A escolástica – Filosofia Enem

Será que escolástica vem de escola? Qual era a discussão desta época? Vamos conhecer este período e alguns representantes desta época para ficar poder dentro dos conteúdos do Enem!

Ao falarmos de escolástica estamos falando de uns dos períodos da Idade Média. A escolástica tem seu início em meados do século IX e vai até o século XVI. Neste período, a busca de harmonização entre a fé cristã e a razão manteve-se como problema básico da especulação filosófica.

Dica 1: Quer conhecer a discussão entre fé e razão neste período? Então click nesse link e se prepare para o Enem:

Razão e fé – Filosofia Enem

Se você pensou que escolástica surgiu por causa da escola, acertou! Vamos saber por quê? Ainda no século VIII, Carlos Magno, rei dos francos, foi coroado como imperador do Ocidente pelo papa Leão III. Carlos Magno, portanto, organizou o ensino e fundou escolas ligadas as instituições católicas. Com isso, a cultura grego-romana, até então guardada nos mosteiros, voltou a ser divulgada, passando a ter influencia nas reflexões da época.

Ao adotar nessas primeiras escolas uma educação romana, começaram a ensinar matérias como trivium e quadrivium. São palavras latinas que significa três e quatro.

 TRIVIUM: ensinavam-se três disciplinas: gramática, retórica e dialética.
 QUADRIVIUM: ensinavam-se quatro disciplinas: geometria, aritmética, astronomia e música.

No período da escolástica, mas precisamente no século XII, o aristotelismo penetrou de forma profunda no pensamento da época, ocorrendo descobertas de várias obras de Aristóteles desconhecidas até então.

Um dos grandes representantes dessa época é Tomás de Aquino. A filosofia tomista como ficou conhecida, tinha como objetivo não contrariar a fé, pois sua finalidade era organizar um conjunto de argumentos para demonstrar e defender as revelações do cristianismo. Neste sentido, o pensamento de Aristóteles, como citado acima, foi muito importante para Santo Tomás de Aquino.

Dica 2: Quer conhecer um pouco mas da vida de Santo Tomás de Aquino e seu pensamento? Então dê um click neste link:

Filosofia: Tomás de Aquino e a prova da existência de Deus. Cai no vestibular e no Enem,

Tomás que Aquino dividiu a metafísica em duas partes ao introduzir uma distinção entre ser e essência. Para ele existe o ser em geral e o ser pleno que é Deus. De acordo com essa distinção, o único ser realmente pleno, no qual o ser e a essência se identificam, é Deus.

Dentro da teoria de ato e potência de Aristóteles, onde ato é aquilo que o ser é e potência aquilo que ele pode vir a ser, por exemplo, uma semente em ato é uma semente, mas em potencia é uma árvore, para Tomás de Aquino Deus é ato puro, não há o que realizar ou atualizar em Deus.

Seguindo esta linha de pensamento, Tomás de Aquino prova a existência de Deus no seu livro chamado Suma Teológica, partindo dos princípios aristotélicos:

Primeiro motor: tudo que move é movido por outro ser, que é Deus, pois Deus é o primeiro motor de tudo.

A causa eficiente: tudo que existe é efeito de alguma coisa. Então é necessário chegar a uma primeira causa eficiente, responsável por tudo. Esta causa é Deus.

Ser necessário e ser contingente: é preciso admitir que há um ser que sempre existiu, um ser absolutamente necessário, que não tenha fora de si a causa de sua existência, que seja a causa de todos os seres contingentes. Esse ser necessário é Deus.

Graus de perfeição: existem graus de perfeição, existe, portanto, um ser máximo de bondade, de beleza, de poder, de verdade, sendo um ser pleno. Esse ser é Deus.

A finalidade do ser: todas as coisas têm sua finalidade. Existe um ser inteligente, portanto, que dirige todas as coisas da natureza para cumprirem seu objetivo. Esse ser é Deus.

Resumo

A escolástica foi um período onde se criou as escolas e universidades que eram ligadas a Igreja Católica. A preocupação deste período foi à conciliação entre fé e razão.

Tendo como grande expoente Sato Tomás de Aquino com uma filosofia aristotélica.

Aprofunde sua revisão deste conteúdo assistindo um vídeo que selecionamos para você:


Referência

COTRIM, Gilberto; FERNANDES, Mirna. Fundamentos da Filosofia. 1. Ed. – São Paulo: Saraiva, 2010;

Chegou a sua vez. Resolva essas questões de vestibulares e se prepare para o Enem:

1. (Enem 2015) Ora, em todas as coisas ordenadas a algum fim, é preciso haver algum dirigente, pelo qual se atinja diretamente o devido fim. Com efeito, um navio, que se move para diversos lados pelo impulso dos ventos contrários, não chegaria ao fim de destino, se por indústria do piloto não fosse dirigido ao porto; ora, tem o homem um fim, para o qual se ordenam toda a sua vida e ação. Acontece, porém, agirem os homens de modos diversos em vista do fim, o que a própria diversidade dos esforços e ações humanas comprova. Portanto, precisa o homem de um dirigente para o fim.

AQUINO. T. Do reino ou do governo dos homens: ao rei do Chipre. Escritos políticos de São Tomás de Aquino. Petrópolis: Vozes, 1995 (adaptado).

No trecho citado, Tomás de Aquino justifica a monarquia como o regime de governo capaz de

a) refrear os movimentos religiosos contestatórios.
b) promover a atuação da sociedade civil na vida política.
c) unir a sociedade tendo em vista a realização do bem comum.
d) reformar a religião por meio do retorno à tradição helenística.
e) dissociar a relação política entre os poderes temporal e espiritual.

2. (Espm 2014) Seu principal objetivo era demonstrar, por um raciocínio lógico formal, a autenticidade dos dogmas cristãos. A filosofia devia desempenhar um papel auxiliar na realização deste objetivo. Por isso a tese de que a filosofia está a serviço da teologia.

(Antonio Carlos Wolkmer – Introdução à História do Pensamento Político)

O texto deve ser relacionado com:

a) a filosofia epicurista.
b) a filosofia escolástica.
c) a filosofia iluminista.
d) o socialismo.
e) o positivismo.

3. (Ufu 2013) Com efeito, existem a respeito de Deus verdades que ultrapassam totalmente as capacidades da razão humana. Uma delas é, por exemplo, que Deus é trino e uno. Ao contrário, existem verdades que podem ser atingidas pela razão: por exemplo, que Deus existe, que há um só Deus etc.

AQUINO, Tomás de. Súmula contra os Gentios. Capítulo Terceiro: A possibilidade de descobrir a verdade divina. Tradução de Luiz João Baraúna. São Paulo: Abril Cultural, 1979, p. 61.

Para São Tomás de Aquino, a existência de Deus se prova

a) por meios metafísicos, resultantes de investigação intelectual.
b) por meio do movimento que existe no Universo, na medida em que todo movimento deve ter causa exterior ao ser que está em movimento.
c) apenas pela fé, a razão é mero instrumento acessório e dispensável.
d) apenas como exercício retórico.

4. (Ufu 2012) A teologia natural, segundo Tomás de Aquino (1225-1274), é uma parte da filosofia, é a parte que ele elaborou mais profundamente em sua obra e na qual ele se manifesta como um gênio verdadeiramente original. Se se trata de física, de fisiologia ou dos meteoros, Tomás é simplesmente aluno de Aristóteles, mas se se trata de Deus, da origem das coisas e de seu retorno ao Criador, Tomás é ele mesmo. Ele sabe, pela fé, para que limite se dirige, contudo, só progride graças aos recursos da razão.

GILSON, Etienne. A Filosofia na Idade Média, São Paulo: Martins Fontes, 1995, p. 657.

De acordo com o texto acima, é correto afirmar que

a) a obra de Tomás de Aquino é uma mera repetição da obra de Aristóteles.
b) Tomás parte da revelação divina (Bíblia) para entender a natureza das coisas.
c) as verdades reveladas não podem de forma alguma ser compreendidas pela razão humana.
d) é necessário procurar a concordância entre razão e fé, apesar da distinção entre ambas.

5. (Ufu 2011) Considere o seguinte texto sobre Tomás de Aquino (1226-1274).
Fique claro que Tomás não aristoteliza o cristianismo, mas cristianiza Aristóteles. Fique claro que ele nunca pensou que, com a razão se pudesse entender tudo; não, ele continuou acreditando que tudo se compreende pela fé: só quis dizer que a fé não estava em desacordo com a razão, e que, portanto, era possível dar-se ao luxo de raciocinar, saindo do universo da alucinação.
Eco, Umberto. “Elogio de santo Tomás de Aquino”. In: Viagem na irrealidade cotidiana, p.339.

É correto afirmar, segundo esse texto, que:

a) Tomás de Aquino, com a ajuda da filosofia de Aristóteles, conseguiu uma prova científica para as certezas da fé, por exemplo, a existência de Deus.
b) Tomás de Aquino se empenha em mostrar os erros da filosofia de Aristóteles para mostrar que esta filosofia é incompatível com a doutrina cristã.
c) o estudo da filosofia de Aristóteles levou Tomás de Aquino a rejeitar as verdades da fé cristã que não fossem compatíveis com a razão natural.
d) a atitude de Tomás de Aquino diante da filosofia de Aristóteles é de conciliação desta filosofia com as certezas da fé cristã.

Respostas:

1: c; 2: b; 3: b; 4: d; 5:d

Post escrito por Gilson Luiz Corrêa. Gilson é bacharel em Filosofia pela UNISUL, possui Licenciatura em Filosofia pela UFSC e em Psicopedagogia pela FMP. É professor do Colégio Catarinense. Facebook: https://www.facebook.com/gilsonluiz.correa