acerta. Matar as fáceis é praticamente uma obrigação, mas não garante uma pontuação avançada. É preciso fazer mais.

No começo da T. R. I. choveram críticas e pedidos de explicação junto ao Ministério da Educação (MEC) e ao Inep. Como é que pode uma coisa dessas, era a pergunta geral. Quem mais acertou mais pontos deveria ter feito, reza a lenda do senso comum.

Chutar todas rende até 399 pontos pela TR – Veja aqui.

Confira quantos pontos faz quem marca apenas uma alternativa de alto a baixo nas provas objetivas. O Blog do Enem fez a inscrição de quatro pessoas apenas com este objetivo, para fazer o teste de quantos pontos alcança um candidato ‘apenas no chute’. Foi uma surpresa.

Quem chutar todas no Enem faz média de até 399 pontos pela TRI. E, em determinadas provas, a pontuação passou de 450 pontos. Veja aqui os pontos de quem chuta todas as questões nas provas objetivas: https://blogdoenem.com.br/chutar-nota-do-enem/chute no Enem destacadaParece inacreditável, mas é verdade. Apenas na base do ‘chute’ dá para fazer ate 470 pontos em uma das quatro Áreas do Exame. Confira acima.

Complicada essa TRI, não?

Sim, tricomplicada! Para piorar ainda mais a possibilidade de compreensão, a soma dos pontos de acordo com a TRI não é feita de maneira linear, como os estudantes acompanham ao longo do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, numa métrica decimal ou centesimal. Com a Tri o ‘valor’ ou o ‘peso’ de cada questão ‘flutua’ de acordo com o padrão do aluno.

No final das contas, teve candidato que gabaritou em diversas áreas e que não conseguiu o total máximo de pontos. E teve quem não acertou quase nada e ficou com uma pontuação quase próxima da média. É preciso um tempo de aprendizagem em relação à Teoria da Resposta ao Item para ir se acostumando com ela.

Se você não conseguiu entender, não se desespere. Quase ninguém mesmo conseguiu entender logo de primeira. Veja agora uma explicação descomplicada com a professora Juliana Evelyn Santos, coordenadora pedagógica do Curso Enem Gratuito.  Com ela você tira suas dúvidas sobre a TRI no cálculo da Nota do Enem:

E como foi que o MEC e o Inep se explicaram?

Depois de uma dúzia de entrevistas e debates em que ninguém conseguia entender praticamente nada, o Inep publicou enfim uma Nota Técnica explicando que o importante não é o total de acertos do candidato, mas a qualidade e a coerência dos acertos. Esta é a filosofia da Teoria da Resposta ao Item.

Simplificando: Um candidato que acerta dez questões entre as mais difíceis merece mais pontos do que um candidato que acerta dez questões entre as mais fáceis. Desta maneira você consegue pontuar pelo mérito os candidatos que apresentarem melhor performance e coerência entre os acertos. Esta foi a resposta que deram os formuladores do INEP.

Além disso, ao utilizar a Teoria da Resposta ao Item é possível construir modelos matemáticos que fazem análises estatísticas para tentar definir o padrão de respostas do candidato. Com este recurso é possível reduzir a pontuação decorrente de eventuais chutes do aluno que o sistema vier a identificar.

Leia aqui a Nota Técnica oficial do Inep sobre a TRI para ver se clareia um pouco mais.