Os Filósofos da Natureza – Revisão de Filosofia Enem

Aprenda sobre a origem da filosofia e entenda como pensavam os primeiros filósofos: eles procuravam explicações para os fenômenos naturais que observavam e, por isso, eram chamados de Filósofos da Natureza!

A filosofia em si nasceu dos questionamentos de alguns pensadores sobre as explicações míticas até então apresentadas para explicar a natureza. Por isso, os primeiros filósofos são chamados Filósofos da Natureza.

Ainda nos primórdios da Grécia Antiga um grupo de pensadores passou a estruturar o pensamento acerca do que era observado e mesmo do que se imaginava como seria o átomo, pois não existiam instrumentos de investigação simples como lunetas ou microscópios, que viriam a ser descobertos mais de mil anos depois.  Eles formaram o grupo dos filósofos da natureza. Os questionamentos destes filósofos da natureza foram influenciados pelas grandes e importantes transformações que a Grécia do século VI a.C. estava sofrendo em sua vida político-econômica e cultural.

A filosofia em si nasceu dos questionamentos de alguns pensadores sobre as explicações míticas até então apresentadas para explicar a natureza.

Contexto histórico dos filósofos da natureza

  1. Para entender essa virada no modo de pensar (do mitológico para o racional) é importante compreender o contexto histórico. Estes são alguns fatores que contribuíram para tal transformação no modo de pensar:
  2. As invasões Dóricas no século VI a.C., que favoreceram a instalação de muitos aqueus em ilhas e em costas da Ásia Menor; como os jônicos que fundaram cidades como Mileto e Éfeso, expandindo assim seus territórios para além das águas (expansão marítima).
  3. As condições geográficas, levaram-nos a desenvolverem atividades econômicas voltadas para a navegação, comércio e artesanato.
  4. A invenção da moeda, necessária para as atividades econômicas que estavam se desenvolvendo.
  5. Com o crescente comércio entre os povos, favorecidos pelas fronteiras que se estendiam, a crença nos deuses e seus poderes também começaram a sofrer influências. Assim no século VII a.C nasce a FILOSOFIA!

O principal objetivo desses primeiros filósofos era encontrar o elemento, a substância básica, aquela que fosse responsável por tudo que existe, em grego a arché. Esses filósofos ficaram conhecidos por filósofos da natureza, justamente por a terem como seu objeto de estudo.

Estes filósofos foram divididos em escolas, devido à localização em que se encontravam. Depois, foram novamente classificados, principalmente pelo modo como conduziam suas observações e pelos resultados que encontraram.

6
filósofos pré socráticos

Escola de Mileto

A Escola de Mileto, como podemos observar no mapa conceitual acima, é composta por três filósofos: Tales, Anaximandro e Anaxímenes ambos de Mileto.

É em Mileto, hoje Turquia, que as explicações mitológicas começaram a ser substituídas, principalmente quanto à sua origem. A principal característica dessa escola é a preocupação com a physis, palavra grega para “natureza”

  • Tales de Mileto (623 -546 a.C.)

Você sabe da importância da água em nossas vidas, não é? E que senão cuidarmos adequadamente dela poderemos ficar sem? Pois então, Tales de Mileto, interessou-se muito pela água e sua presença em nossas vidas, observando atentamente suas fases e sua presença em tudo que existe e precisa existir. Chegando então à conclusão de que “tudo é água”!

Dica 1: Para saber mais sobre a composição da água e sua importância para os seres vivos, clique neste post da professora Juliana Evelyn dos Santos: https://blogdoenem.com.br/agua-revisao-biologia-enem/
  • Anaximandro (610-547 a.C)

Para Anaximandro, discípulo de Tales, o princípio originário não poderia ser definido, não tinha forma e exatidão, mas apesar disso tudo, concordava com seu mestre sobre tal substância geradora, o que o levou a afirmar que “apeíron, que pode ser traduzida por infinito, tinha essa responsabilidade.

  • Anaxímenes (588-524 a.C.)

Para Anaxímenes, o universo e tudo que nele existe  teria se originado a partir do processo de rarefação e condensação do ar, o sopro necessário. Tudo é ar!

Escola de Éfeso

Heráclito de Éfeso – o Obscuro (435-475 a.C)

Heráclito, ao contrário dos filósofos de Mileto, não é conhecido por postular que o mundo é originário de uma única substância, mas, por afirmar que o mundo, a vida e tudo que existe nele não é estático, ou seja, está em constante transformação. “Tudo flui”! Os contrários, os opostos são necessários para entendermos a vida e seus sentidos.

“Não podemos entrar duas vezes no mesmo rio, porque tanto o rio quanto nós já não somos mais os mesmos.”

Escola Pitagórica

  • Pitágoras de Samos-(580-500 a.C)

Sua teoria foi desenvolvida ao perceber que o som produzido quando uma corda era esticada variava segundo uma proporção exata. Partindo daí a ideia de que assim como há uma relação intima entre a música e a matemática, tudo no universo também deveria seguir a mesma lógica. Acreditava que em cada número, de 1 a 9 se realiza a expressão da vida humana. Por isso sua afirmação é ”tudo são números”

Saiba mais sobre Pitágoras e sua aplicação para os números em: https://blogdoenem.com.br/seno-cosseno-tangente-enem-vestibular/

Escola Eleata

Os eleatas, ao contrário dos jônios, refletiram sobre como essas substâncias básicas (apeíron, ar e água) se transformavam em outras distintas. O maior representante dessa escola foi Parmênides de Eléia (510-470 a.C.)

 “O que é, é- e não pode deixar de ser”

Parmênides

 A essência, a identidade de algo não se altera, mesmo que sua aparência se altere. Os sentidos, segundo Parmênides, nos impossibilitam de conhecer a verdade sobre o que nos é apresentado. Formulou também os princípios lógicos da identidade e da não-contradição.

Escola Pluralista

  • Empédocles de Agrigento (490-430 a.C)

Afirmava que tudo que existe é resultado da mistura dos quatro elementos básicos: fogo, ar, água e terra. Destacou-se também na política por defender a democracia.

  • Demócrito de Abdera (460-370 a.C) 

Eis que surge o átomo!

“Tudo no mundo começou com um sim. Uma molécula disse sim a outra molécula e nasceu a vida…”

Clarice Lispector

Demócrito afirmava, junto com Leucipo, que tudo que existe de matéria é formado por átomos (grego a=não, tomo=divisão, aquilo que não pode ser dividido). Os famosos átomos, das aulas de química, foram descobertos por esses dois filósofos ao observarem a divisão da matéria. Demócrito acreditava que os átomo eram parecidos com “bolinhas” microscópicas maciças e essa ideia seguiu quase inalterada por 2 mil anos.

10
Fonte: www1.educacao.pe.gov.br
Dica 2: Saiba mais sobre a história do átomo neste post da professora Munique Dias: https://blogdoenem.com.br/modelos-atomicos-particulas-quimica-enem/

Importante: Os problemas filosóficos que vivenciamos hoje muito se diferenciam daqueles vividos pelos primeiros seres humanos. Isso, contudo, não quer dizer que nossos problemas são mais importantes, mas sim que os problemas filosóficos dependem sobretudo do período em que são formulados.

Por exemplo: antigamente os seres humanos não tinham um método para averiguar respostas para perguntas como “como água cai do céu?”, “o que é um relâmpago e um trovão no meio de uma tempestade?”, “como as plantas saem da terra?”, etc.

E, como podemos perceber, eles queriam explicações mais plausíveis, mais racionais para suas perguntas, não bastando mais as explicações mitológicas.

Você sabia que na Antiguidade o território grego se estendia até a Itália e a Turquia? Confira no mapa abaixo:

11
Fonte: javiercomellas.wordpress.com
Dica 3: Para saber mais sobre o que é filosofia, dê uma espiada neste super post: https://blogdoenem.com.br/filosofia-enem-o-que-e-filosofia/

Revise o aprendizados deste post com a aula em vídeo do Curso Enem Gratuito:

 Agora, responda ao questionário abaixo e teste seus conhecimentos sobre os Filósofos da Natureza:

1. (ENEM – 2012)

TEXTO I

Anaxímenes de Mileto disse que o ar é o elemento originário de tudo o que existe, existiu e existirá, e que outras coisas provêm de sua descendência. Quando o ar se dilata, transforma-se em fogo, ao passo que os ventos são ar condensado. As nuvens formam-se a partir do ar por feltragem e, ainda mais condensadas, transformam-se em água. A água, quando mais condensada, transforma-se em terra, e quando condensada ao máximo possível, transforma- se em pedras.

BURNET, J. A aurora da filosofia grega. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2006 (adaptado).

 

TEXTO II

Basílio Magno, filósofo medieval, escreveu: “Deus, como criador de todas as coisas, está no princípio do mundo e dos tempos. Quão parcas de conteúdo se nos apresentam, em face desta concepção, as especulações contraditórias dos filósofos, para os quais o mundo se origina, ou de algum dos quatro elementos, como ensinam os Jônios, ou dos átomos, como julga Demócrito. Na verdade, dão a impressão de quererem ancorar o mundo numa teia de aranha.”

GILSON, E.; BOEHNER, P. História da Filosofia Cristã. São Paulo: Vozes, 1991 (adaptado).

Filósofos dos diversos tempos históricos desenvolveram teses para explicar a origem do universo, a partir de uma explicação racional. As teses de Anaxímenes, filósofo grego antigo, e de Basílio, filósofo medieval, têm em comum na sua fundamentação teorias que

A) eram baseadas nas ciências da natureza.

B) refutavam as teorias de filósofos da religião.

C) tinham origem nos mitos das civilizações antigas.

D) postulavam um princípio originário para o mundo.

E) defendiam que Deus é o princípio de todas as coisas.

 

2. (UEM-2008)

Os filósofos pré-socráticos tentaram explicar a diversidade e a transitoriedade das coisas do universo, reduzindo tudo a um ou mais princípios elementares, os quais seriam a verdadeira natureza ou ser de todas as coisas. Assinale o que for correto.

01) Tales de Mileto, o primeiro filósofo segundo Aristóteles, teria afirmado “tudo é água”, indicando, assim, um princípio material elementar, fundamento de toda a realidade.

02) Heráclito de Éfeso interessou-se pelo dinamismo do universo. Afirmou que nada permanece o mesmo, tudo muda; que a mudança é a passagem de um contrário ao outro e que a luta e a harmonia dos contrários são o que gera e mantém todas as coisas.

04) Parmênides de Eléia afirmou que o ser não muda. Deduziu a imobilidade e a unidade do ser do princípio de que “o ser é” e “o não-ser não é”, elaborando uma primeira formulação dos princípios lógicos da identidade e da não-contradição.

08) As teorias dos filósofos pré-socráticos foram pouco significativas para o desenvolvimento da filosofia e da ciência, uma vez que os pré-socráticos sofreram influência do pensamento mítico, e de suas obras apenas restaram fragmentos e comentários de autores posteriores.

16) Para Demócrito de Abdera, todo o cosmo se constitui de átomos, isto é, partículas indivisíveis e invisíveis que, movendo-se e agregando-se no vácuo, formam todas as coisas; geração e corrupção consistiriam, respectivamente, na agregação e na desagregação dos átomos.

Filósofos da Natureza – Simulado

.

 

Os textos e exemplos acima foram preparados pela professora Paula Pille para o  Blog do Enem. Paula é formada em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Dá aulas de Filosofia em escolas da Grande Florianópolis desde 2004. Facebook: https://www.facebook.com/paula.pille