Extrativismo vegetal no Brasil – Geografia Enem

Babaçu, pinhão e buriti. Você sabe o que essas espécies tem em comum? São colhidas para alimentação e produtos de beleza. Relembre algumas questões do extrativismo vegetal!

Olá pessoa, tudo bem? Você está sabendo que a exploração da vegetação brasileira vem desde os índios, certo? Mas de forma econômica, iniciou com os portugueses logo depois que eles “descobriram” o Brasil e não parou mais. Vamos ver então como aconteceu e ainda acontece o extrativismo vegetal? Vem junto!

 Pois bem, lá no processo colonial brasileiro, a vegetação passou a ser explorada de maneira bastante inconsequente. Podemos falar assim porque a retirada do pau-brasil foi feita sem pensar que um dia a vegetação poderia acabar e não conseguir mais se “recompor”. E foi assim com praticamente toda a Mata Atlântica já que ela está na faixa litorânea. Mais de 90% dela foi desmatada, e a maior parte foi para dar lugar às cidades.

Cada região, apresenta um exploração de um tipo específico, tudo porque a ondição climática no Brasil é bem variada. O Brasil apresenta uma riqueza vegetativa enorme, porém, em todas elas, a MADEIRA é extraída, independentemente do tipo e utilizada nas mais diversas formas.

Tenho que destacar que o extrativismo vegetal apresenta uma participação muito pequena na economia do setor primário. Veja abaixo alguns destaques:

 – Região Sul

  • Araucária: apresenta madeira macia, utilizada na produção de papel, papelão e celulose. Como ela é espaçada, a retirada dela apresenta verdadeiros descampados, fora que sua semente é bastante consumida, o pinhão.

1

  • Mata Atlântica: como já mencionei anteriormente, deu lugar às cidades, mas sua madeira foi bastante utilizada.

2

– Região Nordeste

  • Piaçava: produção de vassouras e cordas para navios.

3

  • Coco: possui ampla utilização, desde o consumo in natura até artesanato.

4

  • Castanha-de-Caju: consumo in natura e produção de óleos com propriedades especiais.

5

  • Buriti: funções alimentícias e medicinais.

6

  • Carnaúba: totalmente utilizada, mas o destaque vai para a produção de cera.

7

  • Babaçu: também é totalmente utilizada, com várias funções alimentícias e industriais, principalmente o óleo.

8

– Região Norte

  • Seringueiras: produção de látex. De tão importante que foi no início do século XX, foi responsável por “agregar” o estado do Acre ao território brasileiro.

9

  • Madeira: produção de carvão vegetal e utilização na construção civil.

A grande luta do Brasil hoje, é a conscientização para a não exploração de maneira devastadora, que não consiga mais recuperação. Ainda se fala muito sobre reflorestamento, mas pouco se faz. Os biomas estão sendo reduzidos de tal maneira, que em breve, não haverá recuperação. Por isso, últimos anos, na produção sustentável entrou no discurso ambiental. Esse tipo de produção é uma forma de explorar a natureza, mas seguindo o seu ritmo e não o ritmo “capitalista” da produção em massa. Assim, conseguimos apresentar uma produção contínua e sem devastar toda a floresta.

Então, ficou com alguma dúvida sobre o extrativismo vegetal brasileiro? Então assista a videoaula e depois volte fazer os exercícios, ok? Bons estudos!

Exercícios

1 – Na Amazônia, as madeireiras abrem brechas enormes na vegetação. Espaços de pastagens homogêneas substituem a mata. Culturas agrícolas de mercado se espalham extensivamente sobre antigas áreas florestadas. A vegetação original não se regenera e a erosão pluvial age de forma destruidora.”
Assinale a alternativa que exprime o conteúdo do texto.

a) A coexistência da floresta com as atividades produtivas tem representado um dos obstáculos ao desenvolvimento da Amazônia.

b) O ecossistema amazônico, muito resistente, tem impedido a ocupação efetiva de seu espaço e tornado a região pouco atraente aos investimentos.

c) A rápida ocupação empresarial e capitalista, na Amazônia, tem provocado interferências profundas e irreversíveis no meio Amazônico.

d) As condições ambientais ligadas ao clima quente e muito úmido têm acentuado a dificuldade de ocupação permanente da Amazônia.

e) O aumento do número de pequenas e médias propriedades para o desenvolvimento de atividades produtivas na Amazônia tem representado verdadeiros desastres ecológicos.

2 – A respeito da exploração madeireira na Amazônia, é INCORRETO afirmar que ela

a) tem atraído empresas que se dedicam à extração e ao beneficiamento da madeira, visando à sua exportação para outras regiões brasileiras e para o exterior.

b) vem adquirindo, desde a década de 70, importância crescente na economia florestal da região e do País.

c) é mais expressiva nas florestas plantadas com espécies nativas, destinadas ao abastecimento da indústria moveleira da região.

d) tem contribuído, entre outros fatores, para o declínio das atividades extrativas na floresta amazônica, como as da borracha, da castanha-do-pará e do palmito.

3 – As reservas extrativistas têm sido apontadas como uma alternativa econômica sustentável para a Amazônia capaz também de proteger nosso patrimônio ecológico. Sobre as reservas extrativistas é possível afirmar que

I. as áreas são de domínio da União, com usufruto exclusivo dos seringueiros e outros extrativistas.

II. o trabalho é organizado em cooperativas ou em associações e não há título individual de propriedade.

III. é permitida a agricultura comercial em larga escala.

IV. são permitidas a extração de produtos de valor comercial e também a caça e a pesca não predatórias.

V. é permitida a implantação de projetos de agropecuária para o corte em propriedades extensivas.

Estão corretas SOMENTE

a) I e III

b) II e III

c) II e V

d) I, II e IV

e) III, IV e V

GABARITO

1 – C

2 – C

3 – D

Os textos e exemplos acima foram produzidos pelo professor Leandro, formado em Geografa pela Udesc. Leandro é professor de Geografia em escolas da Rede Particular de Ensino da Grande Florianópolis.