Conjugação verbal, classificação dos verbos e modos verbais

Conjugação verbal é a disposição de todas as formas que ele pode assumir ao ser flexionado de acordo com diferentes modos, tempos, pessoas, números e vozes. Confira!

O que é conjugação verbal

Conjugação verbal é a disposição de todas as formas que ele pode assumir ao ser flexionado de acordo com diferentes modos, tempos, pessoas, números e vozes. Para que você entenda melhor, observe a conjugação do verbo ir em três diferentes tempos do modo indicativo:

Presente

Pretérito imperfeito

Pretérito perfeito

eu        vou

tu         vais

ele       vai

nós      vamos      

vós      ides

eles      vão

eu        ia

tu         ias

ele       ia

nós      íamos              

vós      íeis

eles      iam

eu        fui

tu         foste

ele       foi

nós      fomos        

vós      fostes

eles      foram

Verbos regulares, irregulares, defectivos e abundantes

Para cada conjugação, existe um modelo que indica as formas que as flexões verbais devem assumir na conjugação. Portanto, esse modelo é chamado paradigma. De acordo com a relação que os verbos estabelecem com os paradigmas, eles podem ser classificados em:

  • Regulares: obedecem precisamente ao paradigma da respectiva conjugação. Por exemplo: falar, venderpartir.
  • Irregulares: não seguem o paradigma da respectiva conjugação, podendo ter irregularidades no radical ou nas desinências. Por exemplo: ir e ser são verbos irregulares.
  • Defectivos: não são conjugados em determinadas pessoas, tempos ou modos. Abolir e reaver, por exemplo, são verbos defectivos.
  • Abundantes: apresentam mais de uma forma para determinada flexão. Por exemplo: ganhar e imprimir são verbos abundantes.

Primeira, segunda e terceira conjugação verbal

Se você não lembra quais são as conjugações verbais, pode ficar tranquilo, pois é só uma maneira de organizar os verbos. O que determina a classificação dos verbos é a forma como eles terminam, se é em –ar, –er, –ir ou –or.

Dessa forma, verbos terminados em –ar, como cantar, pertencem à primeira conjugação. Já os verbos terminados em –er, como correr, pertencem à segunda conjugação. Por fim, os verbos terminados em –ir, como sorrir, pertencem à terceira conjugação. O verbo pôr e seus derivados pertencem à segunda conjugação, no entanto, perderam a vogal temática e.

Em seguida, veja na tabela a conjugação dos três exemplos no presente do indicativo:

Tabela de conjugação verbal

Verbos terminados em –ear  e  –iar, como pentear,  frear, copiar, premiar  têm características distintas, embora pertençam à primeira conjugação.

Então, observe que na conjugação do verbo pentear, pente é o radical, e ar é a terminação. Mesmo que ele pertença à primeira conjugação, esse verbo possui uma irregularidade por causa da presença do i no radical nas formas rizotônicas (em que há tonicidade no radical).

Enquanto você observa a conjugação do verbo pentear (verbo irregular), compare com o verbo cantar (regular) do exemplo anterior.

  • Eu penteio
  • Tu penteias
  • Ele penteia
  • Nós penteamos
  • Vós penteais
  • Eles penteiam

Verbos Regulares

Verbos terminados em –iar são regulares, ou seja, não sofrem alteração nem no radical nem nas terminações em todo o paradigma da conjugação. Mas há uma exceção: o grupo do MARIO:

  • M ediar
  • A nsiar
  • R emediar
  • I  ncendiar
  • O diar

Esses cinco verbos – na verdade são quatro, pois remediar é derivado de mediar – são irregulares. Eles seguem o paradigma dos verbos terminados em –ear. Em seguida, veja como a conjugação é semelhante à dos verbos terminados em –ear:

  • Eu  medeio            anseio
  • Tu  medeias          anseias
  • Ele   medeia          anseia
  • Nós  mediamos    ansiamos
  • Vós  mediais         ansiais
  • Eles  medeiam     anseiam

Então, você vai dizer “Tipo assim, eu tenho que pensar no MARIO quando estiver escrevendo minha redação?” É, é isso mesmo!

Agora, assista à videoaula do prof. Noslen para fixar o conteúdo!

Modos verbais

Existem três modos verbais na língua portuguesa: o indicativo, o subjuntivo e o imperativo. Além disso, cada um deles possui diferentes tempos verbais que exigem diferentes flexões em suas conjugações. Em seguida, veja um pouco mais sobre eles.

Modo Indicativo

Primeiramente, o modo indicativo é usado para se referir a ações no plano real, ou seja, ações que aconteceram no passado, estão acontecendo no presente ou acontecerão no futuro. Por exemplo:

  • Sempre chove nesta época do ano
  • Choveu muito no último verão.
  • De acordo com a previsão do tempo, choverá amanhã.

Os tempos verbais do modo indicativo são os seguintes: pretérito mais-que-perfeito, pretérito perfeito, pretérito imperfeito, futuro do presente e futuro do pretérito.

Veja esta aula da prof. Jéssica para aprofundar seus estudos:

Modo Subjuntivo

O modo subjuntivo reúne ações que ainda não aconteceram ou que não se sabe se acontecerão, ou seja, são hipóteses e possibilidades. Por exemplo:

  • Talvez chova esta semana.
  • Se chovesse nos próximos dias, a safra estaria salva.
  • Quando chover, as temperaturas podem cair.

Assim como o modo imperativo, o modo subjuntivo também possui vários tempos verbais. São os seguintes: presente, pretérito imperfeito, pretérito perfeito, pretérito mais-que-perfeito e futuro.

Modo Imperativo

Por último, o modo imperativo tem a função de indicar ordem ou pedido, bem como para pedir súplica ou conselho. Uma particularidade do modo imperativo é que ele possui apenas um tempo: o presente, pois é impossível voltar ao passado para dar uma ordem ou adiantar-se ao futuro para fazer o mesmo. Por exemplo:

  • Não ouse incomodá-lo agora!
  • Faz-me um favor?
  • Não desperdice essa oportunidade.

Por fim, assista à mais esta videoaula e resolva os exercícios!

Exercícios sobre conjugação verbal

1 – (IBMEC SP Insper/2016)    

[O ministro] disse que o governo está preferindo “procurar receitas que advenham de soluções e criação de oportunidade ao invés de aumentar a carga tributária”.

Disponível em: http://epocanegocios.globo.com/Informacao/Visao/noticia/
2015/07/mudanca‐de‐meta‐fiscal‐visa‐diminuir‐incerteza‐da‐economia‐diz‐levy.html
Acesso:30/09/2015

A respeito do verbo “advir”, empregado na fala do ministro, é correto afirmar que:

a) contém um desvio de linguagem de natureza ortográfica.

b) obedece ao padrão formal, pois segue a mesma conjugação de “vir”.

c) apesar de ser comum na linguagem popular, a forma culta é “advejam”.

d) por ser defectivo, não poderia ser conjugado no presente do subjuntivo.

e) por expressar ideia de possibilidade, deveria ser substituído por “adviessem”.

2 – (UniRV GO/2014)    

Analisando a conjugação verbal, V verdadeiro ou F falso para aquelas alternativas que apresentam respectivamente verbos da primeira segunda e terceira conjugação.

a) Amar, descrever, divertir.

b) Trabalhar estudar, conservar.

c) Averiguar, conhecer, desiludir.

d) Partir, obedecer, querer.

3 – (IBMEC SP Insper/2007)     

Verbos defectivos não têm a conjugação completa. Leia atentamente os períodos a seguir e assinale a alternativa em que o verbo, por ser defectivo, não pode ser conjugado na l.ª pessoa do singular do presente do indicativo, nem no presente do subjuntivo.

a) Creio que eu ….. mais que isso. (valer)

b) Como presidente desta organização, eu ….. o 1.° artigo do Regimento. (abolir)

c) Eu sempre coube neste lugar. Por que dizem que eu não ….. agora? (caber)

d) Eu me ….. a todo instante. (contradizer)

e) Hoje mesmo eu ….. minha matrícula nesta escola. (requerer)

GABARITO: 

1) Gab: B

2) Gab: VFVF

3) Gab: B

Prof. wilson - Redação
Este post foi elaborado pelo professor Wilson Rochenbach Nunes para o Blog do Enem. Wilson é formado em Letras pela Unilassale Canoas – RS e Mestre em Linguística Aplicada pela PUCRS. Dá aulas de Português para concursos em cursos da Grande Florianópolis e Grande Porto Alegre desde 2002.