Faltam:
para o ENEM

Meiose: Revise com videoaula da Khan Academy – Biologia Enem

Você acha que estudar a meiose e suas fases é muito difícil? Revise com o Blog do Enem para se dar bem nas provas de Biologia!

A meiose é a divisão celular que possibilitou você estar aqui lendo este post. Isto mesmo! A meiose e todas as suas fases (suas muitas fases) permitiram a formação dos gametas de seus pais e posteriormente a fecundação mantendo o número de cromossomos de nossa espécie – 46.

Lembre-se de que a meiose é a divisão celular que reduz o número de cromossomos e permite a mistura de material genético de dois indivíduos e, assim, a formação de um novo ser. Chamamos este processo de reprodução sexuada. Para a formação dos gametas, a célula inicial realizará duas divisões e produzirá 4 células com metade dos cromossomos da célula mãe. Parece muito difícil? Que nada! Este post vai ajuda-lo! Vamos, então, estudar a meiose? Vem com a gente e gabarite as questões de Biologia no Enem e nos vestibulares!

Meiose

Como você sabe, a meiose é um processo realizado para a formação de gametas. Ao contrário da mitose, a meiose é uma divisão celular reducional, ou seja, reduz o número de cromossomos de uma célula pela metade. Assim, uma célula diploide (2n) que inicia a meiose produz 4 células menores haploides (n). Nos seres humanos, a meiose é uma divisão realizada por células germinativas, presentes nos ovários e nos testículos. Assim, as células germinativas com 46 cromossomos produzirão células com 23 cromossomos cada – os espermatozoides e óvulos.

espermatozoides, gametas, meiose
Figura 1: Fotomicrografia produzida a partir de microscópio eletrônico de varredura. Na imagem você pode ver vários espermatozoides (em rosa) no fim de sua produção.

Como disse acima, a redução do número de cromossomos pela metade durante a meiose é essencial para a manutenção do número de cromossomos de uma espécie. O fato de os gametas terem apenas metade do número total de cromossomos de nossa espécie compensa a fecundação, uma vez que, durante a união dos gametas o número de cromossomos de um soma-se ao número do outro, refazendo o número de cromossomos da célula diploide. Se não fosse assim, ao juntarmos um espermatozoide 46 cromossomos com um óvulo também 46, teríamos um zigoto com 92 cromossomos! Coisa que é inviável!

Podemos estudar a meiose em duas etapas, separadas por um curto intervalo chamado de intercinese. Em cada etapa da meiose, encontraremos também as mesmas fases que ocorrem na mitose – prófase, metáfase, anáfase e telófase. Vamos estudá-las?

Meiose I (Primeira divisão meiótica):

A meiose i é a divisão que irá reduzir o número de cromossomos da célula mãe pela metade. Veja suas fases:

Prófase I: É uma fase muito extensa, constituída por 5 subfases:

Leptóteno: Inicia-se a condensação de cromossomos.

Zigóteno: Pareamento dos cromossomos homólogos (ou seja, pareiam-se o cromossomo que veio do seu pai e o cromossomo que veio da sua mãe). A aproximação entre os cromossomos é chamada de sinapse.

Paquíteno: Máximo da espiralização dos cromossomos. Um braço de cada cromossomo homólogo se une ao outro cromossomo, formando as chamadas tétrades. Chamamos esses pares de cromossomo de tétrades, pois cada cromossomo homólogo está duplicado (o DNA foi duplicado na fase S da interfase), por isso cada um possui 2 cromátides, totalizando 4 cromátides no conjunto.

Durante esta fase, uma das cromátides de um cromossomo pode trocar partes com a cromátide de outro. Esse processo chama-se crossing-over ou permuta. O crossing-over permite aumentar ainda mais a variabilidade genética de uma população. Você deve lembrar que os cromossomos homólogos são cromossomos que possuem formato semelhante, certo? Esses cromossomos possuem genes para a mesma característica e que um desses cromossomos veio da nossa mãe e o outro de nosso pai. Assim, o crossing-over mistura genes que vieram do nosso pai e de nossa mãe em um mesmo cromossomo, criando uma nova combinação gênica.

Diplóteno: Inicia-se a separação dos cromossomos homólogos. Nesta fase é possível ver pontos mais densos nos cromossomos, como “nós”. Esses pontos são chamados de quiasmas e são as regiões onde ocorreu crossing-over.

Diacinese: Finalização da prófase I. Ocorre a separação das sinapses dos cromossomos e a membrana nuclear se desfaz.

crossing-over, meiose
Figura 2: Esquema mostrando o crossing-over entre dois cromossomos homólogos

Atenção! Enquanto essas cinco subfases estão ocorrendo, outros processos de organização importantes também estão acontecendo. Assim como na prófase da mitose, os centríolos se duplicam e migram para polos opostos da célula organizando o fuso de divisão.

Assim, os fusos são formados e se ligam a cada cromossomo do par de homólogos. Aqui está uma diferença fundamental entre a prófase da mitose e a prófase da meiose 1: enquanto na mitose dois fusos se ligam a cada cromátide de um cromossomo, formando uma espécie de “cabo de guerra”, aqui na meiose 1 apenas um fuso se liga ao cromossomo, uma vez que as duas cromátides que o compõe serão levadas juntas para um dos polos da célula.

prófase I, meiose, divisão celular
Figura 3: Prófase 1. Note os cromossomos bem condensados começando a se parear

– Metáfase I: Os pares de cromossomos homólogos são organizados no centro da célula, na chamada placa metafásica. Cada cromossomo do par possui um fuso ligado a si.

metáfase I, meiose, divisão celular
Figura 4: Tétrades organizadas na placa metafásica durante a metáfase I da meiose

Anáfase I: Na anáfase I da meiose I ocorre a separação dos cromossomos homólogos. Os fusos diminuem e puxam para cada polo da célula um dos cromossomos que antes formava o par de homólogos. Neste caso, não há quebra do centrômero dos cromossomos, uma vez que as cromátides-irmãs não foram separadas. Lembre-se de que cada cromossomo possui duas cromátides, pois seu DNA foi duplicado.

anáfase I, meiose, divisão celular
Figura 5: Separação dos cromossomos homólogos na anáfase I da meiose I

Telófase I: Na telófase I da meiose I ocorre a desespiralização e aproximação dos grupos de cromossomos em cada polo da célula.  Forma-se a carioteca em cada núcleo e ocorre a citocinese, originando duas células haploides, com duas cópias de cada cromossomo.

telófase I, meiose, divisão celular
Figura 6: Telófase I da meiose. Note a separação das células e a formação de dois núcleos haploides

Meiose II:

Ao fim da meiose I foram formadas duas células haploides, porém, cada cromossomo presente nestas células possui 2x a quantidade de DNA necessária, pois há duas cromátides nos cromossomos. Por isso, inicia-se uma segunda divisão:

Prófase II: Na prófase II da meiose II Os cromossomos voltam a se enovelar. A carioteca se desfaz novamente e os centríolos se duplicam migrando para os polos da célula formando o fuso para a divisão.

prófase II, meiose, divisão celular
Figura 7: Prófase II da meiose II. Note que a divisão reinicia em cada uma das células formadas durante a meiose I

Metáfase II: Na metáfase II da meiose os cromossomos são organizados na placa metafásica. Como nesse caso o objetivo é separar as cromátides-irmãs, cada cromossomo possui dois fusos ligados a si, como em um cabo de guerra.

metáfase II, meiose, divisão celular
Figura 8: Cromossomos organizados na placa metafásica de uma metáfase II da meiose

Anáfase II: Na anáfase II da meiose os centrômeros dos cromossomos são quebrados, as cromátides irmãs se separam e são puxadas para polos opostos da célula.

anáfase II, meiose, divisão celular
Figura 9: Separação das cromátides irmãs na anáfase II da meiose

Telófase II: Na telófase II da meiose os cromossomos se desespiralizam e se organizam em polos opostos da célula. Em cada polo surge uma nova carioteca envolvendo os cromossomos e ocorre a citocinese. Já que cada célula resultante da meiose 1 passou pelos processos da meiose 2, teremos como resultado 4 células haploides (n), ou seja 4 células com metade dos cromossomos da célula mãe.

telófase II, meiose, divisão celular
Figura 10: Formação de 4 células-filhas ao fim da telófase II da meiose

Para resumir o assunto, veja a figura a seguir:

Meiose, divisão celular
Figura 11: Esquema da meiose
Agora, para finalizar sua revisão e organizar suas ideias, veja esta videoaula da Khan Academy: http://www.fundacaolemann.org.br/khanportugues//ciencias/biologia/fases_da_meiose

Gostou do vídeo? O texto te ajudou a entender a meiose? Deu para desmistificar um pouco o conteúdo? Ótimo! Agora, vamos exercitar?

01 – (UEPG PR/2013)   A genética teve um grande avanço no nível do conheci-mento a partir do entendimento das leis de Mendel. En-tre os mais diversificados temas, a genética aborda so-bre os fundamentos da hereditariedade estabelecidos com a redescoberta das leis de Mendel no início do sé-culo XX. Com relação à hereditariedade e seus funda-mentos, assinale o que for correto.

01. Cada gameta contém dois conjuntos completos de genes (genoma) típico da espécie humana.

02. Os gametas carregam uma célula de cada tecido do organismo e, por ocasião da fecundação, essas cé-lulas se reúnem para organizar o embrião.

04. Nos organismos diploides, os genes ocorrem aos pares em cada indivíduo, sendo um de origem pa-terna e outro de origem materna.

08. São denominados alelos as duas versões de cada gene do indivíduo, uma recebida do pai e outra da mãe.

Gab: 12

02 – (PUC RJ/2013)   Considere as afirmativas abaixo acerca dos processos de divisão celular:

I. Na mitose, a célula-mãe dá origem a duas células fi lhas geneticamente idênticas.

II. Em todos os organismos que fazem reprodução sexuada, a produção de gametas se dá por meiose.

III.    Na primeira fase da meiose, ocorre o pareamento e a segregação dos cromossomos homólogos.

IV. Na mitose, os cromossomos são alinhados na placa equatorial e ocorre a separação das cromátides irmãs.

Estão corretas:

a) Todas as afirmativas.

b) Somente I e IV.

c) Somente I, III e IV.

d) Somente I, II e IV.

e) Somente I, II e III.

Gab: C

03 – (UDESC SC/2012)   Assinale a alternativa correta quanto à característica da meiose.

a) Quando sofre mutações, estas são do tipo somáticas e induzem a célula à apoptose.

b) Garante a manutenção das características genéticas ao longo dos anos.

c) Garante a variabilidade genética da espécie, através do crossing over.

d) Reduz as características genéticas do indivíduo pela metade, ou seja, incompletas.

e) Reduz as características da célula, por isso requer uma nova duplicação do material genético.

Gab: C

04 – (PUC -PR 2004) Durante a meiose, o pareamento dos cromossomos homólogos é importante, porque garante:

a) a formação de células-filhas geneticamente idênticas à célula-mãe.

b) a menor variabilidade dos gametas.

c) a separação dos cromossomos não homólogos.

d) a duplicação do DNA, indispensável a esse processo.

e) a possibilidade de permuta gênica.

Gab: E

05 – (FGV 2006) Uma das diferenças da meiose, em relação à mitose, é que na meiose as células-filhas são geneticamente diferentes da célula-mãe.

Essa afirmação está:

a) errada. Tanto na mitose quanto na meiose as células-filhas são geneticamente iguais à célula-mãe.

b) errada. O que diferencia a mitose da meiose é o fato de que na primeira são produzidas quatro células-filhas, enquanto na meiose são produzidas apenas duas.

c) errada. Na meiose, as células-filhas têm apenas metade do número inicial de cromossomos, mas ainda assim cada uma delas apresenta os mesmos alelos presentes na célula-mãe.

d) correta. O crossing-over e a segregação das cromátides irmãs, na segunda divisão, promovem a recombinação do material genético herdado da célula-mãe.

e) correta. A segregação dos cromossomos homólogos, na primeira divisão, resulta em células-filhas com diferentes conjuntos alélicos em relação àquele da célula-mãe.

Gab: E

Curso Enem Gratuito

Quer aumentar suas chances no próximo Exame Nacional do Ensino Médio e mandar bem nas Notas de Corte do Enem? Estude com as apostilas e aulas gratuitas do Curso Enem Online. Todas as matérias do Exame e ainda as Dicas de Redação. Acesse aqui o Curso Enem Gratuito Online.

curso enem gratuito blue fino

Juliana Biologia Enem
Os textos e exemplos acima foram preparados pela professora Juliana Santos para o Blog do Enem. Juliana é formada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Santa Catarina. Dá aulas de Ciências e Biologia em escolas da Grande Florianópolis desde 2007. Facebook: https://www.facebook.com/juliana.evelyndossantos.