Faltam:
para o ENEM

Civilização Hebraica (Judeus) – História Enem

Neste post vamos revisar a história da civilização Hebraica. Povo de origem semita, também conhecidos como Judeus e muito importantes para a própria civilização ocidental. Vem com a gente gabaritar História no Enem!

História Enem: É hora de revisar as origens, a cultura dos hebreus e sua relação direta com a organização social e política que surge no oriente próximo e que influenciou a formação da cultura judaico-cristã do Ocidente.

Veja os elementos culturais desse povo responsável pela primeira experiência monoteísta duradora em nossa história, e que de certa forma influenciou e ainda influencia a as relações entre povos em todo o planeta.

Antes e mesmo durante o domínio e hegemonia greco-romana durante a idade antiga, diversos outros povos como os mesopotâmios exerceram forte influência por todo o oriente próximo e leste do mediterrâneo. Nesta oportunidade falaremos sobre os egípcios, que se originaram e desenvolveram nesta região, embora não estivessem propriamente no chamado Crescente Fértil, região irrigada pelos rios Tigre e Eufrates.

A Origem dos Hebreus (Judeus):

Os chamados Hebreus ocuparam uma região bastante árida, conhecida como Palestina, situada a sudoeste do atual Líbano. Tal região está subdividida em duas partes com base em sua posição em relação ao principal rio da região, o rio Jordão. Assim sendo, a leste do Jordão estava a Transjordânia e a oeste a Cisjordânia.

Uma diferença em relação ao Egito antigo e a Mesopotâmia era a capacidade hídrica do Jordão, em nada comparada ao Nilo, Tigre e Eufrates, reduzindo de maneira drástica o potencial agrícola da região. Ou seja, o solo palestino era infértil e o clima da região bastante seco.

A principal fonte histórica a respeito do surgimento dos hebreus é a Bíblia, precisamente o antigo testamento, bem como pesquisas arqueológicas na região e o próprio estudo histórico acerca dos povos vizinhos, que foram de extrema importância para esta civilização.

Segundo o livro Gênesis, os hebreus descenderiam de Tare, de origem semita (grupo étnico descendente de Sem, filho de Noé, o construtor da Arca), que abandonou a cidade mesopotâmica de Ur e estabeleceu-se mais ao sul. Os semitas originaram duas importantes civilização que até hoje disputam aquela região. De um lado os Hebreus, também conhecidos como Judeus (falaremos sobre o desenvolvimento da religião ainda neste post) e os árabes.

O próprio velho testamento é bastante rico ao falar sobre judeus e outros povos que migraram e ocuparam aquela região por volta de 1700 – 1500 a.C. Após a morte de Tare, a liderança da tribo hebraica passou a Abraão que teria recebido a ordem divina de ocupar Canaã, a chamada terra prometida, “projeto” consolidado por seu neto Jacó que posteriormente adotou o nome de Israel. Segundo a tradição judaica as 12 tribos que compõe esse povo teriam origem a partir deste patriarca.

1
Fonte: http://pt.slideshare.net/sophiaours/antiguidade-oriental-hebreus

Na imagem a seguir temos um mapa da palestina antiga subdividida com base na área ocupada por cada uma das tribos judaicas, todas elas formadas, segundo a tradição, pelos filhos do Patriarca Israel (Originalmente Jacó, neto de Abraão)

A História deste povo, haja vista a importância dos relatos bíblicos, é permeada de mitos e elementos simbólicos e por isso carentes de provas científicas. Assim sendo, embora seja difícil precisar a veracidade dos fatos, uma forma de fazê-lo é confrontar com elementos históricos dos demais povos da região.

Cativeiro Egípcio e Êxodo:

Segundo os relatos bíblicos parte desse povo invadiu e se estabeleceu no Egito por cerca de quatrocentos anos, estando aliados aos Hicsos, líderes da invasão, os judeus tiveram bastante liberdade e ocuparam importantes cargos dentro do novo governo egípcio.

Entretanto, com a expulsão dos Hicsos e retomada do poder pelos egípcios, os hebreus seriam submetidos a condição de escravos, praticamente. Neste contexto surge a liderança de Moisés, que além de organizar a fuga do Egito e retorno a Palestina também terá grande importância para a consolidação do monoteísmo, quando os judeus passam a adorar um deus único, chamado Jeová (ou Iavé). Foi justamente durante tal fuga, que teria durado por volta de quarenta anos, que supostamente Moisés teria aberto o mar vermelho e recebido de deus os 10 mandamentos.

Os hebreus finalmente retornaram a Palestina sob a liderança de Josué, após a morte de Moisés, conquistando parte da região.

Organização Política:

Patriarcado: Do ponto de vista político os judeus viveram três tipos de organização. Inicialmente o poder era dividido entre os patriarcas, o povo então era dividido em grandes famílias ou clãs, chefiados pelo homem mais velho. Entretanto as rivalidades entre esses chefes acabavam por enfraquecer os judeus que ficavam suscetíveis a invasões de outros povos.

Juizado: Diante da ineficiência do patriarcado, surgiram chefes militares e políticos com poder superior aos patriarcas e capazes de organizar as formas judaicas para expulsar invasores como os Filisteus e Amoritas. Consequência disso foi o desenvolvimento da monarquia quando o juiz Samuel centralizou o poder político. Do ponto de vista religioso o monoteísmo já havia unificado os judeus.

Monarquia: Reis dos Judeus:

  • Saul (1010 a.C. a 1006 a. C.): Considerado o primeiro Rei de Israel.
  • Davi (1006 a.C a 966 a.C.): Período marcado pela expansão militar e prosperidade da civilização judaica. Estabeleceu Jerusalém como capital do reino de Israel.
  • Salomão (966 a.C a 926 a.C): Filho e herdeiro de Davi, ficou conhecido pela sabedoria em suas decisões, pelo grande Templo que mandou construir segundo orientação divinas e pelo desenvolvimento do comércio. Entretanto, a cobrança abusiva de impostos para a manutenção dos luxos da corte terminou por criar um ambiente de grande insatisfação popular.

Cisma Político e Religioso: Após a morte de Salomão os judeus se dividiram em dois reinos.

  • Reino de Israel: Situado ao norte e composto por 10 tribos, em 878 a.C aclamaram Omri como rei. Neste reino, apesar da resistência do culto monoteísta, o culto a outros deuses foi retomado e o movimento profético teve grande influência, sobremaneira entre a população mais pobre. Por volta de 842 a.C. o profeta Elias deu um golpe de estado e com o apoio da população mais oprimida coroou Jahu. Porém, o reino de Israel seria conquistado por Sargão II, rei dos assírios por volta de 722 a.C.
  • Reino de Judá: Composto pelas duas tribos restantes manteve-se fiel ao monoteísmo e conservou Jerusalém como capital. Durante a invasão assíria o Rei Ezequias (725 a.C. a 697 a.C.) aliou-se aos egípcios para conter o avanço dos invasores, mesmo assim uma parte do território de Judá foi fatalmente ocupada. Sob o reinado de Josias (639 a.C. a 609 a.C) toda a região foi alvo de disputa entre Egito e Império Babilônico. Nabucodonosor II, rei da Babilônia invadiu a região e destruiu o grande Templo do rei Salomão. Além disso, o rei e cidadão mais ricos foram levados a Babilônia como reféns e lá permaneceram por 50 anos. Este episódio é retratado na Bíblia como “Cativeiro Babilônico”.

Diáspora Judaica:

Após a conquista dos Persas em relação a Babilônia os hebreus mantidos em cativeiro foram libertados e retornaram para o reino de Judá. Gradativamente as diferenças entre Israel e Judá foram superadas e as 12 tribos judaicas novamente unificaram-se e iniciaram a reconstrução do Templo de Salomão.

Todavia, ao longo dos próximos séculos a região seria sistematicamente ocupada por invasores até a chegada dos romanos na região. Diante das diferenças religiosas entre romanos e hebreus, quando os primeiros passam a interferir nas crenças hebraicas e os últimos negam-se a reconhecer a divinização do Imperador Romano, por ordem do general romano Tito Jerusalém é destruída e o povo hebreu acabou por dispersar-se pelo mundo.

Cultura e Religião:

Conforme dito anteriormente, os hebreus foram responsáveis pela primeira experiência duradora de um culto monoteísta. Além disso, a influência da religião judaica para o surgimento do cristianismo e islamismo é impar. Além disso, toda a história dos judeus pauta-se pela relação intrínseca deste povo em relação a sua religião.

O Antigo Testamento é o livro sagrado dos Judeus, os livros Gênesis, o Êxodo, o Levítico, os Números e o Deuteronômio fazem parte da chamada Torá. O Talmude, por sua vez reúne muitas tradições orais e é dividido em quatro livros: Mishnah, Targumin, Midrashim e Comentários.

Os judeus possuem muitos rituais simbólicos e datas importantes dentro de seu próprio calendário, seus sacerdotes são conhecidos como Rabinos e seus templos denominados Sinagogas.

Entre os rituais, podemos citar a circuncisão dos meninos (aos 8 dias de vida) e o Bar Mitzvah que representa a iniciação na vida adulta para os meninos e a Bat Mitzvah para as meninas (aos 12 anos de idade). As datas das festas religiosas dos judeus são móveis, pois seguem um calendário lunisolar.

As principais são as seguintes: Purim – os judeus comemoram a salvação de um massacre elaborado pelo rei persa Assucro;  Pessach – quando comemora-se a libertação da escravidão do povo judeu no Egito, em 1300 a.C.; Shavuót – celebra a revelação da Torá ao povo de Israel, por volta de 1300 a.C.; Rosh Hashaná – é comemorado o  Ano-Novo judaico; Yom Kipur – considerado o dia do perdão.

Os judeus fazem jejum por 25 horas seguidas para purificar o espírito; Sucót – refere-se a peregrinação de 40 anos pelo deserto, após a libertação do cativeiro do Egito; Chanucá – comemora-se o fim do domínio assírio e a restauração do tempo de Jerusalém; Simchat Torá – celebra a entrega dos Dez Mandamentos a Moisés.

2
Fonte: http://obviousmag.org/archives/2007/06/os_judeus_e_o_h.html

A imagem retrata o Muro das Lamentações Trata-se do único vestígio do antigo Templo de Herodes, erguido por Herodes o Grande no lugar do Templo de Jerusalém inicial. É a parte que restou de um muro de arrimo que servia de sustentação para uma das paredes do edifício principal e que em si mesmo, não integrava o Templo que foi destruído pelo general Tito.

Muitos fieis judeus visitam o Muro das Lamentações para orar e depositar seus desejos por escrito. Antes da sua reabilitação por Israel, após a Guerra dos Seis Dias, em 1967, o local servia de depósito para incineração de lixo.

O Holocausto Judeu na 2ª Guerra

Durante a segunda grande guerra milhões de Judeus foram perseguidos, explorados, expropriados e posteriormente mortos pelo regime nazista alemão no episódio conhecido como HOLOCAUSTO (palavra de origem hebraica que significa sacrifício).

Posts Relacionados ao Holocausto

 1A 2² Guerra Mundial
2 –  A Crise de 29 e o Nazi-Fascismo
3 – Civilização Hebraica
4 – O Holocausto Judeu na 2ª Guerra

Após o conflito, a recém criada Assembléia Geral das Nacões Unidas (ONU) regulou a divisão da palestina e a conseqüente criação do Estado de Israel em novembro de 1947, quando os Judeus puderam finalmente retornar a terra prometida. No entanto, a região é dominada e cercada por diversas nações de origem Árabe, o que resultou em novos conflitos político-religiosos que até hoje resultam em mortes e tentativas de negociar a paz, mas este é um assunto que será discutido em outra oportunidade.

Bruno História
Os textos e exemplos acima foram preparados pelo professor Bruno Anderson para o Blog do Enem. Bruno é historiador formado pela Universidade Federal de Santa Catarina. Dá aulas de história em escolas da Grande Florianópolis desde 2012. Facebook e Twitter.