Persas – História Enem

Neste post especialmente preparado para o Enem, vamos revisar a história da civilização Persa, povo que se originou nos planaltos do atual Irã. Vem com a gente revisar História para o Enem e para os vestibulares!

Persas: É hora de revisar a história do Império Persa e relativizar a importância do grande império formado por este povo a partir de 625 a.C. que sistematicamente anexou boa parte do mundo antigo conhecido e entrou em franco embate com os gregos pelo domínio das rotas comerciais do mar Egeu.

Civilização Persa:

Formada por povos indo-europeus divididos em duas tribos, os persas e os medos, o território de origem do império persa situa-se nos planaltos do atual Irã e teve sua ocupação iniciada por volta de 2000 a.C.

Os medos inicialmente dominaram os persas durante o reinado de Ciaxares (625 – 585 a.C.), estes últimos eram governados pela dinastia dos Aquemênidas. Em aliança aos neobabilônicos e com uma força militar formada por cavalaria e infantaria pesadas, os persas ajudaram a derrotar o império assírio no ano de 612 a.C.

Por volta de 559 a.C, Ciro o Grande, usurpou o poder, retirando o herdeiro de Ciaxares e deu início a grande expansão do Império Persa. Este importante rei Aquemênida conquistou um vasto território ao dominar as regiões da Lídia formada por colônias gregas, Índia, Mesopotâmia, a partir da derrota do império neobabilônico e Hebreus.

Seu filho e sucessor Cambises enfrentou e conquistou os egípcios na famosa batalha de Pelusa, mas caiu diante disputas pelo poder. Nesta época os império já dominava as regiões do ma Cásío, Mar Negro, norte da África, Golfo Pérsico e se preparava para dominar Cartago.

Morto Cambises, Dario I conseguiu tomar o poder e continuou a expandir o império. Para facilitar a administração do território dividiu o mesmo e Satrapias que eram administrada pelos Sátrapas. Na maioria dos casos os Persas mantinham os antigos senhores em seus postos e não impunham padrões culturais persas, mantendo relativa autonomia ao territórios conquistados que pagavam caros tributos aos conquistadores da Pérsia.

Dario I foi responsável também peça criação de um sistema de estradas e postos de abastecimento como cavaleiros e cavalos a disposição para revezarem a transmissão de mensagens e ordens, o que facilitava a administração de todo o território conquistado. Dario também criou um padrão monetário chamado de dárico, que facilitou o desenvolvimento do comércio entre as províncias do império.

Por volta de 490 a.C. Dario I tentou conquistar os estreitos de Bósforo e Dardanelos e então os interesses persas chocaram-se com os interesses gregos em torno do mar egeu (área do mediterrâneo). Tentando subjugar os gregos, Dario é morto e o poder é herdado pelo filho Xerxes, que mantém a guerra contra os gregos. Os persas seriam derrotados pelos gregos nas batalhas de Salamina e Plateia, em 480 e 479 a.C. cedendo a hegemonia comercial do mar Egeu aos gregos após o fim das Guerras Médicas.

Por volta de 330 a.C o império greco-macedônico de Alexandre o Grande conquistou  o vasto império persa ao derrotarem o rei Dario III.

1
Fonte: http://www.ecunico.com.br/eisohomem/daniel/imperio%20medo.htm

No mapa acima podemos verificar toda a extensão do Império Persa. Segundo a legenda: a área de cor rosa representa a Pérsia primitiva, onde a civilização teve origem; A área de cor amarela retrata o território anexado por Ciro O Grande; área verde os territórios anexados por Cambises e a área roxa os territórios conquistados por Dario I. A linha verde que corta o centro do império representa a estrada real, principal rota de circulação dentro do grande império.

Cultura:

Tendo em vista a diversidade de territórios e culturas conquistadas, os Persas acabaram por apresentar vários elementos culturais desses povos.  Sua escrita deriva da escrita cuneiforme mesopotâmica e são conhecidos por suas grandes obras de engenharia, sobremaneira o canal que construíram para ligar o mar vermelho ao mar mediterrâneo.

Do ponto de vista religioso praticavam o Masdeísmo após, religião dicotômica que pregava a existência de uma disputa entre o bem (Deus Ormuz) e o mal (Deus Arimã). A organização desse culto foi feita por Zoroastro e seus princípios encontram-se no livro sagrado denominado Avesta.

Após a morte de Alexandre O Grande todo o vasto império foi dividido entre os principais generais macedônicos e posteriormente grande parte dessas áreas foi dominada pelo Império Romano.

Para finalizar sua revisão, veja esta videoaula sobre os Persas do canal “Se liga nessa história”: https://www.youtube.com/watch?v=hb0ur5QvJ7Y

Agora que você já sabe tudo sobre os Persas, que tal testar seus conhecimentos?

Questão 01 – (UECE/2012) Entre os séculos VII e VI a.C., Zaratustra, que os gregos chamavam de Zoroastro, promoveu uma profunda reforma religiosa; suas ideias foram adotadas pela casa real dos persas, os aquemênidas. O soberano que, por razões políticas, apoiou o zoroastrismo foi

a) Cambises.

b) Ciro.

c) Dario.

d) Xerves.

 

Questão 02 – (UECE/2012) Ciro, o Grande (558-529 a.C.), reinou sobre o grande império persa. Utilizou como método de organização política a tolerância em relação aos seus súditos, concedendo-lhes relativa autonomia administrativa. Dividiu o imenso território em vinte satrapias, cada uma dirigida por um sátrapa, que era um funcionário

a) privado, encarregado do governo da cidade e da administração dos bens do templo.

b) nomeado pelo rei para ocupar postos de chefia sob a autoridade de um governador.

c) nomeado inspetor pelo imperador persa, com as funções de polícia e vigilância.

d) do estado persa, que exercia o poder de um governo de fato.

 

Questão 03 – (UFPB/2010) O Império Persa foi um dos maiores da Antiguidade. Depois de conquistado por Alexandre, o Grande, a cultura grega foi introduzida nos antigos domínios persas e naqueles posteriormente conquistados pelo rei macedônio, ensejando a configuração da cultura helenística.

Sobre a cultura helenística, é correto afirmar:

a) Destacou-se por uma campanha sistemática de destruição de bibliotecas e combate às culturas dos povos conquistados.

b) Caracterizou-se por uma religião monoteísta e o desprezo ao culto dos deuses oriundos da cultura grega.

c) Distinguiu-se pela aversão à filosofia e, inversamente, por uma visão de mundo fortemente pragmática e distante do pensamento abstrato.

d) Resultou da imposição da cultura grega sobre as demais culturas das regiões conquistadas, a exemplo da egípcia e da persa.

e) Celebrizou-se pelo predomínio do monumentalismo e da grandiosidade no estilo arquitetônico, com o exemplo marcante do Farol de Alexandria.

 

Questão 04 – (Mackenzie SP/2010) Frank Miller inspirou-se na verdadeira Batalha de Termópilas, ocorrida em 438 a.C, na Grécia, para escrever “Os 300 de Esparta”. A adaptação da história em quadrinhos de Miller foi levada ao cinema, em 2006, pelo diretor Zack Snyder, com o título “300”. A respeito do contexto das Guerras Médicas (500-479 a.C), tema abordado no filme, assinale a alternativa correta.

2

a) O domínio e a expansão naval fenícia ameaçavam a hegemonia da Grécia sobre o mar Egeu, o que ocasionou a formação de uma aliança defensiva grega.

b) Desenvolvendo uma política imperialista, Atenas entrou em conflito com Esparta que, agrária e oligárquica, permaneceu fechada à expansão territorial.

c) O expansionismo persa, que já havia dominado cidades gregas da Ásia Menor e estabelecido o controle persa sobre rotas comerciais do Oriente, ameaçava a soberania da Grécia, tornando inevitável o conflito grego-pérsico.

d) Esparta, por priorizar a formação física e militar, cultivando no indivíduo o patriotismo incondicional ao Estado, liderou a ofensiva grega contra os assírios, que ameaçavam as instituições democráticas gregas.

e) O forte espírito militarista presente na cultura helenística e difundido em todas as pólis gregas permitiu que, no conflito contra os medos, a Grécia obtivesse a supremacia militar e se sagrasse vencedora.

 

Questão 05 – (ENEM/2009) Em seu discurso em honra dos primeiros mortos na Guerra do Peloponeso (séc. V a.C.), o ateniense Péricles fez  um longo elogio fúnebre, exposto na obra do historiador Tucídides. Ao enfatizar o respeito dos atenienses à lei e seu amor ao belo, o estadista ateniense tinha em mente um outro tipo de organização de Estado e sociedade, contra o qual os gregos se haviam batido 50 anos antes e que se caracterizava por uma administração eficiente que concedia autonomia aos diferentes povos e era marcada pela construção de grandes obras e conquistas.

PRADO, A. L. A.,Tucídides, História da Guerra do Peloponeso,
Livro I, São Paulo, Martins Fontes (com adaptações).

O “outro tipo de organização de Estado e sociedade” ao qual Péricles se refere era

a) o mundo dos impérios orientais, que rivalizava comercialmente com a Atenas de Péricles.

b) o Império Persa, que, apesar de possuir um vasto território, tentou, em vão, conquistar a Grécia.

c) o universo dos demais gregos, que não viviam sob uma democracia, já que esta era exclusividade de Atenas.

d) o Alto Império Romano, que, se destacava pela supremacia militar e pelo intenso desenvolvimento econômico.

e) o mundo dos espartanos, que, desconhecendo a escrita e a lei, eram guiados pelo autoritarismo teocrático de seus líderes.

 

GABARITO:

1) Gab: C

2) Gab: D

3) Gab: E

4) Gab: C

5) Gab: B

Bruno História
Os textos e exemplos acima foram preparados pelo professor Bruno Anderson para o Blog do Enem. Bruno é historiador formado pela Universidade Federal de Santa Catarina. Dá aulas de história em escolas da Grande Florianópolis desde 2012. Facebook e Twitter.