Febre Amarela: resumo de Biologia Enem e vestibular. Veja!

Saiba mais sobre as características da Febre Amarela e sobre o surto que alertou a população e os profissionais da saúde. Este assunto pode aparecer em Biologia no Enem! Confira o resumo especial da professora Juliana Evelyn Santos.

O surto de Febre Amarela no Brasil deixou a população e os profissionais da saúde em alerta em 2016 e 2017. O número de casos aumentou consideravelmente, principalmente nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, e chegando a algumas regiões do Estado do Rio de Janeiro.

De dezembro de 2016 até março de 2017, foram mais de 400 casos confirmados da doença. E, desde o início do surto já foram confirmadas 144 mortes em decorrência da Febre Amarela. E mais: não só os seres humanos foram afetados – segundo os biólogos, mais de 1000 macacos foram mortos pela febre amarela. Mas, em setembro de 2017 o ciclo foi dado como encerrado e controlado. Veja aula completa sobre a Febre Amarala para o Enem, o Encceja e os vestibulares.Você sabe o que causa a febre amarela? Quais os seus sintomas e como é transmitida? Não? Então, fica de olho neste super post de Biologia!

O que causa a Febre Amarela?

A febre amarela é causada por um vírus de RNA da família dos Flavivirus. Todos os anos a febre amarela atinge cerca de 200.000 pessoas no planeta e mata aproximadamente 30.000 em regiões tropicais, como a América do Sul, tendo maior prevalência nos países africanos (cerca de 90% dos casos).

Acredita-se que a doença surgiu na África e foi trazida para o Brasil através do tráfico de escravos. Veja na imagem o vírus em ampliação de microscópio eletrônico:vírus febre amarela

Como a febre amarela é transmitida?

Em áreas urbanas, a febre amarela pode ser transmitida pelo mosquito Aedes aegypti – o mesmo danado que transmite a dengue, a chicungunha e o zika. No século passado este mosquito já era um grande problema de saúde pública. Porém, alguns esforços para a erradicação do mosquito transmissor levaram à erradicação da febre amarela em meio urbano na década de 50.

Outro mosquito do gênero Aedes – o Aedes albopictus, também pode transmitir a febre amarela e, como ele consegue se adaptar a diferentes ambientes, este Aedes pode ter prevalência tanto em áreas rurais quanto urbanas. Atualmente, ainda consideramos as áreas urbanas livre da doença.

Mosquito Aedes aegypti - febre amarela
Mosquito Aedes aegypti

Porém, a Febre Amarela tem causado vítimas em áreas rurais próximas às zonas de mata. Nessas regiões, o vírus da febre amarela pode também ser transmitido através de mosquitos do gênero Haemagogus.

Mosquito do gênero Haemaogus - febre amarela
Mosquito do gênero Haemaogus

Os Sintomas da Febre Amarela:

O vírus da febre amarela inicialmente causa sintomas inespecíficos como febre, cansaço, mal-estar, vômito e dores no estômago. Posteriormente podem ocorrer vômitos com sangue e diarreia.

Em 15% dos casos podem ocorrer hemorragias internas, coagulação disseminada, enfartes em vários órgãos, sangramentos nas gengivas e nariz, hematomas na pele, hepatite e degeneração aguda do fígado, causando o aumento do pigmento bilirrubina no sangue, deixando o doente amarelado. A combinação desses fatores pode levar o doente ao óbito.

sintomas da febre amarela
Diagrama mostrando os sintomas da febre amarela. Fonte: https://www.diariodoamapa.com.br/2017/01/19/febre-amarela-conheca-os-sintomas-e-saiba-quando-tomar-a-vacina/

Diagnóstico da febre amarela:

Como os sintomas iniciais da febre amarela são muito semelhantes ao da dengue e outras doenças virais, é necessário que sejam feitos exames laboratoriais para verificação da presença do vírus por PCR ou por sorologia.

Tratamento da febre amarela:

Não há medicamentos para combater o vírus da febre amarela. Logo, o tratamento é sintomático. São administrados analgésicos, soros de reidratação e transfusão de sangue e plaquetas quando necessário.

Dica 1: Saiba mais sobre outras doenças virais:

Biologia – Revise as principais doenças causadas por vírus!

O Alerta da Saúde Pública sobre a Febre Amarela:

A febre amarela é transmitida por mosquitos a pessoas não vacinadas em áreas de mata. A vacinação está disponível nos postos de saúde de todo o país e é recomendada para pessoas que habitam ou visitam áreas com risco da doença. Duas doses tomadas com um intervalo de pelo menos dez anos garantem a proteção por toda a vida. Veja a informação oficial do Ministério da Saúde em www.saude.gov.br/febre-amarela

A Prevenção da febre amarela:

A principal forma de prevenção da febre amarela é a vacinação. A vacina contra a febre amarela é 100% eficaz e tem validade de dez anos. Nas áreas endêmicas, a vacina contra a febre amarela faz parte do calendário de vacinação da infância. Fora das áreas de risco, a vacina só é fornecida quando solicitada por pessoas que irão viajar para zonas endêmicas. Estas pessoas devem tomar a vacina com, pelo menos, quinze dias de antecedência.

Além da vacinação, nas áreas urbanas, o combate ao vetor Aedes aegypti também pode ser eficaz na prevenção da febre amarela.

Os macacos e a febre amarela:

Desde que o novo surto de febre amarela iniciou, muitas pessoas começaram a caçar e matar macacos, acreditando que eles eram os culpados pela transmissão da doença.

Acontece que os macacos são tão vítimas como nós. Assim como os humanos, os macacos são afetados pelo vírus da febre amarela e podem morrer. Só no Espírito Santo, foram encontrados 1100 macacos mortos. Apesar de acabarem funcionando como reservatório silvestre do vírus, os macacos podem ser importantes na prevenção e na elaboração de medidas de controle emergencial da febre amarela. A morte anormal de macacos pode alertar os cientistas levando à construção de medidas de prevenção.

Para finalizar sua revisão, veja este vídeo com o Dr Dráuzio Varella:

Dica 2: Estude também o zika vírus!

Zika vírus e Microcefalia – Conteúdo de Biologia e Atualidades no Enem

Juliana Biologia Enem
Os textos e exemplos acima foram preparados pela professora Juliana Santos para o Blog do Enem. Juliana é formada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Santa Catarina. Dá aulas de Ciências e Biologia em escolas da Grande Florianópolis desde 2007. Facebook: https://www.facebook.com/juliana.evelyndossantos.