Período Pré-Colonial (1500-1530) e o “Ciclo do Pau-Brasil” – Revisão História Enem

Você sabia que o descobrimento do Brasil não despertou em Portugal um interesse econômico imediato? Da mesma forma, a colonização do território também não foi imediata. Vamos entender as causas e os desdobramentos deste momento inicial para gabaritar História no Enem

História Enem: A expedição de Cabral em 1500 teve seu início em 9 de março, quando partiu de Portugal. Após 44 dias de viagem pelo Atlântico, Cabral chegou no dia 22 de abril à Bahia, onde só desembarcou no dia seguinte. Sua estada durou apenas 9 dias.

Em 1º de maio Pedro Álvares Cabral já partia rumo à Índia, onde permaneceu por mais de três meses. Trata-se de um roteiro um tanto quanto curioso: por que Cabral, depois de uma longa viagem, teria ficado tão pouco tempo no Brasil? Por que sua estada no Oriente foi muito mais longa? Na prática, a jornada fazia prática da Expansão Marítima.as grandes navegações destacada A primeira viagem portuguesa à Índia (Vasco da Gama – 1498/1499) teve um caráter marcadamente militar, garantindo a Portugal algumas conquistas. Cabia a Cabral, portanto, realizar a primeira viagem comercial ao Oriente, devendo fazer escala a oeste do Atlântico para o reconhecimento das terras atribuídas a Portugal pelo Tratado de Tordesilhas (1494).

A estada curta no Brasil nos permite entender que o principal objetivo de Cabral era mesmo chegar ao Oriente, onde os vultosos lucros com as especiarias colocariam o Brasil em segundo plano.

Mesmo a possibilidade de se encontrar ouro no território não despertou em Cabral o interesse em permanecer mais tempo no novo mundo.

É o que permite entender a carta escrita por Pero Vaz de Caminha, escrivão oficial, ao rei Manuel: “Quando eles vieram, o Capitão estava sentado em uma cadeira, bem vestido, com um colar de ouro muito grande no pescoço (…). Eles entraram. Um deles (…) reparou no colar do Capitão e começou a acenar para a terra e depois para o colar, como se nos quisesse dizer que na terra também havia ouro”.

Carta de Pero Vaz de Caminha ao rei Manuel.

Mesmo diante de tal revelação, Caminha logo concluiu: “Esta terra, senhor, é muito chã e muito formosa. Nela até agora não podemos saber se haja ouro, nem prata, nem nenhuma coisa de metal… porém, a terra em si é de muito bons ares; as águas são muitas, infindas; em tal maneira é graciosa, que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela de tudo; porém, o melhor fruto, que nela se pode fazer, me parece que será salvar esta gente…”.

Como os portugueses não estavam dispostos a cultivar a terra naquele momento, muito menos catequizar os índios, a certeza de lucro no Oriente foi certamente o que apressou conclusões práticas e a despedida rápida do Brasil.

1
Fonte: www.memorialdodescobrimento.com.br

Foi somente em 1501, com a expedição exploratória de Gaspar Lemos e Américo Vespúcio, que Portugal descobriu a ocorrência de pau-brasil na Mata Atlântica, o que não foi suficiente para desbancar a importância do Oriente nem motivar uma colonização efetiva. Por isso, os primeiros trinta anos de ocupação ficaram conhecidos como Período Pré-Colonial, também chamado de “Ciclo do Pau-Brasil”.

2
Fonte: www.clickescolar.com.br

Produção de tinta vermelha a partir do pau-brasil

O pau-brasil tinha esse nome por se extrair dele uma tinta com cor de brasa, avermelhada, usada na Europa para tingir tecidos. A extração da madeira funcionava sob o sistema de estanco, isto é, monopólio real, mas já em 1502 o rei Manuel arrendou o monopólio a um grupo de cristãos novos liderado por Fernão de Noronha.

A mão-de-obra era indígena e livre, sendo amistosa a relação inicial entre índios e portugueses, marcada pelo escambo. Os índios cortavam e transportavam a madeira até o litoral em troca de machados, facões, espelhos, enfeites etc. Sem grande valor comercial na Europa, os objetos de metais ofertados aos índios significavam aos mesmos uma revolução tecnológica, já que os índios brasileiros desconheciam a metalurgia.

Dica 1: O Brasil, em 1500, tinha entre 3 e 5 milhões de índios e hoje tem apenas cerca de 350 mil. Sabemos que essa diferença numérica se deveu ao genocídio causado pelo contágio de doenças e pelas guerras de ocupação territorial e escravização indígena realizadas pelos portuguesas.

Não devemos esquecer, contudo, que essa situação é posterior a 1530, quando se inicia a colonização efetiva através da produção açucareira, sendo o Período Pré-Colonial (1500-1530) marcado por uma relação amistosa entre os dois grupos.

3

Fonte: detetivesdeclio.blogspot.com

Mapa do Brasil feito por Giácomo Gastaldi em 1550, mostrando o trabalho indígena na extração de pau-brasil e o escambo com os portugueses.

Nesse período, a ocupação do território se limitou à construção de fortificações provisórias para o armazenamento e o comércio de pau-brasil no litoral: as feitorias. Além dos portugueses, os franceses também construíram feitorias e praticaram escambo com os índios para obter e comercializar pau-brasil, além de saquearem feitorias e navios portugueses.

A pirataria francesa tinha o apoio do rei francês, que não reconhecia o Tratado de Tordesilhas (1494). Para combater a presença francesa, Portugal organizou as chamadas expedições guarda-costas, lideradas por Cristóvão Jacques. Mesmo alcançando algumas vitórias, essas expedições não foram suficientes para que Portugal garantisse a posse do território, o que dependia de uma colonização efetiva.

Dica 2: Repare que a ocupação do território por meio das feitorias tinha um caráter provisório. Existem para isso duas importantes explicações. Os portugueses que vinham para o Brasil explorar pau-brasil visavam o lucro rápido, o que coincide com uma permanência curta que dificilmente excedia os cinco anos. Além disso, a extração da madeira era de caráter predatório, sem prever qualquer forma de reflorestamento, o que tem relação com a curta permanência no Brasil dos “brasileiros”, como eram chamados os exploradores de pau-brasil.

Aula Gratuita

Para concluir sua revisão sobre os primeiros anos da ocupação do Brasil pelos portugueses, assista ao vídeo-aula do professor Pedro Gonzaga do “Instantâneo”, aprofundando a narrativa de Caminha sobre o “descobrimento”:

Agora chegou a hora de testar seus conhecimentos. Vamos ver como esse conteúdo é abordado em questões de vestibular e do Enem!

EXERCÍCIOS

Questão 1 (Cesgranrio)

 O início da colonização portuguesa no Brasil, no chamado período “pré-colonial” (1500-1530), foi marcado pelo(a):

a) envio de expedições exploratórias do litoral e pelo escambo do pau-brasil;

b) plantio e exploração do pau-brasil, associado ao tráfico africano.

c) deslocamento, para a América, da estrutura administrativa e militar já experimentada no Oriente;

d) fixação de grupos missionários de várias ordens religiosas para catequizar os indígenas;

e) implantação da lavoura canavieira, apoiada em capitais holandeses.

 Resposta: a alternativa correta é a letra “a”.

 

Questão 2 (ENEM 2011)

Em geral, os nossos tupinambás ficam bem admirados ao ver os franceses e os outros dos países longínquos terem tanto trabalho para buscar o seu arabotã, isto é, pau-brasil. Houve uma vez um ancião da tribo que me fez esta pergunta: “Por que vindes vós outros, mairs e perós (franceses e portugueses), buscar lenha de tão longe para vos aquecer? Não tendes madeira em vossa terra?”

LÉRY, J. Viagem à Terra do Brasil. In: FERNANDES, F. Mudanças Sociais no Brasil. São Paulo: Difel, 1974.

O viajante francês Jean de Léry (1534-1611) reproduz um diálogo travado, em 1557, com um ancião tupinambá, o qual demonstra uma diferença entre a sociedade europeia e a indígena no sentido

a) do destino dado ao produto do trabalho nos seus sistemas culturais.

b) da preocupação com a preservação dos recursos ambientais.

c) do interesse de ambas em uma exploração comercial mais lucrativa do pau-brasil.

d) da curiosidade, reverência e abertura cultural recíprocas.

e) da preocupação com o armazenamento de madeira para os períodos de inverno.

Resposta: a alternativa correta é a letra “a”.

 

Questão 3 (DO AUTOR)

 “Quando eles vieram, o Capitão estava sentado em uma cadeira, bem vestido, com um colar de ouro muito grande no pescoço (…). Eles entraram. Um deles (…) reparou no colar do Capitão e começou a acenar para a terra e depois para o colar, como se nos quisesse dizer que na terra também havia ouro.” (Carta de Pero Vaz de Caminha)

O relato de Caminha exposto acima nos permite concluir:

a) Que a descoberta de ouro no Brasil em 1500 tornou o comércio de especiarias orientais uma atividade secundária em Portugal.

b) Que mesmo com a descoberta de ouro no Brasil em 1500, o interesse português pelo novo território não diminuiu a importância do comércio de especiarias orientais na economia portuguesa.

c) Que a estada de Cabral no Brasil tinha como um de seus objetivos averiguar o potencial econômico das terras atribuídas a Portugal pelo Tratado de Tordesilhas.

d) Que o interesse de Portugal pelo Brasil foi muito menor que o interesse português pelo Oriente, não ocorrendo até 1530 uma colonização efetiva dessas terras.

e) Que o pau-brasil não foi a primeira riqueza explorada em nosso território, como sustenta a historiografia tradicional.

Resposta: a alternativa correta é a letra “c”.

 

Questão 4 (UFSC – 2002)

A primeira atividade econômica  praticada no Brasil Colônia foi a extração do pau-brasil. Assinale a(s) proposição(ões) VERDADEIRA(S) em relação a essa atividade.

01. A extração do pau-brasil exigiu  capitais e técnicas para a montagem de um complexo agro-manufatureiro, capaz de atender a demanda dos mercados europeus.

02. A mão-de-obra empregada na extração e transporte da madeira, tanto pelos franceses como pelos portugueses, foi a indígena.

04. A extração do pau-brasil teve como consequência o surgimento de um fluxo de renda interno e de dezenas de povoações, notadamente no extremo Sul e no Nordeste.

08. A extração do pau-brasil, que conseguia alto preço na Europa, por sua utilização como pau-de-tinta,  foi uma das principais causas do declínio da lavoura de cana-de-açúcar.

16. O comércio do pau-brasil com os indígenas era feito na base do escambo. Eles recebiam utensílios e enfeites pelo trabalho de cortar a madeira e transportá-la até os navios.

32. A exploração do pau-brasil era monopólio do Estado, mas, em 1502, o privilégio foi arrendado a um grupo de comerciantes liderados por Fernão de Noronha.

Resposta: o somatório das alternativas corretas é 50 (02 + 16 +32).

O texto desta aula foi preparado pelo professor Felipe Carlos de Oliveira para o Blog do Enem. Felipe é formado em licenciatura e bacharelado em História pela UFSC, especializado em Interdisciplinaridade pelo IBPEX e mestre em História pela UFSC. É professor de colégios e cursinhos da Grande Florianópolis desde 2001.