Faltam:
para o ENEM

América do Sul: Organização política e econômica – Geografia Enem

Veja as principais características da América do Sul. Continente rico em recursos naturais mas que está marcado pelo subdesenvolvimento econômico, social e político. O Brasil está aqui dentro, e tem as mesmas características. Confira.

América do Sul – Organização Política e Econômica. Veja as principais características do subdesenvolvimento que marca a região-continente neste revisão Enem e Vestibular. O Brasil não escapa. Confira abaixo.

A América do Sul é um subcontinente que compreende a porção meridional da América. Sua extensão é de 17.819.100 km², abrangendo 12% da superfície terrestre e 6% da população mundial. Mas, muito mais importante do que as características físicas é o que ‘de fato’ significa a América do Sul no contexto do desenvolvimento do Planeta Terra.

A América do Sul apesar de possuir vastos recursos naturais que permitiriam emergir nações industrializadas e desenvolvidas enfrente ainda graves problemas econômicos e sociais.[7] Não há uma causa determinada para o subdesenvolvimento da maioria dos países da América do Sul. No geral estão muito abaixo dos indicadores de países da Europa, Ásia, América do Norte e mesmo do Leste Europeu.

Economias Fracas e Instabilidade Política

Em razão do fraco desempenho econômico diversas economias passam por colapsos de gestão e de balança de pagamentos, gerando alto endividamento externo e interno. Com isso vários países sul-americanos são obrigados a recorrer ao apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI) para tentar se reequilibrar. Comprimem as contas públicas, mas não conseguem eliminar as crises, num ciclo que se repete e se repete.

A instabilidade política também é uma característica Sul-Americana, com recorrência de golpes militares (ou civis) gerando governos que se apresentam salvadores e que uma ou duas décadas depois se revelam apenas corruptos e irresponsáveis.

Nos últimos 70 anos o continente teve ciclos de democracia logo após o final da 2ª Guerra Mundial; ciclo de golpes militares na década de 1960 com ditaduras militares que duraram até a década de 1980; uma retomada de governos democráticos em seguida; e entra no terceiro milênio com um fenômeno de governos de esquerda em diversos países (Venezuela, Equador, Bolívia, Argentina e Brasil), com alguns deles orientados para modelos autoritários de populismo ou bolivarismo (Equador, Argentina e principalmente a Venezuela) na década de 2010.

figura_24.jpg

Há poucos países com maior grau de industrialização. Destacam-se Brasil, Argentina e Chile. Mas, o lado forte da economia ainda é a produção e exportação de produtos agrícolas e minerais (commodities). A indústria está concentrada no beneficiamento de produtos agrícolas e na produção de bens de consumo, com destaque para a indústria de produtos ‘linha branca’ e indústria automobilística.

Brasil e Argentina alcançaram uma diversificação maior abrangendo setores como extração, refino de petróleo e siderurgia em ambos os países, e a indústria da aviação no Brasil. Há economias dependentes quase que exclusivamente de um único produto para a sua manutenção, como é o caso da Venezuela com o petróleo.

O Brasil é responsável por cerca de três quintos da produção industrial sul-americana. A agricultura é intensiva nas áreas tropicais, onde há culturas voltadas para a exportação (café, cacau, banana, cana-de-açúcar, cereais). A pecuária é praticada em larga escala no sul e no centro.

Dica do Blog do Enem: Revise a Organização Política e Econômica da América do Norte e veja as diferenças com a América do Sul, e confira as características do Canadá, do México e dos Estados Unidos. as diferenças entre os seus três países.

Principais características dos países da América do Sul

Venezuela

figura_25.jpg

Capital: Caracas
Língua oficial: Espanhol
Área Total: 912.050 km²
População: 28.583.366 hab. (2009)
Independência (da Espanha): 9 de julho de 1816
Moeda: Bolívar venezuelano
A Venezuela é subdividida em 23 Estados, um Distrito Federal e uma Dependência Federal.

Colômbia

figura_26.jpg

Capital: Bogotá
Língua oficial: Espanhol
Área Total: 1.138.914 km²
População (2003): 45.659.709 hab. (2009)
Independência (da Espanha): 20 de julho de 1810
Moeda: Peso colombiano
A maior cidade da Colômbia é a sua capital Bogotá e as outras cidades importantes são Medellín, Cali, Cartagena, Barranquilla, Ibagué, Manizales, Pasto, Cúcuta e Bucaramanga.

Equador

figura_27.jpg

Limita-se a norte com a Colômbia, ao leste e ao sul com o Peru e a oeste com o oceano Pacífico. O Equador possui também as ilhas Galápagos, sendo o território continental mais próximo daquelas ilhas.

Capital: Quito
Língua oficial: Castelhano
Área Total: 283.560 km²
População: 13.625.069 hab. (2009)
Independência (da Espanha): 24 de maio de 1822
Moeda: dólar americano
A capital, Quito, localiza-se nos Andes e não é a maior cidade do país. Esse título cabe a Guayaquil, um porto de mar no golfo de Guayaquil, no sudoeste.

Peru

figura_28.jpg

Limita-se ao norte com o Equador e Colômbia, a leste com o Brasil, Bolívia e Chile e ao sul e oeste com o oceano Pacífico. O Peru é um dos membros da Comunidade Andina.

Capital: Lima
Língua oficial: Espanhol
Área Total: 1.285.220 km²
População (2002): 27.949.639 hab.
Independência (da Espanha): 28 de julho de 1822
Moeda: Sol novo
O Peru divide-se em 25 regiões, divididas, por sua vez, em 194 províncias, mais a Província de Lima.

Dica 2 – Entenda como os modelos econômicos influenciam a Organização do Espaço Mundial, e revise também sobre Revolução Industrial nesta aula de Geografia Enem – https://blogdoenem.com.br/espaco-geografico-mundial-geografia-enem/

Bolívia

figura_29.jpg

A Bolívia limita-se ao norte e a leste com o Brasil, ao sul com o Paraguai e Argentina e a oeste com o Chile e Peru.

Capital: La Paz, Sucre (La Paz é a sede do governo, Sucre, a capital oficial)
Língua oficial: Espanhol, Quechua, Aimará
Área Total: 1.098.580 km²
População (2000): 8.586.443 hab.
Independência (da Espanha): 6 de agosto de 1825
Moeda: Boliviano
Está dividida em nove departamentos: Chuquisaca; Cochabamba; El Beni (ou simplesmente “Beni”); La Paz; Oruro; Pando; Potosí Santa Cruz; Tarija. Cada departamento está subdividido em províncias, que são responsáveis por alguns assuntos locais.

Chile

figura_30.jpg

Limita-se ao norte com o Peru, a leste com a Bolívia e a Argentina, ao sul com o estreito de Drake e a oeste com o oceano Pacífico. Além do território continental e das muitas ilhas a ele próximas, em especial no sul do país, o Chile inclui também algumas ilhas oceânicas: a ilha de Páscoa, Sala y Gómez, o arquipélago Juan Fernández e as ilhas Desventuradas. É ainda no Chile que está localizado o ponto extremo da América do Sul: o Cabo Horn, que é simultaneamente o ponto mais próximo da Antártida. Também no Chile está o lugar mais seco do planeta: o Deserto do Atacama.

Capital: Santiago
Língua oficial: Castelhano
Área Total: 756.950 km²
População (2002): 15.116.435 hab.
Independência (da Espanha): 12 de fevereiro de 1818
Moeda: Peso Chileno
Está dividido em 13 regiões, 51 províncias e 345 comunas.

Paraguai

figura_31.jpg

O Paraguai é um país do centro da América do Sul, limita-se ao norte e a oeste com a Bolívia, ao norte e ao leste com o Brasil e ao sul e a oeste com a Argentina. É um dos dois países da América do Sul que não possui uma saída para o mar (o segundo é a Bolívia).

Capital: Assunção
Línguas oficiais: Espanhol e Guarani
Área Total: 406,750 km²
População (2002): 5.734.139 hab.
Independência (da Espanha): 15 de maio de 1811.
Moeda: Guarani
Departamentos do Paraguai: Alto Paraguay; Alto Paraná; Amambay; Asunción; Boquerón; Caaguazú Caazapá; Canindeyú; Central; Concepción; Cordillera; Guairá; Itapúa; Misiones; Ñeembucú; Paraguarí Presidente Hayes; San Pedro.
Principais cidades: Assunção – com 500 mil habitantes, mais de 1.5 milhão na sua zona metropolitana; Ciudad del Este – com 240 mil habitantes; San Lorenzo – com 120 mil habitantes; Encarnacíon – com 85 mil habitantes e Concepcíon – com 75 mil habitantes.

Quem são os brasiguaios?

“Brasiguaios” é como são chamados os brasileiros e seus descendentes, estabelecidos na República do Paraguai. Eles imigraram e se instalaram em áreas próximas à fronteira brasileira na época da construção da Hidroelétrica de Itaipu.

Como o megaprojeto exigiu a desapropriação de terras, muitos agricultores do Estado do Paraná foram desalojados. As baixas indenizações recebidas empurraram esses colonos paranaenses para o território paraguaio, atraídos pelo preço das terras no país vizinho e pela revogação, na ocasião, da lei paraguaia que impedia a venda para estrangeiros das terras próximas às fronteiras.

Os brasiguaios, que na sua maioria têm descendência europeia, num período de 30 a 40 anos, se multiplicaram e prosperaram em solo paraguaio, trazendo crescimento econômico para o país, especialmente na agricultura, com a plantação de soja. O Paraguai se tornou um dos principais exportadores mundiais do produto.

Fora a agricultura, que é a atividade econômica mais importante do país, a economia paraguaia é pobre e bastante dependente dos comerciantes dos países vizinhos (como os sacoleiros brasileiros) que vão à região comprar produtos como cigarros e eletrônicos por preço mais barato, mas de origem duvidosa. Boa parte da população vive da economia informal, já que a industrialização se limita a produtos agrícolas, florestais e alguns bens de consumo.

Uma fonte importante de divisas vem das hidrelétricas de Itaipu e Yacyreta, pois os excedentes da energia não utilizada pelo Paraguai são adquiridos pelo Brasil e pela Argentina.

Conflitos com os nativos

Mas, ao invés de integração entre nativos e imigrantes (paraguaios e brasiguaios), o que vem ocorrendo são conflitos que se aproximam da xenofobia (aversão a estrangeiros).

Os paraguaios acusam os brasileiros de ocuparem suas terras, afirmando que elas foram ilegalmente adquiridas, em prejuízo do povo nativo. Invasões lideradas por Movimentos de Sem-Terra têm ocorrido, expulsando pequenos produtores brasiguaios de suas lavouras e impedindo que eles vendam ou plantem nas terras que habitam e cuidam há pelo menos vinte anos.

Parte dos brasileiros não consegue comprovar na Justiça que são donos das terras, pois muitos fizeram acordos, quando chegaram à região, com colonos paraguaios, sem registro de títulos. Há cerca de 20 anos, o governo paraguaio demarcou e distribuiu, em alguns departamentos (estados), a título de reforma agrária 10 hectares de terra para camponeses nativos, que, por não terem intimidade com a lavoura, acabaram vendendo a gleba para brasileiros, muitas vezes em acordos verbais.

Há também os brasiguaios que possuem não só as escrituras das terras que ocupam há décadas, como também os recibos de pagamentos efetivados ao Banco Nacional de Fomento (BNF) em favor do Instituto de Bem-Estar Rural (IBR).

Dica 3 – Está pronto para gabaritar no próximo Enem? Confira um resumo do nosso país através desta primeira aula sobre Geografia Política – https://blogdoenem.com.br/geografia-politica-enem/

Mas o atual presidente do INDERT – Instituto Nacional de Desenvolvimento Rural e da Terra, órgão substituto do IBR, alega que o antigo IBR emitiu escrituras falsas para os agricultores e estes enfrentam uma batalha judicial, de grande influência política, que pode terminar na perda das terras que utilizam há mais de 20 anos.

As terras em disputa estão cobertas por plantações diversas, como soja, amendoim, mandioca e algodão. Também existem alguns silos e outras benfeitorias.

Uruguai

figura_32.jpg

Localiza-se na parte centro-sul da América do Sul e limita-se ao norte com o Brasil, a leste com o oceano Atlântico, ao sul com o Rio da Prata e a oeste com a Argentina.

Capital: Montevidéu
Língua oficial: Espanhol
Área Total: 176.220 km²
População (2000): 3.360.105 hab.
Independência (do Brasil ): 27 de agosto de 1828
Moeda: Peso uruguaio
A República se divide em 19 departamentos: Artigas; Canelones; Cerro Largo; Colonia del Sacramento; Durazno; Flores; Florida; Lavalleja; Maldonado; Montevidéu; Paysandú; Río Negro; Rivera; Rocha; Salto; San José; Soriano; Tacuarembó; Treinta y Tres.

Argentina

figura_33.jpg

Limita-se ao norte com a Bolívia e o Paraguai, a leste com o Brasil, Uruguai e o oceano Atlântico, ao sul com o estreito de Drake e ao sul e a oeste com o Chile.

Capital: Buenos Aires
Língua oficial: Espanhol
Área total: 2.766.890 km²
População (2002): 37.812.817 hab.
Independência (da Espanha): 9 de julho de 1816
Moeda: Peso Argentino
Possui 23 províncias e um Distrito Federal: Capital Federal (Cidade Autônoma de Buenos Aires);

A economia da Argentina é a 28a maior do mundo, se considerarmos seu PIB nominal, estimado em US$370 bilhões (dados de 2010). Já seu Poder de Compra, calculado em 2010 em US$642 bilhões, é o 22o maior do mundo, e, efetivamente, a 3a mais desenvolvida da América Latina, superada somente pelas economias do Brasil e do México. A Argentina é membro do Mercado Comum do Sul (Mercosul), da Organização Mundial do Comércio (OMC) e da União de Nações Sul-Americanas (UNASUL).

A economia argentina baseia-se, principalmente, na produção agrícola e na pecuária, que, juntas, respodem por 60% de seu PIB. O país, exatamente por isso, é uma das principais nações produtoras de carne, cereais e azeite do mundo. Apesar dos retrocessos da década de 1980, a exportação de gado desempenha importante papel no comércio internacional. Também produz e exporta grande quantidade de lã.

O parque industrial concentra-se na capital Buenos Aires, sua maior e mais desenvolvida cidade. O setor mais importante é o de processamento e embalagem de produtos alimentícios, seguido pelo setor têxtil e pela indústria automobilística. Nos últimos anos, o desenvolvimento do Mercosul fez com que o Brasil se tornasse o principal parceiro do comércio exterior argentino, comprando quase um terço das exportações. Como unidade monetária, no início da década de 1970, estabeleceu-se como a moeda do país o “Peso Lei”. Em 1985, porém, criou-se o “austral” e, no início de 1992, implantou-se o novo peso argentino, em circulação até hoje, apesar de corroído pela inflação que se abasteve sobre o país nos últimos anos.

População abaixo da linha de pobreza: 30% (2010).
Dívida Pública: 50,3% do PIB (2010 – estimativa).
Taxa de Inflação: 22% (2010 – estimativa).
Principais produtos agropecuários produzidos: sementes de girassol, soja, limão, uva, milho, tabaco, trigo, amendoim, chá.
Principais produtos industrializados produzidos: automóveis, bens de consumo, alimentos processados, metalurgia, química, têxtil.
Principais produtos exportados: soja, derivados de soja, petróleo, gás, automóveis, trigo e milho.
Principais produtos importados: máquina, veículos, produtos químicos, plásticos, derivados de petróleo.
Principais parceiros econômicos (exportação): Brasil, China, Chile e Estados Unidos.
Principais parceiros econômicos (importação): Brasil, Estados Unidos, China e Alemanha.
Exportações (2010 – estimativa): US$ 68 bilhões.
Importações (2010- estimativa): US$ 52,6 bilhões.

Vídeo-aula gratuita. Confira:

Saiba mais sobre A Organização Política e Econômica da América do Sul, América Central e América do Norte nesta aula-resumo da professora Edjane Gonçalves, do Curso e Colégio Real. Você só precisa de 5 minutos. Depois da aula faça os exercícios.

Desafios para você responder e compartilhar as soluções

Questão 01

Este país já teve um território bem maior que o atual. Nos séculos XIX e XX perdeu o Atacama; na Guerra do Pacífico perdeu importante região que repercute até hoje no seu comércio. No início do século XX, perdeu o Acre para o Brasil e na década de 30, parte do território do Chaco.

O país referido no texto que, ao longo de sua história, perdeu território para os seus vizinhos é

a) a Bolívia, país andino com parte do território na Amazônia.

b) a Colômbia, país andino com parcela do território na Amazônia.

c) o Peru, país andino com parcela do território na Amazônia.

d) o Paraguai, país platino entre Brasil e Argentina.

e) o Uruguai, país platino e “tampão” entre o Brasil e Argentina.

Questão 02

Em relação aos Países Andinos, assinale a única alternativa incorreta.

a) A exploração de recursos minerais constitui a principal atividade econômica dos Países Andinos.

b) A Venezuela é um dos grandes produtores e exportadores mundiais de petróleo.

c) Dentre produtos agrícola de exportação, destacam-se: o café, o cacau, a banana, e o algodão.

d) A falta de saída para o mar é um dos grandes problemas do Peru.

e) A presença dos Andes provoca a existência de paisagens diferentes das que encontramos em outras regiões do Mundo Tropical.

Questão 03

Observe a área pontilhada no mapa e aponte a alternativa que melhor caracteriza a região:

figura_34.jpg

a) Nessa área, encontram-se os Países Platinos: Argentina, Paraguai e Uruguai.

b) Essa área é denominada Região Andina.

c) O sul dessa área é conhecido como região da Patagônia, onde os solos são férteis e a agricultura é bastante mecanizada.

d) O norte dessa área é conhecido como a Região dos Pampas, que se caracteriza pelos climas secos e frios.

e) Nessa área, há grande concentração populacional.

Questão 04

Tratando-se da América Latina, a geografia brasileira tem se correlacionado, nos últimos anos, muito de perto com um dos países vizinhos, através dos seguintes fatos:

I. Assentamento de brasileiros em seu território.

II. Tratado de Itaipu.

III. Fluxo migratório de pequenos comerciantes.

Esses fatos dizem respeito às relações do Brasil com o(a):

a) Argentina;

b) Equador;

c) Uruguai;

d) Paraguai;

e) Chile.

Questão 05

Esta questão está relacionada aos versos apresentados a seguir.

… Quando chegam de Nova York

as vanguardas imperiais,

engenheiros, calculistas,

agrimensores, peritos,

e medem terra conquistada,

estanho, petróleo, bananas,

nitrato, cobre, manganês,

açúcar, ferro, borracha, terra,

adianta-se um anão obscuro,

com um sorriso amarelo,

e aconselha com suavidade

aos invasores recentes:

 

Não é preciso pagar tanto

a estes nativos, seria

um crime, meus senhores, elevar

estes salários. Nem convém.

Estes pobres diabos, estes mestiços,

iriam só embriagar-se

com tanto dinheiro. Pelo amor de Deus!

São uns primitivos, quase umas feras, conheço esta cambada.

Não paguem tanto dinheiro.”

 

Pablo Neruda, IN “Canto Geral”

Os versos escritos, na década de 40, pelo poeta chileno demonstram

a) o elevado grau de exploração a que foram submetidos os recursos naturais e a mão de obra latino-americanos.

b) a forte associação entre os grupos nacionais e internacionais na pesquisa e exploração dos recursos naturais dos países latino-americanos.

c) uma situação particular da América Latina que não pode ser transposta para outras áreas do mundo.

 

Você consegue resolver estes exercícios? Então resolva e coloque um comentário no post, logo abaixo, explicando o seu raciocínio e apontando a alternativa correta para cada questão. Quem compartilha a resolução de um exercício ganha em dobro: ensina e aprende ao mesmo tempo. Ensinar é uma das melhores formas de aprender!