Questões sobre a Segunda Fase do Modernismo

A 2ª Fase do Modernismo foi marcada pela consolidação dos ideais do movimento da Semana de 1922. Teste seus conhecimentos sobre o tema com nossa lista de exercícios!

Alguns dos autores e obras que mais aparecem no Enem pertencem à 2ª Geração Modernista. Carlos Drummond de Andrade, por exemplo, marca presença em quase todas as edições. Por este motivo, preparamos um resumo e uma lista de questões sobre a Segunda Fase do Modernismo no Brasil!

Resumo sobre a Segunda Fase do Modernismo

A poesia da segunda geração modernista é a representação de um amadurecimento e um aprofundamento das conquistas da geração de 1922. É possível notar a influência exercida por Mário e Oswald de Andrade sobre os jovens que iniciaram sua produção poética depois da Semana de Arte Moderna.

Nessa fase, o grande foco da prosa de ficção foram os romances regionalistas e urbanos. Preocupados com os problemas sociais, os autores aproximaram a prosa da linguagem coloquial e regional. Assim, mostram a realidade de diversos locais do país, ora no campo, ora na cidade.

O marco inicial desta fase é a publicação do romance regionalista “A Bagaceira” (1928), de José Américo de Almeida (1887-1980). Nessa obra, ele relata o tema da seca e da vida de retirantes.

Outra obra a ser destacada é o romance “O Quinze” (1930), de Rachel de Queiroz (1910-2003), que aborda uma das maiores secas que assolou o Nordeste em 1915.

Merece menção também José Lins do Rego (1901-1957) autor do romance “Menino de Engenho (1932)”, narrativa ambientada nos engenhos nordestinos, cuja temática explora o ciclo de açúcar no Brasil.

Para saber mais sobre a poesia deste momento do Modernismo, não deixe de conferir o conteúdo que vem logo depois dos exercícios.

Videoaula

Antes de resolver as questões sobre a Segunda Fase do Modernismo, veja a aula da prof. Camila sobre as características da prosa da Geração de 30:

Questões sobre a Segunda Fase do Modernismo

.

Poesia da Segunda Geração Modernista

Em sua forma, os novos poetas cultivam o verso livre e a poesia sintética, como, por exemplo, no poema Cota zero, de Drummond:

Stop.

A vida parou

ou foi um automóvel?

No entanto, é na temática que se nota a nova postura artística, que passa a questionar a realidade com mais força. Além disso, o artista se questiona como indivíduo e até mesmo como artista na sua tentativa de explorar e de interpretar o estar no mundo.

Drummond - segunda fase do modernismo
Carlos Drummond de Andrade

Dessa forma, tem-se uma literatura mais construtiva e mais politizada, que não quer se afastar das grandes transformações desse período. O percurso de Murilo Mendes (1901 – 1975) no Modernismo brasileiro, por exemplo, é bem interessante. Das sátiras ele caminha para uma poesia religiosa, sem perder o contato com a realidade social.

Entretanto, como afirma o poeta, o social não se opõe ao religioso. Assim, lhe permite acompanhar todas as transformações vividas pelo século XX, tanto no campo econômico e político quanto no campo artístico.

Por fim, saiba mais sobre esses poetas na aula do canal do Curso Enem Gratuito:

João Vianney dos Valles Santos

Psicólogo e jornalista, Vianney é diretor do Blog do Enem. Tem doutorado em Ciências Humanas, coordenou o Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, e Dirigiu o Campus Unisul Virtual. É consultor de EaD da Hoper Educação.
Categorias: Simulado Literatura, Simulados Enem
Encontrou algum erro? Avise-nos para que possamos corrigir.