Faltam:
para o ENEM

Pronomes e elementos de coesão – Gramática Enem

Estude sobre os Pronomes e suas funções para a coesão textual em mais uma aula de Gramática Enem e fique preparado para o dia da prova

Pronomes e elementos de coesão

Pronome

Gramática Enem

A palavra “ela”, na última tirinha, corresponde a qual substantivo mencionado? Note que “ela” reporta-se à expressão “minha mina” e substitui essa expressão. Agora, observe as palavras “minha” e “meu” que acompanham os termos “mina” e “bafo”. O que as palavras (minha/ meu) acrescentam ao sentido dos termos? Adicionam à mina e ao bafo o sentido de posse, ou seja, indica de quem é a mina e de quem é o bafo.

Observando as duas análises acima, percebemos que o termo “ela” está empregado no lugar do substantivo “mina”. No segundo, os termos “minha” e “meu” acompanham o substantivo mina e bafo.

Esses termos que substituem ou acompanham o substantivo, chamamos pronome. Quando os pronomes são empregados para substituí-lo ou para referir-se a ele, temos pronome substantivo; quando está acompanhando-o a fim de caracterizá-lo ou determiná-lo, dizemos que são pronomes adjetivos.

Pronome: uma ferramenta essencial

O estudo dos pronomes é fundamental a quem pretende interpretar bem e escrever com coesão textual. O importante não é memorizar uma lista gigantesca de pronomes, mas saber como empregá-los no texto e de que forma serão úteis à minha compreensão e interpretação textual. Ao longo das explicações, focalizaremos a lista de pronomes e como devem ser usados.

Os pronomes classificam-se em seis grupos: pessoais, possessivos, demonstrativos, relativos, indefinidos e interrogativos.

Pronomes pessoais

Quero te encontrar

Quando você vem

Pra passar o fim de semana

Eu finjo que tá tudo bem

Mesmo dura ou com grana

Você ignora tudo que eu faço

Depois vai embora

Desatando os nossos laços

Quero te encontrar

Quero te amar

Você pra mim é tudo

Minha terra, meu céu, meu mar

(Buchecha)

Pronomes pessoais designam as pessoas que participam do discurso. Na letra de música acima, temos eu e você os quais indicam quem fala: eu; e a quem se dirige: você. Além desses, encontramos também outros dois: te e mim que se referem, nesta ordem, à segunda pessoa (tu) e à primeira (eu).

Dividimos os pronomes pessoais de acordo com a função que eles exercem na frase. Os pessoais do caso reto assumem a função de sujeito e do caso oblíquo, de complemento.

Dica 1 – Revise sobre a Classificação do Verbos em mais uma aula de Gramática Enem e fique preparado para o dia das provas – https://blogdoenem.com.br/classificacao-dos-verbos-gramatica-enem/

Pessoais do caso reto

No ato da comunicação, três pessoas do discurso estão envolvidas: o emissor (quem fala ou escreve – 1ª pessoa); o receptor (com que se fala ou a quem se dirige – 2ª pessoa); assunto (de quem ou de que se fala – 3ª pessoa).

 

Singular

Plural

Primeira pessoa

eu

nós

Segunda pessoa

tu

vós

Terceira pessoa

ele/ela

eles/elas

Pessoais do caso oblíquo

No verso Quero te encontrar, o pronome te diz respeito à pessoa com quem o emissor fala. Os pronomes oblíquos se referem às pessoas do discurso e são usados para complementar verbos ou nomes. Dividem-se em oblíquos átonos e tônicos. O primeiro não exige antes dele a preposição, já os tônicos são precedidos de preposição.

Oblíquos átonos

 

Singular

Plural

Primeira pessoa

me

nós

Segunda pessoa

te

vós

Terceira pessoa

o, a, se, lhe

os, as, se, lhes

Oblíquos tônicos

 

Singular

Plural

Primeira pessoa

mim

nós

Segunda pessoa

ti

vós

Terceira pessoa

ele, ela, si

eles, elas, si

Observação: A combinação da preposição “com” com alguns pronomes deu origem às formas comigo, contigo, consigo, conosco, convosco.

Emprego dos pronomes pessoais

eu, tu, ele, ela, nós, vós, eles, elas

Os pronomes pessoais retos exercem a função de sujeito na oração. Veja na frase abaixo quem finge está tudo bem.

Eu finjo que está tudo bem

Tu finges que está tudo bem

Ele finge que está tudo bem

Nós fingimos que está tudo bem

Vós fingis que está tudo bem

Eles fingem que está tudo bem

o, os, a, as

Os pronomes oblíquos átonos mencionados acima desempenham a função de complementos verbais não-preposicionados. Em razão disso, não podemos formar frases do tipo Encontrei ele na escola, portanto, devemos substituir o pronome ele por um oblíquo átono correspondente: o. Veja a substituição: Encontrei-o na escola.

Observação:

a) Caso o verbo termine em z ou r, os pronomes alteram-se para lo, los, la, las.

Pediram para ajudar o garoto.

Pediram para ajudá-lo.

Pediram para ajudar a garota.

Pediram para ajudá-la.

Pediram para ajudar os garotos.

Pediram para ajudá-los.

Pediram para ajudar as garotas.

Pediram para ajudá-las.

Ajudamos as garotas.

Ajudamo-las

Ajudamos os garotos.

Ajudamo-los.

Ajudamos o garoto.

Ajudamo-lo.

Ajudamos a garota.

Ajudamo-la.

Fez a prova.

Fê-la.

Fez o exercício.

Fê-lo.

Fez as tarefas.

Fê-las.

Fez os exercícios.

Fê-los.

b) Se o verbo terminar em som nasal (-am, -em, -ão, -õe), os pronomes tomam as formas no, na, nos, nas.

Meus pais compraram uma casa.

Meus pais compraram-na.

Por favor, encontrem minha gatinha!

Por favor, encontrem-na!

Dão esmolas ao senhor da praça.

Dão-nas ao senhor da praça.

Põe os tijolos logo ali.

Põe-nos logo ali.

 

lhe, lhes

Os pronomes oblíquos acima se ligam a complementos verbais que exigem preposição. Além disso, são pronomes que substituem os termos a ele, a eles, a ela, a elas, a você, a vocês.

me, nos, te, vos

Esses pronomes são empregados também como complementos verbais que exigem ou não preposição.

Quero te encontrar/ Quero te amar (o pronome te complementa os verbos encontrar e amar, que não solicita preposição: encontrar alguém e amar alguém)

O filho te obedeceu. (o pronome te complementa o verbo obedecer, que solicita preposição: obedecer a alguém)

Veja outros exemplos:

Tu me ouviste com atenção.

O professor nos convidou para um jantar.

O Senhor Deus, vos espera.

Afinal, quem faz alguma coisa: mim ou eu?

Você já deve ter escutado a expressão que mim não faz nada. Sabe por quê? O pronome mim não apresenta a função sintática de sujeito da oração. Somente sujeito é o agente da oração. O pronome mim nunca é empregado como sujeito e está sempre precedido de uma preposição. Já o pronome eu é utilizado como sujeito.

Na letra de música Você pra mim é tudo, usamos o oblíquo mim, pois não tem função de sujeito e, além disso, está precedido da preposição coloquial pra. Veja outros exemplos:.

Para eu caminhar na praia preciso comprar um novo tênis.

Minha amiga fez um belo discurso para eu ler na formatura.

Preciso comprar um tênis para mim.

Minha amiga fez um belo discurso para mim.

Para mim, você foi tudo.

 

Observação

Cuidado, nem sempre antes de verbo no infinitivo usa-se o pronome eu. É importante compreender o motivo pelo qual usamos o pronome eu e o mim.

É importante para mim falar ainda hoje com você.

Só se emprega o pronome eu se for sujeito do verbo no infinitivo. Observe que nessa situação isso não ocorre, porque temos um sujeito oracional, ou seja, a oração falar ainda hoje com você está funcionando como sujeito do verbo é. Para descobrir isso, faça a seguinte pergunta: O que é importante? A resposta constitui o sujeito: Falar ainda hoje com você. O que se tem na verdade é uma oração na ordem inversa. Veja essa oração na ordem direta: Falar ainda hoje com você é importante para mim.

Dica 2 – Relembre sobre Poesia Concreta em mais esta aula preparatória para Literatura Enem. O Exame Nacional do Ensino Médio está quase chegando, estude conosco! – https://blogdoenem.com.br/poesia-concreta-literatura-enem/

É certo entre eu e tu ou entre mim e ti?

Qual expressão você escolheria para falar? Não existe mais nada entre eu e tu ou não existe mais nada entre mim e ti. Se você escolheu a segunda frase, então acertou.

Com nós, com vós, conosco, convosco

As formas com nós e com vós só são empregadas quando os pronomes seguem vocábulos do tipo todos, mesmos, próprios, outros, ambos e qualquer numeral. Caso não tenha nenhuma palavra que os determine, usamos as formas combinadas conosco e convosco.

Falará amanhã sem falta com nós mesmos.

Falará amanhã sem falta conosco.

Viajava com vós outros.

Viajava convosco.

Pronome de tratamento

Quando escrevemos uma carta – seja oficial seja comercial – uma petição, um convite; quando nos dirigimos ou nos referimos a uma autoridade em um tribunal de justiça ou simplesmente num evento social, perguntamo-nos que pronome de tratamento devemos empregar.

Antes de saber como usar os pronomes, temos que compreender o que estas formas de tratamento representam no nosso cotidiano. Elas expressam hierarquia, subordinação, distanciamento, desejo de ser agradável e respeitoso com o interlocutor. Excluindo o pronome de tratamento você(s), o qual é utilizado no trato informal e íntimo, os demais são empregados na convivência formal e respeitosa.

Pronomes de tratamento constituem expressões ou palavras que tem o valor de pronomes pessoais. Embora correspondam à segunda pessoa do discurso, os verbos apresentam-se em terceira.

Vossa Excelência fará seu discurso de abertura às 20h e 30min.

Vossa Excelência = segunda pessoa do discurso

Fará = verbo na terceira pessoa

Seu = pronome referente à terceira pessoa

Há três maneiras de aplicarmos os pronomes de tratamentos:

• no trato direto, quando falamos pessoalmente com a autoridade. Note no exemplo o uso do termo vossa.

Vossa Magnificência autorizou os pedidos dos cursos de Direito e Odontologia?

• no trato indireto, quando falamos a alguém a respeito da autoridade. Atenção ao termo sua.

Carlos, Sua Magnificência autorizou os pedidos dos cursos de Direito e Odontologia, favor, encaminhá-los.

• no endereçamento, usamos o vocativo correspondente, indicando cargo ou função ocupada pelo destinatário.

Magnífico Reitor é o vocativo referente à forma de tratamento Vossa Magnificência.

Pronome de tratamento

Abreviatura

Empregado para

Vocativo

Vossa Excelência

V. Ex.ª

 

Altas autoridades do governo e oficiais generais das Forças Armadas

Excelentíssimo Senhor (seguido do cargo respectivo, para Presidente da República, Presidente do Congresso Nacional e Presidente do Supremo Tribunal Federal)

Senhor (seguido do cargo, para as demais autoridades)

Vossa Senhoria

V. S.a

Funcionários públicos graduados, organizações comerciais e industriais e particulares em geral

Ilustríssimo Senhor ou Senhor (seguido do nome)

Vossa Magnificência

V. Mag.a

Reitores de universidades

Magnífico Reitor

Vossa Santidade

V. S.

Papa

Santíssimo Padre ou Beatíssimo Padre

Vossa Alteza

V. A.

Príncipes, princesas, duques

A Sua Alteza, Príncipe… (ou Princesa)

Vossa Majestade

V. M.

Imperadores, rainha, reis

A Sua Majestade, Rei ….(ou Rainha)

Vossa Eminência

V. Em.a

Cardeais

Eminentíssimo Senhor Cardeal

Vossa Excelência Reverendíssima

V. Ex.a Rev.ma

Bispos e arcebispos

Excelentíssimo ou Reverendíssimo Senhor Bispo ou arcebispo

Vossa Reverência

V. Rev.a

Sacerdotes, cléricos e demais religiosos

Reverendo(a) Padre (Madre)

Uniformidade de tratamento

Voltando a letra de música Quero te encontrar, você percebe alguma incorreção gramatical? Para lembrar alguns versos:

(…) Você ignora tudo que eu faço

Depois vai embora

Desatando os nossos laços

Quero te encontrar

Quero te amar

Você pra mim é tudo

Então, após a leitura, conseguiu identificar o erro? Devemos empregar os pronomes de forma uniforme, isto quer dizer que pronomes e verbos devem ter identidade entre si, harmonia entre as partes, não podem ser misturados. Se você iniciar um texto com pronome de segunda pessoa tu, os verbos e os pronomes mantêm a pessoa tu. Isso não ocorre nos versos da letra de música. O poeta optou inicialmente pelo termo você, todavia não manteve a uniformidade do pronome, utilizando o pronome te. Veja as possibilidades de correção.

(…) Você ignora tudo que eu faço

Depois vai embora

Desatando os nossos laços

Quero o encontrar (Quero encontrá-lo)

Quero o amar (Quero amá-lo)

Você pra mim é tudo

Ou

(…) Tu ignoras tudo que eu faço

Depois vais embora

Desatando os nossos laços

Quero te encontrar

Quero te amar

Tu pra mim és tudo

Ressaltamos que o poeta vale-se da transgressão à regra em prol da melodia.

Saiba mais sobre os Pronomes nesta series de aulas do canal GramáticaemVídeo, disponível no Youtube. Após assistir, revise o que você aprendeu respondendo aos nossos desafios!

Desafios

Questão 1

Na linguagem coloquial, ouvimos expressões do tipo Vi ele no cinema. O emprego correto é Vi-o no cinema. Temos muitas outras situações que escutamos diariamente. A seguir, apresentamos orações para que sejam corrigidas e justificadas de acordo com a norma padrão da língua portuguesa.

a) Por gentileza, você pode fazer um pouco de silêncio para mim estudar.

b) Encontrei ele na festa de quinze anos de Aninha.

c) Cantei pra ti dormir.

d) Trouxe ela para dar uma força pra gente.

Dica 3 – Saiba tudo sobre João Cabral de Melo Neto em mais esta aula de revisão para Literatura Enem. Estude com a gente para o Exame Nacional do Ensino Médio! – https://blogdoenem.com.br/joao-cabral-de-melo-neto-literatura-enem/

Questão 2

Complete as lacunas com os pronomes com os pronomes sugeridos entre parênteses.

a) Emprestou-me a mala para _________ viajar. (eu/ mim)

b) Quem explicou a matéria para_________(tu/ ti)

c) É bom para _________ falar que te amo. (tu/ ti)

d) Nós convidamos todos para sair _________ (com nós/ conosco)

e) É difícil para ______ aceitar as críticas. (tu/ ti)

f) Ocorreram muitos desentendimentos entre _________ e você. (eu/ mim)

g) Meu irmão sempre viveu _________ três. (com nós/ conosco)

h) Justificou na aula sua ausência para _________. (eu/ mim)

i) Quero falar _________ para te expressar minha tristeza. (contigo/ com você)

j) Tomou as dores para …… (si/ consigo)

k) Sem ________ consentir, ninguém irá para o recreio. (eu/ mim)

l) Sem _______ eles não farão o teste de volante. (eu/ mim)

m) Para _________, trabalhar à noite é um desconforto. (eu/ mim)

n) Mostrou-___ revoltado com o ocorrido. (se/ si)

o) Ela conseguiu encontrar um livro para _____ leres. (tu/ ti)

p) Todos da sala se voltaram contra _________ e o inspetor. (eu/ mim)

Questão 3

Nas frases abaixo, todas conhecidas nos veículos de comunicação, encontramos erros quanto à uniformidade de tratamento. Faça as correções necessárias, reescrevendo-as.

a) Vem pra Caixa você também.

b) Vai que é sua Tafarel.

c) Se você não se cuidar, a Aids vai te pegar.

d) Se você pensa que vai fazer de mim, o que faz com todo mundo que te ama (…)

Questão 4

Complete as frases a seguir com a forma pronominal adequada entre parêntese.

a) Carlos, querem falar ________. (com você/ consigo)

b) Se V. Exa consentir, indicaremos ________ nome para paraninfo da turma. (seu/ vosso)

c) Nós dois vamos com o professor: o professor vai ________ dois. (com nós/ conosco)

d) Você ______ alegra com minha presença. (te/ se)

Questão 5

(UFV – MG) Das alternativas abaixo, apenas uma preenche de modo correto as lacunas das frases. Assinale-a.

• Quando saíres, avisa-nos, que iremos ________ .

• Meu pai deu um livro para ________ ler.

• Não se ponha entre ______ e ela.

• Mandou um recado para _______ e você.

a) contigo, eu, eu, eu

b) com você, mim, mim, mim

c) consigo, mim, mim, eu

d)consigo, eu, eu, mim

e) contigo, eu, mim,mim

 

Você consegue resolver estes exercícios? Então resolva e coloque um comentário no post, logo abaixo, explicando o seu raciocínio e apontando a alternativa correta para cada questão. Quem compartilha a resolução de um exercício ganha em dobro: ensina e aprende ao mesmo tempo. Ensinar é uma das melhores formas de aprender!

compartilhe