Lamarck: evolução das espécies e leis do uso e desuso

Lamarck foi responsável pelas primeiras teorias sobre evolução dos seres vivos, antes de Charles Darwin. Ele criou a Lei do Uso e Desuso. Saiba mais na aula.

Primeiramente, vamos entender como surgiram as teorias sobre a origem da vida. Depois, partiremos para um entendimento da teoria de Lamarck, além de estudar a lei do uso e desuso. Vamos lá?

A origem da vida antes de Lamarck e Darwin

Até meados do século XVIII, a ideia predominante em relação aos seres vivos é que cada espécie havia surgido na Terra independentemente. Ou seja, sem parentesco entre si e que suas características permaneciam inalteradas ao longo do tempo. 

Até o surgimento de Jean-Baptiste Lamarck, o pensamento e as teorias sobre a origem da vida na Terra estavam profundamente influenciados pelas teorias religiosas.

Acreditava-se que o nosso Planeta era muito jovem, com aproximadamente 6 mil anos, inviabilizando as lentas mudanças necessárias para o surgimento de novas espécies.

Dessa maneira, os adeptos dessas ideias, os fixistas ou criacionistas, não aceitavam a possibilidade de evolução. Somente no início do século XIX, a ideia de que os seres vivos poderiam sofrer modificações ao longo do tempo começou a ser aceita por alguns cientistas. 

As teorias foram aceitas para explicar a diversidade de espécies e a presença de fósseis.

Mas, tudo mudou muito rapidamente. A vida na Europa passava por mudanças muito rápidas com a Revolução Industrial, o domínio do homem sobre a energia e com a criação de máquinas até então impensáveis.

Um espírito de buscar novas descobertas era o espírito da ciência. Surgiram dois cientistas geniais num espaço de apenas 70 anos de diferença: em 1744, Lamarck e Darwin, em 1809. 

Quem foi Lamarck (1744-1829)

Ele foi um cientista, na época chamado de naturalista. Era francês e elaborou uma das mais famosas teorias sobre as mudanças ocorridas nas espécies ao longo do tempo.

Lamarck foi pioneiro em sistematizar um conhecimento até então difuso sobre quais seriam as leis ou fundamentos para a evolução das espécies.

Em 1808 ele publicou Philosophie Zoologique, considerando que os usos ou desusos definiam o que seria transmitido por hereditariedade aos descendentes de um indivíduo ou espécie.

Apesar de hoje reconhecidamente errônea, sua teoria original abriu caminho na época para os estudos no campo da evolução. Charles Darwin nasceu um ano após o livro de referência de Lamarck.

Biologia - Lamarck
ilustração de um retrato de Lamarck

Somente em 1859 é que Darwin publicou A Origem das Espécies, criando um novo marco na compreensão da Evolução dos seres vivos na terra.

A teoria de Lamarck

Em primeiro lugar, Lamarck acreditava que as espécies evoluíam em escala crescente. Ou seja, do mais simples para o mais complexo.

Adepto da ideia da geração espontânea, Lamarck acreditava que os seres muito simples (como bactérias), surgidos a partir da matéria inorgânica, evoluiriam até se transformarem em seres mais complexos.

Para fundamentar sua teoria, Lamarck baseou-se em duas leis:

  1. a lei do uso e desuso; e,
  2. a lei da herança dos caracteres adquiridos.

A Lei do uso e desuso

O próprio nome dessa lei já explica seu conceito básico – quanto mais um órgão é usado, mais ele irá se desenvolver. Portanto, quanto menos for usado, menos se desenvolverá, atrofiando-se e tendendo a desaparecer.

Em parte, podemos dizer que esta lei é verdadeira. Por exemplo: algumas pessoas quando expostas ao Sol, produzem mais melanina visando proteger a pele.

Até aí beleza, estamos usando mais, produzimos mais. Por outro lado, essa ideia torna-se errada quando lembramos que essa produção de melanina e o “aumento” de outras características possuem limites – estabelecidos pelo genótipo.

Isso quer dizer que, se você é branco, por mais que se exponha ao Sol, seu corpo jamais produzirá melanina suficiente a ponto de ser chamado de negro.

Lei da herança dos caracteres adquiridos

Lamarck afirmava que um caractere adquirido ao longo da vida de um ser vivo (resultante do uso ou desuso) seria transmitido para a geração seguinte.

Assim, de acordo com o Lamarckismo, as serpentes não teriam patas, pois ao se adaptarem ao modo de vida rastejante, suas patas teriam perdido o uso.

Dessa forma, as patas teriam se atrofiado e desaparecido. Em outras palavras, seus descendentes teriam herdado patas cada vez mais atrofiadas que em algum momento desapareceram.

Lamarck considerava que mudanças nas características do ambiente geravam necessidade de mudanças nos seres vivos que os adaptassem às novas condições ambientais.

Logo, as mudanças que ocorrem nos seres vivos, de acordo com Lamarck, seriam dirigidas pelas necessidades impostas pelo ambiente.

Então, como você pode notar, Lamarck não estava de todo “enganado”. Apesar de não ser mais aceita, sua teoria indicou caminhos interessantes aos futuros evolucionistas. Isso é: a evolução e não o fixismo, a influência do ambiente sobre os seres vivos e as relações de “parentesco” e descendência entre as espécies de seres vivos.

A influência de Lamarck e sua teoria

Lamarck influenciou muitos cientistas, inclusive Charles Darwin (1809 – 1882), que formulou a teoria da “Seleção Natural”, até hoje celebrada entre os cientistas.

Posteriormente, em 1861, o próprio Darwin escreveu sobre o pioneirismo de Lamarck. Suas palavras lhe direcionavam um grande elogio e reconhecimento pela ousadia ao libertar a ciência do pensamento religioso da época. Disse Darwin sobre Lamarck:

Esse tão justamente celebrado naturalista foi o primeiro a prestar o eminente serviço de chamar atenção sobre a possibilidade de todas as mudanças do mundo orgânico, e mesmo do inorgânico, serem resultado de leis naturais, e não de interferências milagrosas”.

Veja agora videoaula sobre Lamarckismo e Darwnismo

Teste seus conhecimentos com os exercícios sobre Lamarck

1) (Cefet-CE)

Na tentativa de propor um mecanismo para mudanças evolucionárias, um cientista sugeriu que as aves aquáticas prolongavam seus dedos quando nadavam, esticando a pele entre os mesmos.

A condição da pele esticada poderia ser herdada por suas proles que, por sua vez, também poderiam esticar suas peles e passar essa condição aos seus descendentes, até que pássaros com pés palmados surgiriam após um determinado número de gerações. O cientista em questão é:

a) George-Louis Leclerc de Buffon.
b) Jean Baptiste de Lamarck.
c) Charles Darwin.
d) Alfred Russel Wallace.
e) Louis Pasteur.

Resposta: A

2) (UFMS-MS)

De acordo com a teoria evolucionista de Lamarck, conhecida pelo nome de lei do uso e do desuso, as girafas primitivas tinham pescoço curto. Assim, ao se esforçarem esticando-o, este sofria um pequeno alongamento a cada geração e o somatório desses alongamentos redundou no pescoço longo das girafas atuais.

A teoria de Lamarck baseava-se sobretudo em dois pontos fundamentais, que são:

a) os indivíduos de uma mesma espécie não são todos exatamente iguais entre si.
b) os sobreviventes de cada espécie são sempre os mais capazes, havendo então uma seleção natural dos mais aptos.
c) os indivíduos desenvolvem uma luta pela vida, pois, enquanto as populações crescem em progressão geométrica, os recursos para a subsistência crescem em progressão aritmética.
d) nos indivíduos de uma espécie aparecem variações de forma brusca e em consequência de alterações do material genético, transmitidos dos pais para os filhos, através dos gametas.
e) as espécies evoluem como consequência de alterações estruturais ocorridas em seus órgãos, devido ao uso excessivo ou ao desuso.
f) as alterações estruturais dos órgãos, adquiridas pelas espécies durante sua vida e por influência ambiental, são transmitidas hereditariamente e assim se perpetuam ao longo das gerações.

Resposta: E e F.