10 vezes que o Afeganistão caiu no Enem e nos vestibulares

Entenda os conflitos do Afeganistão por meio de questões do Enem e dos vestibulares e saiba o que você precisa estudar sobre o tema para se preparar para as provas!

O Afeganistão voltou ao centro dos noticiários após o Talibã tomar o poder do país. No dia 15 de agosto, com a chegada do grupo fundamentalista à capital, Cabul, o presidente Ashraf Ghani fugiu do país. As ofensivas do Talibã ocorrem com a saída das tropas dos Estados Unidos do território afegão depois de 20 anos de ocupação militar.

Mas a história dos conflitos envolvendo Afeganistão e Estados Unidos é ainda mais longa. Começou ainda durante a Guerra Fria e se intensificou após o atentado de 11 de setembro de 2001. Por isso, é um tema que já foi cobrado várias vezes no Enem e nos vestibulares de todo o Brasil.

Neste post você vai ver de que forma o Afeganistão aparece nas provas e o que você precisa saber sobre o assunto.

Mapa do AfeganistãoMapa mostrando a localização do Afeganistão. Fonte: Nexo Jornal.

O Afeganistão no Enem e nos vestibulares

O Afeganistão já foi tema de questões da prova de Ciências Humanas várias vezes no Enem. São cobrados assuntos como a Guerra do Afeganistão durante a Guerra Fria, o surgimento e a atuação do Talibã, e a invasão do país pelos Estados Unidos. Além disso, também são comuns as questões de vestibulares sobre os afegãos refugiados.

Em seguida, você verá exemplos de questões que caíram nas provas dos últimos anos e uma contextualização dos principais fatos envolvendo o Afeganistão.

O Afeganistão durante a Guerra Fria

Na década de 1970, o Afeganistão foi um dos palcos da Guerra Fria. O país encontrava-se em meio a uma guerra civil quando, em 1979, a União Soviética invadiu o território. Essa foi a primeira intervenção direta da URSS fora dos países do bloco comunista desde a Segunda Guerra Mundial.

A justificativa dos soviéticos era que estariam auxiliando o governo pró-Moscou do Afeganistão. Isso porque ele vinha enfrentando um forte movimento guerrilheiro anticomunista com apoio dos Estados Unidos. A ocupação dos soviéticos durou 10 anos.

Durante esse tempo, lutaram contra as forças rebeldes afegãs conhecidas como mujahidin, nome árabe dos que se engajam na “jihad”, a “guerra santa”, em defesa da fé islâmica. Durante todo o conflito, os mujahidin receberam apoio financeiro, armas e munições dos EUA.

Veja como o Afeganistão marca presença no Enem em uma questão sobre Guerra Fria:

(ENEM/2016)

Charge Guerra Fria - AfeganistãoILLINGWORTH, L. G. Outubro de 1962. Disponível em: www.llgc.org.uk. Acesso em: 8 mar. 2016.

A charge faz alusão à intensa rivalidade entre as duas maiores potências do século XX. O momento mais tenso dessa disputa foi provocado pela

a) ampliação da Guerra do Vietnã.

b) construção do muro de Berlim.

c) instalação de mísseis em Cuba.

d) eclosão da Guerra dos Sete Dias.

e) invasão do território do Afeganistão.

Comentário e gabarito:

A questão traz em suas alternativas 5 momentos da Guerra Fria e pede aos candidatos em qual deles houve a maior tensão da disputa. Embora todos eles tenham sido marcantes, o momento mais tenso foi da instalação de mísseis em Cuba. Inclusive, é a esse evento que a charge faz alusão, com o líder soviético Nikita Khrushchev travando uma queda de braço com John Kennedy, presidente dos EUA. Portanto, a letra C é a alternativa correta.

Apesar de não ser a resposta certa, é importante perceber que o Afeganistão já foi abordado no contexto de Guerra Fria. Assim, é preciso estar atento para a possibilidade de o tema aparecer novamente no Enem.

Videoaula

Saiba mais sobre a Guerra Fria com a videoaula do canal do Curso Enem Gratuito:

O Talibã

O Talibã é um grupo fundamentalista que surgiu nos anos 1990 e que foi formado por guerrilheiros mujahidin. O nome “Talibã” significa “estudante”. O grupo foi nomeado dessa forma porque os mujahidin que lutavam contra os soviéticos nos anos 1980 recrutaram crianças e jovens que eram educados nas madrassas. Esses locais eram um misto de colégio interno e seminário religioso onde era pregada uma forma fundamentalista de islamismo sunita.

O Talibã assumiu o controle do Afeganistão em 1996. A partir de então, impuseram no país um regime teocrático, baseado em uma versão radical da Sharia, a lei islâmica. Entre as práticas do regime estavam as execuções e açoitamentos públicos de supostos assassinos e adúlteros, e amputações para ladrões.

Além disso, os homens foram obrigados a deixar a barba crescer. Enquanto isso, às mulheres foi imposto o uso da burca, vestimenta que só deixa os olhos à mostra. O Talibã também proibiu a televisão, a música e o cinema, e não permitia que meninas de 10 anos ou mais frequentassem a escola.

Afeganistão - BurcaMulheres afegãs vestidas de burca olham roupas em frente de uma loja de roupas em Herat em 2012. Foto: Aref Karimi/AFP.

O Talibã permaneceu no comando do Afeganistão até 2001, quando foram retirados do poder por uma coalizão militar liderada pelos Estados Unidos.

Em seguida, veja uma questão de vestibular sobre o Talibã:

(ESPM SP/2016)

Leia o texto:

Autoridades afegãs anunciaram a morte do mulá Mohammed Omar, líder do Talibã e aliado de Osama Bin Laden. A morte de Omar teria ocorrido em um hospital de Karachi, no Paquistão, em 2013. O Departamento de Estado Americano oferecia uma recompensa de US$ 10 milhões por informações que levassem à sua captura.

(www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/07)

O Talibã, grupo que era liderado pelo mulá Omar, é:

a) um movimento fundamentalista islâmico xiita nascido no Irã;

b) um movimento islâmico xiita e atua no Iraque;

c) um movimento fundamentalista islâmico sunita que opera no Afeganistão e Paquistão;

d) um movimento nacionalista curdo que enfrenta as forças do Estado Islâmico;

e) um movimento fundamentalista islâmico que nasceu após a invasão norte-americana no Afeganistão, em 2001.

Comentário e gabarito:

Como dito anteriormente, o Talibã é um grupo fundamentalista que é adepta do islamismo sunita. Apesar de ter origem na Guerra do Afeganistão, o movimento também tem atuação no Paquistão. Portanto, a alternativa correta é a letra C.

A invasão no Afeganistão

A invasão dos Estados Unidos no Afeganistão ocorreu como resposta ao ataque terrorista contra as Torres Gêmeas e o Pentágono, em 11 de setembro de 2001. Acreditava-se que Osama Bin Laden, líder do grupo terrorista Al-Qaeda e autor do ataque, estava escondido na região. O ataque dos EUA iniciou após o Talibã ter se recusado a entregar Bin Laden.

Atentado terrorista de 11 de setembroTorres Gêmeas, em Nova York, sendo atingidas no atentado terrorista de 2001. Fonte: Getty Images/Reprodução

Além disso, o Talibã havia formado uma aliança com a Al-Qaeda. O Talibã ofereceu uma parte remota e montanhosa de seu território, principalmente na fronteira com o Paquistão. Lá ocorreria o estabelecimento de campos de treinamento de guerrilheiros e funcionaria como um refúgio para terroristas.

A ação militar estadunidense no Afeganistão recebeu respaldo do Conselho de Segurança das Nações Unidas e apoio de países europeus. Ainda em 2001, a ofensiva conseguiu afastar o Talibã do poder.

O início da operação no Afeganistão também já foi tematizada pelo Enem:

(ENEM/2003)

O texto abaixo é um trecho do discurso do primeiro-ministro britânico, Tony Blair, pronunciado quando da declaração de guerra ao regime Talibã:

Essa atrocidade [o atentado de 11 de setembro, em Nova York] foi um ataque contra todos nós, contra pessoas de todas e nenhuma religião. Sabemos que a Al-Qaeda ameaça a Europa, incluindo a Grã-Bretanha, e qualquer nação que não compartilhe de seu fanatismo. Foi um ataque à vida e aos meios de vida. As empresas aéreas, o turismo e outras indústrias foram afetadas e a confiança econômica sofreu, afetando empregos e negócios britânicos. Nossa prosperidade e padrão de vida requerem uma resposta aos ataques terroristas.

(O Estado de S. Paulo, 8/10/2001)

Nesta declaração, destacaram-se principalmente os interesses de ordem

a) moral.

b) militar.

c) jurídica.

d) religiosa.

e) econômica.

Comentário e gabarito:

Entre os diversos interesses em travar uma guerra no território do Afeganistão, é possível perceber que o discurso de Tony Blair é motivado por demandas econômicas. Esses interesses ficam claros quando o primeiro-ministro britânico fala dos meios de vida, padrão de vida e confiança econômica. Portanto, a alternativa E é a correta.

Choque de civilizações

Uma das últimas vezes que o Afeganistão foi tema de uma questão do Enem foi em 2015. Como é comum no exame, não é cobrado que o candidato tenha um conhecimento de fatos muito específicos sobre o assunto. Nesse caso, o ataque ao Afeganistão é utilizado como forma de reflexão sobre patriotismo, militarismo e imperialismo. Além disso, aborda a diferença na percepção de valores quando atribuídos ao Ocidente e ao Oriente. Veja a questão em seguida:

(ENEM/2015)

Quanto ao “choque de civilizações”, é bom lembrar a carta de uma menina americana de sete anos cujo pai era piloto na Guerra do Afeganistão: ela escreveu que — embora amasse muito seu pai — estava pronta a deixá-lo morrer, a sacrificá-lo por seu país. Quando o presidente Bush citou suas palavras, elas foram entendidas como manifestação “normal” de patriotismo americano; vamos conduzir uma experiência mental simples e imaginar uma menina árabe maometana pateticamente lendo para as câmeras as mesmas palavras a respeito do pai que lutava pelo Talibã — não é necessário pensar muito sobre qual teria sido a nossa reação.

ZIZEK, S. Bem-vindo ao deserto do real. São Paulo: Bom Tempo, 2003.

A situação imaginária proposta pelo autor explicita o desafio cultural do(a)

a) prática da diplomacia.

b) exercício da alteridade.

c) expansão da democracia.

d) universalização do progresso.

e) conquista da autodeterminação.

Comentário:

O enunciado da questão exige que o candidato identifique qual desafio está presente no exercício de imaginar uma menina dizendo que estaria pronta para ver o pai morrendo pelo Talibã. Para conseguir imaginar tal situação e suas consequências, é necessário exercitar a alteridade.

Esse é um conceito muito utilizado pela antropologia. Os estudiosos da área propõem o exercício de estranhar o familiar e de familiarizar-se com o estranho. Essa habilidade representa um grande desafio cultural. Isso porque exige que questionemos aquilo que consideramos normal ao imaginar uma mesma situação em diferentes locais e com atores diversos. Portanto, a alternativa correta é a letra B.

Mais questões do Enem e vestibulares sobre o Afeganistão

Em seguida, você poderá ver mais questões que já apareceram no Enem e nos vestibulares sobre o assunto. No fim da lista de questões tem o gabarito.

1- (ENEM/2003)

No dia 7 de outubro de 2001, Estados Unidos e Grã-Bretanha declararam guerra ao regime Talibã, no Afeganistão.

Leia trechos das declarações do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e de Osama Bin Laden, líder muçulmano, nessa ocasião:

George Bush:

Um comandante-chefe envia os filhos e filhas dos Estados Unidos à batalha em território estrangeiro somente depois de tomar o maior cuidado e depois de rezar muito. Pedimos-lhes que estejam preparados para o sacrifício das próprias vidas. A partir de 11 de setembro, uma geração inteira de jovens americanos teve uma nova percepção do valor da liberdade, do seu preço, do seu dever e do seu sacrifício. Que Deus continue a abençoar os Estados Unidos.

Osama Bin Laden:

Deus abençoou um grupo de vanguarda de muçulmanos, a linha de frente do Islã, para destruir os Estados Unidos. Um milhão de crianças foram mortas no Iraque, e para eles isso não é uma questão clara. Mas quando pouco mais de dez foram mortos em Nairóbi e Dar-es-Salaam, o Afeganistão e o Iraque foram bombardeados e a hipocrisia ficou atrás da cabeça dos infiéis internacionais. Digo a eles que esses acontecimentos dividiram o mundo em dois campos, o campo dos fiéis e o campo dos infiéis. Que Deus nos proteja deles.

(Adaptados de O Estado de S. Paulo, 8/10/2001)

Pode-se afirmar que

a) a justificativa das ações militares encontra sentido apenas nos argumentos de George W. Bush.

b) a justificativa das ações militares encontra sentido apenas nos argumentos de Osama Bin Laden.

c) ambos apoiam-se num discurso de fundo religioso para justificar o sacrifício e reivindicar a justiça.

d) ambos tentam associar a noção de justiça a valores de ordem política, dissociando-a de princípios religiosos.

e) ambos tentam separar a noção de justiça das justificativas de ordem religiosa, fundamentando-a numa estratégia militar.

2- (UNICAMP SP/2017)

De acordo com a Organização das Nações Unidas, a população global submetida a deslocamentos forçados cresceu substancialmente durante os últimos decênios, passando de 37,3 milhões para 65,3 milhões em 2015. Desse total, os refugiados representam 16,1 milhões de pessoas, 1,7 milhão a mais que o total registrado 12 meses antes. Mais da metade dos atuais refugiados do mundo (54%) procede de três países afetados por conflitos armados.

(Adaptado de Agência da ONU para Refugiados – ACNUR – Documento Tendencias Globales, 2015.)

Indique quais são esses três países.

a) Myanmar, Síria, Somália.

b) Afeganistão, Síria, Somália.

c) Afeganistão, Grécia, Macedônia.

d) Grécia, Macedônia, Myanmar.

3- (Mackenzie SP/2017)

CHEGADA DE REFUGIADOS À ALEMANHA CAI PARA 280 MIL EM 2016

A Alemanha registrou uma brusca queda na entrada de migrantes em busca de asilo em 2016, segundo dados apresentados pelo governo nesta semana. Foram 280 mil pessoas, contra as quase 900 mil do ano anterior.

FOLHA DE SÃO PAULO – www.folha1.uol.com.br – 12.01.2017.
Acessado em 12.03.2017.

Com relação à realidade exposta na reportagem, considere as seguintes afirmações:

I. Concomitantemente à queda do número de entradas, houve aumento da rejeição aos refugiados.

II. Um dos fatores responsáveis pela redução apontada na reportagem é o acordo estabelecido entre a União Europeia e a Turquia para controlar o fluxo rumo ao território do bloco econômico.

III. Síria e Afeganistão estão entre os principais países de origem dos refugiados que se dirigiram à Alemanha.

IV. A “política de portas abertas” promovida pela chanceler Angela Merkel aumentou significativamente sua popularidade, tanto na Alemanha, quanto no restante do território europeu.

É correto o que se afirma em

a) I, apenas.

b) I e II, apenas.

c) II e III, apenas.

d) I, II e III, apenas.

e) I, II, III e IV.

4- (Fac. Direito de Sorocaba SP/2016)

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) atualizou hoje (25 de outubro) para 30 o número de mortos no bombardeio ao hospital da organização em Kunduz, Norte do Afeganistão. O hospital foi atacado por aviões no dia 03 de outubro. Em comunicado, os Médicos Sem Fronteiras dizem que o número de mortos continua aumentando. Das 30 pessoas mortas no bombardeio, 10 eram doentes, 13 funcionários e sete estão irreconhecíveis.

(EBC, 25 out. 15. Disponível em: <http://goo.gl/YcghEu>. Adaptado)

O país responsável pelo ataque foi

a) a Síria.

b) o Irã.

c) os EUA.

d) Israel.

e) o Paquistão.

5- (UNICAMP SP/2016)

Desde a queda do império comunista na Europa, nos anos 1989-1991, assiste-se a uma nova forma de messianismo político que consiste em impor o regime democrático e os direitos humanos pela força.

(Adaptado de Tzvetan Todorov, Os inimigos íntimos da democracia. São Paulo: Companhia das Letras, 2012, p. 55.)

O quadro descrito pelo texto pode ser analisado

a) como herança das lutas anticoloniais exemplificada na organização em torno do Estado multiétnico, como ocorreu na África do Sul.

b) como parte da nova ordem mundial sob a liderança dos EUA e seu poder bélico em regiões como a Síria e o Afeganistão.

c) como o estabelecimento de um princípio que desestabiliza as lógicas internas de organização, como ocorreu no Iraque e na ex-Iugoslávia.

d) como herança da Guerra Fria e como utilização da lógica militar que inviabiliza a adoção da democracia em regiões como a Ucrânia.

6- (Fac. de Ciências da Saúde de Barretos SP/2013)

Observe a fotografia, feita na década de 1990 em Cabul, capital do Afeganistão.

Mulheres vestindo burcas no Afeganistão(http://noticias.terra.com.br)

As vestimentas das mulheres podem ser relacionadas

a) a uma imposição das potências ocidentais no sentido de identificar, claramente e à primeira vista, os seguidores do islamismo.

b) às tradições oriundas do mundo persa e ao caráter de sensualidade atribuído às vestimentas que não revelam completamente o corpo feminino.

c) à criação de um Estado islâmico pelo Taleban, grupo fundamentalista que tomou o poder e impôs regras rígidas de costumes a toda a população do país.

d) ao sentimento religioso comum às mulheres muçulmanas de todas as partes do mundo, que as fazem ocultar a maior parte de seu corpo.

e) à necessidade de escoamento da produção têxtil das potências europeias, que ditam a moda com o intuito de favorecer seu crescimento industrial.

Gabarito:

  1. C
  2. B
  3. D
  4. C
  5. B
  6. C