Faltam:
para o ENEM

Vozes Verbais – Parte II – Gramática Enem

Depois de entender o que é voz ativa e voz passiva e como se faz a transposição, está na hora de entender o que é voz reflexiva, voz passiva sintética e voz passiva analítica. É só acompanhar este post e isso vai ficar “facinho, facinho”. Bora ver a segunda parte do post sobre vozes verbais. O professor Wilson Rochenbach vai eliminar qualquer dúvida que ainda tenha ficado. 

Se a voz ativa é aquela cujo sujeito executa a ação e a voz passiva é aquela cujo sujeito sofre a ação, o que se pode deduzir é que a voz reflexiva apresenta um sujeito que executa e sofre a ação. A frase abaixo, que ilustra a voz reflexiva, é o resultado de horas de reflexão, com certeza jamais alguém havia pensado em algo assim! Se você a vir em algum livro, copiaram daqui!

Vozes Verbais - Parte II - Gramática Enem

José cortou-se com a faca.

Observe que o pronome se representa o próprio José, ou seja, “José cortou a si mesmo com a faca”.

A voz reflexiva ainda pode representar reciprocidade. Observe:

Nós nos abraçamos.

A ação do verbo é reflexiva, porém há ainda a ideia de reciprocidade: “Nós abraçamos um ao outro.”

Maria e José se beijaram, ou seja, Maria e José beijaram um ao outro.

Facinho, né! Agora vamos às características da voz passiva.

Dica 1:  Entenda o que são vozes verbais – https://blogdoenem.com.br/gramatica-enem-vozes-verbais/
Dica 2: 5 dicas para arrasar na prova e fazer uma redação Enem nota mil https://blogdoenem.com.br/5-dicas-redacao-enem/

A voz passiva se divide da seguinte forma:

Voz passiva analítica: é sempre formada por uma locução verbal. Vejamos os exemplos:

As encomendas foram entregues pelo carteiro.

A casa foi cercada de policiais.

Há nas frases o sujeito passivo “as encomendas” e “a casa”, a locução verbal “forma entregues” e “foi cercada” o agente da passiva “pelo carteiro” e “de policiais”. O agente da passiva geralmente é acompanhado da preposição por, mas pode ocorrer a construção com a preposição de, como se vê no exemplo acima.

A voz passiva analítica pode ocorrer também com tempo composto (ter ou haver + particípio), ou com locução verbal. Não se esqueça de que o tempo e o modo verbal devem ser mantidos. Observe:

 Voz ativa e passiva - Gramática Enem

Voz passiva sintética ou pronominal:

Ela é chamada assim porque se resume a um único verbo. Porém, ela deve ter, necessariamente, uma marca para que não se transforme em voz ativa que é o pronome se – pronome apassivador, por isso também chamada de pronominal.

Construiu-se uma nova ponte.

Se tirássemos o pronome se, teríamos uma frase na voz ativa, com o sujeito oculto. Assim:

Construiu uma nova casa. Nesse caso, o sujeito seria ele, oculto. Portanto é o pronome se que transforma essa frase em uma voz passiva sintética.

É importante observar uma característica da voz passiva sintética: ela normalmente não apresenta agente da passiva.

Agora, veja o teste mais importante que se deve fazer para verificar se realmente é voz passiva sintética: transformá-la em analítica.

Alugam-se cadeiras de praia.      =>              Cadeiras de praia são alugadas.
                      sujeito                                                sujeito

Viu como é muito fácil identificar o sujeito na analítica? Essa verificação é imprescindível para que haja a concordância adequada: o verbo deve concordar com o sujeito.

Esse teste é necessário para que se possam resolver questões de concordância nos concursos. Se o sujeito foi identificado, faz-se a concordância e ponto final. Observe o exemplo abaixo:

a) “Aumentou-se” os preços dos combustíveis.

Para verificar se é voz passiva e se o sujeito é “os preços dos combustíveis”, faz-se a transformação para a sintética:

b) Os preços dos combustíveis foram aumentados.
      sujeito

Observe que é possível a transformação e que o verbo auxiliar “foram” está no plural para concordar com o núcleo do sujeito “preços”; portanto temos realmente voz passiva sintética. Porém, há um erro de concordância na frase “a”: o verbo está no singular e o sujeito, no plural. A forma correta é:

Aumentaram-se os preços dos combustíveis.
                                 sujeito

Vendem-se apartamentos.

Apartamentos são vendidos.

Dessa forma, o verbo está concordando com o sujeito. Viu só como é “facinho, facinho”?

Além de questões que solicitam a identificação da voz verbal, há, de forma recorrente, nos concursos, questões que abordam a concordância na voz passiva sintética. Para verificar se ocorre concordância ou não, é só fazer a transformação. Na frase:

Precisa-se de professores.

o verbo está no singular porque de professores não é sujeito, nem poderia ser, pois vem introduzido pela preposição em (regência do verbo precisar). Este termo funciona como objeto indireto do verbo precisar, portanto não determina concordância. Veja como a transformação é impossível:

Professores são precisados.

Acho que essa frase não fica muito boa. Xiiiiii! Inclusive “compromete a vida dos professores.”  Este caso é o que se chama sujeito indeterminado. Mas isso fica para o próximo post, certo?

Assista agora à aula de 14min e 34 s sobre concordância verbal do professor Marcelo Braga

Fique ligado! Frequentemente, os vestibulares apresentam questões sobre esse assunto. A partir de agora, tenho certeza de que você não vai ter mais dúvidas sobre as questões concordância com a voz passiva sintética.

Prof. wilson - Redação
Este post foi elaborado pelo professor Wilson Rochenbach Nunes para o Blog do Enem. Wilson é formado em Letras pela Unilassale Canoas – RS e Mestre em Linguística Aplicada pela PUCRS. Dá aulas de Português para concursos em cursos da Grande Florianópolis e Grande Porto Alegre desde 2002.