Vozes Verbais – Fuja dos erros básicos de concordância. Veja no resumo de Gramática

Falar errado não é virtude. Escrever errado é perder pontos na redação. Sem essa de falar ou escrever "Nós pega os peixe", ou então que "O pessoal gostaram muito". Aprenda que Voz é a categoria verbal que marca a relação entre o verbo e seu sujeito. Entenda esta relação e mande bem na Redação do Enem e do Encceja. Vem!

O verbo é, sem dúvida, uma das criaturinhas mais complexas da língua portuguesa, afinal varia conforme pessoa, número, modo e tempo, e vai ter efeito em todos os outros elementos da frase. Mas, isso não é motivo para se apavorar.

Você precisa se ligar para não cair nos erros mais comuns de concordância. Se errar, perde pontos na redação. Veja os erros mais comuns no Brasil, e confira a conjugação correta entre parênteses depois de cada frase:

  1. “Fazem” dez dias;  (Faz)
  2. “Haviam” muitos copos na mesa; (Havia)
  3. “Existe” muitas versões do mesmo fato; (Existem)
  4. “Vende-se” casas; (Vendem-se)
  5. Ela estava “meia” cansada; (meio) 
  6. As bananas custam 5 “real”. (reais)

Para aprender tudo sobre verbo, basta fazer como Jack, o Estripador e ir por partes. Hoje vamos ver o que são as vozes verbais.Gramática - Vozes VerbaisAs vozes verbais vão trabalhar em cima do sujeito da frase, indicando se ele é agente ou paciente na ação expressa pelo verbo. Veja o exemplo:

1) Pedro fez o trabalho.
2) O trabalho foi feito por Pedro.

A sintaxe do português sempre terá como base a estrutura SUJEITO-VERBO-OBJETO, ou SVO. – Assim, olhando para o exemplo 1, identificamos que o sujeito é Pedro, enquanto trabalho é o objeto da frase. Sujeito é quem executa a ação, ou seja, Pedro, e objeto é quem sobre a ação, ou seja, trabalhoNo segundo exemplo, a situação parece um pouco mais complicada, pois, ao analisarmos o verbo, ou melhor, a locução verbal foi feito, podemos perceber que a relação semântica se mantém apesar da ordem SVO aparentemente mudar.  Quem sofre a ação do verbo ainda é trabalho, ou seja, ele ainda é o objeto direto, mesmo estando na posição de sujeito. Quem pratica a ação do verbo ainda é Pedro, então, ele ainda é o sujeito, mas parece estar na posição de objeto.

Essas mudanças ocorrem porque muda a voz do verbo, que são três.:A) Voz Ativa; B) Voz Passiva:, e, C) Voz Reflexiva.

A – Voz ativa:

O sujeito é a agente da ação, ou seja, é ele quem pratica a ação, como na frase 1. Veja mais exemplos:

3) Mariana leu o livro.
4) Minha avó fez o lanche.
5) O professor já corrigiu as provas dos alunos.

B – Voz passiva:

O sujeito gramatical é o paciente da ação, ou seja, ele sofre a ação, como na frase 2, praticada pelo agente da passiva. Veja os exemplos:

6) O livro foi lido por Mariana.
7) O lanche foi feito por minha avó.
8) As provas dos alunos já foram corrigidas pelo professor.

Para entender, basta olhar a direção do verbo:

Pedro fez o trabalho.

O trabalho foi feito por Pedro.

Embora Pedro ocupe a posição de objeto, ele ainda é o elemento praticante da ação. Então, a particular por Pedro será chamada de agente da passiva.

Então, para firmar na cachola: o agente da passiva é o termo da oração que pratica a ação verbal quando o verbo se encontra na voz passiva. Geralmente vem acompanhado pela preposição por (e suas variações pelo(s) e pela(s).

A voz passiva pode ser formada através de dois processos: analítico e sintético.

Voz passiva analítica: é formada por um verbo auxiliar (normalmente o verbo ser), mais o particípio de um verbo, seguindo quase sempre a estrutura: sujeito paciente + verbo auxiliar + particípio + preposição + agente da passiva.

Exemplos:

9) A dança foi coreografada por mim.
10) Eu fui enganado por aquela vendedora.
11) Os pacientes serão atendidos pelo médico logo que possível.
12) As capas dos cadernos foram enfeitadas pelas crianças.

Veja o exemplo 12 e observe as mudanças que ocorrem:

  • O sujeito da voz ativa (crianças) se transforma em agente da passiva.
  • O objeto direto da voz ativa (capas dos cadernos) se transforma no sujeito da passiva.
  • O verbo transitivo da voz ativa se transforma em locução verbal (verbo auxiliar foram + particípio do verbo principal enfeitadas).

[box type=”warning” ]Atenção! Além do verbo ser, existem outros verbos auxiliares que, embora menos frequentes, podem formar a voz passiva analítica, como os verbos estar, ficar, andar, viver…[/box]

Voz passiva sintética: É formada por um verbo transitivo conjugado na 3.ª pessoa do singular ou do plural mais o pronome apassivador se, seguindo quase sempre a estrutura: verbo transitivo + pronome se + sujeito paciente.

Exemplos:

13) Vendem-se limões.
14) Cantam-se canções.
15) Finalizou-se o acordo.

Veja o exemplo 13 e observe as mudanças que ocorrem:

  • O objeto direto da voz ativa (limões) se transforma no sujeito da passiva.
  • O sujeito da voz ativa se transforma na partícula apassivadora se, não havendo agente da passiva.

Finalmente, mas não menos importante, temos a terceira voz do verbo.

C – Voz reflexiva:

Esta voz vai misturar a voz ativa e a passiva num fenômeno em que teremos um sujeito e um objeto fundidos no mesmo elemento. Que loucura! Isso é muito divertido! Vejam só:

16) Mariana penteava-se na frente do espelho

  • Quem penteava? Mariana.
  • Quem era penteado? Mariana.

A partícula se ocupa a posição de objeto direto e retoma o sujeito para que a frase não fique redundante.

***

E aí? Achou difícil? Pense que você realiza todos esses fenômenos da nossa língua o tempo todo e nem percebe. Estudar português é simplesmente entender o funcionamento de um sistema que aprendemos a usar desde bebês, portanto, não há mistérios. Na prática, você já sabe tudo, agora só estamos sistematizando nosso conhecimento inato.

Lembre-se que todas as dicas de gramática do Blog do Enem também servem para a Redação. Aprendendo gramática, você aprende a escrever textos melhores e mais criativos linguisticamente. Utilizar a norma culta do português não significa fazer textos caretas e chatos, obviamente você reduz as deduções por erros de gramática, mas também pode garantir uns bons pontos por usar de maneira inteligente as regras do português, conhecendo-as, você pode usá-las de maneira criativa e se destacar, encantando o corretor da sua redação.

Um abraço e bons estudos!