Demografia – Geografia Enem

População absoluta e relativa, taxas de natalidade e mortalidade, regiões mais populosas e mais povoadas. Você sabe diferenciar estes conceitos? Vem revisar demografia para arrasar nas questões de Geografia do Enem e dos vestibulares!

Salve queridão, queridona! Pronto para mais uma etapa de estudos? O assunto deste post é Demografia. Conceitualmente, demografia é a ciência que estuda a população, seu comportamento, suas transformações e sua dinâmica geral.

Por esses motivos, este é um assunto que adora aparecer no Enem e nos vestibulares. Então, fique de olho nesta revisão! Ela vai te ajudar a conquistar sua tão sonhada vaga na universidade!

demografia

A primeira coisa que você precisa saber sobre demografia é que ela é estudada através de dados estatísticos e qualitativos. Há necessidade de “levantar” números para fazer outras várias análises.

Os dados, levam ao estudo das necessidades da população, ou seja, politicamente falando, é fundamental para uma administração de uma cidade, estado e até do país. Uma boa análise desses dados, leva ao administrador a informação de onde ele deve investir.

Por exemplo, do que adianta uma cidade com a população predominantemente feminina, investir maciçamente em exames de prevenção da próstata? Não seria mais eficaz o investimento em exames de prevenção ao câncer de mama ou no ovário? Esse é um dos vários exemplos que podemos utilizar.

Para você entender bem demografia, é importante saber diferenciar dois termos importantes: população absoluta e população relativa. Veja:

População Absoluta – é quando temos o número total de habitantes de um determinado lugar, independente de qual seja. Então, podemos dizer que em 2010, quando foi o último senso, o Brasil tinha uma população absoluta de 190.755.799 de habitantes.

Os 5 países mais populosos são China, Índia, Estados Unidos da América, Indonésia e Brasil.

População Relativa– é quando pegamos o número total de habitantes e dividimos pela área do local selecionado, ou seja, seria a quantidade de habitantes por quilômetro quadrado. Então, o Brasil tem 22,4 habitantes por quilômetro quadrado.

Os 5 países mais povoados são: Mônaco com 16.620 hab/km², Singapura com 6.389 hab/km², Vaticano com 2.093 hab/km², Malta com 1.261 hab/km² e Maldivas com 1.163 hab/km².

Um dos elementos demográficos mais estudados pela Geografia da População e pela Demografia é o índice de crescimento populacional. O crescimento acelerado ou desacelerado das populações é algo constantemente debatido e teorizado por especialistas e teóricos dessas áreas do saber. Precisar com detalhes o funcionamento desse fator é importante para o planejamento de políticas públicas e ações sociais.

Para observar o crescimento populacional, duas taxas são levadas em consideração:

Taxa de Natalidade – é a quantidade nascimentos em um determinado local e num determinado período.

Taxa de Mortalidade – é a quantidade de óbitos em um determinado local e num determinado período.

crescimento natural ou crescimento vegetativo é a diferença entre os nascimentos e mortes, ou seja, entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade, geralmente ele é expresso em permilagem. O Crescimento natural pode ser:

  • Positivo: Quando o número de nascimentos é maior que o de mortes.
  • Negativo: Quando o número de nascimentos é menor que o de mortes.
  • Nulo: Quando o número de nascimentos é igual ao de mortes.

Então, podemos dizer que para o crescimento natural ser positivo, a taxa de fecundidade, precisa ser superior a dois filhos por mãe. Leva-se em conta, porém, que o crescimento natural está diretamente ligado à atualidade sócio econômica do país, afinal quanto melhor a infraestrutura, as condições sociais do país, tende a ser menor o crescimento natural.

O crescimento vegetativo negativo acontece em países com IDH´s (Índice de Desenvolvimento Humano) elevados, mas num futuro próximo, acaba sendo um problema crescente, por não haver reposição populacional. Além disso, o elevado número de idosos, faz com que os governos gastem muito com o pagamento de aposentadorias, mas arrecadam pouco.

Fechado? Que tal dar uma repassada na videoaula e depois resolver os exercícios?

Exercícios

1 – (UFRR) O envelhecimento da população está mudando radicalmente as características da população da Europa, onde o número de pessoas com mais de 60 anos deverá chegar, nas próximas décadas, a 30% da população total. Graças aos avanços da medicina e da ciência, a população está cada vez mais velha. Isso ocorre em função do:

a) Declínio da taxa de natalidade e aumento da longevidade.

b) Aumento da natalidade e diminuição da longevidade.

c) Crescimento vegetativo e aumento da taxa de natalidade.

d) Aumento da longevidade e do crescimento vegetativo.

e) Declínio da taxa de mortalidade e diminuição da longevidade.

2 – Analise a tabela abaixo e marque (V) para as alternativas verdadeiras e (F) para as falsas.

2

a) Com mais de 1,3 bilhão de habitantes, a China é o país mais populoso e mais povoado.

b) O Afeganistão é a nação que apresenta o maior crescimento demográfico e a menor expectativa de vida.

c) Entre os países analisados, o Brasil é o terceiro mais populoso, além de ser o menos povoado.

d) Com aproximadamente 33 mil habitantes, Mônaco possui a maior expectativa de vida, além de ser o mais povoado.

e) Estados Unidos é menos populoso que a China e mais povoado que o Afeganistão, além de possuir crescimento demográfico superior a Mônaco.

3 – (ENEM)

O quadro abaixo nos mostra a taxa de crescimento natural da população brasileira no século XX:

3

Analisando os dados, podemos caracterizar o período entre:

a) 1920 e 1960, como de crescimento do planejamento familiar.

b) 1950 e 1970, como de nítida explosão demográfica.

c) 1960 e 1980, como de crescimento da taxa de fertilidade.

d) 1970 e 1990, como de decréscimo da densidade demográfica.

e) 1980 e 2000, como de estabilização do crescimento demográfico.

GABARITO

1 – A

2 – F-V-V-V-F

3 – B

Os textos e exemplos acima foram produzidos pelo professor Leandro, formado em Geografa pela Udesc. Leandro é professor de Geografia em escolas da Rede Particular de Ensino da Grande Florianópolis.