Filosofia Enem: Thomas Kuhn e as perspectivas da História da Ciência

Que critérios devem pautar o conhecimento científico? Você já pensou nesta pergunta? Vamos ver como Thomas Kuhn responde a este questionamento e ficar por dentro dos conteúdos do Enem!

Vamos conhecer um pouco da biografia de Thomas Kuhn para depois conhecermos seus pensamento filosófico e suas perspectivas para a ciência.

Thomas Kuhn foi um físico norte-americano e estudioso primordial no ramo da filosofia da ciência. Nasceu em Cincinnati, Ohio, Estados Unidos, no dia 18 de julho de 1922. Thomas Kuhn Ingressou na Universidade de Harvard, onde fez curso de física. Desta faculdade, recebeu o título de mestre e doutor. Thomas Kuhn faleceu em Cambridge, cidade onde fica Harvard, no estado de Massachusetts, Estados Unidos, no dia 17 de junho de 1996.

O Pensamento de Thomas Kuhn – Os trabalhos acadêmicos de Kuhn resultaram no livro “A Revolução Copernicana”, de 1954. Mas foi no livro “Estruturas da Revolução Científica” (1962), que Kuhn estabeleceu suas ligações com a filosofia e as ciências humanas. O livro foi reeditado em 1970 com algumas observações adicionais.

As ideias de Thomas Kuhn seguiam na contramão do pensamento científico, de ordem positivista. O próprio físico admitiu certa vez que não comungava do pragmatismo exacerbado das ciências, nem tinha simpatia por pensadores como John Dewey e William James.

Thomas Kuhn tomou como ponto de partida um estudo sobre a história da ciência, e, a partir desse estudo, percebeu duas visões na concepção da ciência.

Uma parte de uma atitude mais formalista, onde a ciência é compreendida como uma atividade racional e controlada e, outra parte de uma atitude mais historicista, onde a ciência é uma atividade mais concreta que se dá ao longo do tempo e que, em cada época, a ciência tem suas peculiaridades e suas características próprias.

Em sua obra A estrutura das Revoluções Científicas Thomas Kuhn propõe como ponte de reflexão para a ciência os aspectos históricos, psicológicos e sociológicos como fatores relevantes para a fundamentação e avanço da ciência.

Segundo ele, a ciência é uma secessão de paradigmas que se confrontam entre si; vamos entender o que é paradigma primeiro? Para Thomas Kuhn, paradigma é um conjunto de normas e tradições dentro da qual a ciência se move, durante um determinado período e em certo contexto social.

Segundo ele, em determinados momentos, o paradigma se altera, provocando uma revolução que abre caminho para um novo tipo de desenvolvimento científico.

A ciência, portanto, se desenvolve durante certo tempo a partir da aceitação, por parte da comunidade cientifica de um conjunto de teses, pressupostos e categorias que formam seu paradigma.

Dica 1: Conheça a história da ciência acessando esta aula Gratuita abordando desde a Antiguidade até Galileu Galilei

História da Ciência: da antiguidade a Galileu – Filosofia Enem

 

Resumo

Thomas Kuhn desenvolveu sua teoria acerca da história da ciência entendendo-a não como um processo linear e evolutivo, mas como uma sucessão de paradigmas que se confrontam entre si.
Aprofunde sua revisão deste conteúdo assistindo um vídeo que selecionamos para você: https://www.youtube.com/watch?v=2SoodFbCb20

Referência

COTRIM, Gilberto; FERNANDES, Mirna. Fundamentos da Filosofia. 1. Ed. – São Paulo: Saraiva, 2010;

http://isabellenobrega.tumblr.com/post/60665968810/thomas-kuhn-e-suas-principais-id%C3%A9ias-sobre Acessado em 09 de abril de 2017.

Chegou a sua vez. Resolva essas questões de vestibulares e se prepare para o Enem:

1. (Unicentro 2010) Consideremos o campo da epistemologia contemporânea; sob esse aspecto, podemos afirmar que a posição de Thomas Kuhn (1922-1996), em relação à ciência, se contrapôs à concepção científica de Karl Popper (1902-1994)? Assinale a alternativa correta.

a) Sim, Kuhn se contrapôs à teoria de Popper ao negar que o desenvolvimento da ciência se dê mediante o ideal de refutação. Ao contrário, Kuhn afirma que a ciência progride pela tradição intelectual representada pelo paradigma que é a visão de mundo expressa numa teoria.

b) Não, Kuhn absorve a teoria da refutabilidade de Popper ao desenvolver sua concepção de paradigma científico. Para ambos, o que garante a verdade de um discurso científico é sua condição de justificação, ou seja, quando uma teoria é justificada ela é corroborada.

c) Não, Kuhn argumentou que uma teoria, como paradigma, deve ser desenvolvida em vez de criticada, motivo pelo qual ele não poderia opor-se ao pensamento de Popper. Sua tentativa será outra: tentar harmonizar aqueles pontos de vista que divergem do seu.

d) Sim, Kuhn cedo abandonou o empirismo, classificando-se como anarquista epistemológico. Dessa forma, opôs-se não apenas à concepção metodológica de Popper como também de outros contemporâneos seus, como Lakatos, por exemplo. Diferentemente de Popper, Kuhn anuncia que as teorias não são nem verdadeiras, nem falsas, mas úteis.

e) Sim, diferentemente de Popper, para quem a física newtoniana era considerada a imagem verdadeira do mundo, tendo como pressupostos o mecanicismo e o determinismo, Kuhn estabelece como paradigma de sua concepção de ciência o irracionalismo de Heisenberg e seu princípio da incerteza.

2. (Unioeste 2009) “Segundo o filósofo da ciência Thomas Kuhn, paradigma é um conjunto sistemático de métodos, formas de experimentações e teorias que constituem um modelo científico, tornando-se condição reguladora da observação. […] A ciência normal, conforme Kuhn, funciona submetida por paradigmas estabelecidos historicamente num campo contextual de problemas e soluções concretas. […] Os paradigmas são estabelecidos nos momentos de revolução científica […] Portanto, para Kuhn, a ciência se desenvolve por meio de rupturas, por saltos e não de maneira gradual e progressiva”. (E. C. Santos)

Sobre a concepção de ciência de Kuhn, é incorreto afirmar que

a) o desenvolvimento científico não se dá de modo linear, cumulativo e progressivo.

b) o desenvolvimento científico possui momentos de revolução, de ruptura, nos quais há mudança de paradigma.

c) a ciência normal é o período em que a pesquisa científica é dirigida por um paradigma.

d) um exemplo de mudança de paradigma (revolução) na Astronomia e a substituição do sistema geocêntrico aristotélico-ptolomaico pelo sistema heliocêntrico copernicano-galilaico.

e) a ciência não está submetida, de forma alguma, às condições históricas.

3. Qual era a formação inicial de Thomas Kuhn antes de se interessar pela história e filosofia da ciência?

a) Física Teórica

b) História

c) Filosofia

d) Química

4. Qual foi a principal obra de Thomas Kuhn e que causou uma grande revolução na história e filosofia da ciência?

a) História Filosófica da Ciência

b) A quebra dos paradigmas na história da ciência

c) A estrutura das Revoluções Científicas

d) A Física de Aristóteles

5. (Uem 2008) A epistemologia de Thomas Kuhn tem como tese fundamental a mudança de paradigmas que provoca as revoluções científicas; enquanto a epistemologia de Karl Popper se caracteriza pelo princípio da falseabilidade. Assinale o que for correto.

01) Para Thomas Kuhn, as mudanças de paradigmas nas teorias científicas desorganizam a ciência a ponto de impedir um avanço do conhecimento.

02) Para Thomas Kuhn, a revolução copernicana que substitui a explicação ptolomaica geocêntrica pela explicação heliocêntrica caracteriza uma mudança de paradigma e uma revolução na ciência astronômica.

04) Para Karl Popper, o valor de uma teoria não se mede pela sua verdade, mas pela possibilidade de ser falsificada.

08) Para Thomas Kuhn, o paradigma é uma visão de mundo expressa em uma teoria; o paradigma serve para auxiliar o cientista na resolução de seus problemas.

16) Considerando o princípio da falseabilidade, a ciência, para Karl Popper, não se desenvolve de modo linear.

Respostas:

1: a; 2: e; 3: a; 4: c; 5: 02 + 04 + 08 + 16 = 30.

Post escrito por Gilson Luiz Corrêa. Gilson é bacharel em Filosofia pela UNISUL, possui Licenciatura em Filosofia pela UFSC e em Psicopedagogia pela FMP. É professor do Colégio Catarinense. Facebook: https://www.facebook.com/gilsonluiz.correa