Faltam:
para o ENEM

Projeções Cartográficas Cilíndricas: Os Mapas do Globo Terrestre

Revise as projeções cartográficas e as diferentes formas de representar a Terra para gabaritar as questões de Geografia no Enem!

Geografia Enem: Desde que a humanidade desenvolveu a capacidade de se deslocar pelo planeta Terra, há a necessidade de representar a superfície terrestre com alguma precisão. Mesmo com toda tecnologia disponível atualmente, alguns problemas não foram totalmente solucionados no sentido de se ter mapas fiéis à realidade.

Estudos afirmam que os primeiros mapas produzidos datam de 600 A.C. Feitos de argila e contando apenas com dois oceanos e sete ilhas dispersas, as próprias dimensões do mundo eram absolutamente desconhecidas.

1

Hoje, tem-se muito mais conhecimento sobre a superfície terrestre através da Cartografia. São muitas as formas de se reproduzir a Terra através das Projeções Cartográficas. Acompanhe essa revisão para você mapear suas dúvidas e obter um ótimo desempenho em Geografia no Enem!

A tecnologia é uma conquista da humanidade que afetou e veio a incrementar todas áreas do conhecimento. A Cartografia, cujos produtos mais populares são os mapas, é a ciência de representar a superfície terrestre graficamente e não ficou alheia à evolução tecnológica.

A integração entre os conhecimentos adquiridos em outras ciências proporcionaram grande melhorias nos mapas. E diversas formas diferentes foram criadas para representar a superfície terrestre.

Mas, como os mapas são feitos?

A principal tarefa do cartógrafo na confecção de um mapa é de transformar uma realidade tridimensional (3D) para uma representação gráfica bidimensional (2D).

Para visualizar a dificuldade desse processo, imagine que se coloque uma lâmpada no interior de um globo terrestre envolto a um cilindro de papel. A imagem projetada nesse papel seria o mapa a ser produzido. Essa é a projeção cartográfica cilíndrica. Observe a figura a seguir:

Projeção Cilíndrica

2
Fonte:https://marcosbau.files.wordpress.com/2011/01/projecao-cilindrica.jpg

Projeção Cilíndrica: Imagem ilustrativa da projeção cilíndrica em que se evidencia as distorções geradas por essa forma de representação gráfica da superfície terrestre

 

Observe que nem todo globo encosta no papel. As áreas que não estão encostando no cilindro ficam maiores que a proporcionalidade real. Esse fenômeno é chamado de distorção. Observa-se que quanto maior for o afastamento do cilindro, maior será a distorção produzida. No caso da figura acima, a região polar é que apresenta maiores distorções, tornando-se superdimensionadas.

Para você ter uma ideia do que estou falando, observe a Groenlândia. A área total dessa grande ilha é aproximadamente 4 vezes menor que a dimensão territorial do Brasil. No entanto, é flagrante a distorção da Groenlândia que aparece muito maior que o Brasil no mapa.

Pode-se deduzir, portanto, que as distorções nessa projeção são diretamente proporcionais à latitude; quanto maior a latitude, maiores as distorções.

Mas, afinal, por que é usada essa Projeção então?

A grande vantagem da Projeção de Mercator é que ela preserva a forma dos continentes. Por essa característica, é chamada de projeção conforme. Como mantém os ângulos e, portanto, o contorno dos continentes, é utilizada para orientação de navegações marítimas.

Além dessa característica, Gerard Mercator (1512-1594), grande matemático e cartógrafo, criou o padrão de visualização da superfície terrestre com a Europa no centro do mapa. Tal aspecto, denominado Eurocentrismo, foi e ainda é posto em questão por privilegiar os países desenvolvidos, inclusive no aspecto das dimensões desses.

Essa é única forma de se produzir mapas mundi?

Para tentar atenuar as enormes distorções produzidas pela de Mercator, criou-se a  projeção cilíndrica de Robinson que é uma combinação entre projeções cartográficas. A ideia é realmente diminuir as distorções de ângulos e de áreas. Os atlas escolares e mapas mundi, em geral, são produzidos atualmente através da projeção de Robinson.

Como crítica ao Eurocentrismo e também como forma de representar o mundo de modo diferente, foi criada, no século XX, a Projeção de Peters. O cartógrafo alemão Arno Peters (1916-2002) privilegiou às dimensões dos continentes, criando uma projeção equivalente, em que a proporcionalidade é preservada, mas as formas e ângulos são distorcidos.

 

Distorções geradas pela projeção de Mercator

3
Fonte: http://2.bp.blogspot.com/-ceeXrx3lyZ4/UJet-m9r3wI/AAAAAAAABNo/FUzblYM29mg/s1600/Proje%C3%A7%C3%A3o+cilindrica+com+distor%C3%A7%C3%A3o.jpg

Distorções geradas pela projeção de Mercator: Ilustração do mecanismo de produção de um mapa mundi através da projeção de Mercator, onde as áreas com maior e menor distorção são destacadas por cores

Verde: Baixa distorção (baixas latitudes)

Amarelo: Média distorção (médias latitudes)

Vermelho: Alta distorção (altas latitudes)

Comparação entre a Projeção de Mercator e de Peters

4
Fonte: http://i.imgur.com/7YFteui.jpg

Comparação entre a Projeção de Mercator e de Peters: Mapa mundi com efeito comparativo entre as áreas dos continentes nas projeções de Mercator (em azul) e de Peters (em verde)

Aula Gratuita

Então, agora que você já como os mapas mundi são feitos que tal finalizar sua revisão vendo uma super videoaula? Geografia – Projeções Cartográficas I: Mercator e Peters

Agora, que tal você testar seus conhecimentos?

1 – (FUVEST/SP – 1999) Toda representação da superfície terrestre sobre o plano – mapa – contém distorções. É, pois, necessário escolher adequadamente a projeção cartográfica em função do tema a ser representado.

Assim, indique a relação correta entre os temas e as projeções que se seguem:

 

I. Navegação marítima.

II. Áreas de ocorrência da floresta tropical e da taiga.

III. Regiões agricultáveis e desérticas.

Projeção de Peters             Projeção de Mercator

a) I                                              II e III

b) II                                            I e III

c) I e II                                        III

d) I e III                                      II

e) II e III                                     I

 

2 – (UNIRIO/RJ – 2002) Em 1569, o cartógrafo Gerhard Mercator propôs a projeção do globo que se tornou a mais difundida até hoje – a projeção de Mercator.

Do ponto de vista ideológico, a concepção desse planisfério traduz uma visão particular da realidade que se caracteriza pela:

a) centralização do mapa no continente europeu

b) inexatidão no contorno das formas dos continentes

c) falta de proporção na representação do continente africano

d) deformidade das áreas mais próximas aos pólos

e) inversão na posição dos hemisférios

 

GABARITO:   1 – E;  2 – A

Post escrito por Douglas de Barros Oliveira. Douglas é professor de Geografia, formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, com 12 anos de experiência na docência e especialista em tecnologia na aprendizagem.