Análise do sujeito usando a partícula “-SE” – Revisão de Gramática Enem

Cuidado: é um equívoco achar que o “se” encontra-se apenas depois do verbo, como em “procura-se”, “vende-se” ou “queixaram-se”. Vem com a gente aprender mais sobre Gramática para gabaritar o Enem e os vestibulares! Acompanhe este post e saiba tudo sobre a partícula “–se”.

Gramática Enem: Matéria constantemente pedida em vestibulares, Enem, provas de conhecimentos gerais ou concursos, a partícula “-se”, também conhecida como partícula apassivadora ou índice de indeterminação do sujeito, é muito utilizada no dia a dia sem que os falantes se deem conta.

A partícula ‘se’ pode ser apassivadora, índice de indeterminação do sujeito, pronome reflexivo e conjunção subordinativa. Essas são algumas das funções da partícula SeComo nem sempre os alunos têm facilidade para classificá-lo, o Se é alvo dos vestibulares e concursos. Você que vai prestar vestibular ou fazer o Enem fique esperto. Aqui no Blog do Enem estamos sempre postando conteúdos relevantes que com frequentemente são solicitados nessas provas de gramática.

Vamos revisar de maneira pratica e objetiva cada caso do Se. Separamos exemplos encontrados no site Brasil Escola, retirados do link: http://www.brasilescola.com/gramatica/funcoes-particula-se.htm .

Primeiro vamos aos exemplos em que a partícula Se funciona como conjunção:
a) Conjunção subordinativa integrante: a conjunção introduz orações subordinadas substantivas. Como no exemplo: Quero saber se ela virá à festa.
b) Conjunção subordinativa condicional: introduz orações subordinadas adverbiais condicionais. Veja: Deixe um recado se você não me encontrar.

E agora os casos que a partícula Se funciona como um pronome:
1) Pronome reflexivo: funciona como objeto direto, objeto indireto e sujeito do infinitivo. Como podemos ver em: A criança machucou-se. (objeto direto)
2) Partícula apassivadora: quando se liga a verbos transitivos diretos com a intenção de apassivá-los. Veja o exemplo: Contaram-se histórias estranhas.
3) Índice de indeterminação do sujeito: quando se liga a verbos preposicionados com o papel de indeterminar o sujeito, como no exemplo: Discorda-se do fato.
d) Partícula expletiva: não desempenha nenhuma função sintática ao se associar a verbos. Confira na frase: Ele acabou de sentar-se.
5) Partícula integrante do verbo: ligada a verbos pronominais.
Exemplo: Ela não cansa de queixar-se.

O professor Devid Xavier, do portal Educa On, dá dicas de como analisar a partícula Se nas questões de concursos, veja:

Ficou fácil identificar as diferentes funções da partícula Se? Continue visitando o Blog do Enem. Atualizamos todos os dias para te acompanhar nessa maratona de estudos para o Enem e vestibulares.

Dica importante sobre a partícula ‘se’:

É um equívoco achar que o “se” encontra-se apenas depois do verbo, como em “procura-se”, “vende-se” ou “queixaram-se”. Vem com a gente aprender mais sobre Gramática para gabaritar o Enem e os vestibulares!1

O ‘se’ como Índice de Indeterminação do Sujeito: o caso mais cobrado em provas é a diferença entre SE partícula apassivadora e SE índice de indeterminação do sujeito.

Para fazer tal distinção, a regrinha é fácil, basta olhar o verbo: se ele estiver no singular e for Verbo Transitivo Indireto (VTI), Verbo Intransitivo (VI), Verbo de Ligação (VL), haverá o sujeito indeterminado.

Ou seja, o sujeito existe, mas não é conhecido, por isso o SE é chamado de ÍNDICE DE INDETERMINAÇÃO DO SUJEITO, como se vê a seguir, no exemplo:

“Precisa-se de atendentes.”

Note que alguém precisa, mas não sabemos quem é essa pessoa. O verbo é VTI, tem o objeto indireto (de atendentes).

“Vive-se de ilusões na sociedade contemporânea.”

O verbo é VI, há adjuntos adverbiais de modo e de lugar (de ilusões – na sociedade contemporânea), mas o sujeito é indeterminado, desconhecido.

“Fica-se amedrontado com as notícias sobre a dengue.”

O verbo é VL (fica), há o predicativo (amedrontado), mas o sujeito é desconhecido, indeterminado.

 

2) Partícula apassivadora: o pronome apassivador ou partícula apassivadora ocorre quando o verbo é transitivo direto (VTD) ou transitivo direto e indireto (VTDI ). O verbo concorda com o sujeito paciente e pode ficar, assim, no singular ou no plural. Veja os exemplos:
“Não se viam antigamente tantos universitários estudiosos.”

“Tantos universitários estudiosos não eram vistos antigamente.”

Note que o sujeito “tantos universitários estudiosos” está no plural, portanto, o verbo “ viam “ deve ficar no plural.

“Pede-se silêncio durante o discurso do professor de Português.”

Veja outro caso de partícula apassivadora, pois o verbo é VTD, o sujeito “silêncio“ é singular (Silêncio é pedido durante o discurso do professor de Português).

Outras funções que o pronome SE apresenta e são igualmente importantes para o sucesso nos concursos e para a correção de linguagem. Note os exemplos seguintes:

a) Como conjunção subordinativa integrante; a conjunção introduz orações subordinadas substantivas.
Ex: Quero saberse ela virá à festa.

b) Como conjunção subordinativa condicional: introduz orações subordinadas adverbiais condicionais.
Ex: Deixe um recado se você não me encontrar.

2- Como pronome:

a) Pronome reflexivo: funciona como objeto direto, objeto indireto e sujeito do infinitivo.
Ex: A criança machucou-se. (objeto direto)

b) Partícula apassivadora: quando se liga a verbos transitivos diretos com a intenção de apassivá-los.
Ex: Contaram-se histórias estranhas.

c) Índice de indeterminação do sujeito: quando se liga a verbos preposicionados com o papel de indeterminar o sujeito.
Ex: Discorda-se do fato.

d) Partícula expletiva: não desempenha nenhuma função sintática ao se associar a verbos.
Ex: Ele acabou de sentar-se.

e) Partícula integrante do verbo: ligada a verbos pronominais.
Ex: Ela não cansa de queixar-se.

Agora, para fixar bem melhor os conteúdos, segue uma lista de exercícios. Bom trabalho!

1. Leia, analise e reflita alguns instantes acerca do enunciado linguístico que segue e responda às questões propostas abaixo:

Aluga-se quitinetes, todas situadas à beira-mar.

a) Tendo em vista que tal enunciado se encontra demarcado na voz passiva sintética, seria possível mudá-lo para a voz passiva analítica?  Se sim, opere essa transformação.

b) Ao realizar esse procedimento, o que você pôde perceber que mudou?

c) Partindo desse pressuposto, como se dá a classificação do pronome “se”?

2. (Fuvest) Indique a alternativa correta:

a – (  ) Tratavam-se de questões fundamentais.
b – (  ) Comprou-se terrenos no subúrbio.
c – (   ) Precisam-se de datilógrafas.
d – (   ) Reformam-se ternos.
e – (    ) Obedeceram-se aos severos regulamentos.

3) (PUCCamp-SP) Assinale a concordância errada:

a) Ali se vendia pão e outras provisões.
b) Era meio-dia e meia.
c) Na exposição vendeu-se oito cavalos árabes.
d) Crime de leso-patriotismo.
e) Os soldados ficaram alerta.

4) Acerca dos dois enunciados linguísticos que seguem, sua tarefa será de analisá-los, tendo em vista a concordância verbal neles manifestada, e, a seguir, registrar suas opiniões sobre a percepção que obteve.

Aluga-se apartamento recém-construído.

Alugam-se casas para temporada.

Gabarito:

Resposta Questão 1

a) Sim, haja vista que o enunciado, uma vez passado para a voz passiva analítica, resultaria em: Quitinetes são alugadas, todas situadas à beira-mar.

b) Tornou-se perceptível a mudança da forma verbal, pois, para concordar com o sujeito “quitinetes”, o verbo, antes expresso no singular, flexionou-se para o plural (alugadas).

c) Após os procedimentos realizados, a constatação a que devemos chegar se define, em primeira instância, pelo fato de que o verbo (aluga) se classifica como transitivo direto, e assim se classificando, torna-se passível de ser transformado na voz passiva analítica (como ocorreu). Nesse sentido, observa-se que o enunciado necessita de uma retificação, haja vista a necessidade de o verbo concordar com o sujeito, ou seja: Alugam-se quitinetes à beira-mar, no qual o pronome “se” se classifica como partícula apassivadora.

Resposta Questão 2

Temos que a alternativa que se adéqua ao enunciado do exercício se demarca pela letra “D”, visto que por se tratar de um verbo transitivo direto (reformar), este permite que a oração seja transformada na voz passiva analítica (ternos são reformados), fato esse que justifica a concordância entre o verbo e o sujeito, expressa no próprio enunciado.

Resposta Questão 3

Afirma-se ser a alternativa condizente com o que postula o enunciado da questão a demarcada pela letra “C”, haja vista ser necessária a concordância do verbo com o sujeito, pois se trata de uma partícula apassivadora, ou seja: na exposição venderam-se oito cavalos árabes.

Resposta Questão 4

Ao analisá-los, constatamos que a concordância verbal se manifesta de acordo com o que postula o padrão formal da linguagem, haja vista que no primeiro enunciado o sujeito se apresenta no singular, razão pela qual o verbo também assim se demarca. Já no segundo, o verbo se manifesta no plural, razão pela qual o verbo com ele concorda. Nesse sentido, em se tratando de tais aspectos, cabe ressaltar que o verbo em questão se classifica como transitivo direto – o que permite que ambos os enunciados sejam transformados na voz passiva analítica: apartamento recém-construído é alugado/ casas são alugadas para temporada.

Os textos, exemplos e exercícios acima foram preparados pela professora Gisele Garcez para o Blog do Enem. Gisele é formada em Letras pela UNISUL, especialista em Linguística, Gramática,Literatura e Produção Textual da Língua Portuguesa. Dá aulas de Língua Portuguesa em escolas da Grande Florianópolis desde 1998. Facebook:  https://www.facebook.com/gisele.garcez.3