Gêneros Literários – Literatura vestibular e Enem.

Gênero Lírico, Épico ou Narrativo, e Dramático. Relembre as diferenças entre os Gêneros Literários eles com esta aula de Literatura para os vestibulares e do Enem. Cai nas questões objetivas e ajuda também na Redação.

É hora de dar uma repassada num resumo rápido sobre os diferentes Gêneros Literários. Este conteúdo cai nas questões objetivas dos vestibulares e do Enem, e ajuda você a estruturar o estilo dissertativo argumentativo da redação. Confira.

Os Gêneros Literários são três: O Gênero Lírico, o Gênero Épico (ou Narrativo), e o Gênero Dramático. Você lembra ‘na ponta da língua’ como caracterizar ou identificar cada um deles? Não? – Então, é hora mesmo de revisar. Vamos lá.

Gênero Lírico – São textos que expressam sentimentos, estados da alma. Geralmente são poemas. ‘No meio do caminho tinha uma pedra’, lembra?

Gênero Épico ou Narrativo – Esses textos possuem enredo, narrador, personagens. São os contos, crônicas, fábulas, romances, epopéias, entre outros.

Você leu Harry Potter? Leu ‘A Culpa é das Estrelas’? Leu ‘O Tempo e o Vento’, ou ‘Memórias Póstumas de Brás Cubas’? É por ai o gênero Épico ou Narrativo.

Gênero Dramático – São os textos teatrais. Você assistiu ‘O Auto da Compadecida’? É um texto teatral que foi adaptado para o cinema. Você assiste novelas? Então, é por aí o Gênero Dramático.

Veja estes Exemplos dos Gêneros Literários:

Gênero Lírico. Veja o Soneto da separação

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

(Vinícius de Moraes)

Gênero Épico ou Narrativo

A função da arte 1

Diego não conhecia o mar. O pai, Santiago Kovadloff, levou-o para que descobrisse o mar.

Viajaram para o Sul.

Ele, o mar, estava do outro lado das dunas altas, esperando.

Quando o menino e o pai enfim alcançaram aquelas alturas de areia, depois de muito caminhar, o mar estava na frente de seus olhos. E foi tanta a imensidão do mar, e tanto fulgor, que o menino ficou mudo de beleza.

E quando finalmente conseguiu falar, tremendo, gaguejando, pediu ao pai:

– Me ajuda a olhar!

(Eduardo Galeano)

Gênero Dramático

– O meu nome é Severino,
como não tenho outro de pia.
Como há muitos Severinos,
que é santo de romaria,
deram então de me chamar
Severino de Maria
como há muitos Severinos
com mães chamadas Maria,
fiquei sendo o da Maria
do finado Zacarias.

Mais isso ainda diz pouco:
há muitos na freguesia,
por causa de um coronel
que se chamou Zacarias
e que foi o mais antigo
senhor desta sesmaria.

Como então dizer quem falo
ora a Vossas Senhorias?
Vejamos: é o Severino
da Maria do Zacarias,
lá da serra da Costela,
limites da Paraíba.

Mas isso ainda diz pouco:

se ao menos mais cinco havia
com nome de Severino
filhos de tantas Marias
mulheres de outros tantos,
já finados, Zacarias,
vivendo na mesma serra
magra e ossuda em que eu vivia.

Somos muitos Severinos
iguais em tudo na vida:
na mesma cabeça grande
que a custo é que se equilibra,
no mesmo ventre crescido
sobre as mesmas pernas finas
e iguais também porque o sangue,
que usamos tem pouca tinta.

(João Cabral de Melo Neto. Morte e vida Severina)

Saiba mais sobre os Gêneros Literários com esta aula do canal Já Entendi, no Youtube:

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=cBRaoV94tvE]

Dica 1 – Saiba como identificar as diferenças de um texto em Prosa e em Verso. Pratique em exercícios de interpretação nesta aula de Literatura Enem – https://blogdoenem.com.br/prosa-verso-literatura-enem/

Desafios para você resolver e compartilhar as respostas

Questão 1

Leia abaixo um soneto de Gregório de Matos:

“Um soneto começo em vosso gabo;
Contemos esta regra por primeira,
Já lá vão duas, e esta é a terceira,
Já este quartetinho está no cabo.

Na quinta torce agora a porca o rabo:
A sexta vá também desta maneira,
na sétima entro já com grã canseira,
E saio dos quartetos muito brabo.

Agora nos tercetos que direi?
Direi, que vós, Senhor, a mim me honrais,
Gabando-vos a vós, e eu fico um Rei.

Nesta vida um soneto já ditei,
Se desta agora escapo, nunca mais;
Louvado seja Deus, que o acabei”.

Assinale a alternativa incorreta:

a) A sátira é um gênero que pretende despertar o riso do público.

b) Além do divertimento, a sátira pretende moralizar a sociedade.

c) Podemos afirmar que este gênero é conservador.

d) O conservadorismo da sátira está no fato que pretende punir, através do ridículo, aqueles que transgridem as leis sociais.

e) A sátira é um gênero revolucionário que pretende abolir as instituições estabelecidas como a Igreja e a Monarquia.

Dica 2 – Entenda como identificar um Texto Literário e um Não Literário. Estude com exercícios de Denotação e Conotação nesta aula de Literatura Enem – https://blogdoenem.com.br/o-texto-literario-literatura-enem/

Questão 2

Ainda sobre o soneto acima, assinale a alternativa
incorreta:

a) O poeta faz uma brincadeira com as próprias regras do soneto.

b) O personagem é satirizado pois não tem nenhuma qualidade digna de louvor, por isso, compor o poema é algo penoso e difícil para o poeta.

c) O personagem é cheio de virtudes, o que tornar extremamente difícil fazer-lhe um elogio à altura de suas qualidades.

d) O personagem é vítima da sátira, pois pretende obter honrarias (no caso um soneto) em sua homenagem para as quais ele não é digno.

e) Ao ridicularizar o personagem, o poeta mantém uma posição conservadora, pois repõe a ordem social no lugar.

Dica 3 – Está pronto para o Enem? Acompanhe esta aula sobre as funções da linguagem, com foco nas funções conativa, fática e metalinguística – https://blogdoenem.com.br/funcoes-linguagem-2-gramatica-enem/

Questão 3

Leia a narrativa seguinte e assinale a alternativa
correta.

Prova de amor

“Meu bem, deixa crescer a barba para me agradar”, pediu ele.

E ela, num supremo esforço de amor, começou a fiar dentro de si e a laboriosamente expelir aqueles novos pêlos, que na pele fechada feriam caminho.

Mas quando, afinal, doce barba cobriu-lhe o rosto, e com orgulho expectante entregou sua estranheza àquele homem: “Você não é mais a mesma”, disse ele.

E se foi.

(COLASANTI, Marina. Contos de amor rasgados. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.)

a) A produção voluntária de barba, no caso da personagem feminina do conto, é cientificamente impossível; mas, no mundo da literatura, pode ocorrer tudo o que o autor quiser.

b) A produção voluntária de barba, no caso da personagem feminina do conto, é cientificamente impossível; assim, a autora deveria se apegar a coisas que podem acontecer na vida real.

c) O conto é um bom texto literário, porém falha por faltar-lhe provas sobre a verdade do que nele está escrito.

d) É, na verdade, um conto não-literário, pois refere-se ao mundo real, já que é comum maridos pedirem favores às sua esposas.

e) É um texto não-literário, pois a autora tem uma escrita simples, dispensando cuidados com a palavra.

Questão 4

(Enem-MEC)

“Do pedacinho de papel ao livro impresso vai uma longa distância. Mas o que o escritor quer, mesmo, é isso: ver o seu texto em letra de forma. A gaveta é ótima para aplacar a fúria criativa; ela faz amadurecer o texto da mesma forma que a adega faz amadurecer o vinho. Em certos casos, a cesta de papel é melhor ainda.

O período de maturação na gaveta é necessário, mas não deve se prolongar muito. ‘Textos guardados acabam cheirando mal’, disse Silvia Plath, […] que, com esta frase, deu testemunho das dúvidas que atormentam o escritor: publicar ou não publicar? Guardar ou jogar fora?”

(Moacyr Scliar. O escritor e seus desafios.)

Nesse texto, o escritor Moacyr Scliar usa imagens para refletir sobre uma etapa da criação literária. A idéia de que o processo de maturação do texto nem sempre é o que garante bons resultados está sugerida na seguinte frase:

a) “A gaveta é ótima para aplacar a fúria criativa”.

b) “O período de maturação na gaveta é necessário, […]”.

c) “Mas o que o escritor quer, mesmo, é isso: ver o seu texto em letra de forma”.

d) “ela (a gaveta) faz amadurecer o texto da mesma forma que a adega faz amadurecer o vinho”.

e) “Em certos casos, a cesta de papel é melhor ainda”.

Questão 5

Leia o poema.

Perdi-me dentro de mim

Porque eu era labirinto

E hoje quando me sinto

É com saudades de mim.

(Mário de Sá-Carneiro)

Esse é um exemplo de:

a) Poesia épica.

b) Poesia satírica.

c) Poesia lírica.

d) Poesia dramática.

e) Prosa poética.

Você consegue resolver estes exercícios? Então resolva e coloque um comentário no post, logo abaixo, explicando o seu raciocínio e apontando a alternativa correta para cada questão. Quem compartilha a resolução de um exercício ganha em dobro: ensina e aprende ao mesmo tempo. Ensinar é uma das melhores formas de aprender!