Relevo Brasileiro – Aula de Geografia para o Enem

Em nossa superfície terrestre temos várias formas, as quais compõem o relevo. Você se recorda dos tipos existentes na paisagem do relevo brasileiro? Veja os Planaltos, as Planícies, e as Depressões.

A paisagem brasileira é constituída por diversas formas de relevo, essas formas moldam nossa superfície dando um resultado surpreendente! Elas são resultado principalmente da ação de agentes externos que atuam nas estruturas geológicas.

Mas, o que são agentes externos?

São forças exógenas, ou seja, externas, que modelam o relevo, tais como o intemperismo e a erosão. O intemperismo é o conjunto de ações, fenômenos físicos e químicos que alteram e degradam as rochas. Esses processos transformam cenários com o passar dos anos.

Intemperismo Físico – é quando há a desintegração do material rochoso, mas não a há alteração da sua composição. Ex: vento, sol, chuva. Intemperismo Químico- Onde há a decomposição do material das rochas e alteração em sua composição. Veja os efeitos do Intemperismo em rocha :Intemperismo no Relevo Brasileiro

Para completar a sua comperensão sobre o Intemperismo, veja este vídeo bem legal:

O Relevo Brasileiro:

Nosso relevo é muito antigo e bastante desgastado. As principais unidades do Relevo Brasileiro são os planaltos, as planícies,  e as depressões. Todas as unidades de Relevo  são estudadas de acordo com a classificação de 1989 do professor Jurandyr Ross. Ele utilizou três principais critérios nessa classificação: o morfoclima- influência dos atuais agentes climáticos, o paleoclima- ação de antigos agentes climáticos; e a morfoestrutura- origem geológica. O professor Jurandyr classificou nosso relevo da seguinte maneira: Planaltos; Planícies, e Depressões. Confira a seguir:

  • Onze Planaltos, Onze unidades de Depressão,  e seis Planícies.
  • *Os planaltos  sofrem a ação dos agentes externos e são muito desgastados.  Entre eles, os mais extensos são:
  • -Planaltos e Chapadas da Bacia do Paraná;
  • -Planaltos e Chapadas do Parnaíba;
  • -Planaltos e Serras do Atlântico Leste.

As Depressões

  • *As Depressões que se destacam no relevo brasileiro são:
  • – Amazônica, a Sertaneja, a do São Francisco;
  • – Periférica Sul Rio-grandense;
  • – Periférica da Bacia da borda leste do Paraná.

As Planícies

  • *As planícies, fFormadas pela deposição de sedimentos de origem lacustre, fluvial ou marinha. Principais:
  • – Amazônica,
  • -Planície litorânea do sudeste;
  • -Planície do nordeste.

Analise o mapa com muita atenção e veja como ficaram as Unidades de relevo propostas pelo professor Jurandyr RossMapa do Relevo Brasileiro
Figura 2
– Classificação por Jurandyr Ross.

Dica 1 – A região Norte ainda possui grandes áreas preservadas. Vamos estudar agora a transamazônica, como o norte faz ligação com as demais regiões! Revise esta aula de geografia para o Enem!

Dica 2– Devido a sua enorme extensão territorial, o Brasil apresenta mais de um fuso horário. Acompanhe esta aula e não perca as dicas sobre os fusos horários brasileiros! Bons estudos!

Vamos assistir a essa aula sobre a classificação do relevo brasileiro? Não perca!

Agora é com você, responda a questão abaixo e veja como andam os seus conhecimentos!

(UNIMONTES) Para a atual proposta de identificação das macrounidades do relevo brasileiro, elaborada por Ross (1989), foram fundamentais os trabalhos de Ab’Saber e os relatórios e mapas produzidos pelo Projeto Radambrasil. Ross passou a considerar para o relevo brasileiro, conforme as suas origens, as unidades de planaltos, depressões e planícies.
Adaptação: ROSS, J. L. S. Geografia do Brasil. São Paulo: Edusp, 2005.

Quais as unidades do relevo brasileiro que, de acordo com a gênese, segundo Ross, são resultantes de deposição de sedimentos recentes de origem marinha, lacustre ou fluvial?

a) Planícies.
b) Depressões.
c) Planaltos cristalinos.
d) Planaltos orogenéticos.

Resposta correta letra A.

Texto elaborado pela professora Elizabeth Noceti Pereira- formada em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atua como docente nas redes estadual e municipal da região da Grande Florianópolis.