Faltam:
para o ENEM

Homem, um animal político? Revise Aristóteles! Filosofia Enem

Aristóteles foi um dos maiores filósofos de todos os tempos. Revise uma de suas principais ideias para gabaritar as questões de Filosofia no Enem!

Aristóteles, assim como seu mestre Platão, também desenvolveu uma teoria política, não se atendo tanto a forma de ideal que a Polis deveria ter, mas sim em que consiste fazer política e quem seriam os verdadeiros políticos de seu tempo.

Mas, afinal o que é a política? Quem são os verdadeiros políticos para Aristóteles? Vamos entender um pouco?

É muito comum associarmos a política ao poder, porém, nem sempre foi assim… Vejamos o que Aristóteles tem a dizer sobre isso.

1  2

Para começar, o discípulo de Platão afirma que somos seres políticos por natureza!

Você deve estar se perguntando: “mas, o que isso significa?”

Antes de mais nada: você sabe qual o significado de Polis? E de política? E político?

Em grego a palavra polis significa cidade, assim como seu plural poleis, significa cidades. A palavra polis está presente no nome de algumas cidades como Florianópolis – que significa “Cidade de Floriano”, e “Anitápolis – “Cidade de Anita”, ambas no Estado de Santa Catarina.

Mas, na prática, o que é polis? Polis é a Cidade, entendida como a comunidade organizada, formada pelos cidadãos (do grego “politikos”), isto é, pelos homens nascidos no solo da Cidade, livres e iguais ( crianças, mulheres, metecos e os escravos não eram considerados cidadãos – nem tudo era perfeito).

Já a palavra política tem origem no grego “ta politika”, que por sua vez, deriva da palavra grega “polis”. Tal palavra (politika) era usada para se referir aos assuntos relacionados a polis (Cidade-estado) e à vida em coletividade.

Para não restar dúvidas!

Polis= Cidade

Política= ações referentes à vida em sociedade

Políticos= TODOS OS CIDADÃOS( no século XXI)

Dica 1: Para conhecer um pouco mais sobre Aristóteles dê uma espiadinha em: https://blogdoenem.com.br/aristoteles-e-a-metafisica-filosofia-enem/
Dica 2: Para saber mais sobre a teoria da felicidade e do meio termo de Aristóteles leia também: https://blogdoenem.com.br/filosofia-enem-felicidade-aristoteles/

SOMOS TODOS ANIMAIS POLÍTICOS!

Quando Aristóteles afirma que ”o homem é um ser político por natureza”, ele quer dizer que por natureza temos necessidade de viver em sociedade e que precisamos desse convívio. E, por reconhecer essa necessidade, cada cidadão deve se responsabilizar pela Polis.

Em sua obra “Política”, Aristóteles afirma que: “A polis faz parte das coisas naturais e que o homem é por natureza um animal político. A política, ou melhor a ação política, que significa “ação que visa o bem comum” é e pode ser prática por todos os cidadãos, ou melhor os políticos ( filhos da Polis).

Para Aristóteles a felicidade plena do ser humano só é alcançada em sociedade, pois o homem é um ser político por essência. Sendo assim, a política como Aristóteles a concebe está estritamente ligada à moral.

É importante lembrar, que a sociedade tem um papel muito importante no desenvolvimento intelectual e moral dos seus cidadãos.

Dica 3: Leia um pouco mais sobre socialização em: https://blogdoenem.com.br/individuo-sociedade-socializacao-sociologia-enem/
Para entender mais sobre o conceito de animal político, veja o vídeo a seguir:

Que tal testar seus conhecimentos agora?

Questão 1 – Segundo Aristóteles, “na cidade com o melhor conjunto de normas e naquela dotada de homens absolutamente justos, os cidadãos não devem viver uma vida de trabalho trivial ou de negócios — esses tipos de vida são desprezíveis e incompatíveis com as qualidades morais —, tampouco devem ser agricultores os aspirantes à cidadania, pois o lazer é indispensável ao desenvolvimento das qualidades morais e à prática das atividades políticas”.

VAN ACKER, T. Grécia. A vida cotidiana na cidade-Estado. São Paulo: Atual, 1994.

O trecho, retirado da obra Política, de Aristóteles, permite compreender que a cidadania:

A) possui uma dimensão histórica que deve ser criticada, pois é condenável que os políticos de qualquer época fiquem entregues à ociosidade, enquanto o resto dos cidadãos tem de trabalhar.

B) era entendida como uma dignidade própria dos grupos sociais superiores, fruto de uma concepção política profundamente hierarquizada da sociedade.

C) estava vinculada, na Grécia Antiga, a uma percepção política democrática, que levava todos os habitantes da pólis a participarem da vida cívica.

D) tinha profundas conexões com a justiça, razão pela qual o tempo livre dos cidadãos deveria ser dedicado às atividades vinculadas aos tribunais.

E) vivida pelos atenienses era, de fato, restrita àqueles que se dedicavam à política e que tinham tempo para resolver os problemas da cidade.

 

Questão 2 – Compreende-se assim o alcance de uma reivindicação que surge desde o nascimento da cidade na Grécia antiga: a redação das leis. Ao escrevê-las, não se faz mais que assegurar-lhes permanência e rigidez. As leis tornam-se bem comum, regra geral, suscetível de ser aplicada a todos da mesma maneira. VERNANT, J. P. As origens do pensamento grego. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1992 (adaptado).

Para o autor, a reivindicação atendida na Grécia antiga, ainda vigente no mundo contemporâneo, buscava garantir o seguinte princípio:

A) Isonomia — igualdade de tratamento aos cidadãos.

B) Transparência — acesso às informações governamentais.

C) Tripartição — separação entre os poderes políticos estatais.

D) Equiparação — igualdade de gênero na participação política.

E) Elegibilidade — permissão para candidatura aos cargos públicos.

 

Gabarito:

Questão 1: B

Questão 2: A

Paula Filosofia
Os textos e exemplos acima foram preparados pela professora Paula Pille para o Blog  do  Enem. Paula Pille  é  formada  em  Filosofia  pela Universidade Federal de Santa Catarina. Dá aulas de Filosofia em escolas da  Grande  Florianópolis  desde  2004.  Facebook: https://www.facebook.com/paula.pille.1.