Quinhentismo: a Carta de Caminha, os relatos dos Viajantes e dos Padres Jesuítas – Literatura Vestibular e Enem

Quinhentismo é como ficou conhecido o período inicial da Literatura produzida no Brasil. Os temas estão ligados ao Descobrimento, aos relatos dos Navegadores, e aos textos dos Padres Jesuítas. Confira abaixo com aula gratuita e exercícios para o Vestibular e o Enem.

Corria o ano de 1500 e Pero Vaz de Caminha inaugura a Literatura amanuense no Brasil ao escrever a tão famosa Carta ao rei de Portugal. Louvou a terra – Em se plantando, tudo dá. Elogiou a beleza e a pureza dos índios, que não cobriam ‘as suas vergonhas’. Veja abaixo o que veio logo depois no Quinhentismo. Revisão obrigatória para Vestibular e Enem.

No primeiro século de nossa história após a chegada dos portugueses não se pode falar na existência de uma literatura brasileira legítima, mas sim de uma produção escrita dos viajantes e dos primeiros moradores.

Ocorreram, portanto, apenas manifestações isoladas que se prendem à descrição da terra e do índio ou a textos escritos pelos jesuítas que aqui estiveram. Foi o Quinhentismo, o primeiro ciclo literário no Brasil.  Na maioria são relatos de viajantes e descrições do ‘Novo Mundo’ e do que os europeus encontraram por aqui.

O Ciclo das Grandes Navegações e Descobertas

A visão de mundo estava em choque, pois a terra estava deixando de ser plana para se tornar redonda com o lento final da teoria do heliocentrismo (sol como centro do universo).

Os avanços dos instrumentos de observação (lunetas), das cartas náuticas (mapas de navegação marítima), e a proposta do modelo astronômico de Nicolau Copérnico (1473-1543) colocando o Sol como o centro do universo, questionando a teoria adotada pela Igreja Católica, no modelo de Ptolomeu, onde a Terra era o centro.

Esses avanços contribuíram para o ciclo das Grandes Navegações e as Descobertas que se tornaram as marcas de uma época: a Descoberta da America pelo genovez Cristóvão Colombo, em 1492; o caminho pelo mar desde a Península Ibérica até o Oceano Índico, realizado em 1498 pelo português Vasco da Gama;

E,  depois, a chegada de Pedro Álvares Cabral ao Brasil em 1500. Veja uma aula sobre As Grandes Navegações e o ciclo das descobertasAs Grandes NavegaçõesAs Grandes Navegações e os descobrimentos ocorreram em meio a outros progressos que iriam revolucionar a vida humana, como, por exemplo, a máquina de imprimir criada por Johannes Gutenberg na Alemanha, em 1450.

O Renascimento

No mundo das artes e da Filosofia estava em cena ao final da Idade Média o Renascimento Cultural, que trouxe novas técnicas e a perspectiva para as artes plásticas, e uma postura de instigação para a filosofia. Todo este contexto faz parte da compreensão para entender a Literatura Quinhentista.

Contexto histórico do Quinhentismo

 Para você entender melhor o que se escrevia no Quinhentismo é fundamental entender o que se passava na Europa. Mudanças científicas, religiosas e políticas colocavam o ‘Velho Mundo’ em permanente ebulição. Na esfera religiosa estava ocorrendo a Reforma Protestante, deflagrada pelas 95 Teses de Martinho Lutero em 1517. Veja na imagem uma aula gratuita completa sobre a Reforma Protestante: Martinho Lutero e a Reforma ProtestanteLutero pregava que o cristianismo devia voltar à sua pureza primitiva, suprimindo as indulgências e submetendo as decisões e tradições eclesiásticas ao controle da Bíblia e não ao controle do Papa.

A reação Católica contra Martinho Lutero: Em resposta à Reforma Protestante a igreja Católica promoveu a Contrarreforma, que procurava pôr fim aos abusos, reerguer espiritualmente a Igreja e reconquistar para o catolicismo os países que dele se haviam afastado.

Galileu Galilei e Johannes Kepler

No começo do Século XVII, já com mais de cem anos da descoberta do Brasil,  dois grandes cientistas trouxeram as comprovações matemáticas e de observação para confirmar o modelo Heliocêntrico de Nicolau Copérnico:

Galileu Galilei (1564-1642), com o uso do telescópio mostrando o movimento dos astros,  e  Johannes Kepler (1571-1630), com os cálculos matemáticos das órbitas elípticas dos planetas (e da Terra) ao redor do Sol. Veja na imagem aula gratuita sobre Galileu Galilei: Galileu Galilei - Precursor do Iluminismo

Estes dois cientistas comprovaram o modelo Copernicano e ainda o duplo movimento da terra (rotação em torno do próprio eixo, e a translação ao redor do Sol).

Foram mudanças profundas para a mente humana, e que  trouxeram aos homens a importância da ciência, que se refletiu diretamente no avanço tecnológico. Agora, então, vamos aos textos da Literatura Quinhentista.

Literatura de Informação Quinhentista

São textos produzidos por viajantes e cronistas das expedições e tinham como objetivo descrever a terra e o selvagem, privilegiando aspectos geográficos e etnográficos. A literatura desta época não possui valor literário, mas, sim, um valor histórico. Veja os principais autores e obras:

 Autores e Obras do Quinhentismo:

  • Pero Vaz de Caminha:
  • Carta do Descobrimento (imagem)

Literatura Enem

 

Pero de Magalhães Gândavo:
        – Tratado da Terra do Brasil
        – História da província de Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil

Gabriel Soares de Souza:
         – Tratado Descritivo do Brasil

Hans Staden:
         – Meu cativeiro entre os índios do Brasil

Literatura de Formação

Em 1549, chegaram ao Brasil os padres da Companhia de Jesus (jesuítas), incumbidos de catequizar os índios e de inserir em sua realidade a cultura europeia. Para isso, produziam textos que, vinculados à Contrarreforma, catequizavam e doutrinavam o índio e instruíam os filhos dos colonizadores que aqui moravam.

Os textos produzidos pelos padres Jesuítas eram literariamente mais elaborados. Os formatos utilizados, incluindo-se sermões, eram cartas, poesias e a dramaturgia, escrevendo peças de teatro, sendo este o instrumento mais utilizado pelos padres no contato com os indígenas. Veja os principais autores e suas obras:

Padre José de Anchieta
Padre José de Anchieta
Padre José de Anchieta (considerado o pai do teatro brasileiro):
      – De Beata Virgine Dei Matre Maria (poesia)
      – Arte da Gramática da Língua mais usada na Costa do Brasil
      – Auto de São Lourenço (peça teatral, entre muitas outras)

Padre Manuel da Nóbrega:
      Cartas do Brasil (relato de experiências)
      – Diálogo sobre a conversão dos Gentios
Dica 1 – Relembre sobre a Épica Camoniana nesta aula de revisão para Literatura Enem. O Exame Nacional do Ensino Médio está chegando, estude com a gente! – https://blogdoenem.com.br/camoes-epico-aula-de-revisao-para-literatura-enem/
Dica 2 – Pronto para gabaritar no Exame Nacional do Ensino Médio? Revise as características do Classicismo e sobre Luiz Vaz de Camões nesta aula de Literatura Enem – https://blogdoenem.com.br/classicismo-revisao-literatura-enem/

Vídeo-aula gratuita sobre o Quinhentismo.

Confira nesta aula do canal Aula De, disponível no Youtube. Após assistir, revise o que você aprendeu respondendo aos nossos desafios logo abaixo.

Exercícios – Desafios para você responder e compartilhar

Questão 01

Murilo Mendes, em um de seus poemas, dialoga com a carta de Pero Vaz de Caminha:

A terra é mui graciosa,

Tão fértil eu nunca vi.

A gente vai passear,

No chão espeta um caniço,

No dia seguinte nasce

Bengala de castão de oiro.

Tem goiabas, melancias,

Banana que nem chuchu.

Quanto aos bichos, tem-nos muito,

De plumagens mui vistosas.

Tem macaco até demais

Diamantes tem à vontade

Esmeralda é para os trouxas.

Reforçai, Senhor, a arca,

Cruzados não faltarão,

Vossa perna encanareis,

Salvo o devido respeito.

Ficarei muito saudoso

Se for embora daqui.

(MENDES, Murilo. Murilo Mendes — poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.)

Arcaísmos e termos coloquiais misturam-se nesse poema, criando um efeito de contraste, como ocorre em:

a) A terra é mui graciosa / Tem macaco até demais

b) Salvo o devido respeito / Reforçai, Senhor, a arca

c) A gente vai passear / Ficarei muito saudoso

d) De plumagens mui vistosas / Bengala de castão de oiro

e) No chão espeta um caniço / Diamantes tem à vontade

As questões de números 02 e 03 referem-se ao poema abaixo.

Brasil

O Zé Pereira chegou de caravela

E preguntou pro guarani da mata virgem

– Sois cristão?

– Não. Sou bravo, sou forte, sou filho da Morte

Teterê tetê Quizá Quizá Quecê!

Lá longe a onça resmungava Uu! ua! uu!

O negro zonzo saído da fornalha

Tomou a palavra e respondeu

– Sim pela graça de Deus

Canhem Babá Canhem Babá Cum Cum!

E fizeram o Carnaval

(Oswald de Andrade)

Dica 3 – Saiba como o Humanismo influenciou as mais importantes obras literárias entre o séc. XIV e séc. XVI em mais uma aula de Literatura Enem – https://blogdoenem.com.br/humanismos-literatura-enem/

Questão 02

Este texto apresenta uma versão humorística da formação do Brasil, mostrando-a como uma junção de elementos diferentes. Considerando-se esse aspecto, é correto afirmar que a visão apresentada pelo texto é:

a) ambígua, pois tanto aponta o caráter desconjuntado da formação nacional, quanto parece sugerir que esse processo, apesar de tudo, acaba bem.

b) inovadora, pois mostra que as três raças formadoras – portugueses, negros e índios – pouco contribuíram para a formação da identidade brasileira.

c) moralizante, na medida em que aponta a precariedade da formação cristã do Brasil como causa da predominância de elementos primitivos e pagãos.

d) preconceituosa, pois critica tanto índios quanto negros, representando de modo positivo apenas o elemento europeu, vindo com as caravelas.

e) negativa, pois retrata a formação do Brasil como incoerente e defeituosa, resultando em anarquia e falta de seriedade.

Questão 03

A polifonia, variedade de vozes, presente no poema resulta da manifestação do:

a) poeta e do colonizador apenas.

b) colonizador e do negro apenas.

c) negro e do índio apenas.

d) colonizador, do poeta e do negro apenas.

e) poeta, do colonizador, do índio e do negro.

Questão 04

A Carta de Pero Vaz de Caminha

Num dos trechos de sua carta a D. Manuel, Pêro Vaz de Caminha descreve como foi o contato entre os portugueses e os tupiniquins, que aconteceu em 24 de abril de 1500:

“O Capitão, quando eles vieram, estava sentado em uma cadeira, aos pés de uma alcatifa por estrado; e bem vestido, com um colar de ouro, muito grande, ao pescoço (…) Acenderam-se tochas. E eles entraram. Mas nem sinal de cortesia fizeram, nem de falar ao Capitão; nem a ninguém. Todavia um deles fitou o colar do Capitão, e começou a fazer acenos com a mão em direção à terra, e depois para o colar, como se quisesse dizer-nos que havia ouro na terra. E também olhou para um castiçal de prata, e assim mesmo acenava para a terra, e novamente para o castiçal, como se lá também houvesse prata! (…) Viu um deles umas contas de rosário, brancas; fez sinal que lhas dessem, folgou muito com elas, e lançou-as ao pescoço, e depois tirou-as e meteu-as em volta do braço, e acenava para a terra e novamente para as contas e para o colar do Capitão, como se davam ouro por aquilo. Isto tomávamos nós nesse sentido, por assim o desejarmos! Mas se ele queria dizer que levaria as contas e mais o colar, isto não queríamos nós entender, por que não lho havíamos de dar! E depois tornou as contas a quem lhas dera. E então estiraram-se de costas na alcatifa, a dormir sem procurarem maneiras de esconder suas vergonhas, as quais não eram fanadas; e as cabeleiras delas estavam raspadas e feitas. O Capitão mandou pôr por baixo de cada um seu coxim; e o da cabeleira esforçava-se por não a estragar. E deitaram um manto por cima deles; e, consentindo, aconchegaram-se e adormeceram”.

(COLEÇÃO BRASIL 500 ANOS, Fasc. I, Abril, SP, 1999.)

Vocabulário:

Alcatifa – tapete, carpete.

Fanadas – murchas.

Coxim – almofada que serve de assento.

De acordo com o texto acima, assinale V (Verdadeiro) e F (Falso).

a) Pêro Vaz de Caminha, um dos escribas da armada portuguesa, escreve para o Rei de Portugal, D. Manuel, relatando como foi o contato entre os portugueses e os tupiniquins. ( )

b) Em (…) E eles entraram. Mas nem sinal de cortesia fizeram, nem de falar ao Capitão; nem a ninguém, fica implícito que os tupiniquins desconheciam hierarquia ou categoria social lusitanas. ( )

c) O trecho (…) e acenava para a terra e novamente para as contas e para o colar do Capitão, como se davam ouro por aquilo. Isto tomávamos nós nesse sentido, por assim o desejarmos, evidencia que havia problemas de comunicação entre portugueses e tupiniquins. ( )

d) Nada, na embarcação portuguesa, pareceu despertar o interesse dos tupiniquins. ( )

e) Os tupiniquins, bastante comunicativos, falaram aos marinheiros que havia muita riqueza na terra descoberta. ( )

Assinale a alternativa que possui a sequência correta.

a) V – V – V – F – F

b) V – V – V – V – F

c) F – V – V – F – F

d) F – F – V – V – F

e) V – V – F – F – F

Questão 05

Assinale o tópico correto a propósito da literatura informativa no Brasil. Ela representa:

a) o conjunto de relatos de viajantes e missionários europeus sobre a natureza e o homem brasileiros.

b) história dos jesuítas que aqui estiveram no século XVI.

c) as obras escritas com a finalidade de catequese do indígena.

d) os poemas do padre José de Anchieta.

e) os sonetos de Gregório de Matos.

Você consegue resolver estes exercícios? Então resolva e coloque um comentário no post, logo abaixo, explicando o seu raciocínio e apontando a alternativa correta para cada questão. Quem compartilha a resolução de um exercício ganha em dobro: ensina e aprende ao mesmo tempo. Ensinar é uma das melhores formas de aprender!