7 de setembro: como estudar a Independência do Brasil para o Enem 

Muito além do 7 de setembro, estudar a Independência do Brasil para o Enem exige uma análise do contexto histórico que levou até esse momento e suas consequências. Revise este conteúdo no feriado!

Você sabe como estudar a Independência do Brasil para o Enem? Celebrada em 7 de setembro, trata-se de um dos eventos mais marcantes da história nacional, simbolizando a emancipação política e o surgimento de uma nova nação. 

No entanto, a abordagem desse acontecimento nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio transcende a data comemorativa. Reconhecido por sua abordagem multidisciplinar e contextualizada, o Enem busca avaliar a profunda compreensão dos candidatos sobre o tema, demandando não apenas o conhecimento do evento em si, mas também de seus precedentes e desdobramentos. 

Dessa forma, é fundamental se aprofundar no estudo do contexto histórico que culminou nesse episódio marcante, bem como nas consequências que reverberaram ao longo dos anos. 

Por isso, hoje vamos explorar a relevância de uma abordagem ampla e contextualizada da Independência do Brasil para o Enem, evidenciando a necessidade de uma visão abrangente para enfrentar com sucesso essa temática na hora da prova. 

A Independência do Brasil 

A Independência do Brasil, ocorrida em 7 de setembro de 1822, marcou um momento fundamental na história do país, rompendo os laços coloniais com Portugal e dando origem a uma nação independente. 

Esse processo, liderado por Dom Pedro I, foi resultado de uma série de eventos e tensões que vinham se acumulando ao longo dos anos. A presença da família real portuguesa no Brasil, em decorrência das Guerras Napoleônicas, alterou significativamente a dinâmica política e social no território, semeando as bases para a busca da autonomia. 

A insatisfação crescente das elites locais, combinada com as influências de movimentos independentistas em outros países da América Latina, culminou na proclamação do Grito do Ipiranga, que ecoou como um chamado à liberdade e à independência.

No entanto, a Independência do Brasil não foi um evento isolado. Para compreender plenamente seus contornos e significados, é essencial considerar os antecedentes que a permearam. 

A instabilidade política em Portugal, as crescentes demandas por autonomia e representatividade das classes dominantes brasileiras e as influências dos ideais iluministas e liberais foram fatores determinantes nesse processo. 

Além disso, a atuação de figuras proeminentes, como José Bonifácio e outros intelectuais comprometidos com a causa da independência, desempenhou um papel crucial na articulação e na viabilização desse projeto.

Dicas para estudar a Independência do Brasil para o Enem

O professor Felipe Carlos de Oliveira preparou algumas dicas importantes para estudar a Independência do Brasil para o Enem.  

Conheça o contexto histórico

Antes de mais nada, é essencial compreender que a Independência do Brasil não se resume ao Grito do Ipiranga. Por isso, inicie seu estudo situando o evento no contexto histórico mais amplo. 

No início do século XIX, o Brasil se encontrava inserido em um contexto geopolítico marcado por profundas transformações. Com a invasão das tropas napoleônicas em Portugal em 1807, a família real portuguesa se viu compelida a buscar refúgio no Brasil, sua maior colônia. 

Esse evento, conhecido como a Transferência da Corte, marcou o início de uma nova fase na história do país, uma vez que a presença da corte no Rio de Janeiro alterou substancialmente as dinâmicas políticas, econômicas e sociais locais.

Enquanto a corte portuguesa permanecia no Brasil, a metrópole europeia vivia um período de instabilidade política. As Guerras Napoleônicas e os conflitos que se seguiram na Europa provocaram a fragmentação do continente e influenciaram diretamente a situação no Brasil. 

Nesse contexto, a colônia brasileira tornou-se uma espécie de sede de poder do Império Português, com o Príncipe Regente Dom João VI assumindo o comando do vasto território e transformando o Rio de Janeiro em uma metrópole temporária.

Paralelamente, o ambiente intelectual e político no Brasil também estava em ebulição. O contato com as ideias iluministas e os ideais de liberdade e autonomia que se espalhavam pela Europa e pelas Américas influenciaram a elite intelectual brasileira. 

Além disso, o desenvolvimento econômico do Brasil, impulsionado pelo comércio internacional e pelo aumento da produção agrícola, criou uma classe de proprietários e comerciantes que ansiavam por uma maior participação política e autonomia em relação à metrópole.

Esses fatores, combinados, criaram o cenário propício para o desenrolar do processo de independência. A presença da corte no Brasil, as influências políticas e filosóficas da época, e a ascensão de uma elite local mais consciente de seus interesses foram elementos fundamentais na condução do país em direção à emancipação política e à proclamação da Independência em 1822.

Conjuração Baiana e Inconfidência Mineira

A Conjuração Baiana, em 1798, foi um exemplo claro da insatisfação das elites e do povo da Bahia com as imposições coloniais. Defendendo a autonomia do Brasil em relação a Portugal, os conspiradores baianos almejavam um sistema mais representativo e participativo, no qual a população local pudesse influenciar diretamente os rumos políticos da região. Essa conjuração evidenciou a crescente consciência política e a demanda por uma maior autonomia para o Brasil.

A Conjuração Mineira, por sua vez, ocorreu em Minas Gerais no ano de 1789. Este movimento, liderado por figuras como Tiradentes, visava não apenas a independência em relação à metrópole, mas também a instauração de uma república na região. Os insurgentes mineiros contestaram o monopólio econômico exercido por Portugal e almejavam um sistema mais inclusivo e participativo, que reconhecesse os interesses locais.

Esses dois eventos prenunciavam os ventos de mudança que culminariam, em 1822, na Independência do Brasil, marcando o início de uma nova era na história do país e o fim do domínio colonial português.

É fundamental ressaltar que, apesar de possuírem uma natureza separatista, esses movimentos não tinham a intenção de desvincular integralmente o Brasil de Portugal. Suas aspirações se restringiam à autonomia em suas respectivas áreas de atuação. 

Essas insurgências se inserem em um contexto global, permeado pelas transformações políticas catalisadas pelo movimento iluminista, que questionava as estruturas do chamado Antigo Regime. 

Tal contexto também exerceu influência em eventos como a Revolução Francesa e a Independência dos Estados Unidos, marcos de uma transição da História Moderna para a Contemporânea.

Revolução Industrial

A Revolução Industrial representou uma transformação de grande magnitude a nível global, alterando radicalmente as dinâmicas econômicas em escala mundial. Esse processo impulsionou uma pressão adicional para que as estruturas políticas e econômicas vigentes também passassem por modificações substanciais. Em paralelo, a Independência do Brasil estava em curso, situada em um contexto de intensas mudanças e transições.

O advento da Revolução Industrial, marcado pelo desenvolvimento de novas tecnologias e a consolidação de processos industriais, impôs uma profunda reconfiguração nas relações econômicas entre as nações. 

A produção em larga escala, a urbanização acelerada e a crescente interconexão entre os mercados foram alguns dos traços marcantes desse movimento. Esta transformação teve um papel preponderante em influenciar a maneira como as potências coloniais, como Portugal, interagiam com suas colônias, incluindo o Brasil.

Nesse contexto, a Independência do Brasil ganha uma nova camada de significado. A pressão gerada pelas transformações trazidas pela Revolução Industrial acabou por incidir sobre as estruturas coloniais, acelerando, em certa medida, o processo de emancipação. 

A busca por maior autonomia política e econômica, bem como a redefinição das relações comerciais, tornaram-se mais prementes diante das mudanças globais em curso.

A Revolução do Porto

A Revolução do Porto, em 1820, desencadeou um impacto significativo nas relações entre Portugal e suas colônias, incluindo o Brasil. 

Esse movimento foi motivado, em grande parte, pela insatisfação com o regime absolutista instaurado por Dom Miguel I e buscava restaurar a Constituição portuguesa de 1820. O levante provocou um abalo nas estruturas do Império Português, gerando repercussões diretas no Brasil. 

A exigência de retorno da corte para Lisboa, por parte dos revolucionários portugueses, teve implicações profundas e culminou na decisão de Dom Pedro I de permanecer no Brasil, um fato crucial para os desdobramentos subsequentes, incluindo a proclamação da Independência.

Dia do Fico

O “Dia do Fico”, em 9 de janeiro de 1822, representa um marco simbólico na trajetória rumo à Independência do Brasil. 

Esse episódio é indissociável da figura de Dom Pedro I, que, ao ser pressionado pela corte portuguesa a retornar a Portugal, recusou-se categoricamente, declarando: “Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto: diga ao povo que fico.” 

Essa atitude reforçou o compromisso de Dom Pedro I com a causa da autonomia brasileira e o estabelecimento de um governo independente. 

O “Dia do Fico” se tornou um símbolo de resistência e determinação, preparando o terreno para os acontecimentos que culminariam na proclamação da Independência em setembro do mesmo ano.

O Grito do Ipiranga

O Grito do Ipiranga, proclamado por Dom Pedro I em 7 de setembro de 1822, é um dos momentos mais emblemáticos da história do Brasil. Este episódio marcou formalmente a independência do país em relação a Portugal, culminando no fim de mais de três séculos de domínio colonial. 

Trata-se do ápice de um contexto turbulento, quando a estada da corte portuguesa no Brasil, iniciada em 1808, alterou significativamente as relações entre a colônia e a metrópole. 

Com o retorno do monarca português Dom João VI à Europa em 1821, a pressão sobre o Brasil aumentou, levando à exigência de recuo das medidas adotadas durante a permanência da corte, incluindo a abertura dos portos às nações amigas e o estabelecimento de órgãos de governo locais. Diante dessas demandas, Dom Pedro I decidiu ficar no Brasil e romper definitivamente os laços coloniais.

O Grito do Ipiranga foi, portanto, o ato simbólico que oficializou a independência. Às margens do Rio Ipiranga, em São Paulo, Dom Pedro I proclamou a separação de Portugal, declarando o Brasil como um país livre e soberano. 

Essa ação refletiu a vontade de uma nação em busca de autonomia e consolidou o papel do imperador na liderança do processo de independência. O episódio foi o ponto de partida para a construção de uma nação independente, inaugurando um novo capítulo na história do Brasil.

Como o Brasil se construiu após a Independência

Após a Independência do Brasil em 1822, o país iniciou um processo de construção e consolidação de sua identidade nacional. Esse período pós-independência foi marcado por uma série de desafios e transformações que contribuíram para a formação da nação brasileira.

Uma das questões centrais foi a necessidade de estabelecer um sistema político e administrativo sólido. Dom Pedro I, agora imperador do Brasil, enfrentou o desafio de consolidar o poder central, ao mesmo tempo em que equilibrava interesses regionais e garantia a unidade do país. 

Isso culminou na Constituição de 1824, que, apesar de centralizadora, estabeleceu os fundamentos legais para a organização política do país.

A economia também teve um papel importante nesse processo. A abolição do Pacto Colonial permitiu que o Brasil expandisse seus laços comerciais com outras nações, estimulando o desenvolvimento de setores como o cafeeiro no Sudeste e o algodoeiro no Nordeste. O crescimento econômico impulsionou a urbanização e a industrialização incipientes, sinalizando uma transição do antigo modelo agroexportador.

Outro aspecto fundamental foi a busca por uma identidade cultural e social. A construção de uma nacionalidade brasileira envolveu a integração de diversas etnias, culturas e tradições regionais. A literatura, as artes e a educação desempenharam um papel importante na consolidação dessa identidade, ao mesmo tempo em que o idioma português se afirmava como elemento unificador.

A luta pela consolidação da independência também se estendeu às fronteiras do território. Conflitos com países vizinhos, como a Guerra da Cisplatina e a Guerra contra Aguirre, contribuíram para a delimitação e a defesa dos limites territoriais do Brasil.

Além disso, a questão da escravidão representou um dilema crucial nesse processo de construção nacional. A abolição gradual do tráfico negreiro em 1831 e, posteriormente, a Lei Eusébio de Queirós em 1850, que proibiu o tráfico de escravos, foram passos importantes rumo ao fim da escravidão no país.

Movimentos abolicionistas

Os movimentos abolicionistas e a Independência do Brasil estão intrinsecamente conectados, representando dois momentos cruciais na história do país que influenciaram diretamente o destino da escravidão.

A Independência do Brasil, em 1822, representou a emancipação política do país, mas não trouxe a liberdade para os milhões de africanos e afrodescendentes escravizados. A escravidão persistiu como uma instituição arraigada na sociedade brasileira, alimentando um sistema econômico que dependia fortemente do trabalho escravo nas plantações de açúcar, café e outras culturas.

No entanto, a Independência também proporcionou um ambiente político mais propício para o surgimento de movimentos abolicionistas. Com a autonomia política, começaram a surgir vozes críticas ao sistema escravista, que eram reprimidas sob o domínio colonial. 

Abolicionistas como Luiz Gama, José do Patrocínio e Joaquim Nabuco passaram a utilizar os princípios de liberdade e igualdade proclamados na independência como argumentos para o fim da escravidão.

A influência dos ideais iluministas e liberais, que embasaram os movimentos pela independência, também permeou o pensamento dos abolicionistas. A noção de igualdade de todos perante a lei e a abolição da escravidão estavam em consonância com os ideais que nortearam a luta pela independência.

Além disso, a pressão internacional desempenhou um papel importante. O tráfico de escravos já havia sido proibido pela Inglaterra em 1807, e o Brasil foi alvo de crescentes críticas internacionais pela manutenção da escravidão. O país enfrentou pressões econômicas e diplomáticas para abolir o sistema escravista, especialmente após a Lei Eusébio de Queirós em 1850, que proibiu o tráfico de escravos.

Em 1888, finalmente, a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea, que decretou oficialmente o fim da escravidão no Brasil. Esse marco histórico foi alcançado em um contexto de crescente ativismo abolicionista e mobilização da sociedade civil, que havia sido influenciada pelos ideais de liberdade e igualdade que motivaram a independência.

Assim, os movimentos abolicionistas e a Independência do Brasil compartilham uma ligação profunda, pois ambos foram impulsionados pelos ideais de liberdade, igualdade e autonomia política. A luta pela abolição da escravidão foi, de fato, uma extensão da busca pela independência, marcando um passo crucial na construção de uma sociedade mais justa e igualitária no Brasil.

Agora que você tem conhecimento sobre como e o que estudar sobre a Independência do Brasil para o Enem, aproveite o feriado para revisar esses conteúdos! Lembre-se de que o Curso Enem Gratuito oferece aulas, resumos, videoaulas e simulados extremamente úteis para a sua preparação nesse tema!

Melina Zanotto

Melina Zanotto é Jornalista, formada pela Universidade de Caxias do Sul em 2007. De lá para cá, sempre atuou com conteúdo digital em seus mais diversos formatos. Hoje, é redatora da Rede Enem, produzindo textos para o Blog do Enem e Curso Enem Gratuito.
Categorias: Enem, História
Encontrou algum erro? Avise-nos para que possamos corrigir.