A felicidade em Aristóteles – Filosofia Enem e vestibular

Vem com a gente revisar Filosofia para o Enem e os vestibulares. Descubra como Aristóteles descrevia a felicidade. Para ele, o caminho para chegar lá passa pelo exercício das Virtudes. Confira aula gratuita.

Filosofia Enem: Felicidade – Essa palavra de dez letras desperta a curiosidade de todos, volta e meia aparece como tema de conversas e discussões em rodas de amigos, posts nas redes sociais, enfim, todos querem saber qual o segredo, caminho para chegar até ela. Como será que Aristóteles responderia a essa pergunta?

Antes de falarmos sobre como a felicidade era entendida por Aristóteles, vamos conhecer um pouco sobre esse grande filósofo. Aristóteles nasceu na Macedônia em 384 a.C, até aí nada de excepcional.

Aristóteles foi discípulo de Platão, que por sua vez foi discípulo de Sócrates, que quebra a corrente por não ter sido discípulo de ninguém (não que se tenha conhecimento até agora). Fundou uma escola- o Liceu, importante centro de ensino daquela época.

“O que faz você feliz? Você feliz o que que faz? Você faz o que te faz feliz?” ( Clarice Falcão- O que faz você feliz)A Felicidade em Aristóteles - Filosofia EnemA imagem acima, Escola de Atenas – Afresco de Rafael – 1509/10. Mostra um grupo de filósofos de várias épocas históricas ao redor de Aristóteles e Platão, ilustrando a continuidade histórica do pensamento filosófico.

Estou a dois passos do paraíso…

“A virtude é o caminho para a felicidade.” –  Aristóteles acreditava que para alcançarmos a felicidade deveríamos desenvolver “o tipo certo de caráter”, que é herdado, mas, não é genético (não está no DNA). E é aí que está o “X” da questão! Esse tipo “certo de caráter” dependerá muito das influências externas que receberemos, advindas, sobretudo, do meio a qual estamos inseridos, ou seja, em outras palavras, o modo como fomos criados fará toda a diferença.

Os exemplos que temos são cruciais para o nosso desenvolvimento “filho de peixe, peixinho é”. È sempre bom lembrar, que esses exemplos não determinantes, mas exercem grandes influências sobre o nosso desenvolvimento.

O ser humano é um ser social – Somos seres sociais por natureza, precisamos viver em sociedade para nos desenvolver, sendo assim, essa sociedade precisa nos mostrar bons exemplos, para termos no que nos espelhar.

  • O caminho para essa felicidade é a virtude.
  • Os fins justificam os meios? Ou Os meios justificam os fins?

Ao contrário do que afirmava o filósofo florentino Maquiavel (1469-1527), de que  Os fins justificam os meios, para Aristóteles são os meios que justificam os fins. Para você entender melhor esta formulação por oposição entre os dois autores clássicos, veja aula gratuita sobre o pensamento de MaquiavelOs fins justificam os meios - Maquiavel

A virtude é o meio, como o próprio Aristóteles dizia “ o meio termo de ouro” ou o “ justo meio”, agir virtuosamente significa ponderar(pensar) entre dois vícios, dois extremos(a falta e o excesso) que nos afastam da tão esperada felicidade.

2
Fonte: https://semeadordeletras.wordpress.com/2011/11/20/para-alcancar-a-felicidade/

Virtude e Felicidade para Aristóteles:

Em sua obra Ética a Nicômaco, Aristóteles apresenta mais exemplos sobre como agir virtuosamente e assim conquistar a felicidade.

3
Fonte: http://filosofiasos.blogspot.com.br/p/esclarecimentos-sobre-as-questoes-do.html

Para fazer pensar…

Pense comigo: Se a virtude é o caminho para a felicidade, logo a felicidade é o fim/objetivo de vida dos seres humanos. Sendo assim podemos deduzir, que tudo que existe tem uma finalidade (teoria das quatro causas), assim como um começo e meio.

4
Fonte: https://cronicasurbanas.wordpress.com/tag/mafalda/

Lembre-se: Essa é a visão de Aristóteles, e ele defende o uso da razão para assegurar a felicidade!

Para terminar nossa conversa, que tal vocês assistirem esse vídeo feito pelo canal Metanóia, falando um pouco mais sobre Aristóteles e a Felicidade?

E aí, curtiu a revisão? Agora, que tal testar o que você aprendeu fazendo alguns exercícios?

1. Entre os três filósofos abaixo, qual deles é Aristóteles?

5

2.

 faltou

3. Em relação à ética de Aristóteles, podemos afirmar que:

a) trata-se de uma deontologia, pois visa à felicidade.

b) é baseada nas virtudes dianoéticas que dependem do hábito.

c) tem por finalidade última o exercício da virtude da justiça.

d) considera a instrução e o hábito fundamentais para a virtude.

4. (ENEM 2013)

A felicidade é, portanto, a melhor, a mais nobre e a mais aprazível coisa do mundo, e esses atributos não devem estar separados como na inscrição existente em Delfos “das coisas, a mais nobre é a mais justa, e a melhor é a saúde; porém a mais doce é ter o que amamos”. Todos estes atributos estão presentes nas mais excelentes atividades, e entre essas a melhor, nós a identificamos como felicidade.

ARISTOTELES. A Política. São Paulo: Cia das Letras, 2010.

Ao reconhecer na felicidade a reunião dos mais excelentes atributos, Aristoteles a identifica como

a) busca por bens materiais e títulos de nobreza.

b) plenitude espiritual e ascese pessoal.

c) finalidade das ações e condutas humanas.

d) conhecimento de verdades imutáveis e perfeitas.

e) expressão do sucesso individual e reconhecimento público.

– Diga as respostas nos comentários e discuta quais são as corretas

Os textos e exemplos acima foram preparados pela professora Paula Pille para o Blog do Enem. Paula Pille é formada em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Dá aulas de Filosofia em escolas da Grande Florianópolis desde 2004. Facebook: https://www.facebook.com/paula.pille.1